Página 1 dos resultados de 462 itens digitais encontrados em 0.044 segundos

Habilitação e reabilitação visual de escolares com baixa visão: aspectos médico-sociais; Visual habilitation and rehabilitation of visually impaired children at school age. Social and ophthalmologic features

Haddad, Maria Aparecida Onuki
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 28/09/2006 Português
Relevância na Pesquisa
66.75%
INTRODUÇÃO: A baixa visão na infância pode limitar as experiências de vida, a velocidade de realização de tarefas, o desenvolvimento motor, as habilidades, a educação e o desenvolvimento emocional e social, com comprometimento da qualidade de vida. O conhecimento de aspectos médico-sociais colaboram para a elaboração de ações efetivas para a reabilitação visual e a inclusão educacional. OBJETIVOS: 1)Identificar aspectos clínicos referentes a população com baixa visão em idade escolar atendida no Serviço de Visão Subnormal da Clínica Oftalmológica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e da Associação Brasileira de Assistência ao Deficiente Visual, com relação a causa da baixa visão, localização da anormalidade, classes de comprometimento visual, função visual atual, prescrição óptica para correção de ametropias e para auxílios para baixa visão; necessidades reabilitacionais; 2) Verificar percepção de mães ou responsáveis quanto a detecção da deficiência visual, encaminhamentos e condutas realizados por profissionais da área médica, acesso a serviços de atenção oftalmológica especializada à baixa visão, acesso a auxílios ópticos prescritos para baixa visão; 3) fornecer subsídios para desenvolvimento de ações para habilitação/reabilitação da baixa visão na infância. MÉTODOS: Realizou-se estudo transversal analítico...

Estudo comparativo entre o telescópio com lente de contato e o telescópio convencional em pacientes com baixa visão; Comparative study between contact lens telescope and conventional telescope in lowvision patients

Bellini, Luciano Porto
Tipo: dissertação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
66.51%
Objetivos: comparar o telescópio com lente de contato (TLC) com o telescópio convencional (TC) em pacientes com degeneração macular relacionada à idade (DMRI) e baixa visão, com respeito a: acuidade visual (AV), campo de visão (CV), satisfação do paciente com a visão oferecida pelo telescópio (SV), dificuldade de uso do telescópio (DU) e satisfação do paciente com o aspecto estético do telescópio (SE). Materiais e Métodos: Em ensaio clínico randomizado mascarado, foram incluídos 12 pacientes com DMRI e baixa visão, formando 2 grupos de 6 pacientes cada: grupo 1 (uso de TLC) e grupo 2 (uso de TC). Os telescópios usados no estudo foram padronizados para que tivessem a mesma magnificação (2,8x). A AV e o CV foram aferidos antes e durante o uso do telescópio, enquanto a SV, a DU e a SE foram obtidas após a intervenção. Resultados: Não houve diferenças entre os grupos na linha de base. Os dois telescópios demonstraram melhora da AV em relação à linha de base (P=0,002 com o TLC e P; Purpose: To compare the conventional telescope (CT) with the contact lens telescope (CLT) in patients with age-related macular degeneration (AMD) and low-vision, with respect to visual acuity (VA), visual field (VF), patient satisfaction with the vision provided by the telescope (VS)...

Qualidade de vida em idosos com baixa visão adquirida : pré e pós intervenção terapêutica; Quality of life in the elderly with acquired low vision : pre and post therapeutic intervention

Mayla Myrina Bianchim Monteiro
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 22/11/2013 Português
Relevância na Pesquisa
66.48%
Estudos sobre o envelhecimento e sobre qualidade de vida vêm ganhando espaço nas ultimas décadas, devido ao aumento da expectativa de vida da população, não sendo diferente na Oftalmologia. Esta pesquisa procurou conhecer e avaliar a qualidade de vida de idosos deficientes visuais após participarem de uma Intervenção Terapêutica. Foi realizado um estudo longitudinal, através de dois questionários de qualidade de vida para doenças oculares: Low Vision Quality of Live e Vision Function Questionaire- 25. A população deste estudo foi constituída por sujeitos idosos, portadores de baixa visão adquirida, atendidos no Ambulatório de Visão Subnormal/HC/UNICAMP no período de fevereiro de 2011 a junho de 2012. Os dois questionários eram aplicados pela pesquisadora, e após, os sujeitos foram convidados a participarem da Intervenção Terapêutica que foi realizada em três encontros mensais e consecutivos, abordando os seguintes temas: atividades do dia a dia, auxílios ópticos e não ópticos e leitura e escrita. Após participarem dos três encontros, os sujeitos respondiam novamente aos questionários. Análises estatísticas foram utilizadas na análise dos dados. Cinquenta e dois sujeitos participaram da pesquisa. A faixa de idade participante do estudo deu-se entre 60 e 91 anos. As degenerações maculares foram as principais causas da perda visual (38%). A maioria dos sujeitos (80%) tem o primário como grau de escolaridade. Estatisticamente...

O conforto luminoso como fator de inclusão escolar do portador de baixa visão nas escolas públicas regulares do Distrito Federal

Blanco, Mônica Andréa
Tipo: dissertação / dissertation
Português
Relevância na Pesquisa
66.44%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, 2007.; Esta dissertação apresenta um estudo das condições espaciais arquitetônicas das Escolas Inclusivas (EI) do Distrito Federal (DF) para Portadores de Baixa Visão (PBV) quanto ao Conforto Luminoso e Apreensão Espacial entendidos como elementos para inclusão escolar. A arquitetura das escolas públicas construídas no DF até o ano de 2005 não foi concebida com a proposta de inclusão e visava apenas o cumprimento do programa espacial estabelecido pelas normas vigentes locais e/ou da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, quanto a índices gerais de conforto térmico, acústico e luminoso e acessibilidade. Esta pesquisa analisa alguns ambientes escolares de uma Escola Inclusiva Pública (SQS 410), a partir das necessidades especiais específicas de conforto luminoso e apreensão espacial para a aprendizagem dos alunos Portadores de Baixa Visão. Verificando-se que a concepção dos ambientes escolares atuais não atende às necessidades físicas para promoção da inclusão social através da inclusão escolar, propõe-se subsídios para reforma de projetos atuais semelhantes e para o projeto arquitetônico de novas edificações escolares inclusivas. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT; This dissertation presents a study of the architectural spatial conditions of the inclusive Schools (IS) of the Federal District (FD) for Low Vision Carriers (LVC)...

Reabilitação ortóptica com auxiliares ópticos em casos de baixa visão

Lança, Carla Costa
Tipo: info:eu-repo/semantics/lecture
Publicado em /11/2007 Português
Relevância na Pesquisa
66.39%
De acordo com a Organização Mundial de Saúde existem 180 milhões de pessoas em todo o mundo com incapacidade visual. Nas sociedades ocidentais, o ser humano tornou-se um ser exclusivamente visual. Cada vez mais se privilegia a visão em detrimento dos outros sentidos, sendo constantes os apelos à imagem. Nesse sentido, quando a capacidade visual é perdida, mesmo que parcialmente, despoletam-se problemas sociais graves e de complexa resolução. A reabilitação Ortóptica é uma peça essencial no puzzle da reabilitação nestes casos. O Ortoptista explora as possibilidades de aproveitamento do resíduo visual dos utentes com baixa visão, reeducando-os na utilização dos movimentos oculares, coordenação olho-mão e capacidade discriminatória. A avaliação, treino e acompanhamento na adaptação à leitura e escrita com auxiliares ópticos é de extrema importância na reintegração destes indivíduos numa vida social activa.

A baixa visão: apresentação e conceito

Oliveira, Manuel; Lança, Carla Costa
Tipo: info:eu-repo/semantics/conferenceobject
Publicado em /09/2013 Português
Relevância na Pesquisa
66.51%
Deficiência visual é um problema de saúde mundial que afeta 285 milhões de pessoas, 39 milhões apresentam cegueira e 246 milhões apresentam baixa visão; 65 % das pessoas com baixa visão e 82% das pessoas cegas das pessoas apresentam mais de 50 anos de idade. Estima-se que cerca de 80% dos casos sejam preveníveis ou tratáveis. Em Portugal 200.000 pessoas apresentam hipertensão ocular, das quais 1/3 sofre de glaucoma; 6.000 pessoas apresentam cegueira irreversível por glaucoma (esta doença pode ser prevenida através de assistência oftalmológica adequada); 35.000 pessoas sofrem de baixa de visão: doenças da retina e da coroideia, nomeadamente DMLI, que afetará 5% das pessoas com mais de 55 anos e uma em cada 10 pessoas com mais de 65 anos; 15.000 diabéticos estarão em risco de cegar por retinopatia e maculopatia diabética (pode ser prevenida ou tratada, através de fotocoagulação da retina por laser e/ou por vitrectomia).

Causas de cegueira e baixa visão em crianças

Brito,Patrícia Ribeiro; Veitzman,Sílvia
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2000 Português
Relevância na Pesquisa
66.44%
Objetivo: Identificar e analisar as principais causas preveníveis e tratáveis da cegueira e baixa visão na infância. Método: 174 crianças de 3 instituições de duas cidades brasileiras (Salvador e São Paulo) foram examinadas e os dados de cada criança foram registrados em protocolo padronizado pela OMS. Resultados: De acordo com a OMS, encontrou-se cegueira ou baixa visão em 82% das crianças. Entre as moléstias preveníveis e tratáveis, a retinopatia da prematuridade e o glaucoma foram as mais freqüentes. Conclusão: O presente estudo piloto demonstrou características similares às encontradas em outros países em desenvolvimento, onde pelo menos 50% das doenças são preveníveis ou tratáveis com o atual desenvolvimento científico.

Condutas reabilitacionais em pacientes com baixa visão

Lucas,Micheline Borges; Leal,Daena Barros; Tavares,Sueli Scridelli; Barros,Eveline Araújo; Aranha,Silvana Trigueiro
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2003 Português
Relevância na Pesquisa
66.61%
OBJETIVO: Determinar os principais diagnósticos etiológicos dos pacientes com baixa visão e apresentar as condutas reabilitacionais mais indicadas de acordo com idade, acuidade visual e necessidades de cada grupo de acordo com a doença de base. MÉTODOS: Realizou-se estudo transversal, no qual pesquisaram-se 229 pacientes com baixa visão no período de dois anos, dos quais 27 (11,8%) foram excluídos por apresentarem acuidade visual maior que 20/60. Os dados analisados foram idade, sexo, motivo de procura de serviço de visão subnormal, diagnóstico, acuidade visual para perto e para longe com e sem auxílio óptico, recurso óptico indicado, se houve indicação para adaptação de auxílio óptico e estimulação visual. RESULTADOS: O diagnóstico mais freqüente em crianças e adolescentes foi catarata congênita binocular; na faixa etária de 20 a 59 anos prevaleceu retinose pigmentar e no grupo de idade maior que 60 anos os diagnósticos mais freqüentes foram glaucoma e degeneração macular relacionada à idade. CONCLUSÃO: Entre os pacientes com idade de 7 a 39 anos o auxílio óptico para longe mais indicado foi telelupa monocular de 2,5X de aumento. Acima de 60 anos foram mais indicados os auxílios ópticos para perto do tipo lentes asféricas. Das 117 pessoas que receberam indicação de auxílio para perto...

Diagnóstico de baixa visão em crianças: sentimentos e compreensão de mães

Figueiredo,Mirela de Oliveira; Paiva e Silva,Roberto Benedito de; Nobre,Maria Inês Rubo
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2009 Português
Relevância na Pesquisa
66.6%
OBJETIVOS: Identificar os sentimentos e reações de mães perante ao diagnóstico de baixa visão do filho e a sua compreensão do diagnóstico. MÉTODOS: Este estudo caracteriza-se como uma pesquisa qualitativa. Foram entrevistadas 11 mães de crianças com baixa visão atendidas pelo Serviço de Estimulação Visual do Setor de Oftalmologia Hospital de Clínicas da Unicamp. Para a coleta dos dados foram utilizadas entrevistas semiestruturadas. Os tópicos principais da entrevista foram: sentimentos diante do diagnóstico e a compreensão do diagnóstico da baixa visão. RESULTADOS: As mães apresentaram medo de que o filho fique cego e compreensão não clara da baixa visão, interpretando o diagnóstico médico de acordo com a sua subjetividade. CONCLUSÕES: A maneira como o diagnóstico é transmitido para as famílias é de extrema importância. As condições culturais, econômicas e emocionais dos pais, na maioria das vezes podem impedir a compreensão clara do diagnóstico.

Serviço de visão subnormal do Instituto Brasileiro de Oftalmologia e Prevenção da Cegueira (IBOPC): análise dos pacientes atendidos no 1º ano do departamento (2004)

Silva,Ana Maria Tavares da Costa Pinto; Matos,Marta Hercog Batista Rebelo de; Lima,Humberto de Castro
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2010 Português
Relevância na Pesquisa
56.63%
Objetivo: Traçar o perfil dos pacientes portadores de baixa visão atendidos no serviço de visão subnormal do Instituto Brasileiro de Oftalmologia e Prevenção da Cegueira (IBOPC). Métodos: Realizou-se um estudo transversal no qual foram revisados 82 prontuários de pacientes com baixa visão, atendidos pelo Serviço Único de Saúde (SUS) no primeiro ano do departamento de Visão Subnormal do Instituto Brasileiro de Oftalmologia e Prevenção da Cegueira em 2004. Os dados analisados foram: sexo, faixa etária, etiologia, acuidade visual inicial e final (pós-refração) para longe e perto, com e sem auxílio óptico e recurso óptico indicado. Resultados: Dos 82 pacientes avaliados, 11 (13,4%) foram excluídos do trabalho por não apresentarem visão subnormal. Dos 71 pacientes restantes, 32 (45%) eram menores de 20 anos. Quanto ao sexo, não houve diferença estatisticamente significante (51% eram mulheres e 49% eram homens). A etiologia mais frequente em crianças e adolescentes foi o glaucoma congênito (15,6%). Em pacientes de 20 a 39 anos prevaleceu a toxoplasmose ocular (21,1%). Entre os pacientes de 40 a 59 anos, a retinose pigmentar foi a patologia mais frequente (19%). Nos idosos, o glaucoma foi a patologia mais encontrada (40%). Trinta e três pacientes (40...

Avaliação da visão funcional para crianças com baixa visão de dois a seis anos de idade - estudo comparativo

Rossi,Luciana Drummond de Figueiredo; Vasconcelos,Galton Carvalho; Saliba,Grace Rego; Magalhães,Lívia de Castro; Soares,Angela Maria Anselmo; Cordeiro,Silvia Santiago; Amorim,Regina Helena Caldas de
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2011 Português
Relevância na Pesquisa
66.66%
OBJETIVO: O objetivo deste trabalho foi apresentar a capacidade da AVIF-2 a 6 anos para discriminar os diferentes níveis de resposta visual de crianças com baixa visão. A AVIF-2 a 6 anos foi criada no Setor de Baixa Visão Infantil do Hospital São Geraldo, Brasil. MÉTODOS: Após a discussão da adequação dos itens do teste, com especialistas de diversas áreas, a AVIF-2 a 6 anos foi aplicada em 40 crianças de dois a seis anos de idade, 20 das quais com baixa visão (Grupo 1) e 20, sem baixa visão (Grupo 2). O grupo 1 foi recrutado do Setor de Baixa Visão Infantil do Hospital São Geraldo. As crianças do grupo 2 foram selecionadas em duas creches públicas. Sete domínios foram estudados: fixação visual, seguimento visual, campo visual de confrontação, coordenação olho-mão, visão de contraste, deslocamento no ambiente e visão de cores. As crianças do grupo 1 foram submetidas a exame oftalmológico completo e as do grupo 2 a triagem oftalmológica. Crianças com baixa visão e alterações neurológicas foram excluidas. Os dois grupos foram emparelhados por idade, sexo e nível socioeconômico, e os dados comparados entre as crianças do grupo geral e dos subgrupos de idade (24 a 35 meses, 36 a 59 meses e 60 a 78 meses) e de acuidade visual (< que 1...

Confiabilidade da avaliação da visão funcional para crianças com baixa visão de dois a seis anos: em busca de evidências

Rossi,Luciana Drummond de Figueiredo; Vasconcelos,Galton Carvalho de; Saliba,Grace Rego; Magalhães,Lívia de Castro; Soares,Angela Maria Anselmo; Cordeiro,Silvia Santiago; Amorim,Regina Helena Caldas de
Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia Publicador: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2012 Português
Relevância na Pesquisa
66.57%
OBJETIVOS: Avaliar a confiabilidade interexaminadores, fazer o teste-reteste e verificar a consistência interna da avaliação da visão funcional para crianças com baixa visão de dois a seis anos de idade (AVIF-2 a 6 anos). MÉTODOS: Foram testados sete domínios: fixação visual, seguimento visual, campo visual de confrontação, coordenação olho-mão, visão de contraste, deslocamento no ambiente e visão de cores, em 40 crianças, 20 com baixa visão e 20 sem alterações visuais. A consistência interna foi examinada para o teste de todas as crianças e a confiabilidade interexaminadores e teste-reteste para 12 delas. RESULTADOS: Seis domínios apresentaram ao teste-reteste coeficiente de correlação intraclasse com valores de 0,5361 a 1,000. Para o domínio deslocamento no ambiente esse coeficiente foi de 0,37. Na confiabilidade interexaminadores, somente o campo visual de confrontação apresentou valor abaixo do esperado (0,3901). O coeficiente kappa ponderado obteve resultados que variaram de -0,087 a 1,000. O valor do alfa de Cronbach variou de 0,584 (no deslocamento no ambiente) a 0,973 (na visão de contraste). CONCLUSÃO: A AVIF-2 a 6 anos apresentou bons índices de confiabilidade, mas a confiabilidade dos domínios...

Percepção dos professores da rede regular de ensino sobre os problemas visuais e a inclusão de alunos com baixa visão

Maruyama,Aparecida Tapia; Sampaio,Paulo Ricardo Souza; Rehder,José Ricardo Lima
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2009 Português
Relevância na Pesquisa
66.6%
OBJETIVO: Verificar e analisar o conhecimento a respeito dos problemas visuais e do tema baixa visão entre os professores da rede regular de ensino, justificando a importância do pedagogo especializado como elo de ligação entre o médico oftalmologista e a escola. MÉTODOS: Survey descritivo e documental, onde foi aplicado um questionário a 230 professores que atuam na rede regular de ensino, de primeira a quarta série do Ensino Fundamental I da cidade de Santo André (SP). RESULTADOS: Foram respondidos 123 (53,5%) questionários. Quando perguntados se tinham recebido alguma orientação técnica a respeito de como lidar com alunos com baixa visão 21,1% respondeu afirmativamente, 95,9% acredita que o aluno com baixa visão tem dificuldades para aprender e 43,9% não sabe como encaminhar a serviço oftalmológico especializado. CONCLUSÃO: A falta de conhecimentos técnicos a respeito de como atuar diante do aluno com baixa visão justifica a importância do pedagogo especializado em baixa visão e cegueira (Visopedagogo), como elemento imprescindível para a educação inclusiva, na equipe multidisciplinar do médico Oftalmologista.

Avaliação de Sistema de Leitura Portátil (SLP) para baixa visão desenvolvido no Brasil

Santos,Vagner Rogério dos; Lima,Eliana Cunha; Berezovsky,Adriana; Schor,Paulo; Uras,Ricardo; Belfort Junior,Rubens
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2009 Português
Relevância na Pesquisa
66.34%
OBJETIVO: A proposta deste estudo é avaliar a eficácia e eficiência em uma série de casos do protótipo de um equipamento nacional de magnificação para leitura. MÉTODOS: Participaram deste estudo 30 pacientes na faixa etária entre 9 e 80 anos (17 do sexo masculino). Foi desenvolvido um aparelho portátil, patenteado pela UNIFESP (PI#020050145260), com um sistema de captura de imagens acoplado a um monitor de 5,6 polegadas proporcionando um aumento de 15 X. Foram analisadas a eficácia da acuidade visual e a eficiência de leitura após a utilização do protótipo proposto. RESULTADOS: Seis pacientes (20%) apresentaram AV 8M, 12 pacientes (40%) apresentaram AV 6M, 7 pacientes (23,3%) apresentaram 5 M, 5 pacientes (16,7%) apresentaram 4M. A média de acuidade visual antes da utilização do SLP medida pela tabela LHNV-1 logMAR foi de 5,75M e após a utilização 100% dos pacientes atingiram a eficácia de AV J1. CONCLUSÃO: O protótipo do SLP mostrou-se um recurso alternativo no processo de inclusão social das pessoas com baixa visão com diferentes níveis de resíduo visual. Também pode proporcionar incentivo psicológico, permitir conforto, mobilidade e independência àqueles que necessitam de uma leitura mais prolongada e maior distância de trabalho.

Equilíbrio estático da criança com baixa visão por meio de parâmetros estabilométricos

Matos,Márcio Rodrigues de; Matos,Carla Paes Gomes de; Oliveira,Claudia Santos
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Paraná Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2010 Português
Relevância na Pesquisa
66.51%
INTRODUÇÃO: A visão é considerada um dos mais importantes meios de captação das informações do ambiente, sendo fundamental para o processo de desenvolvimento da criança. OBJETIVOS: Cientes da participação da visão na manutenção do equilíbrio e no desenvolvimento biopsicossocial do ser humano e considerando os fatores decorrentes da perda ou limitação visual, esta pesquisa objetivou analisar o equilíbrio em postura ortostática de crianças com baixa visão, de faixa etária de 8 a 11 anos, de ambos os sexos (grupo experimental), comparando com o equilíbrio de crianças normais de ambos os sexos e mesma faixa etária (grupo controle), por meio de parâmetros estabilométricos. MATERIAIS E MÉTODOS: Para a obtenção das oscilações posturais (deslocamento radial e velocidade de deslocamento) foi utilizada uma plataforma estabilométrica. RESULTADOS: Considerando-se os índices (média e desvio padrão) de deslocamento radial apresentados pelos grupos experimental e controle, observou-se que não houve diferença significante na condição olhos fechados (p > 0,05). Já na condição olhos abertos, houve maior deslocamento radial do grupo experimental em relação ao grupo controle (p < 0,05). Analisando-se os índices (média e desvio padrão) de velocidade de deslocamento entre os grupos controle e experimental...

Sou cego ou enxergo?: As questões da baixa visão

Amiralian,Maria Lúcia Toledo Moraes
Fonte: Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná Publicador: Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2004 Português
Relevância na Pesquisa
66.48%
Este texto propõe-se a discutir as dificuldades afetivo-emocionais das pessoas com baixa visão. A partir da década de 70, especialistas começaram a se preocupar com o uso efetivo da visão residual. Contudo, esses estudos se desenvolveram principalmente na área médica, educacional e tecnológica. Pesquisas na área da psicologia, em sua maioria, ainda estão centralizadas nos efeitos psicológicos da cegueira. Parece haver uma crença de que as descobertas obtidas por meio de pesquisas realizadas com pessoas cegas são esclarecedoras sobre as questões cognitivas e afetivo-emocionais das pessoas com baixa visão. Todavia, estudo realizado mostrou dificuldades específicas a esse grupo de pessoas. Duas questões básicas foram observadas e analisadas: a questão da identidade pessoal e a questão da pertença. Foram propostos temas a serem abordados por futuros estudos.

A atenção fonoaudiólogica e a linguagem escrita de pessoas com baixa visão: estudo exploratório

Monteiro,Mayla Myrina Bianchim; Montilha,Rita de Cássia Ietto; Gasparetto,Maria Elisabete Rodrigues Freire
Fonte: Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial - ABPEE Publicador: Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial - ABPEE
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2011 Português
Relevância na Pesquisa
56.56%
Os objetivos deste trabalho foram: conhecer como as pessoas com baixa visão (visão subnormal) adquirida utilizavam a linguagem escrita no cotidiano e recomendar a atenção fonoaudiológica nesse processo. Foi realizado estudo descritivo exploratório para a construção do instrumento de coleta de dados. A amostra foi constituída por pessoas com baixa visão que freqüentaram o Programa de Reabilitação de Adolescentes e Adultos do Cepre/FCM/Unicamp em 2008. Aplicou-se questionário por entrevista, onde foram investigadas as variáveis: características pessoais, uso de recursos de tecnologia assistiva na leitura e escrita, razões das atividades de leitura e escrita e frequência do uso após a perda visual. A amostra foi composta por 08 pessoas com baixa visão com média de idade de 47 anos e predominância do sexo masculino (75,0%). Os resultados indicaram que a maioria (62,5%) relatou utilizar auxílios ópticos nas atividades de leitura. Todos informaram utilizar auxílios não ópticos na leitura. Os sujeitos declararam utilizar a leitura para obter informações sobre assuntos que os interessavam e a escrita para se comunicarem com as outras pessoas. Verificou-se que a maioria (75,0%), relatou não utilizar a leitura e nem a escrita com a mesma freqüência que usava antes da perda visual e os motivos alegados foram a dificuldade para enxergar e o cansaço visual. A redução do uso da linguagem escrita no cotidiano por sujeitos com baixa visão adquirida compromete a autonomia e independência...

Caracterização das ações motoras de crianças com baixa visão e visão normal durante o brincar: cubos com e sem estímulo luminoso ou alto contraste

Schmitt,Beatriz Dittrich; Pereira,Karina
Fonte: Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial - ABPEE Publicador: Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial - ABPEE
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2014 Português
Relevância na Pesquisa
56.64%
O brincar de crianças com baixa visão deve ser estimulado a fim de aprimorar os sentidos, adquirir habilidades com uso das mãos/corpo, reconhecer as características dos objetos e explorar o ambiente. O objetivo desse estudo foi identificar e descrever as ações motoras de crianças com baixa visão e visão normal durante o brincar com cubos com e sem estímulo luminoso ou alto contraste. Foram avaliadas seis crianças com baixa visão (43 meses; ±2) e sete com visão normal (42,3 meses; ±2,9). Para a avaliação, utilizaram-se quatro cubos: luminoso, alto contraste, transparente e preto. Cada avaliação foi filmada para possibilitar a identificação e descrição das ações motoras realizadas. Cada cubo foi apresentado à criança por 1 minuto, com intervalo de 15 segundos entre eles. A ordem de entrega dos cubos foi randomizada. As ações motoras identificadas foram: alcance (unimanual, bimanual ou com os pés), deslizar as mãos/dedos, afastar o cubo, bater no cubo, bater com o cubo, girar, agitar, aproximar os olhos e jogar o cubo para cima. As duas últimas ações foram realizadas somente por crianças com baixa visão. Essas realizaram 11 ações motoras nos cubos sem estímulo visual e nove nos cubos com estímulo visual. As crianças com visão normal realizaram oito ações motoras nos cubos de alto contraste...

Atuação de equipe interdisciplinar com escolar que apresenta baixa visão por hipótese diagnóstica de Doença de Stargardt

Zerbeto,Amanda Brait; Lopes,Fernanda Fonseca dos Santos; Montilha,Rita de Cássia Ietto; Gasparetto,Maria Elisabete Rodrigues Freire
Fonte: CEFAC Saúde e Educação Publicador: CEFAC Saúde e Educação
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2015 Português
Relevância na Pesquisa
66.44%
Esse estudo tem como tema os escolares com baixa visão que podem ter dificuldades em atividades de leitura e escrita e apresentar alterações posturais devido aos ajustes ao se aproximarem dos materiais para visualizá-los melhor. O presente trabalho caracteriza-se como um estudo de caso, no qual será descrita a atuação de equipe interdisciplinar no processo de habilitação visual de um escolar de 12 anos com hipótese diagnóstica de Doença de Stargardt. A equipe foi composta por Assistente Social, Arte-Educadora, Enfermeira, Farmacêutica, Fisioterapeuta, Fonoaudióloga, Oftalmologista, Ortoptista, Pedagoga, Psicóloga e Terapeuta Ocupacional. Foram realizadas nove sessões semanais, com duração de uma hora em uma clínica escola de uma Universidade Estadual de São Paulo. As intervenções favoreceram ao escolar a utilização de recursos de tecnologia assistiva, como o sistema telescópio, a lupa eletrônica, o plano inclinado para leitura e escrita e a ampliação das pautas nas folhas de caderno. Após a intervenção, a postura corporal adotada nas atividades de leitura e escrita tornou-se mais equilibrada, o escolar conseguiu manter a cabeça mais afastada do livro e mais alinhada, sem apresentar movimentos compensatórios de rotação à direita e inclinação...

Avaliação da autonomia em atividades de leitura e escrita de idosos com baixa visão em intervenção fonoaudiológica: resultados preliminares

Monteiro,Mayla Myrina Bianchim; Carvalho,Keila Miriam Monteiro de
Fonte: Universidade do Estado do Rio Janeiro Publicador: Universidade do Estado do Rio Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2013 Português
Relevância na Pesquisa
66.48%
INTRODUÇÃO: A autonomia e a independência, gerando melhora na qualidade de vida, vêm sendo objeto de estudos nos últimos anos, com a crescente taxa de envelhecimento da população, despertando também o interesse da área oftalmológica, fonoaudiológica e de reabilitação. OBJETIVO: Conhecer as características desta população e avaliar os resultados dos aspectos visuais e de leitura e escrita em idosos com baixa visão, pré e pós-intervenção fonoaudiológica. MÉTODO: Realizou-se estudo descritivo e transversal, avaliando-se 23 sujeitos com baixa visão adquirida, atendidos no ambulatório de Visão Subnormal do Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (VSN-HC-UNICAMP). O questionário foi aplicado antes e após a intervenção fonoaudiológica, com duração de três encontros. RESULTADOS: A principal doença ocular encontrada foi o glaucoma (47,8%). Quinze pacientes (65,2%) relataram usar algum tipo de auxílio óptico, dentre eles óculos, lupa, telelupa e régua lupa. Antes de participar dos encontros, 34,8% dos sujeitos (n=8) relataram não usar a leitura nem a escrita após a perda visual. Depois de participarem dos encontros, 50,0% (n=4) dos que relataram não mais usar a leitura e a escrita voltaram a utilizá-las. CONCLUSÃO: Após a intervenção fonoaudiológica...