Página 1 dos resultados de 1963 itens digitais encontrados em 0.013 segundos

A "financeirização" no capitalismo contemporâneo: uma discussão das teorias de François Chesnais e David Harvey; The "financialization" of contemporay capitalism: a discussion of the theories of François Chesnais and David Harvey

Lapyda, Ilan
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 17/08/2011 Português
Relevância na Pesquisa
37.09%
A dissertação procura compreender o fenômeno da financeirização no âmbito do capitalismo contemporâneo. Uma série de transformações iniciadas nos anos 1970 assinalou o declínio do regime de acumulação fordista e a provável emergência de uma nova fase do capitalismo. Sua característica fundamental consiste em um movimento de financeirização, decorrente em parte de mudanças desenvolvidas na esfera financeira. Seus traços mais destacados são o aumento exponencial das transações, tanto em termos absolutos como em relação às atividades produtivas; a liberalização e desregulamentação de mercados e das atividades financeiras em todo o mundo; o surgimento de novos agentes e instituições ligados às finanças. Processo este que desembocou no aumento da importância do capital financeiro nos circuitos de valorização. O caráter recente deste fenômeno ainda não permitiu que fossem estabelecidos consensos teóricos sobre a questão. Por conta disso, a dissertação debruça-se sobre as obras de dois pensadores marxistas, François Chesnais e David Harvey, buscando estabelecer semelhanças, diferenças e, sobretudo, as complementaridades de suas contribuições. A escolha de Chesnais se impõe pelo papel destacado que o assunto ocupa em sua obra. Harvey...

Um outro espírito, um outro capitalismo. O papel da economia antiga na tipologia do capitalismo em Max Weber; Another spirit, another capitalism. The role of ancient economy in the typology of capitalism in Max Weber

Grigorowitschs, Tamara
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 20/06/2012 Português
Relevância na Pesquisa
37.21%
A partir da publicação da terceira edição de Agrarverhältnisse im Altertum (Relações agrárias na Antiguidade, 1909) a noção de capitalismo passa a desempenhar um papel central na análise da economia antiga nos escritos de Max Weber. De modo idealtípico, a definição da economia antiga como capitalista envolve a delimitação de suas espeficidades e, simultaneamente, oferece um contraponto comparativo fundamental para a constituição do tipo do capitalismo moderno. Em seus escritos sobre a economia antiga, Weber elaborou uma análise fundamentada em dois diferentes níveis de abstração, que englobam tipos diversos de capitalismo; o trânsito entre esses diferentes níveis é o que fundamenta sua análise comparativa das economias moderna e antiga e possibilita uma definição mais acurada do capitalismo moderno, em sua dimensão racional.; Since the publication of the third version of Agrarverhältnisse im Altertum (The Agrarian Sociology of Ancient Civilizations, 1909), the concept of capitalism plays an essential role in the analysis of the ancient economy in Max Weber's writings. On the one hand, the classification of the ancient economy as capitalist depends on the understanding of its uniqueness. On the other hand...

A força do estético: reflexões sobre a refuncionalização da arte em "Pós-modernismo ou a lógica cultural do capitalismo tardio", de Fredric Jameson; The power of the aesthetic: reflections on art refunctionalization in "Postmodernism or the Cultural Logic of Late Capitalism", by Fredric Jameson

Tessitore, Gabriela Corbisier
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 05/12/2013 Português
Relevância na Pesquisa
37.16%
Este estudo pretende investigar, a partir do confronto da tese elaborada por Fredric Jamseon em Pós-modernismo ou a lógica cultural do capitalismo tardio com uma análise voltada para a materialidade histórica, o alcance da fusão da base e da superestrutura no capitalismo tardio. Nesse sentido, busca esclarecer em que medida o ensaio de Jameson ajuda a compreender a dominância do pós-modernismo, e o quanto é insuficiente, por outro lado, para explicar a situação da produção material nas regiões em que o neoliberalismo e a globalização não estão desenvolvidos, e que, portanto, não respondem integralmente à lógica cultural que anima o capitalismo financeiro. Noutras palavras, reinvindica-se o teste da realidade da ideologia do pós-modernismo para além das fronteiras do mundo anglo-saxão. Sendo assim, é debatida a possibilidade da tese de Jameson sobre a fusão da base e da superestrutura no estágio do capitalismo tardio estar circunscrita aos países onde ambos, a acumulação flexível e a globalização financeira, de fato, vingaram. Sem prejuízo do conteúdo da crítica, esta pesquisa visa igualmente traçar considerações acerca da prosa jamesoniana, a fim de apontar para alguns de seus efeitos e sua relação com o caráter de denúncia apresentado no ensaio e estabelecer suas correspondências com o método da Escola de Frankfurt...

Capitalismo perene: reflexões sobre a estabilização do capitalismo a partir de Lukács e da teoria crítica; Perennial Capitalism: reflections on capitalism stabilization from Lukács and critical theory

Puzone, Vladimir Ferrari
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 27/08/2014 Português
Relevância na Pesquisa
37.09%
Esta tese tem por objetivo compreender a estabilização do capitalismo em diversos períodos no século XX, mais especificamente em três obras do que se convencionou chamar de marxismo ocidental, uma vez que elas representam pontos de inflexão da discussão a respeito do assunto: História e Consciência de Classe, de Georg Lukács, Dialética do Esclarecimento, de Max Horkheimer e Theodor W. Adorno, e O Homem Unidimensional, de Herbert Marcuse. Por meio de uma comparação desses livros com os debates a respeito das transformações do capitalismo nos períodos em que cada uma das obras foi escrita, procurou-se entender por quais mecanismos e instituições a sociedade capitalista conseguiu superar suas crises e se naturalizar perante os indivíduos, constituindo-se como segunda natureza e sendo aceita, portanto, como a única forma de sociedade possível. Dessa maneira, seus autores se distinguem daquelas discussões, não apenas retomando e criticando vários de seus aspectos, mas sobretudo por apresentarem explicações e conceitos inovadores diante das mudanças históricas. As análises em cada uma das obras oferecem alternativas para se compreender o atual estágio histórico em que se encontra a sociedade burguesa; This dissertation aims to understand capitalism stabilization throughout different periods in twentieth century...

A dialética do esclarecimento capitalista além do princípio de prazer: reflexões sobre sujeito contemporâneo e capitalismo à luz do conceito de pulsão da morte

Crioni, Renato
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis Formato: 132 f. : il.
Português
Relevância na Pesquisa
37.09%
Pós-graduação em Educação - IBRC; Vivemos um período de grande ansiedade que perpassa as fronteiras nacionais. Este sentimento de angústia apresenta-se através de formas e causas dispersas, concretizando-se desse modo, como componente do cotidiano. Estas manifestações relacionam-se profundamente com as ordenações econômicas. Porém, é neste momento que o capitalismo, aferido segundo seus próprios fundamentos, dá mostras de ter chegado a seus limites históricos objetivos, por suas características contraditórias primevas, conforme indicou Marx, ou mesmo pelos limites ambientais como obstáculos, em última instância, à sua expansão. O capitalismo, como modo de produção correspondente à modernidade, não é aqui apenas interpretado como a imposição externa, objetiva, de suas categorias fetichistas. Para a consolidação e expansão desta forma social histórica, foi essencial a subjetivação fortuita de tais categorias fetichistas através de um longo e árduo processo de educação. Corroboram nesta análise, os estudos de Weber sobre uma “ascese laica” no “Espírito do Capitalismo”, e também as análises da Escola de Frankfurt, especialmente Adorno e Horkheimer, sobre uma forma de dominação que é exercida com a participação ativa do próprio sujeito no processo de seu auto-engodo. Porém...

Progresso e capitalismo

Antonio Carlos de Azevedo Lobão
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em /03/1998 Português
Relevância na Pesquisa
37.09%
O paradigma do progresso constitui o pilar fundamental sobre o qual estão assentados os principais valores da sociedade ocidental. O processo que conduz à sua hegemonia sobre o paradigma da decadência histórica e dos ciclos recorrentes, ocorre paralelamente à consolidação do Capitalismo, e isto revela a existência de fortes vínculos entre este modo de produção e o paradigma do progresso. Primeiramente, porque o sistema capitalista tem um caráter eminentemente progressivo. A contínua introdução de inovações e as sucessivas modificações nos produtos e nos processos produtivos acaba consolidando, perante o senso comum, a idéia de um mundo em permanente evolução. São essas constantes transformações que nutrem o paradigma do progresso. Em segundo lugar, ao instalar-se, o Capitalismo rompeu com o misticismo e com o autoritarismo, que legitimavam a forma de dominação anterior. Os antagonismos de classes, inerentes ao modo de produção capitalista, exigiam uma nova base ideológica que mantivesse o conflito entre as classes num nível que não ameaçasse o processo de acumulação capitalista. É o paradigma do progresso que vai garantir isso. Nesse contexto, a acumulação capitalista se coloca como única alternativa viável para garantir o atendimento das necessidades das massas...

O papel da questão agraria no desenvolvimento do capitalismo nacional, entre 1950 e 1964, em Caio Prado Junior, Celso Furtado, Ignacio Rangel e autores pecebistas

Fabiana de Cassia Rodrigues
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 20/12/2005 Português
Relevância na Pesquisa
37.09%
O objetivo desse trabalho foi pesquisar o papel da questão agrária no desenvolvimento do capitalismo em bases nacionais, no período de intensificação da industrialização brasileira, entre 1951 e 1964, através do debate entre os principais intelectuais que a pensaram nesse momento histórico. Para efetuá-lo a dissertação foi dividida em dois capítulos, no primeiro realizamos uma contextualização do debate, através da discussão das linhas gerais sobre as políticas econômicas do período juntamente com os limites, relativos à questão agrária, do crescimento econômico. Foram tratados dois aspectos relevantes para compreender de que forma essa questão impunha obstáculos ao desenvolvimento nacional. O primeiro deles, diz respeito ao desequilíbrio existente nas relações estabelecidas entre capital e trabalho no processo de industrialização, que deflagravam a intensa exploração da força de trabalho rural e urbana. O segundo aspecto refere-se à forma como o campo respondia às novas demandas decorrentes da industrialização e da urbanização. Nesse item foi mostrado que o aumento da produção agrícola se dava sem alteração na estrutura fundiária, gerando um agravamento nas condições de vida dos trabalhadores rurais e deflagrando uma série de conflitos...

Trabalho imaterial e produção cultural : a dialetica do capitalismo tardio; Immaterial labor and cultural production : the dialectic of the late capitalism

Silvio Cesar Camargo
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 01/07/2009 Português
Relevância na Pesquisa
37.09%
Nossa pesquisa se refere a debates em teoria social contemporânea. Nesta tese procuramos mostrar e ao mesmo tempo problematizar a categoria trabalho imaterial, considerando que tal categoria está se mostrando como historicamente central para o processo de produção da riqueza capitalista e acumulação do capital ao longo, aproximadamente, dos últimos trinta anos. A hipótese do trabalho imaterial como central para o atual momento histórico está, ao mesmo tempo, ligada às transformações da cultura contemporânea, principalmente, na forma de produção cultural. Procuramos conceber este entrelaçamento como o aspecto chave de um novo estágio do capitalismo, concebido pelo conceito de capitalismo tardio. Neste sentido, investigamos alguns problemas que também dizem respeito à tradição da Escola de Frankfurt. Em nossa hipótese de investigação conhecimento e cultura são conceitos centrais para o entendimento deste novo estágio do capitalismo tardio, possibilitando-nos um novo olhar quanto aos problemas da dominação e da emancipação na sociedade contemporânea; Our research concerns debates in contemporary social theory. In this dissertation we intend to show as well as query the immaterial labor category, considering that such category has shown itself as historically central for the production process of capitalist wealth and capital accumulation in the last thirty years...

A noção de capitalismo tardio na obra de Jürgen Habermas : em torno da tensão entre capitalismo e democracia; The notion of late capitalism in the work of Jürgen Habermas : around the tension between capitalism and democracy

Leonardo Jorge Da Hora Pereira
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 26/09/2012 Português
Relevância na Pesquisa
37.28%
O tema da democracia constitui talvez o tema mais importante na obra do filósofo alemão Jürgen Habermas. No entanto, apesar da importância essencial de uma discussão vinculada diretamente aos seus aspectos normativos, pretendemos testar uma perspectiva complementar no estudo desta temática. Ora, é importante ressaltar que Habermas pensou a democracia não apenas a partir de suas possibilidades normativas de realização de ideais como os de autonomia e auto-determinação. Como um autêntico teórico crítico, ele também investigou as possibilidades concretas de institucionalização de formas democráticas de governo. A análise da relação tensa entre capitalismo e democracia é importante para refletir sobre os condicionamentos sistêmicos ou estruturais que o capitalismo impõe ao funcionamento dos regimes democráticos liberais. Ou seja, trata-se aqui de pensar a democracia a partir de suas possibilidades concretas de realização, o que pressupõe levar em conta os obstáculos impostos pelo capitalismo tardio. Desse modo, esta dissertação de mestrado tem como objetivo analisar as duas primeiras décadas da trajetória intelectual do filósofo alemão sob o prisma da relação entre capitalismo e democracia. Investigaremos como o tratamento dessa problemática surge a partir dos diagnósticos do capitalismo tardio produzidos pelo autor ao longo de diversas obras...

O debate marxista contemporâneo sobre capitalismo e império americano; The contemporary marxist debate on capitalism and american empire

Fábio de Vasconcellos Aquino
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 18/07/2014 Português
Relevância na Pesquisa
37.21%
Ciclos Hegemônicos, imperialismo e relação dos Estados com a expansão nacional e internacional do capitalismo sempre foram temas caros à História Econômica. Partimos da hipótese de que a crise econômica iniciada em 2007 tem seus determinantes principais tanto nas contradições imanentes do capital quanto nas transformações ocorridas a partir dos anos 70 no seio da economia política capitalista, ou seja, na articulação entre política e leis imanentes do capital. O objetivo do trabalho é a análise do debate contemporâneo sobre capitalismo e imperialismo a partir de uma revisão bibliográfica marxista. Especificamente procuramos observar como o poder global americano erigido no imediato pós-guerra se renova depois dos anos 70, permanecendo até hoje por uma hegemonia expressa na sua tutela sobre a financeirização, colocada em questão pela crise atual. No primeiro capítulo passamos por uma breve etapa conceitual sobre o capital fictício e uma revisitação ao debate clássico sobre capitalismo e imperialismo. No segundo capítulo, colocamos em debate as posições de Brenner, Panitch e Gindin, Konings, Arrighi, Wallerstein, Callinicos e por fim Gowan. A leitura dos autores teve como guia a questão da causalidade da crise dos anos 1970; a dinâmica da economia política internacional...

Lazer e educação no capitalismo brasileiro

Cândido, Fernando Pereira
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: dissertação (mestrado)
Português
Relevância na Pesquisa
37.16%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação. Programa de Pós-graduação em Educação; O trabalho é a categoria originária do ser social. Ele tem seu caráter concreto de produtor de valor de uso subsumido a seu caráter abstrato de produtor de valor, sob o capitalismo. O lazer é uma prática social específica do capitalismo, própria do tempo livre definido por oposição ao tempo ocupado do trabalho, ao mesmo tempo em que é complexo fundado com dependência ontológica deste, se desenvolve em íntima relação com a educação. Desse modo, esta pesquisa surgiu da necessidade da superação das análises idealistas do lazer, e de estabelecer nexos teóricos que permitam chegar à apreensão concreta deste fenômeno, de forma a permitir sua articulação ao projeto de superação radical do capital. A categoria contradição permitiu analisar o lazer, por um lado, na sua característica hegemônica de reprodução da sociedade capitalista e, por outro lado, com possibilidades de ser articulado a um projeto de superação radical do capitalismo. Nesse sentido, configurou-se o problema: partindo da história brasileira desde o século XX, o que é concretamente o lazer e quais suas mediações nas relações sociais capitalistas considerando a luta de classes? Para essa investigação se estabeleceu o objetivo central de analisar o lazer na sociedade brasileira a partir da crítica de autores clássicos e contemporâneos...

A contribuição de Florestan Fernandes para a compreensão da qustão social nop contexto do capitalismo dependente brasileiro

Machado, Davi Perez
Tipo: tccgrad Formato: 64 f.
Português
Relevância na Pesquisa
37.09%
TCC (Graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina. Centro Socioeconômico. Serviço Social.; O presente trabalho tem como temática central uma revisão das contribuições do sociólogo brasileiro Florestan Fernandes para a compreensão da questão social no capitalismo dependente brasileiro. São apresentados elementos acerca da importância da temática para o aprofundamento da pesquisa deste tema na área do Serviço Social, uma abordagem mais geral a respeito do surgimento e consolidação da questão social no contexto do capitalismo mundial, seguida de uma síntese da contribuição de Florestan Fernandes sobre o capitalismo dependente e a questão social no Brasil. O trabalho também apresenta alguns apontamentos sobre a relevância desses temas na atualidade.

O imperialismo, fase contemporanea do capitalismo

Benitez, Jose Leandro Farias
Tipo: dissertação (mestrado) Formato: ix, 158f.| il
Português
Relevância na Pesquisa
37.16%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciencias Juridicas; Esta dissertação analisa o imperialismo segundo a teoria criada por Lênin e tenta mostrar sua validade na interpretação das manifestações contemporâneas do fenômeno. O método utilizado é o indutivo. A obra de Lênin "O Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo" deu origem à teoria marxista-leninista do imperialismo, que é caracterizado, como resultante da concentração da produção e do capital que por sua vez, dá origem aos monopólios, agrupamentos que dominam a produção imperialista. O capital industrial e o capital bancário unem-se e formam o capital financeiro, que é utilizado pelos monopólios. O imperialismo é a última fase do capitalismo, antes da revolução. Os fenômenos do imperialismo que surgiram após tal obra são: a) o capitalismo monopolista de estado, no qual os interesses dos monopólios e do estado se fundem; b) a dependência, que é a submissão dos países menos desenvolvidos às potências imperialistas, isto é, o estudado pelas teorias de neo-imperialismo; c) o surgimento de um novo imperialismo, diferente do estudado por Lênin, caracterizado pelos Estados Unidos; d) a crise do sistema imperialista. No século XX iniciou-se a crise geral do capitalismo...

Consolidação e atualidade do capitalismo dependente no Brasil

Perez, Davi Machado
Tipo: dissertação (mestrado)
Português
Relevância na Pesquisa
37.16%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Sócio-Econômico, Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Florianópolis, 2015; O presente trabalho foi desenvolvido por meio de pesquisa bibliográfica e tem como tema a consolidação e atualidade do capitalismo dependente no Brasil. Trata-se de uma contribuição para o debate teórico no âmbito do Serviço Social brasileiro, dialogando com suas atuais diretrizes curriculares. A principal referência são os aportes do sociólogo Florestan Fernandes, relacionados com elementos trazidos por outros autores marxistas ao longo do trabalho. Com a finalidade de contribuir para o desenvolvimento crítico das diretrizes curriculares do Serviço Social, abordamos elementos centrais acerca da consolidação do capitalismo dependente no Brasil, inserido no contexto do capitalismo global. Posteriormente levantamos alguns dados e análises extraídos de fontes documentais e bibliográficas para problematizar a atualidade do capitalismo dependente na realidade brasileira.; Abstract: This study was developed as literature and is subject to consolidation and updating of dependent capitalism in Brazil. This is a contribution to the theoretical debate within the Brazilian Social Work...

Judaísmo e capitalismo: contribuição judaica para a formação do ethos capitalista

Nogueira, António Fernando de Vasconcelos
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Tese de Doutorado
Português
Relevância na Pesquisa
37.21%
A Igreja de Roma, em diferentes épocas, por intermédio das suas doutrinas, condenou o modo de vida judaico. Estava muito mais preocupada com a usura, o justo preço e as corporações, que com a economia capitalista do lucro, a empresa, o mercado monetário. Contudo, durante a Idade Média, o comércio e a usura tornaram-se familiares não apenas a muitos judeus mas também a muitos cristãos. Estes tinham-se associado em parcerias comerciais de tipo familiar nas cidades. De facto foram mercadores e banqueiros italianos os primeiros a desenvolver a banca, a contabilidade, as técnicas de crédito, e iniciaram o pré-capitalismo com o grande comércio à distância. Os Judeus seguiram-nos, sendo úteis quer à Igreja quer ao Estado. Neste estudo interessamo-nos pelas teses principais de Marx, da Verstehen de Soziologie e da Nouvelle Histoire, a fim de esclarecer algumas especulações como a atitude judaica com respeito ao Capitalismo. Ocupamo-nos dos factores económicos que compõem a participação judaica na sociedade capita¬lista. Problematizamos as teses desses e outros autores que estão na base de uma controvérsia secular, sobre as origens do Capitalismo, a sua definição e periodização, as suas incidências axiológicas...

O estatuto do consumo na compreensão da lógica e das mutações do capitalismo

Fontenelle,Isleide Arruda
Fonte: CEDEC Publicador: CEDEC
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2014 Português
Relevância na Pesquisa
37.21%
Embora o consumo se apresente como fundamental para a compreensão do modo de funcionamento do capitalismo contemporâneo, não é assim que ele tem sido abordado do ponto de vista da teoria social. É certo que já há um campo de estudos sobre o consumo advindo da sociologia, da antropologia e dos estudos culturais, porém, são estudos que focam mais nos modos de vida, na formação cultural, nos significados, normas e valores associados aos usos das mercadorias, do que propriamente no papel central que o consumo tem na realização do valor para o capital. Este artigo pretende contribuir para reverter esse gap ao propor um retorno à abordagem marxista acerca do lugar do consumo no processo de expansão do valor. Assumindo a posição central que o consumo tem para a realização do capital, e partindo da análise dialética do capitalismo como movimento e contradição, o artigo busca elucidar as principais mutações na cultura de consumo que ocorreram a partir do final da década de 1970, culminando com as transformações oriundas da terceira revolução tecnológica - a informática. Propõe que as duas principais formas que assumiu o capitalismo em fins do século XX - o financeiro e o imaterial - operam fundamentalmente a partir do consumo; assim como revelam as mutações e as contradições do capitalismo na contemporaneidade.

Capitalismo: civilização e poder

Comparato,Fábio Konder
Fonte: Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo Publicador: Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2011 Português
Relevância na Pesquisa
37.16%
No presente artigo, o capitalismo é examinado historicamente como civilização e como poder. Como primeira civilização mundial da história, o capitalismo é considerado desde o seu surgimento, no final da Idade Média, como fator de desagregação da civilização indo-europeia, não só quanto à mentalidade coletiva predominante, mas também quanto às instituições sociais. No tocante ao poder social do capitalismo, o artigo procura mostrar como a burguesia mercantil, inserindo-se na sociedade feudal, acabou por sobrepor-se aos estamentos nela dominantes: o eclesiástico e o aristocrático-militar. Embora originado fora do mundo jurídico, como poder puramente privado, o capitalismo manifestou, desde o início da Modernidade, sua vocação hegemônica, superpondo-se em pouco tempo aos poderes públicos tradicionais. O poder capitalista, para subsistir, exige a contínua concentração de capital e uma expansão geográfica sem limites. Sua força ideológica, na atual sociedade de massas, funda-se na apropriação dos modernos meios de comunicação social. O exercício desse poder mundial, nos últimos séculos, provocou a maior disrupção social que a história jamais conheceu.

Alemanha: o modelo de capitalismo social e os desafios no limiar do século XXI

Guimarães,Alexandre Queiroz; Barbosa,Flavio Constantino; Costa,Guilherme Ottoni; Natalino,Enrique; Oliveira Neto,Paulino
Fonte: Universidade Federal do Paraná Publicador: Universidade Federal do Paraná
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2014 Português
Relevância na Pesquisa
37.21%
A Alemanha consolidou ao longo do século XX um modelo de capitalismo diferente, marcado por uma estrutura de governança corporativa baseada nos stakeholders, pela presença de relações de trabalho participativas, com grande papel conferido aos trabalhadores, e pela existência de uma fonte de capital paciente, resultado das relações desenvolvidas entre bancos e empresas. Essas características ajudam a explicar, entre outros fatores, as fontes de vantagem comparativa, o padrão de inovação e as baixas diferenças salariais. No entanto, esse modelo passou a sofrer pressões com as mudanças verificadas no capitalismo a partir da década de 1970. O artigo avalia a evolução do modelo alemão em resposta a esses desafios. Um ponto central é verificar como as instituições têm evoluído e destacar em que sentido a Alemanha ainda tem um modelo de capitalismo diferente. Outro ponto é entender os desafios enfrentados em termos de produtividade e competitividade, relacionando-os com as características institucionais, com o contexto externo e com a estratégia internacional do país. O artigo utiliza a abordagem do institucionalismo histórico e dos modelos de capitalismo, paradigmas que exploram as características institucionais dos países e a sua persistência ao longo do tempo. Centrou-se em fontes bibliográficas...

O Que Gestão Estratégica Tem a Ver com Capitalismo(s)?

Faria,Alexandre de Almeida; Imasato,Takeyoshi; Guedes,Ana Lucia Malheiros
Fonte: Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração Publicador: Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2014 Português
Relevância na Pesquisa
37.28%
Os debates acerca do capitalismo no contexto de sucessivas crises da globalização neoliberal, apesar de negligenciados pela literatura de gestão estratégica (GE), são de central importância para estrategistas e acadêmicos de economias emergentes. Informados pela hegemonia do capitalismo histórico ocidental e, em resposta à vinculação da literatura de GE dos EUA aos discursos do capitalismo neoliberal como opção única, a literatura europeia abraçou a teoria de variedades de capitalismo e construiu a abordagem de estratégia como prática social. Por meio de um diálogo com a área de estudos internacionais, este artigo discute que a hegemonia euro-americana contemporânea em GE ajuda a construir a autoridade legítima de estrategistas das grandes corporações, tanto a invisibilizar estrategistas euro-americanos de Estado quanto a deslegitimar estrategistas e organizações do resto do mundo que representam outros tipos de capitalismo ou alternativas ao ocidentalismo histórico. Ao final, os autores argumentam que o campo de estratégia no Brasil deve fomentar uma perspectiva de geopolítica do conhecimento em estratégia que ajude a superar algumas das restrições impostas pelo capitalismo histórico ocidentalista e a permitir a difusão de outros tipos de capitalismo e alternativas não ocidentalistas.

A teoria da formação conceitual weberiana: uma análise através d’a ética protestante e o espírito do capitalismo

Silva, Lucas Trindade da; Hamlin, Cynthia Lins (orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: dissertacao
Português
Relevância na Pesquisa
37.21%
Diante da defesa contemporânea da atualidade do programa de investigação weberiano (Kalberg, Ringer, Schluchter), o presente trabalho realiza um retorno a Weber, investigando sistematicamente a relação entre os seus textos de elaboração metodológica e a aplicação desta metodologia na formação conceitual substantiva n’A Ética Protestante e o “Espírito” do Capitalismo (EPEC). A partir dos resultados desta estratégia comparativa buscamos refletir sobre os limites e potencialidades da metodologia weberiana para a investigação nas ciências sociais. Podemos dizer que a metodologia weberiana é formada por uma base epistemológica – seus pressupostos mais gerais – sobre a qual se desenvolve um método – a proposição de instrumentos de observação/seleção/verificação a serem seguidos na investigação empírica científico-social. Aquela base é constituída por uma teoria nominalista do conceito e por uma teoria da relação com valores. O método formado sobre tal base encontra sua síntese na noção de tipo ideal que salienta: o caráter irreal dos conceitos científico-sociais; a necessidade da elaboração de conceitos puros (livres de contradição); a finalidade genética/singular da investigação social; e propõe uma abordagem da ação social como resultado do desenvolvimento e/ou concatenação de ações individuais orientadas por um sentido (individualismo metodológico)...