Página 1 dos resultados de 1748 itens digitais encontrados em 0.013 segundos

As boas práticas do enfermeiro especialista de saúde materna e obstetrica transmitidas à puérpera

Pereira, Maria de Lurdes Loureiro; Correia, Teresa
Fonte: Associação Portuguesa dos Enfermeiros Obstetras Publicador: Associação Portuguesa dos Enfermeiros Obstetras
Tipo: conferenceobject
Português
Relevância na Pesquisa
66.63%
Os enfermeiros enquanto prestadores de cuidados têm competências específicas. O período em que a puérpera se encontra hospitalizada é o momento ideal para que o Enfermeiro Especialista em Saúde Materna e Obstetrícia promova a saúde da mulher. Eles asseguram os cuidados especializados no contexto onde as utentes se encontram, contribuindo para a satisfação das mesmas; visando capacitar para as boas práticas nos cuidados ao recém-nascido, na amamentação e autocuidado para quando da alta. O uso das informações que compõem as recomendações para as boas práticas, promovem a qualidade dos cuidados e a segurança dos pacientes e dos trabalhadores da área da saúde. A satisfação é entendida como o resultado da avaliação que a utente faz das suas necessidades. Analisar a satisfação das puérperas face às boas práticas da técnica do banho ao recém-nascido, da amamentação e do autocuidado. Metodologia: Estudo epidemiológico transversal com uma amostra de 50 puérperas internadas no serviço de Obstetrícia da Unidade Local de Saúde Nordeste. A colheita de dados foi realizada pelos investigadores no período de fevereiro a março de 2013, no terceiro dia de permanência das puérperas no serviço. Foram critérios de inclusão: puérperas internadas...

Caracterização de cantinas escolares do concelho de Chaves ao nível das infraestruturas, boas práticas de higiene e fabrico, e de outros pontos do programa de pré-requisitos

Pires, Helena Augusta Campos
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
66.63%
Uma permanência crescente de crianças em creches ou escolas obrigou a diversos organismos a darem uma resposta às necessidades relacionadas com a sua alimentação, nomeadamente o Ministério da Educação - através da publicação de alguns documentos, assim como da responsabilidade de gerir os refeitórios dos 2º e 3º Ciclos dos Ensinos Básico (CEB) e Secundário -, e os municípios - com a gestão dos refeitórios nos estabelecimentos de educação pré-escolar e do ensino básico. Assim, o principal objetivo do presente trabalho foi o de proceder à caracterização de oito cantinas escolares do concelho de Chaves ao nível das infraestruturas, das Boas Práticas de higiene e de fabrico, de outros pontos incluídos no Programa de Pré- Requisitos (PPR), e do cumprimento de terem implementado um sistema de HACCP. Para tal, foram produzidos documentos de trabalho, designadamente inquéritos e listas de verificação. Das oito cantinas estudadas, sete pertencem a três agrupamentos escolares e uma ao Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP); quatro estão sob gestão concessionada e as outras quatro sob gestão das próprias escolas. Verificou-se que em todas elas se detetaram não conformidades ao nível das condições técnico-sanitárias (ex. pavimento e teto não adequados...

Códigos de práticas: uma proposta de documentos técnicos de referência de boas práticas para a construção de edifícios no Brasil; Codes of Practice: a proposal of technical reference documents of good practices for building construction in Brazil

CLETO, Fabiana da Rocha; Cardoso, Francisco Ferreira; Mitidieri Filho, Cláudio Vicente; Agopyan, Vahan
Fonte: Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído - ANTAC Publicador: Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído - ANTAC
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
66.58%
Sistemas para elaboração de documentos técnicos de referência nacional que consolidam as boas práticas do processo de produção de edifícios existem em diversos países, sendo utilizados diferentes nomes, tais como Building Codes nos Estados Unidos, Canadá e Austrália, Codes of Practice na Inglaterra e Documents Techniques Unifiés na França. No Brasil, entretanto, esse tema é recente, mas o setor da construção de edifícios tem-se conscientizado da importância de se formalizarem e harmonizarem as melhores práticas desde o projeto até a execução, uso e manutenção dos edifícios. O objetivo deste artigo é propor uma sistemática para a elaboração de documentos técnicos de referência de boas práticas para a construção de edifícios no Brasil. A proposta foi feita com base em ampla revisão bibliográfica, principalmente no que se refere experiências internacionais bem sucedidas, e da análise de documentos produzidos no Brasil e no exterior. A mesma foi submetida à análise e validação junto a entidades do setor da construção de edifícios por meio de reuniões e de um workshop. As principais contribuições deste trabalho refere-se ao modelo conceitual proposto, assim como no arranjo institucional necessário para a produção de códigos de prática no pais.; Systems for the drawing up of national technical reference documents that consolidate good practices of the building production process exist in many countries. These documents receive different names...

Boas práticas para padarias e confeitarias

Souza, Mariana Albuquerque de
Tipo: trabalho de conclusão de graduação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
66.58%
O presente trabalho aborda as Boas Práticas direcionadas para as padarias e as confeitarias, abrangendo desde a higienização dos equipamentos até o armazenamento e a comercialização dos produtos. Em um primeiro momento, foi realizado um estudo bibliográfico abrangendo desde conceitos básicos e evolução histórica do setor das padarias e confeitarias, até os requisitos gerais e legislação referente às Boas Práticas. Em um segundo momento, é sugerido um exemplo de manual de Boas Práticas com o intuito de contribuir com o estudo sobre o tema, assim como para ajudar as padarias e confeitarias brasileiras ao correto cumprimento das normas higiênico-sanitárias, a fim de contribuir para a saúde e a qualidade de vida dos consumidores de tais alimentos.

Boas práticas em supermercados e na central de armazenamento e distribuição

Rios, Tatiane Costella
Tipo: trabalho de conclusão de graduação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
66.58%
Um alimento pode possuir contaminantes que possibilitam riscos a saúde de quem o consome. As Boas Práticas são procedimentos que visam à produção e comercialização de alimentos seguros. Muitos estabelecimentos cometem irregularidades devido ao desconhecimento sobre a legislação sanitária. Em supermercados ocorre grande manipulação de alimentos, desde sua Central de Armazenamento e Distribuição até a exposição dos alimentos pelos diversos setores que compõem esses estabelecimentos. Porém, esses lugares têm sido pouco estudados no Brasil, principalmente em relação aos aspectos sanitários e da segurança dos seus alimentos, o que não permite traçar um perfil da adequação desses estabelecimentos em termos de aspectos sanitários básicos e de cumprimento da legislação vigente. O objetivo deste estudo foi demonstrar as Boas Práticas aplicáveis em uma rede de supermercados e em sua Central de Armazenamento e Distribuição de alimentos. Para isso, foram demonstradas as necessidades sanitárias e as exigências da legislação de cada setor para a garantia de alimento seguro. Isso evidenciou que a aplicação das Boas Práticas em supermercados em uma Central se reflete positivamente, diminuindo riscos que possam comprometer a segurança do alimento...

Adequação das boas práticas de fabricação em serviços de alimentação; Adequacy of good manufacturing procedures in foodservice establishments

Akutsu, Rita de Cássia Coelho de Almeida; Botelho, Raquel Braz Assunção; Camargo, Erika Barbosa; Oliveira, Karin Eleonora Savio de; Araújo, Wilma Maria Coelho
Tipo: artigo / article
Português
Relevância na Pesquisa
66.58%
Objetivo: classificar 50 estabelecimentos produtores de alimentos, da região de Brasília, Distrito Federal, de acordo com o cumprimento dos itens imprescindíveis do formulário publicado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a fim de avaliar as boas práticas da fabricação de alimentos. Métodos: neste estudo empreendeu-se metanálise de dois trabalhos monográficos sobre estabelecimentos comerciais produtores de alimentos (hotéis e restaurantes), associados a uma amostra pesquisada por esses autores, dividida em três blocos: restaurantes, unidades de alimentação e nutrição e hotéis, para comparação da adequação dos itens presentes nos formulários da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, os quais, de acordo com as normas estabelecidas pela Agência, analisavam os itens: edificação, equipamentos, manipuladores, fluxo de produção e disponibilidade do manual de boas práticas na produção de alimentos. Ainda de acordo com o estipulado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, os estabelecimentos foram classificados em três grupos, segundo o cumprimento percentual dos itens imprescindíveis constantes do formulário: o grupo I, com mais de 70,0% de cumprimento dos itens; o grupo II, com 30...

Manual de boas práticas de produção vitivinícola (BPPV)

Casal, Margarida; Schuller, Dorit; Machado, Sofia; Cerdeira, António; Duarte, F. L.; Campos, Ângela; Moura, Fernando; Miguel, Vasco; Batista, Julião
Tipo: info:eu-repo/semantics/book
Publicado em 16/12/2009 Português
Relevância na Pesquisa
66.7%
O Manual de Boas Práticas de Produção Vitivinícola (BPPV) surge no âmbito do Projecto 762 “EnoSafe – Segurança e controlo de qualidade de vinhos: implementação de técnicas rápidas para monitorização e rastreabilidade microbiológica” fi nanciado pelo do Programa AGRO – Medida 8.1., e tem por objectivo sistematizar um conjunto de procedimentos que devem ser aplicados em toda a fi leira vitivinícola. Este Manual resulta de uma extensa consulta de documentos idênticos existentes em vários países, bem como da experiência do grupo de trabalho afecto ao projecto, tomando como princípios a legislação comunitária. Encontrase estruturado como uma lista de verifi cação, tendo cada empresa que adaptar a implementação destes procedimentos à realidade da sua organização. Cada indústria tem as suas próprias necessidades e considerações no que respeita à segurança alimentar. As empresas do sector dos vinhos estão, desde 1 de Janeiro de 2006, abrangidas pelo disposto no Regulamento (CE) nº 852/2004 de 29 de Abril de 2004, que enumera os requisitos a cumprir no que se refere a pessoal, instalações, meios de transporte, equipamentos, abastecimento de água e tratamento de resíduos. No entanto, existem alguns princípios universais aplicados tanto à indústria vitivinícola como a qualquer outra indústria alimentar...

Avaliação das Boas Práticas de Universitários Brasileiros e Portugueses a partir do IBPEES

Gonzaga, Luís; Mascarenhas, Suely; Pinheiro, Mª. Rosário
Fonte: Universidade do Minho Publicador: Universidade do Minho
Tipo: info:eu-repo/semantics/conferenceobject
Publicado em //2009 Português
Relevância na Pesquisa
66.65%
Este estudo avalia as boas práticas realizadas por estudantes universitários de Portugal e do Brasil averiguando como tais práticas se diferenciam. Para avaliação das boas práticas escolares recorremos ao Inventário de Boas Práticas dos Estudantes no Ensino Superior (Chickering & Schlossberg, 1995; Pinheiro, 2007) e a uma amostra de 237 estudantes do ensino superior da Universidade Federal do Amazonas (Brasil) (65,8%) e da Escola Superior de Desporto de Rio Maior (Portugal) (34,2%), sendo 55,3% do sexo feminino e 44,7% do sexo masculino, e idade média de 23,08 + 5,57. Da análise dos dados apurados constatam-se diferenças entre os estilos de boas práticas nos grupos do Brasil e de Portugal em praticamente todas as dimensões que caracterizam o instrumento: trabalho cooperativo, aprendizagem activa, procura de feedback, optimização do tempo, manutenção de expectativas positivas, respeito pelas diferenças, e gestão de recursos (gestão do ambiente, desafios e oportunidades académicas e gestão dos recursos pessoais e sociais). Os dois grupos não se diferenciam significativamente quanto à interacção com os professores.

Boas práticas na produção cunícola na exploração do Ribatejo e Oeste: cumprimento e consequências na mortalidade e rejeição de animais

Carvalho, Sílvia; Azevedo, Paula; Pardal, Paulo
Fonte: Unidade de Investigação do IPS - UIIPS Publicador: Unidade de Investigação do IPS - UIIPS
Tipo: info:eu-repo/semantics/conferenceobject
Publicado em /02/2012 Português
Relevância na Pesquisa
66.75%
Apresentação em painel; Num mundo cada vez mais globalizado, a produção e comercialização de alimentos de origem animal exige um cumprimento mais rigoroso das normas estabelecidas por organismos internacionais. A produção cunícola registou um crescimento e modernização mundial nas últimas décadas, requerendo detalhada atenção às condições de exploração. Os Regulamentos CE nº 852/2004 e nº 853/2004, obrigam à implementação de sistemas de gestão de segurança alimentar para a maior parte das instalações que contatam com géneros alimentícios, tendo por base a metodologia HACCP. A aplicação desta metodologia não é obrigatória para a produção primária, mas justifica-se o estabelecimento de um conjunto de “Boas Práticas” que permitam obter alimentos sãos. Pretendeu-se caracterizar a exploração cunícola da região RO, avaliando o cumprimento de boas práticas e eventual consequência na mortalidade e rejeição de animais para abate. Realizou-se um inquérito junto das 17 explorações da região do RO registadas nos serviços oficiais. Obteve-se informação para breve caracterização da exploração cunícola e a avaliação do grau de cumprimento de boas práticas. Nos pavilhões de crescimento e engorda...

Boas práticas de produção na exploração cunícola da região do Ribatejo e Oeste e suas consequências na mortalidade e rejeição de animais

Carvalho, Sílvia; Azevedo, Paula; Pardal, Paulo
Fonte: Unidade de Investigação do Instituto Politécnico de Santarém (UIIPS) Publicador: Unidade de Investigação do Instituto Politécnico de Santarém (UIIPS)
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em /06/2013 Português
Relevância na Pesquisa
66.58%
Com base em informação recolhida através de inquéritos, caracterizou-se a exploração cunícola da região Ribatejo e Oeste e avaliou-se o grau de cumprimento de boas práticas de produção, bem como a sua consequência nas taxas de mortalidade e de rejeição de animais para abate. Estas taxas foram ainda avaliadas em função da temperatura ambiente média registada, nos meses de verão, no interior dos pavilhões de crescimento e engorda. A exploração cunícola, com dimensão média de 400-600 fêmeas, apresenta um tecido empresarial envelhecido e com baixo nível de escolaridade. A totalidade das explorações cumpre a legislação respeitante ao equipamento mínimo exigido e ao seu dimensionamento. Também a generalidade das explorações cumpre boas práticas de produção. As taxas de mortalidade e de rejeição de animais registadas encontram-se dentro dos valores de referência, mas com grande heterogeneidade entre explorações. Entre as boas práticas na exploração cunícola, e cuja situação de incumprimento foi associada a maiores taxas de mortalidade e de rejeição de animais, destacou-se o incumprimento de vazio sanitário, utilização de vestuário e calçado adequados e realização de análises periódicas à água. Registaram-se temperaturas ambiente elevadas...

Boas práticas na produção cunícola: elaboração do manual, seu cumprimento na exploração do Ribatejo e Oeste e suas consequências na mortalidade e rejeição de animais

Carvalho, Sílvia Alexandra Rosário de
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2010 Português
Relevância na Pesquisa
66.63%
Dissertação de mestrado em Sistemas de Prevenção e Controlo Alimentar, apresentada na Escola Superior Agrária de Santarém, Instituto Politécnico de Santarém; O presente trabalho teve como objectivo a elaboração de um manual de ―Boas Práticas na Produção Cunícola‖ cumprindo o previsto na legislação comunitária e no ―Codex Alimentarius‖. Simultaneamente, pretendeu-se caracterizar a exploração cunícola da região Ribatejo e Oeste, com a respectiva avaliação do grau de cumprimento de boas práticas e da sua eventual consequência na mortalidade e rejeição de animais para abate. Realizou-se um inquérito junto da totalidade das explorações cunícolas da região do Ribatejo e Oeste, registadas nos serviços oficiais, num total de dezassete explorações, totalizando um efectivo de 6720 fêmeas reprodutoras. Nos pavilhões de crescimento e engorda, procedeu-se ainda ao levantamento mensal do número de animais mortos, de animais rejeitados para abate e da temperatura média registada nos meses de Verão. A caracterização da exploração foi realizada com dados apresentados percentualmente, para cada um dos itens analisados. O grau de cumprimento de boas práticas na exploração cunícola para cada um dos itens considerados...

Boas práticas de fabricação em restaurantes de Fortaleza/CE

Bezerra, Camilla Lima
Fonte: Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz Publicador: Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em /10/2014 Português
Relevância na Pesquisa
66.67%
Dissertação para obtenção do grau de Mestre em Segurança Alimentar e Saúde Pública; As dificuldades impostas pelos longos deslocamentos entre os locais de emprego e as residências e as grandes jornadas de trabalho, aumentou a necessidade de alimentação fora do lar, e com ela uma forte concorrência entre as empresas produtoras de alimentos. Dentre alguns fatores imprescindíveis para criação de diferencial competitivo, a segurança dos alimentos é destaque. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária, órgão brasileiro responsável pela vigilância sanitária dos alimentos, editou em 15 de setembro de 2004 a Resolução da Diretoria Colegiada nº 216, que trata do regulamento técnico de boas práticas para serviços de alimentação. Assim, objetivando adequar três restaurantes situados em Fortaleza/CE a esta resolução, foi verificado o nível de conhecimento e conscientização dos manipuladores quanto à segurança dos alimentos, bem como implantado em tais estabelecimentos os preceitos de boas práticas preconizados na referida lei, tendo sido verificado o grau de atendimento aos itens antes e após a implantação. No primeiro momento, Empresas 1, 2 e 3 foram classificadas no nível mais baixo, atendendo respectivamente 46%...

Boas práticas para a integração de populações imigrantes: governamentalidade, gestão e bem-estar num centro de acolhimento temporário em Lisboa, entre 2011-2012

Pena, Ingrid Machado
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2012 Português
Relevância na Pesquisa
66.67%
Mestrado em Desenvolvimento e Saúde Global; O presente estudo aborda a construção da narrativa das boas práticas para a integração de imigrantes num centro de acolhimento temporário em Lisboa, contextualizando o conceito de acolhimento e boas práticas com referência aos cenários político e económico actuais. O Centro Pedro Arrupe (CPA) acolhe imigrantes e deslocados do seu país de origem em situação de carência humanitária, ou seja, pessoas que encontram-se incapazes de cumprir com as necessidades básicas de alojamento, alimentação, vestuário, higiene, entre outros. A partir de um dos projectos em execução - Projecto de Tutoria Social - o estudo tem por objectivo explorar e acomodar as perspectivas/narrativas dos actores envolvidos e identificar as racionalidades e/ou paradigmas associados que conferem forma à intervenção no terreno. Para a realização do estudo foi privilegiado o método etnográfico com a realização de entrevistas semi-directivas com tutores, residentes e equipa técnica, observação participante, revisão da literatura, consulta a manuais de boas práticas e relatórios internacionais e a análise documental do projecto. Nas representações dos interlocutores, não obstante a pluralidade de significados e atribuições...

Avaliando as boas práticas em saúde e migrações em Portugal: teoria, prática e política

Padilla, Beatriz; Hernández-Plaza, Sónia; Ortiz, Alejandra
Fonte: Centro de Estudos em Sociologia da Universidade Nova de Lisboa (CESNOVA) Publicador: Centro de Estudos em Sociologia da Universidade Nova de Lisboa (CESNOVA)
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2013 Português
Relevância na Pesquisa
66.6%
Nos últimos anos o uso das boas práticas em todas as esferas políticas tem sido uma constante, estendendo-se a vários âmbitos, nomeadamente ao da saúde e das migrações. É curioso verifi car, no entanto, que o desenvolvimento teórico nesta matéria se encontra aquém do seu uso. Quais são as consequências do excessivo uso das boas práticas na investigação e na aplicação das políticas relativas à saúde e migrações? É possível transformar o recurso das boas práticas numa ferramenta útil? Em caso afirmativo, que elementos são necessários? Como tem decorrido este processo em Portugal? Traduz-se realmente numa melhoria da saúde dos imigrantes? Através da análise de alguns casos específicos no âmbito da saúde materno-infantil e da chamada competência cultural, tentaremos responder a estas questões teórico-práticas.

As boas práticas com TIC e a utilidade atribuída pelos alunos recém-integrados na universidade

Ricoy,María Carmen; Couto,Maria João V. S.
Fonte: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2014 Português
Relevância na Pesquisa
66.63%
As Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) marcam as dinâmicas de trabalho dos diferentes contextos profissionais, e o âmbito educativo não é uma exceção. Nesta investigação, pretende-se conhecer a percepção que têm os alunos recém-integrados no ensino universitário sobre as boas práticas educativas com as TIC. Para tanto, analisou-se o conteúdo de relatos dos alunos, nos quais plasmam sua reflexão sobre as experiências e ideias prévias no âmbito da temática em causa. O estudo de caso abordou-se a partir de um enfoque qualitativo que se enquadra na investigação narrativa. A amostra é composta por 55 alunos com idades entre 18 e 37 anos que frequentam o 1º ano do Grau em Educação Social na Universidade de Vigo (Espanha). Como resultados e principais conclusões, salienta-se que a simples utilização das TIC é associada pelos participantes às boas práticas, sem questionar a combinação de seu uso com o de estratégias didáticas de tipo inovador. Descobre-se que eles atribuem as boas práticas com TIC ao uso de dispositivos e aplicativos bastante atuais. Os participantes identificam diferentes benefícios em seu uso relativamente a: acesso à internet, comunicação, publicação e difusão de conteúdos numa multitude de formatos. Já como obstáculos...

As boas práticas com TIC e a utilidade atribuída pelos alunos recém-integrados na universidade

Ricoy,María Carmen; Couto,Maria João V. S.
Fonte: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2014 Português
Relevância na Pesquisa
66.63%
As Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) marcam as dinâmicas de trabalho dos diferentes contextos profissionais, e o âmbito educativo não é uma exceção. Nesta investigação, pretende-se conhecer a percepção que têm os alunos recém-integrados no ensino universitário sobre as boas práticas educativas com as TIC. Para tanto, analisou-se o conteúdo de relatos dos alunos, nos quais plasmam sua reflexão sobre as experiências e ideias prévias no âmbito da temática em causa. O estudo de caso abordou-se a partir de um enfoque qualitativo que se enquadra na investigação narrativa. A amostra é composta por 55 alunos com idades entre 18 e 37 anos que frequentam o 1º ano do Grau em Educação Social na Universidade de Vigo (Espanha). Como resultados e principais conclusões, salienta-se que a simples utilização das TIC é associada pelos participantes às boas práticas, sem questionar a combinação de seu uso com o de estratégias didáticas de tipo inovador. Descobre-se que eles atribuem as boas práticas com TIC ao uso de dispositivos e aplicativos bastante atuais. Os participantes identificam diferentes benefícios em seu uso relativamente a: acesso à internet, comunicação, publicação e difusão de conteúdos numa multitude de formatos. Já como obstáculos...

Oficinas de boas práticas de fabricação: construindo estratégias para garantir a segurança alimentar

Costa,Tarcisio da Silva; Neiva,Gabrielly Sobral; Camilo,Valéria Macedo Almeida; Freitas,Fernanda de; Silva,Isabella de Matos Mendes da
Fonte: Instituto de Tecnologia de Alimentos - ITAL Publicador: Instituto de Tecnologia de Alimentos - ITAL
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2012 Português
Relevância na Pesquisa
66.63%
A comercialização de alimentos tradicionais resgata a história e a cultura presentes nos alimentos. Os pescadores artesanais são os principais responsáveis pelo abastecimento do mercado nacional. Considerando-se a importância da adoção de procedimentos de Boas Práticas de Fabricação em toda cadeia produtiva, o presente trabalho visa a socializar uma experiência construtiva de uma oficina de Boas Práticas de Fabricação para pescadoras. Diante disso, realizou-se um levantamento de conceitos e atitudes voltadas para produção segura de alimentos, utilizando-se como instrumento entrevistas, além da observação de seus hábitos e atitudes. Os resultados evidenciam que estas pescadoras percebem as Boas Práticas de Fabricação como sinônimo de higiene e de poder comercializar o pescado sem reclamações; porém, as mesmas não têm noção dos procedimentos de Boas Práticas de Fabricação na sua atividade. O processo formativo se constitui como uma das estratégias de base para consolidação dos grupos, sendo as oficinas alternativas eficientes, de fácil execução e baixo custo.

Oficinas de boas práticas de fabricação: construindo estratégias para garantir a segurança alimentar

Costa,Tarcisio da Silva; Neiva,Gabrielly Sobral; Camilo,Valéria Macedo Almeida; Freitas,Fernanda de; Silva,Isabella de Matos Mendes da
Fonte: Instituto de Tecnologia de Alimentos - ITAL Publicador: Instituto de Tecnologia de Alimentos - ITAL
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2012 Português
Relevância na Pesquisa
66.63%
A comercialização de alimentos tradicionais resgata a história e a cultura presentes nos alimentos. Os pescadores artesanais são os principais responsáveis pelo abastecimento do mercado nacional. Considerando-se a importância da adoção de procedimentos de Boas Práticas de Fabricação em toda cadeia produtiva, o presente trabalho visa a socializar uma experiência construtiva de uma oficina de Boas Práticas de Fabricação para pescadoras. Diante disso, realizou-se um levantamento de conceitos e atitudes voltadas para produção segura de alimentos, utilizando-se como instrumento entrevistas, além da observação de seus hábitos e atitudes. Os resultados evidenciam que estas pescadoras percebem as Boas Práticas de Fabricação como sinônimo de higiene e de poder comercializar o pescado sem reclamações; porém, as mesmas não têm noção dos procedimentos de Boas Práticas de Fabricação na sua atividade. O processo formativo se constitui como uma das estratégias de base para consolidação dos grupos, sendo as oficinas alternativas eficientes, de fácil execução e baixo custo.

Almeida, Ana Carina Mendes Uma proposta de boas práticas para suportar o gerenciamento de tempo em projetos de desenvolvimento distribuído de software

Almeida, Ana Carina Mendes
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: dissertacao
Português
Relevância na Pesquisa
66.6%
No contexto do mundo moderno, observamos que muitas organizações se apresentam cada vez mais motivadas a aderir ao Desenvolvimento Distribuído de Software (DDS). Boa parte dessa motivação tem razões econômicas, ou seja, a busca de mão de obra especializada a um custo mais baixo, inclusive considerando a disponibilidade de pessoas qualificadas em várias regiões. Desta forma, é possível aproveitar o que cada região tem de melhor a oferecer, seja em termos de custo (recursos humanos), qualidade, agilidade, políticas de incentivo fiscais, capacitação e quantidade de pessoas disponíveis, entre outros benefícios. Algumas pesquisam comprovam que o esforço para desenvolver um software em ambiente DDS é maior do que o esforço despendido no ambiente centralizado. Esta diferença adicional vem de aspectos não-técnicos, tais como, coesão das equipes, dependência entre sites (equipes), esforço adicional de comunicação decorrente da distância, transferência de conhecimento entre sites, maior esforço de gerência de projeto, entre outros aspectos. Atualmente, os principais fatores que podem influenciar no aumento de esforço em ambientes DDS não estão catalogados de forma sistemática, além disso, há escassez na literatura de boas práticas direcionadas ao planejamento de projeto DDS que ajudem aos líderes a mitigá-los. Esta dissertação tem como objetivo geral propor um conjunto de boas práticas a serem incorporadas no processo de gerenciamento de tempo...

Uma Proposta de Boas Práticas Baseada Em Evidências Para a Gestão de Conflitos Em Equipes de Desenvolvimento Distribuído de Software

Oliveira, João Paulo Nogueira de; Moura, Hermano Perrelli de (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: dissertacao
Português
Relevância na Pesquisa
66.63%
Nas últimas décadas, foi possível observar que grandes empresas ao redor do mundo passaram a utilizar a estratégia de Desenvolvimento Distribuído de Software (DDS) como uma forma de construção de diferenciais competitivos no mercado global. No entanto, o gerenciamento dos projetos DDS revela algumas particularidades que devem ser levadas em consideração, incluindo os conflitos organizacionais que podem surgir nesse tipo de ambiente. Este trabalho apresenta resultados de uma revisão sistemática da literatura sobre gerenciamento de conflitos em equipes DDS. O objetivo é coletar e reportar o conhecimento adquirido sobre as principais dificuldades e boas práticas encontradas no gerenciamento de conflitos em projetos DDS, a fim de propor uma abordagem de boas práticas baseada em evidências para a gestão de conflitos em equipes de desenvolvimento de software que estão inseridas nesse modelo virtual de trabalho. Foi identificado um total de 90 trabalhos entre os anos de 1998 e 2012. Usando os dados (desafios e boas práticas) que foram sistematicamente extraídos desses trabalhos, foi proposta uma categorização dos principais desafios encontrados em 11 fatores que impactam o gerenciamento de conflitos em projetos de DDS...