Página 1 dos resultados de 55 itens digitais encontrados em 0.054 segundos

Regulação emocional em adolescentes (ERICA): estudo da relação com a percepção da aceitação-rejeição materna

Machado, Teresa S.; Reverendo, Isabel M.
Fonte: L. Mata, F. Peixoto, J. Morgado, J.C. Silva, & V. Monteiro Publicador: L. Mata, F. Peixoto, J. Morgado, J.C. Silva, & V. Monteiro
Tipo: conferenceobject
Português
Relevância na Pesquisa
56.62%
A capacidade para regular emoções é fundamental para o desenvolvimento adaptado e tem sido alvo de renovado interesse no estudo ao longo da infância e adolescência, sendo consensual que se desenvolve na confluência da maturidade biológica e relações com os cuidadores. Este estudo apresenta dados preliminares da adaptação e validação do ERICA – Emotion Regulation Index for Children and Adolescents – que avalia a percepção (nas dimensões controlo emocional, auto- consciência emocional e responsividade situacional) da regulação emocional em crianças e adolescentes. A amostra é composta por 268 adolescentes, dos 12 aos 15 anos, do ensino público e particular/cooperativo, da zona centro de Portugal. Seguindo a tese de que a emergência da regulação emocional se dá no contexto relacional, explora-se ainda a relação entre percepção da regulação emocional e percepção da aceitação/rejeição parental – avaliada com CHILD PARQ: Mother (Short-Form). Os dados mostram que valores superiores na regulação emocional se relacionam com menor rejeição materna percepcionada, e que a percepção da a aceitação-rejeição materna é preditora da regulação emocional na adolescência.

Regulação emocional em adolescentes (ERICA): estudo da relação com a percepção da aceitação-rejeição materna

Machado, Teresa S.
Fonte: L. Mata, F. Peixoto, J. Morgado, J.C. Silva, & V. Monteiro Publicador: L. Mata, F. Peixoto, J. Morgado, J.C. Silva, & V. Monteiro
Tipo: conferenceobject
Português
Relevância na Pesquisa
56.62%
A capacidade para regular emoções é fundamental para o desenvolvimento adaptado e tem sido alvo de renovado interesse no estudo ao longo da infância e adolescência, sendo consensual que se desenvolve na confluência da maturidade biológica e relações com os cuidadores. Este estudo apresenta dados preliminares da adaptação e validação do ERICA – Emotion Regulation Index for Children and Adolescents – que avalia a percepção (nas dimensões controlo emocional, auto- consciência emocional e responsividade situacional) da regulação emocional em crianças e adolescentes. A amostra é composta por 268 adolescentes, dos 12 aos 15 anos, do ensino público e particular/cooperativo, da zona centro de Portugal. Seguindo a tese de que a emergência da regulação emocional se dá no contexto relacional, explora-se ainda a relação entre percepção da regulação emocional e percepção da aceitação/rejeição parental – avaliada com CHILD PARQ: Mother (Short-Form). Os dados mostram que valores superiores na regulação emocional se relacionam com menor rejeição materna percepcionada, e que a percepção da a aceitação-rejeição materna é preditora da regulação emocional na adolescência.

O papel da regulação emocional e dos acontecimentos de vida no desenvolvimento da perturbação depressiva Major na adolescência : estudo longitudinal

Miranda, Renata Gabriela Mimoso de
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
66.57%
O objectivo deste estudo longitudinal consistiu na análise dos acontecimentos de vida indutores de stress a que estão sujeitos os adolescentes implicados no estudo, e as estratégias cognitivas de regulação emocional usadas pelos mesmos para lidar com esses acontecimentos, no sentido de perceber o impacto destas variáveis no desenvolvimento da Perturbação Depressiva Major. A amostra recolhida é constituída por 117 adolescentes de ambos os sexos (82 são do sexo feminino e 35 do sexo masculino) e com idades compreendidas entre os 13 e os 15 anos (M=14.13 e DP=.650), recrutados de diversas Escolas de Portugal (frequentando os 8º, 9º e o 10º anos de escolaridade). Para o estudo das variáveis referidas, as medidas utilizadas foram o Child Depression Inventory (CDI; M. Kovacs P. D. D., 1983; versão Portuguesa: Marujo, 1994), o Cognitive Emotion Regulation Questionnaire (Garnefski, Kraaij & Spinhoven, 2001; tradução e adaptação de Cherpe, S., Matos, A. P., & Serra, A. R., 2009) e o Daily Hassles Microsystem Scale (Seidman et al., 1995; tradução e adaptação Cherpe, S., Matos, A. P., Paiva, A. M., 2009), para avaliar a sintomatologia depressiva, as estratégias cognitivas de regulação emocional e os acontecimentos de vida...

Regulação das emoções, padrões adaptativos de aprendizagem & satisfação com a vida: Estudo de Tradução e Validação do Regulation of Emotion Questionnaire 2 para a população portuguesa

Pardal, Ana Cristina Ribeiro
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
46.64%
Esta dissertação teve como principal objetivo traduzir e validar, para adolescentes portugueses, o Regulation of Emotion Questionnaire 2 (Phillips e Power, 2007), um instrumento que avalia a frequência com que os jovens usam estratégias funcionais e disfuncionais de regulação das emoções. O segundo objetivo é analisar a relação entre a perceção da regulação das emoções, a perceção de auto-eficácia académica e de estratégias de auto-justificação do insucesso (avaliadas pela Escala dos Padrões Adaptativos de Aprendizagem (Paixão e Santos, 2007)), e a satisfação com a vida (avaliada pela Escala de Satisfação com a Vida (Simões, 1992)). Para tal, num primeiro momento, efetuou-se um estudo exploratório de adaptação e análise das caraterísticas psicométricas do Regulation of Emotion Questionnaire 2 numa amostra de 241 adolescentes (45.6% rapazes e 53.9% raparigas) com idades entre os 12 e os 15anos. Os resultados obtidos na versão portuguesa que apresentamos evidenciaram propriedades psicométricas satisfatórias, comparáveis com a escala original. A análise fatorial confirmatória replicou a estrutura interna, constituída por quatro fatores relativos à funcionalidade (interna e externa) e disfuncionalidade (interna e externa) de regulação das emoções...

Associação entre a desregulação emocional, a vinculação aos pares e o tempo de institucionalização em adolescentes acolhidos em lares de infância e juventude

Lino, Alexandra Isabel Morgadinho
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
66.4%
Um cuidado seguro e adequado durante os primeiros anos de vida tem sido amplamente relacionado com o desenvolvimento da capacidade de auto regulação emocional (Sroufe, 2005), bem como com o desenvolvimento de relações significativas com os outros, como é o caso dos pares (Wilkinson, 2004). Em adolescentes institucionalizados, cujo desenvolvimento foi marcado por experiências emocionais inseguras, é comum existir uma maior desregulação emocional e uma inabilidade para se relacionar com os outros de forma adequada (Shields, Ryan & Cicchetti, 2001). O presente estudo, realizado com uma amostra de 100 adolescentes de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 12 aos 18 anos de idade, a quem foi aplicada como medida de proteção o acolhimento prolongado em Instituição, teve por objetivo estudar: 1) as relações entre a desregulação emocional, a vinculação aos pares e o tempo de institucionalização, e 2) o efeito mediador do tempo de institucionalização nta relação entre as outras duas variáveis. Para o efeito foram utilizados um breve questionário sociodemográfico concebido especificamente para esta investigação, o Inventário de Desregulação Abreviado (Mezzich, Tarter, Giancola & Kirish, 2001; versão portuguesa Petiz & Rijo...

O estudo da psicopatologia numa perspectiva transdiagnóstica da regulação emocional

Dinis, Alexandra Margarida Borges
Tipo: Tese de Doutorado
Português
Relevância na Pesquisa
66.98%
Nos últimos anos, assiste-se a um interesse crescente pelo estudo da regulação emocional devido à relevância que esta pode assumir na compreensão da natureza e no tratamento da psicopatologia. Neste âmbito, a conceptualização da regulação emocional como um importante factor transdiagnóstico tem vindo a reunir consenso entre teóricos, clínicos e investigadores. De entre os diversos processos de regulação emocional, a ruminação, a aceitação/evitamento experiencial, o mindfulness, a auto-compaixão e os esquemas emocionais, têm vindo a ganhar um lugar de destaque, e são diversos os estudos que procuram compreender melhor a natureza da relação que cada um destes processos estabelece com variadas formas de psicopatologia. É no contexto desta diversidade de constructos/processos de regulação emocional que o presente projecto de investigação foi estruturado. Os dez estudos empíricos que integram a presente dissertação foram delineados com o intuito de contribuírem para uma melhor compreensão dos processos de regulação emocional, nomeadamente, no que concerne ao seu papel enquanto factores protectores ou, pelo contrário, enquanto factores de risco associados ao desenvolvimento e manutenção da psicopatologia. O Estudo I e II tiveram como objectivos adaptar...

Autocompaixão e regulação emocional na adolescência

Gaspar, Inês Francisco
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
56.37%
A autocompaixão é uma estratégia de regulação emocional, que envolve uma atitude compassiva, de calor para com o eu, em momentos de sofrimento, e um desejo de cuidar do bem-estar do próprio (Neff, 2003a, 2003b; Gilbert, 2005). A autocompaixão tem sido maioritariamente estudada em adultos, sendo entendida como um fator de proteção face à psicopatologia (MacBeth, & Gumley, 2012). A recordação de sentimentos de subordinação e ameaça parece dificultar o desenvolvimento da autocompaixão (Gilbert, 2005). As competências de empatia e de inteligência emocional parecem associar-se com a autocompaixão. A presente investigação pretende estudar o papel das memórias emocionais de ameaça e de subordinação na infância, da empatia e da alexitimia no desenvolvimento da autocompaixão, em adolescentes, quando os efeitos da depressão e da ansiedade são controlados. Os resultados demonstraram que as componentes da empatia (desconforto pessoal e tomada de perspetiva), seguidas das componentes da alexitimia (dificuldade em identificar sentimentos e dificuldade em descrever sentimentos) são as que mais contribuem para a variância na autocompaixão, e que as memórias emocionais de subordinação e de ameaça na infância apenas predizem a autocompaixão quando se controla o efeito da ansiedade. A dificuldade em identificar sentimentos e emoções moderou a relação entre as memórias emocionais de ameaça e de subordinação na infância e a autocompaixão. Estes resultados sugerem a importância da empatia...

A influência das preferências por contato social e da auto-regulação dos recursos de aprendizagem do estudante na efetividade dos cursos desenvolvidos na Internet

Testa, Maurício Gregianin
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
46.67%
As organizações têm investido recursos significativos no desenvolvimento de cursos baseados em ambientes virtuais de aprendizagem na Internet. Esta modalidade de educação a distância apresenta vantagens significativas, derivadas principalmente da grande flexibilidade de tempo, local e recursos que a caracteriza. É preciso considerar, entretanto, que a esperança de uma utilização ampla dos cursos na Internet depende de diversos fatores que influenciam a efetividade destes cursos, como o modelo de aprendizagem, a tecnologia, o conteúdo, os professores e o nível de interação. Mas a preocupação desta pesquisa está no comportamento do estudante e no seu impacto. Mais particularmente, ela tem por objetivo identificar a influência das diferenças individuais dos estudantes em relação às preferências por contato social e à auto-regulação dos recursos da aprendizagem na efetividade dos cursos desenvolvidos em ambientes virtuais de aprendizagem na Internet. Para isso, realizou-se um estudo de caso no Curso de Capacitação de Técnicos dos Núcleos de Tecnologia Educacional (NTE) das escolas da Região Sul do Brasil. Foram utilizadas seis fontes de coleta de dados: levantamento estruturado (Pesquisa Survey), observação direta...

Estratégias de aprendizagem e de regulação emocional de estudantes dos cursos de formação de professores; Learning and emotional regulation strategies in training courses students

Denise Bortoletto
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 19/04/2011 Português
Relevância na Pesquisa
76.65%
As estratégias de aprendizagem e as de regulação emocional são importantes para a autorregulação acadêmica, pois proporcionam ao estudante possibilidades de consciência e de controle de seu pensamento, bem como seu estado afetivo. Tendo como referencial teórico a Psicologia Cognitiva baseada na Teoria do Processamento da Informação, o objetivo desta pesquisa foi descrever as estratégias de aprendizagem e de regulação emocional de 298 estudantes, de variadas idades, de ambos os sexos e de diferentes anos do curso de Pedagogia de universidades públicas brasileiras. Buscou-se também identificar possíveis relações entre as variáveis estudadas. Os dados foram coletados por meio de questões abertas e por duas escalas do tipo Likert, uma para avaliar as estratégias de aprendizagem e a outra, para a regulação emocional. Os dados objetivos foram analisados quantitativamente mediante procedimentos de estatística descritiva e inferencial, ao passo que as questões abertas foram estudadas qualitativamente, por meio da análise categorial. Os resultados apontam que os universitários relataram fazer uso de estratégias de aprendizagem e de regulação emocional. Quanto às estratégias de aprendizagem, os estudantes afirmaram utilizar...

Estratégias de aprendizagem no ensino fundamental : relações com regulação emocional, motivação e rendimento escolar; Learning strategies in elementary school : relationships with emotional regulation, motivation and school performance

Maria Gislaine Marques Perassinoto
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 19/08/2010 Português
Relevância na Pesquisa
76.53%
Estudos e pesquisas mostram a importância das estratégias de aprendizagem para o processo de aquisição de conhecimentos e para a melhoria do rendimento escolar. A presente pesquisa investiga as estratégias de aprendizagem relatadas pelos alunos de 2ª, 4ª, 6ª e 8ª séries do Ensino Fundamental, de três escolas públicas do município de Hortolândia, sendo uma municipal (ensino de 1º ano a 4ª série) e duas estaduais (de 5ª a 8ª séries), em relação ao gênero, a idade, a série e ao rendimento escolar. Verifica ainda, se há correlação entre as estratégias de aprendizagem e a regulação emocional e entre as estratégias de aprendizagem e o tipo de motivação para aprender dos alunos. A amostra foi composta de 314 participantes, de ambos os sexos e com diferentes níveis de rendimento escolar, cuja faixa etária variou entre 7 a 17 anos. Para a coleta dos dados utilizou-se a Escala de Estratégias de Aprendizagem do Ensino Fundamental (EAEF), a Escala de Motivação para Aprender de Alunos do Ensino Fundamental (EMA), a Escala de Avaliação da Regulação Emocional para Estudantes do Ensino Fundamental (EREEF) e o Rendimento Escolar dos alunos nas disciplinas de Português e Matemática. As escalas foram aplicadas coletivamente...

Natureza da percepção de ameaça e estratégias de regulação emocional na competição desportiva : estudo exploratório com jovens atletas

Amaral, Manuela; Cruz, José Fernando A.
Fonte: APP - Associação Portuguesa de Psicologia Publicador: APP - Associação Portuguesa de Psicologia
Tipo: info:eu-repo/semantics/conferenceobject
Publicado em /06/2013 Português
Relevância na Pesquisa
66.53%
In A. Pereira, M. Calheiros, P. Vagos et al. (Orgs.) (2013). Actas do VIII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia (pp. 1251-1261). Aveiro: APP - Associação Portuguesa de Psicologia.; O objectivo deste estudo consistiu em explorar as associações entre a percepção de ameaça, regulação emocional e outros construtos psicológicos associados ao desempenho desportivo. Os participantes foram 103 jovens atletas de um clube de futebol profissional. Foi administrado um "Questionário de Avaliação Psicológica" que incluía medidas psicológicas de regulação emocional, auto-controlo, perfeccionismo, percepção de ameaça, objectivos de realização e ansiedade do desempenho. Além da identificação dos principais conteúdos das percepções de ameaça nos jovens atletas, os resultados demonstram que diferentes factores e processos cognitivos e motivacionais estão envolvidos diferencialmente na predição das estratégias de regulação emocional utilizadas pelos atletas. Os resultados são discutidos em termos da investigação e das suas implicações teóricas e práticas para o contexto desportivo.

Natureza da percepção de ameaça e preditores das estratégias de regulação emocional na competição desportiva : um estudo com atletas talentosos de futebol; Nature of threat perception and predictors of emotion regulation strategies in competitive sport: a study of talented soccer players

Amaral, Manuela; Cruz, José Fernando A.
Fonte: Universidade do Porto. Faculdade de Desporto Publicador: Universidade do Porto. Faculdade de Desporto
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /10/2013 Português
Relevância na Pesquisa
66.53%
O objectivo deste estudo consistiu em explorar as associações entre a percepção de ameaça, regulação emocional e outros construtos psicológicos associados ao desempenho e sucesso desportivo. Os participantes foram 103 jovens atletas de um clube de futebol profissional. Foi administrado um "Questionário de Avaliação Psicológica" que incluía medidas psicológicas de regulação emocional, auto-controlo, perfeccionismo, percepção de ameaça, objectivos de realização e ansiedade do rendimento. Além da identificação dos principais conteúdos das percepções de ameaça nos jovens atletas, os resultados evidenciam que vários factores e processos cognitivos e motivacionais estão envolvidos diferencialmente na predição das estratégias de regulação emocional utilizadas pelos atletas durante a competição desportiva. Os resultados são discutidos em termos da investigação e das suas implicações teóricas e práticas para o contexto desportivo.; The purpose of this study was to explore the associations between threat perception, emotional regulation and other psychological constructs linked with sports performance and success. Within a sample of 103 young athletes from a major Portuguese professional soccer club...

Anger, aggression, coping and emotion regulation in sport; Raiva, agressão, coping e regulação emocional no desporto

Sofia, Rui M.
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em 28/04/2014 Português
Relevância na Pesquisa
46.57%
Tese de doutoramento em Psicologia (ramo de conhecimento em Psicologia no Desporto); Emotions have an undeniable influence on athletic experiences and performance, which has led to multiple theories about their differential impact on athletes. However, despite being one of the most experienced emotions during competition, there is still a dearth of studies centred on anger in sports. Furthermore, one of the most important consequences of anger is the aggressive behaviour. Aggression has always been a focus of interest of the literature in sport psychology. However, despite being “viewed” from different “angles”, the complexity associated to these behaviours is yet to be fully uncovered. Throughout 5 Studies, this thesis intends to significantly contribute to empirical and theoretical knowledge about anger and aggression. Study 1 showed positive associations between anger, aggressiveness, antisocial behaviour towards opponents and teammates, provocation and anger rumination and found that anger and aggression seem to be more frequent among male athletes from contact sports. Study 2 demonstrated that self-control, importance reappraisal, challenge appraisals, anger rumination and antisocial behaviour towards opponents were the most important predictors of competitive anger...

Se o coração pensasse pararia? – Desenvolvimento de um instrumento de avaliação da Inteligência Emocional Grupal; If the heart thought, would he stop? Development of a group emotional intelligence scale

Correia, Carmen; Dimas, Isabel; Lourenço, Paulo Renato
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
46.63%
O modelo de Inteligência Emocional Grupal de Druskat e Wolff (2001a; 2001b) apresenta seis dimensões caracterizadoras da Inteligência Emocional, situadas a três níveis de análise, e constituídas por normas que, teoricamente, despertam e regulam as emoções nos grupos/equipas. No presente estudo, foi adaptado para a língua portuguesa o Group Emotional Intelligence Questionnaire (Hamme, 2003), questionário ancorado no modelo referido e que comporta cinco dimensões (Regulação dos Membros sobre o Grupo, Auto-Consciência do Grupo, AutoRegulação do Grupo, Consciência Social do Grupo, e Competências Sociais do Grupo). Contando com uma amostra de 333 indivíduos pertencentes a 74 grupos, foi testada a validade de constructo do Questionário de Inteligência Emocional Grupal (QIEG), através de uma Análise em Componentes Principais (ACP). Os resultados evidenciaram a emergência de quatro dimensões interpretáveis, em vez das cinco previstas com base no instrumento original. As dimensões avaliadas no QIEG – Regulação dos Membros sobre o Grupo, Auto-Consciência do Grupo, Auto-Regulação do Grupo, e Consciência/Competências Sociais do Grupo – apresentaram valores de consistência interna satisfatórios...

Relações entre a regulação emocional, a regulação da satisfação das necessidades psicológicas, o bem-estar/distress psicológicos e a sintomatologia

Telo, Catarina Isabel Freitas
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2012 Português
Relevância na Pesquisa
66.68%
Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde - Núcleo de Psicoterapia Cognitiva-Comportamental e Integrativa), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2012; À luz do Modelo de Complementaridade Paradigmática compreende-se que o indivíduo, ao percepcionar um estímulo interno ou externo, activa esquemas psicológicos que dão significado à experiência emocional e consequentemente proporcionem um funcionamento emocional adequado. O sistema emocional é o processo que permite a regulação da satisfação dos sete pares de necessidades psicológicas dialécticas, propostas no modelo, através de um processo contínuo de negociação e balanceamento das sete polaridades, promovendo o bem-estar psicológico. Por sua vez, um funcionamento não adaptativo do sistema emocional culmina na não regulação da satisfação das necessidades, podendo-se transformar em distress ou cristalizar em sintomatologia. Apresenta-se um estudo de relações entre cinco variáveis, de modo a explorar as associações entre as mesmas, com maior incidência na Regulação Emocional, na Regulação da Satisfação das Necessidades, Bem-Estar e Distress Psicológicos, Sintomatologia e Alexitimia. O estudo contou com 429 participante através de uma plataforma on-line. Os resultados vão ao encontro o que é proposto no Modelo de Complementaridade Paradigmática...

Auto-regulação emocional em crianças e adolescentes de diferentes etnias

Nogueira, Rita da Luz Martins Cantanhede
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2014 Português
Relevância na Pesquisa
86.88%
Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde, Núcleo de Psicoterapia Cognitiva-Comportamental e Integrativa), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2014; O presente estudo integra-se numa investigação mais vasta que teve como propósito geral traduzir e adaptar o Emotion Regulation Questionnaire for Children and Adolescents (ERQ-CA) para a população portuguesa, por forma a colmatar a necessidade de um instrumento que avalie as estratégias de auto-regulação emocional utilizadas pelas crianças e adolescentes portugueses. Foram ainda estabelecidos três objetivos específicos: (1) realizar o estudo psicométrico da EBEPA e ESV para crianças e adolescentes de etnia portuguesa, africana e Cigana e do ERQ-CA também para as duas últimas; (2) verificar de que forma as estratégias de auto-regulação emocional se relacionam com as dimensões de Bem-estar psicológico e satisfação com a vida, nos indivíduos de etnia africana e Cigana e (3) investigar as eventuais diferenças quanto às estratégias de auto-regulação emocional utilizadas, níveis de Bem-estar psicológico e satisfação com a vida nos indivíduos de etnia portuguesa, africana e Cigana. A amostra foi constituída por 816 participantes com idades compreendidas entre os 10 e os 18 anos...

Auto-regulação emocional : qual a influência no bem-estar psicológico e satisfação com a vida na adolescência?

Pratas, Mariana Rodrigues de Oliveira
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2014 Português
Relevância na Pesquisa
76.6%
Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde, Núcleo de Psicologia Cognitiva-Comportamental e Integrativa), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2014; A presente investigação, numa amostra não clínica de adolescentes portugueses, tem como objectivos: (1) traduzir e adaptar para a Língua Portuguesa um instrumento de medida de estratégias de regulação emocional; (2) estudar as qualidades psicométricas das versões portuguesas de uma medida de bem-Estar psicológico e outra medida de satisfação com a vida; (3) estudar a relação entre as estratégias de regulação emocional e os níveis de bem-estar psicológico e satisfação com a vida; e (4) realizar três estudos desenvolvimentistas, através da análise das possíveis diferenças entre as variáveis Grupo Etário e Sexo na frequência de determinadas estratégias de regulação emocional, nos níveis de bem-estar psicológico e nos níveis de satisfação com a vida. Participaram no estudo 700 adolescentes com idades compreendidas entre os 10 e os 18 anos (333 do sexo feminino e 367 do sexo masculino). A recolha dos dados realizou-se mediante a aplicação de três questionários: a tradução do Emotion Regulation Questionnaire – Children and Adolescents (ERQ-CA)...

Inteligência emocional e ansiedade e depressão: o papel das tácticas de poder e do maquiavelismo

Valdrez, Vânia Raquel Rodrigues
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em 29/06/2009 Português
Relevância na Pesquisa
56.27%
Mestrado em Psicologia Social e das Organizações; São conhecidas algumas associações entre a inteligência emocional, o maquiavelismo e a saúde mental, nomeadamente no que diz respeito à ansiedade e à depressão. Porém, os mecanismos comportamentais que explicam estas relações estão ausentes na teoria. Aceitando a centralidade que as tácticas de poder e o maquiavelismo podem assumir neste quadro é testado um modelo de mediação moderada tomando o maquiavelismo como moderadora e as tácticas de poder como mediadora. Com uma amostra de 190 estudantes universitários, este estudo tem como objectivo testar até que ponto a inteligência emocional influencia o grau de ansiedade e depressão dos indivíduos tendo em conta as tácticas de poder que utilizam para influenciar os outros e o grau de maquiavelismo que possuem. Os resultados mostram que existe um efeito da auto-regulação emocional na ansiedade quando os indivíduos utilizam a agressividade para influenciar os outros e apenas quando o nível de maquiavelismo é elevado.; Some associations between emotional intelligence, Machiavellianism and mental health (particularly anxiety and depression) are known. However the behavioral mechanisms that explain these relations lack in the literature. Accepting the centrality that both power tactics and Machiavellianism have in this approach...

Auto-regulação emocional e ajustamento comportamental no 1º ciclo do ensino básico

Esteves, Célia Vanda dos Santos
Fonte: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa Publicador: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em /03/2011 Português
Relevância na Pesquisa
86.94%
Dissertação de Mestrado em Ciências da Educação; O presente estudo inscreve-se no âmbito da psicologia cognitiva social e da educação no 1º ciclo do ensino básico em Portugal. Este trabalho tem como objectivo avaliar as relações entre a auto-regulação emocional e comportamento de crianças no 1º ciclo do ensino básico. Pretendemos compreender se a aplicação de um programa de regulação emocional promove a auto- -regulação emocional e contribui para o ajustamento comportamental e o sucesso no desempenho escolar das crianças. Trata-se de um estudo de avaliação da eficácia de uma intervenção. Este trabalho contempla a aplicação de registos de avaliação do comportamento, da auto-eficácia emocional, da auto-avaliação de desempenho no trabalho escolar e de um questionário de auto-eficácia. Avaliam-se os resultados da aplicação destes instrumentos nas fases anterior e posterior à implementação de um projecto de regulação emocional. A população em estudo é uma turma do 3º ano de escolaridade do 1º ciclo do ensino básico no concelho do Seixal, distrito de Setúbal, Portugal. A turma é composta por 20 alunos de ambos os sexos entre os 8 e os 10 anos de idade. O estudo compreende a aplicação de alguns elementos do programa de regulação emocional "Crescer a Brincar" de Moreira (2005) e a aplicação de estratégias variadas para a promoção da auto-eficácia escolar e emocional. Os instrumentos utilizados avaliaram a auto-eficácia...

Factores emocionais e cognitivos no (in) sucesso académico em alunos do 9º ano: auto-regulação emocional, raciocínio, perfeccionismo e rendimento académico

Fernandes, Sara Cristina Fonseca
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2010 Português
Relevância na Pesquisa
96.93%
Apesar do crescente número de trabalhos que se debruçam sobre a auto-regulação emocional, as contribuições no âmbito educacional, em particular, têm-se revelado bastante escassas. Neste sentido, o presente estudo pretende contribuir para uma melhor compreensão da auto-regulação emocional, tendo como principal objectivo analisar a relação entre este constructo e as habilidades cognitivas, o perfeccionismo e o rendimento académico dos estudantes, tomando em consideração as diferenças de género. A recolha de dados envolveu 142 estudantes do 9º ano de escolaridade, de escolas públicas do distrito de Castelo Branco, com a aplicação dos instrumentos “Emotional Regulation during Test-taking” (Schutz, DiStefano, Benson & Davis, 2004), “Bateria de Provas de Raciocínio 7/9” (Almeida & Lemos, 2007) e “Escala de Perfeccionismo – Versão Estudantes” (Stoeber & Rambow, 2007). Os resultados obtidos apontam para a existência de diferenças estatisticamente significativas quanto ao género, tanto ao nível da auto-regulação emocional como do perfeccionismo; bem como entre a auto-regulação emocional e rendimento académico. Para além disso, os resultados indicam existir correlações positivas e estatisticamente significativas entre auto-regulação emocional e as variáveis: rendimento académico...