Página 1 dos resultados de 1766 itens digitais encontrados em 0.158 segundos

Qualidade de vida relacionada com a saúde: a perspectiva dos utentes que frequentam os centros de saúde do aces Trás-os-Montes I Nordeste – Portugal

Praça, Maria Isabel Fernandes; Brás, Manuel; Anes, Eugénia; Brás, Maria de Fátima Morais
Fonte: Asociación de Psicología Evolutiva y Educativa de la Infancia y de la Adolescencia (INFAD de Psicologia) Publicador: Asociación de Psicología Evolutiva y Educativa de la Infancia y de la Adolescencia (INFAD de Psicologia)
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
105.78%
Foi realizado um estudo de avaliação da qualidade de vida na população dos utentes maiores de 18 anos inscritos nos Centros de Saúde do ACES Trás-os-Montes I – Nordeste Portugal). Com uma abordagem quantitativa. Foi utilizado um instrumento genérico de avaliação da Qualidade de vida - SF 36. É um estudo não experimental, analítico e transversal, desenvolvido numa amostra de constituida por 1111 utentes. A amostra é maioritáriamente do sexo feminino (71,4%) e a idade oscila entre 18 e 90 anos, com média de 47,6 e desvio padrão de 18,5 anos. A maioria é casada (61,8%) e 21,8% são solteiros. Quanto à escolaridade 32,0% possui o ensino básico, 24,2% o ensino superior e 14,8 não têm qualquer habilitação académica. A maior parte reside em zonas urbanas (57,4%). Estão profissionalmente activos 59,7%, dos quais, o grupo profissional mais frequente é pessoal dos serviços e vendedores (23,6%), 11,9% estão desempregados e 28,5% estão reformados. Têm baixos rendimentos familiares, a maioria dos utentes inferiores a 1000€, 32,7% menores que 500€. Foi constatada relação dos factores sócio-demográficos e a qualidade de vida, mais especificamente o sexo, a idade, o estado civil, a escolaridade, zona de residência...

Perceção do estado de saúde dos utentes em cuidados de saúde primários

Praça, Maria Isabel Fernandes; Brás, Manuel; Anes, Eugénia; Geraldes, Maria de Fátima; Neto, Alexandra
Fonte: Unidade de Investigação em Saúde (UIS) da Escola Superior de Saúde de Leiria (ESSLei) Publicador: Unidade de Investigação em Saúde (UIS) da Escola Superior de Saúde de Leiria (ESSLei)
Tipo: conferenceobject
Português
Relevância na Pesquisa
105.73%
A saúde é um conceito globalizante, integra várias áreas do conhecimento, social, económico, político, cultural e humano, pois pressupõe um conceito holístico da pessoa. Segundo Albuquerque e Matos (2006) saúde é um desafio, um conceito dinâmico, difícil de definir e medir. Pode dizer-se que é um estado, uma qualidade de vida influenciada por múltiplos fatores ou físicos, mentais, sociais, económicos e ambientais. A avaliação da qualidade de vida começa assim a fazer parte da prática clínica, para medir problemas que interferem no bem-estar e na vida dos doentes, constituindo-se como medidas efetivas para a avaliação terapêutica de doentes e de grupos de doentes (Anes & Ferreira, 2009). Pretendeu-se, avaliar a perceção do estado de saúde nos indivíduos utentes em cuidados de saúde primários, através da aplicação do Instrumento de Avaliação de Saúde (SF-36 v2). Estudo não experimental, analítico e transversal, desenvolvido com uma abordagem quantitativa, utilizando um instrumento genérico de avaliação da Qualidade de Vida - SF 36. A colheita de dados foi efetuada em julho 2010 aos utentes maiores de 18 anos que frequentam os Centros de saúde de um ACES. A amostra é maioritariamente do sexo feminino (71...

Avaliação da estrutura dos centros de atenção psicossocial do município de São Paulo, SP; Evaluation of psychosocial healthcare services in the city of São Paulo, Southeastern Brazil; Evaluación de la estructura de los centros de atención psicosocial del municipio de Sao Paulo, Sureste de Brasil

NASCIMENTO, Andréia de Fátima; GALVANESE, Ana Tereza Costa
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
105.89%
OBJETIVO: Descrever a estrutura física, recursos humanos e modalidades de atenção existentes nos centros de atenção psicossocial (CAPS). MÉTODOS: Foram incluídos no estudo 21 CAPS para atendimento de adultos, vinculados à Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SP), entre 2007 e 2008. Foram coletadas informações sobre as instalações físicas dos serviços, recursos humanos disponíveis e procedimentos de cuidado ao paciente, utilizando instrumento padronizado. Foram realizados análise descritiva dos dados e o teste de qui-quadrado para testar a associação entre os tipos de atividades e a origem e localização dos serviços. RESULTADOS: Dez serviços foram criados como ambulatórios e posteriormente transformados, oito eram hospitais-dia e apenas três foram criados como CAPS. Nenhum serviço funcionava diariamente durante 24 horas. Metade dos serviços funcionava em imóveis alugados, com instalações físicas inadequadas especialmente para atendimentos grupais. A composição das equipes dos serviços foi bastante diversa. As atividades desempenhadas nos CAPS foram heterogêneas, com maior valorização das atividades grupais desenvolvidas com usuários dentro dos CAPS e pouca integração aos outros equipamentos de saúde. As atividades grupais de arte e cultura foram as mais freqüentes em todos os serviços. Os serviços de origem ambulatorial apresentavam atividades artesanais e os que haviam sido hospitais-dia realizavam mais atividades de integração psicofísica. O perfil de atividades relacionou-se à distribuição regional dos serviços. CONCLUSÕES: A heterogeneidade dos CAPS parece se relacionar à história dos programas de saúde mental implementados no município desde a década de 1980 e à diversidade socioeconômica e cultural das regiões da cidade...

A telematic platform towards regional connected healthcare; Uma rede telemática para a prestação regional de cuidados de saúde

Oliveira, Ilídio Fernando de Castro
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Tese de Doutorado
Português
Relevância na Pesquisa
105.73%
As tecnologias de informação e comunicação na área da saúde não são só um instrumento para a boa gestão de informação, mas antes um fator estratégico para uma prestação de cuidados mais eficiente e segura. As tecnologias de informação são um pilar para que os sistemas de saúde evoluam em direção a um modelo centrado no cidadão, no qual um conjunto abrangente de informação do doente deve estar automaticamente disponível para as equipas que lhe prestam cuidados, independentemente de onde foi gerada (local geográfico ou sistema). Este tipo de utilização segura e agregada da informação clínica é posta em causa pela fragmentação generalizada das implementações de sistemas de informação em saúde. Várias aproximações têm sido propostas para colmatar as limitações decorrentes das chamadas “ilhas de informação” na saúde, desde a centralização total (um sistema único), à utilização de redes descentralizadas de troca de mensagens clínicas. Neste trabalho, propomos a utilização de uma camada de unificação baseada em serviços, através da federação de fontes de informação heterogéneas. Este agregador de informação clínica fornece a base necessária para desenvolver aplicações com uma lógica regional...

Controlo interno nos agrupamentos de centros de saúde da Administração Regional de Saúde do Centro, I. P.: estudo exploratório

Vaz, Rui Pedro Ferreira
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
115.86%
O trabalho apresentado aborda a temática do controlo interno das organizações, enquanto conjunto de políticas e boas práticas implementadas pela gestão, tendente à melhoria da eficiência na utilização dos recursos, salvaguarda dos ativos, fiabilidade no reporte financeiro e eficácia operacional. As Administrações Regionais de Saúde, I. P. (ARS), têm por missão garantir à população da respetiva área geográfica de intervenção o acesso à prestação de cuidados de saúde, adequando os recursos disponíveis às necessidades e cumprir e fazer cumprir políticas e programas de saúde na sua área de intervenção. Os Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) são serviços desconcentrados integrados na estrutura da respetiva ARS, estando sujeitos ao seu poder de direção. O objetivo do trabalho prendeu-se com o estudo exploratório de avaliação, no domínio técnico-administrativo, das práticas e metodologias de controlo interno implementadas nos ACES integrados na Administração Regional de Saúde do Centro, I. P., com vista tanto à identificação das vulnerabilidades observadas, como das características principais que deverá revestir um sistema ou conjunto de mecanismos de controlo interno a adaptar à realidade organizacional em análise. A análise empírica comparativa dos elementos recolhidos nos ACES permitiu assim destacar áreas de atividade e processos mais fragilizados em sede de controlo interno...

Os Centros de Saúde em Portugal - A Satisfação dos Utentes e dos Profissionais

Santos, Osvaldo; Biscaia, André; Antunes, Ana Rita; Craveiro, Isabel; Júnior, António; Caldeira, Rita; Charondière, Pascale
Fonte: Ministério da Saúde - Missão para os Cuidados de Saúde Primários Publicador: Ministério da Saúde - Missão para os Cuidados de Saúde Primários
Tipo: book Formato: 1992750 bytes; application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
105.83%
A satisfação com os serviços de saúde, na sua dupla vertente da satisfação dos utentes e da satisfação dos profissionais, é uma área complexa e de difícil avaliação mas, ao mesmo tempo, incontornável. A satisfação dos utentes é, actualmente, considerada como um objectivo fundamental dos serviços de saúde e tem vindo a ocupar um lugar progressivamente mais importante na avaliação da qualidade dos mesmos. O aumento da popularidade deste conceito está associado ao seu valor mediador na aliança (e adesão) terapêutica, à evidência de que a satisfação dos utentes está directamente relacionada com os resultados dos cuidados de saúde, influenciando muitos comportamentos de doença e de saúde, e à crescente importância do papel do utente dos cuidados de saúde enquanto consumidor. Mais especificamente, sabe-se que a satisfação dos utentes está associada à taxa de uso de cuidados de saúde, à efectividade das terapêuticas e ao estado geral de saúde. Por seu lado, e numa visão integradora, a satisfação profissional surge como sendo o resultado afectivo da motivação no trabalho, tendo consequências em termos do desempenho no trabalho e, portanto, sendo determinante para o desenvolvimento sustentado dos cuidados de saúde. A satisfação profissional nos serviços de saúde é considerada um elemento estrutural destes e está associada à sua qualidade e resultados...

A espiritualidade no desempenho dos centros de saúde e das unidades de saúde familiar

Albuquerque, Isabel Garcia da Fonseca e Faro de
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2009 Português
Relevância na Pesquisa
115.89%
Mestrado em Gestão dos Serviços de Saúde / Classificações do JEL Classification System: M10 (Business Administration: General), M29 (Business Economics: Other), I1 (Health), I19 (Other).; Sabe-se que a espiritualidade no trabalho pode influenciar o desempenho percebido pelos profissionais. Este princípio foi aplicado a um estudo na área dos cuidados de saúde primários, tendo sido comparados centros de saúde clássicos com unidades de saúde familiar. Os objectivos deste trabalho contemplam (1) verificar se existem diferenças na espiritualidade entre os profissionais das USF e dos CS (2) verificar se existem diferenças no desempenho percebido entre os profissionais das USF e dos CS e (3) verificar que dimensões da espiritualidade são preditivas do total do desempenho percebido. A amostra engloba 267 profissionais de saúde (médicos, enfermeiros e administrativos). Para medir o desempenho percebido foi usado um conjunto de seis indicadores (just-in-time, GQT, capacitação, desenvolvimento de competências, trabalho em equipa e satisfação percebida) que permitiram obter um olhar mais profundo do posicionamento da percepção actual dos profissionais destas unidades e comparar as diferenças de opiniões entre os dois modelos de organização...

Análise comparativa do impacto das ULS (Unidade Locais de Saúde) e dos ACeS (Agrupamentos de Centros de Saúde) no processo de articulação entre os cuidados de saúde primários e os cuidados de saúde hospitalares

Matos, Inês Lourenço Dias de
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública. Universidade Nova de Lisboa Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública. Universidade Nova de Lisboa
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2013 Português
Relevância na Pesquisa
125.88%
RESUMO - Introdução: O presente trabalho, desenvolvido ao longo dos últimos meses, teve como objetivo analisar comparativamente o impacto das Unidades Locais de Saúde e dos Agrupamentos de Centros de Saúde no processo de articulação entre cuidados de saúde primários e hospitais. Para tal, foram avaliadas as seguintes variáveis: frequência de contacto entre médicos de família e especialistas; percentagem de informação de retorno recebida pelos médicos de família; percentagem de recusas recebida pelos médicos de família; e tempo de espera entre o pedido das consultas hospitalares e a efetivação das mesmas para as especialidades mais referenciadas. As instituições escolhidas para o estudo foram a Unidade Local de Saúde de Castelo Branco e o ACeS Cova da Beira. Metodologia: O instrumento de medida utilizado para este estudo foi um questionário, com questões de resposta aberta e fechada, dirigido a médicos de família da Unidade Local de Saúde de Castelo Branco e do ACeS Cova da Beira, pretendendo assim averiguar a perceção que os mesmos têm em relação às variáveis descritas no tópico da Introdução. Resultados: Segundo dados estatísticos, meramente descritivos, os médicos de família da ULSCB apresentaram uma frequência de contacto inferior aos médicos de família do ACeS com os médicos hospitalares...

Psicologia em serviços de saúde Intervenção em Centros de Saúde e Hospitais

Carvalho Teixeira, José A.; ISPA-IU; Trindade, Isabel; Sub-Região de Saúde de Lisboa (ARSLVT/Ministério da Saúde)
Fonte: ISPA - Instituto Universitário Publicador: ISPA - Instituto Universitário
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedversion Formato: application/pdf
Publicado em 23/11/2012 Português
Relevância na Pesquisa
105.77%
Nesta nota didáctica os autores definem e caracterizam as diferentes actividades que podem ser desenvolvidas por psicólogos em Centros de Saúde e em Hospitais e delimitam aspectos da organização e qualidade da sua intervenção profissional.

"Acreditação" de serviços de pré-natal

Ciari Jr.,Cyro; Siqueira,Arnaldo A. F. de; Arnoni,Alfredo; Almeida,Pedro A. M. de; Schor,Neia
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/1974 Português
Relevância na Pesquisa
105.77%
Propõe-se modelo para "acreditação" de serviços de pré-natal em Unidades de Saúde. Foram desenvolvidos quatro tipos que se aplicam aos diferentes Centros de Saúde existentes na Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, podendo ser adaptados a outros serviços que não obedeçam aos dispositivos dessa Secretaria. O modelo é dividido em itens, constituídos por sub-itens que identificam os diferentes componentes de serviços de pré-natal. O valor de cada item e do conjunto do serviço é obtido por procedimento simples e possibilita relacioná-los entre si, identificando os mais carentes, de forma que oriente as providências a serem tomadas para a correção do serviço de pré-natal.

Utilização das fichas de registro de vacinações pelos centros de saúde na Divisão Regional de Saúde de Campinas, Estado de São Paulo, Brasil

Harris,William Moffitt
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/1974 Português
Relevância na Pesquisa
115.86%
Foi descrito um levantamento amostral comparativo analítico referente à coincidência de dados encontrados nas cadernetas de vacinações (amarelas) pertencentes a crianças e as fichas de registro (azuis) pertencentes aos arquivos dos Centros de Saúde. Este levantamento foi feito em 16 municípios com mais de 30 mil habitantes da Região Administrativa de Campinas, Estado de São Paulo, que demonstrou haver em 788 cadernetas efetivamente examinadas, 2.307 anotações divergentes referentes a vacinas. Apenas 386 (48,9%) cadernetas amarelas coincidiam perfeitamente com as respectivas fichas azuis de registro. Tornou-se evidente que os arquivos de fichas de registro de vacinações dos Centros de Saúde não oferecem condições para uma eficiente avaliação da cobertura vacinal da população.

Prestação de serviços em centros de saúde: considerações organizacionais

Padilha,Harley P.
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/1974 Português
Relevância na Pesquisa
115.82%
Foi abordado o problema da microeconomia em Saúde, salientando as dificuldades para a operação dos centros de saúde, ao tempo em que considera a articulação das instituições que os mantém (geralmente a administração estadual) e o sistema previndenciário. Foram sugeridos alguns elementos capazes de operacionalizar esta articulação.

Avaliação das condições de estocagem de vacinas vivas, atenuadas contra o sarampo, em postos de vacinação credenciados e em centros de saúde do Estado de São Paulo (Brasil)

Mendes,Inácio França; Pral,Michel Marie; Miyaki,Cosue; Gallina,Neuza Maria Frazatti; Petricevich,Vera Lucia; Fang,Francisco Liauw Woe; Tuchiya,Hiroko Nakahata; Ninomya,Tuyoshi; Rizzo,Edda de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/1985 Português
Relevância na Pesquisa
125.8%
Para avaliar as condições de estocagem de vacinas vivas, atenuadas contra o sarampo, da rede de vacinação do Estado de São Paulo (Brasil), foram visitados 71 Postos de Vacinação Credenciados particulares (PVC), assim como 117 Centros de Saúde oficiais (CS), sobre os quais interessava saber a respeito da qualidade da estocagem a frio. Os parâmetros adotados foram: a) temperatura das geladeiras de uso (+2 a +8°C) e de estoque (+ 8°C); b) validade do produto; c) título das vacinas conservadas nestas geladeiras, avaliado pela inoculação de diluições das amostras de vacinas em células Vero; d) proteção à luz. Dos CS pesquisados, 85,33% apresentaram geladeiras com temperatura de acordo com a recomendada e 100% das vacinas neles estocadas com título e validade satisfatórios. Nos PVC foram encontrados, com maior freqüência, lotes de vacina fora do prazo de validade (14,49%), com títulos abaixo do mínimo requerido (3,53%) e geladeiras de uso e de estoque com temperaturas inadequadas (33,80%). Necessário se faz que as condições de estocagem das vacinas contra o sarampo (temperatura e proteção à luz), prevalentes no momento, sejam melhoradas e que as bulas passem a acompanhar o produto a eles entregue, para que os responsáveis pela vacinação obedeçam as recomendações do laboratório produtor com relação às condições de estocagem...

Prevalência de deficiência de ferro em gestantes de primeira consulta em centros de saúde de área metropolitana, Brasil: etiologia da anemia

Guerra,Elvira Maria; Barretto,Orlando Cesar de Oliveira; Pinto,Aymoré Vaz; Castellão,Kátia Gomes
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/1992 Português
Relevância na Pesquisa
105.75%
No período compreendido entre abril e outubro de 1988, foram estudadas 363 gestantes de primeira consulta , que estavam inscritas no Programa de Atendimento à Gestante em oito Centros de Saúde da Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo (Brasil). Na ocasião da coleta de material estas gestantes não faziam uso de medicamentos que continham ferro, ácido fólico, vitamina B12 ou associações destes. A idade média das gestantes foi de 25 anos; 65,9% delas pertenciam a famílias com renda de até um SMPC (salário mínimo per capita) e apenas 3,1% pertenciam a famílias com renda superior a 3 SMPC. Tomando-se a saturação da transferrina inferior a 15% como índice mínimo para definir a deficiência de ferro, a prevalência de deficiência de ferro no primeiro trimestre (4,6%) foi significativamente menor do que a observada no segundo (17,3%), e esta foi menor do que no terceiro trimestre (42,8%). A prevalência de deficiência de ferro total agrupada nos três trimestres foi de 12,4%. Não houve diferença significativa entre as prevalências de deficiência de ferro segundo o número de partos. Esta prevalência foi maior no grupo das gestantes que pertenciam a famílias com renda de até 0,5 SMPC. Nas gestantes anêmicas...

Conhecimento, atitude e prática do auto-exame das mamas em centros de saúde

Marinho,Luiz Alberto Barcelos; Costa-Gurgel,Maria Salete; Cecatti,José Guilherme; Osis,Maria José Duarte
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2003 Português
Relevância na Pesquisa
115.9%
OBJETIVO: O câncer da mama é um dos principais problemas de saúde pública e a educação para o auto-exame mamário é uma das etapas fundamentais na identificação de tumores da mama em fase inicial. Realizou-se estudo com o objetivo de avaliar o conhecimento, a atitude e a prática do auto-exame das mamas entre usuárias de centros de saúde. MÉTODOS: Em estudo tipo inquérito CAP (conhecimento, atitude e prática) foram entrevistadas 663 mulheres de 13 centros de saúde municipais selecionados de forma aleatória. O número de entrevistas em cada centro de saúde foi proporcional ao número médio mensal de mulheres atendidas. As respostas das usuárias foram descritas quanto ao conhecimento, atitude e prática, e suas respectivas adequações para o auto-exame das mamas, como previamente definido. A adequação foi comparada entre as categorias das variáveis de controle pelo teste X² RESULTADOS: Os resultados mostraram que o conhecimento e a prática do auto-exame das mamas foram adequados em 7,4% e 16,7% das entrevistadas respectivamente, embora a atitude frente a este procedimento tenha sido adequada em 95,9% das entrevistas. O estudo também mostrou que o esquecimento desta prática foi a principal barreira para a sua não realização...

Saúde mental e a continuidade do cuidado em centros de saúde de Belo Horizonte, MG

Oliveira,Graziella Lage; Caiaffa,Waleska Teixeira; Cherchiglia,Mariangela Leal
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2008 Português
Relevância na Pesquisa
105.89%
OBJETIVO: Analisar os fatores associados à continuidade do cuidado em saúde mental de pacientes encaminhados a centros de saúde. MÉTODOS: Foi conduzido um estudo de seguimento de 98 pacientes encaminhados a oito centros de saúde com equipe de saúde mental da área de abrangência de um centro de referência à saúde mental, em Belo Horizonte, MG, atendidos entre 2003 e 2004. Variáveis sociodemográficas, clínicas e referentes à continuidade foram descritas e em seguida comparadas, utilizando o teste do qui-quadrado. RESULTADOS: Após o encaminhamento, 35 pacientes não compareceram para o primeiro atendimento nos centros de saúde. Dos que o fizeram, 38 continuaram em tratamento. Retornar ao centro de referência para nova consulta após o encaminhamento e ter tido mais de dois encaminhamentos foram fatores facilitadores da continuidade do cuidado. Nenhuma característica individual esteve associada à continuidade. CONCLUSÕES: Os achados sugerem haver uma falha na proposta da linha de cuidado. A continuidade do tratamento parece estar mais relacionada a fatores referentes ao serviço do que a características do paciente.

Saúde mental e a continuidade do cuidado em centros de saúde de Belo Horizonte, MG

Oliveira,Graziella Lage; Caiaffa,Waleska Teixeira; Cherchiglia,Mariangela Leal
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2008 Português
Relevância na Pesquisa
105.89%
OBJETIVO: Analisar os fatores associados à continuidade do cuidado em saúde mental de pacientes encaminhados a centros de saúde. MÉTODOS: Foi conduzido um estudo de seguimento de 98 pacientes encaminhados a oito centros de saúde com equipe de saúde mental da área de abrangência de um centro de referência à saúde mental, em Belo Horizonte, MG, atendidos entre 2003 e 2004. Variáveis sociodemográficas, clínicas e referentes à continuidade foram descritas e em seguida comparadas, utilizando o teste do qui-quadrado. RESULTADOS: Após o encaminhamento, 35 pacientes não compareceram para o primeiro atendimento nos centros de saúde. Dos que o fizeram, 38 continuaram em tratamento. Retornar ao centro de referência para nova consulta após o encaminhamento e ter tido mais de dois encaminhamentos foram fatores facilitadores da continuidade do cuidado. Nenhuma característica individual esteve associada à continuidade. CONCLUSÕES: Os achados sugerem haver uma falha na proposta da linha de cuidado. A continuidade do tratamento parece estar mais relacionada a fatores referentes ao serviço do que a características do paciente.

A mortalidade infantil em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, por área de abrangência dos Centros de Saúde (1994-1996)

Malta,Deborah Carvalho; Almeida,Maria Cristina de Mattos; Dias,Maria Angélica de Salles; Merhy,Emerson Elias
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2001 Português
Relevância na Pesquisa
105.75%
O trabalho pretende identificar os diferenciais intra-urbanos em Belo Horizonte, Brasil, estudando os coeficientes de mortalidade infantil (CMI) nas áreas do município e avaliando sua evolução no período 1994/1996. A análise das condições de saúde referenciadas territorialmente constitui importante campo de estudo para evidenciar desigualdades regionais e intra-urbanas. Para os anos de 1994 e 1996, foram utilizados os dados do SINASC e SIM, além de mapas temáticos com o recorte geográfico da "área de abrangência" dos Centros de Saúde. Aplicou-se o método Bayesiano empírico para o cálculo dos CMI dessas áreas, visando corrigir possíveis flutuações aleatórias decorrentes de números pequenos e instáveis. Em todo o período, houve redução do CMI global do município em 24,4%, assim como do CMI nas áreas de abrangência. Em 1994, oito áreas apresentaram CMI acima de 50/1.000 e, em 1996, nenhuma área foi observada com esse coeficiente; em 1994, vinte e nove áreas mostraram CMI entre 35 a 50/1.000, caindo para quatro áreas em 1996; neste ano, registrou-se, em relação a 1994, maior número de áreas com CMI abaixo de 35/1.000. Em 1996 existiu maior homogeneidade na distribuição dos CMI, reduzindo-se as desigualdades intra-urbanas.

Reforma na atenção primária à saúde e implicações na cultura organizacional dos Agrupamentos dos Centros de Saúde em Portugal

Leone,Claudia; Dussault,Gilles; Lapão,Luís Velez
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2014 Português
Relevância na Pesquisa
115.86%
A crescente complexidade dos desafios do setor da saúde implica um aumento das responsabilidades para aqueles que nela assumem funções de gestão. Há consenso que a qualidade da força de trabalho em saúde é um fator crítico para o sucesso de qualquer reforma no setor. O objetivo desta investigação é estudar e analisar a alteração induzida por uma intervenção de formação-ação intensiva na cultura organizacional de 73 diretores executivos dos Agrupamentos dos Centros de Saúde (ACES) em Portugal durante a reforma na atenção primária à saúde. Os dados foram coletados e analisados em dois períodos temporais, antes e depois da intervenção do Programa Avançado em Gestão, Governação Clínica e Liderança para os ACES, o qual teve um ano de duração. O modelo Competing Values Framework permitiu observar que, depois da intervenção de formação-ação, as percepções dos diretores executivos sobre a sua cultura organizacional se encontram mais alinhadas com a reforma da atenção primária à saúde, valorizando o tipo de práticas e valores que esta defende. É necessário continuar a monitorizar os resultados em vários períodos temporais para elaborar conclusões a esse respeito.

Reforma da Atenção Primária em Portugal em duplo movimento: unidades assistenciais autónomas de saúde familiar e gestão em agrupamentos de Centros de Saúde

Pisco,Luis
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2011 Português
Relevância na Pesquisa
115.89%
Analisa-se o processo de reforma da atenção primária à saúde (APS) em Portugal de 2005 a abril de 2010, período em que a Missão para os Cuidados de Saúde Primários teve a responsabilidade de conduzir essa profunda reconfiguração da APS Portuguesa. Os principais objectivos da reforma foram: melhorar a acessibilidade, eficiência, qualidade e continuidade dos cuidados e aumentar a satisfação dos profissionais e cidadãos. Suas principais características são a adesão voluntária, trabalho em equipa, existência obrigatória de sistema de informação, pagamento por desempenho, contratualização e avaliação. A reconfiguração dos centros de saúde obedeceu a um duplo movimento: por um lado, formação de pequenas unidades funcionais autónomas, as Unidades de Saúde Familiar (USF), prestando serviços com proximidade e qualidade; por outro lado, a agregação de recursos e estruturas de gestão, os agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) visando a eficiência e economia de escala. As USF conseguiram simultaneamente mais eficiência, acessibilidade, melhor clima laboral, maior satisfação dos cidadãos, numa palavra, mais qualidade. Salienta-se a importância de um forte apoio político, da criação de uma estrutura responsável pelo desenho e implementação da reforma e de uma boa comunicação social.