Página 1 dos resultados de 16618 itens digitais encontrados em 0.057 segundos

A Teoria dos jogos e as ciências sociais

Souza, Ádamo Alberto de
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis Formato: 176 f.
Português
Relevância na Pesquisa
66.26%
Pós-graduação em Ciências Sociais - FFC; Neste trabalho, foi feita uma análise crítica da relação da Teoria dos Jogos com as Ciências Sociais. Antes disso, é elucidada a história da Teoria dos Jogos, sendo destacado que esta teoria surgiu com o objetivo de atuar na Economia, que é uma Ciência Social. Conforme a Teoria dos Jogos evoluiu, mais ampliou e aprofundou suas aplicações em diferentes âmbitos, visto que em todas as suas aplicações a Teoria dos Jogos é usada para se compreender e até mesmo prever como diferentes agentes se comportarão de forma interdependente em situações de conflito, cooperação ou até mesmo o misto de ambos contextos (conflito e cooperação). Ao longo deste trabalho, é abordada a Teoria dos Jogos no contexto das Ciências Sociais, assim como a possibilidade de se aplicar a teoria no aspecto macro-social da sociedade. Dando seqüência à discussão, é também exposta a aplicação da teoria dos Jogos nas Relações Internacionais; em seguida, é elucidada a grande afinidade da Teoria dos Jogos com a Teoria da Escolha Racional. Para mais aprofundarmos o objeto desta pesquisa (a relação da Teoria dos Jogos com as Ciências Sociais), o Homo Sociologicus de Dahrendorf é analisado como um jogador...

Interpretando uma alternativa: considerações sobre a virada interpretativa nas ciências sociais entre as décadas de 1960 e 1970.

Coan, Isadora Cristina de Melo
Tipo: tccgrad Formato: 80 f.
Português
Relevância na Pesquisa
66.23%
TCC (graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Curso de Ciências Sociais.; O objetivo deste trabalho é tratar do ressurgimento de abordagens interpretativistas em meados da década de 1960, movimento conhecido como virada interpretativa. Diz-se ressurgimento visto a marginalização de tais abordagens no período que compreende a institucionalização das disciplinas sociais no âmbito da estrutura universitária, porém mais contundentemente após o predomínio de concepções positivistas, estrutural-funcionalistas e comportamentalistas (como o behaviorismo) nas ciências sociais. Para tal revitalização das abordagens interpretativas, recorreu-se amplamente a desenvolvimentos da disciplina do século XIX, início do século XX (como a hermenêutica de W. Dilthey e a sociologia compreensiva de M. Weber), bem como a desdobramentos posteriores da filosofia do século XX, como a abordagem lingüística de L. Wittgenstein, a abordagem fenomenológica de A. Schütz e a contribuição da Escola de Frankfurt, representada aqui pela obra de J. Habermas. Dentre inumeráveis temas que foram tratados pelos mais diversos autores explícita e consensualmente enquadrados como tendo uma abordagem interpretativa frente ao mainstream positivista das ciências sociais...

INTERPRETANDO UMA ALTERNATIVA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A VIRADA INTERPRETATIVA NAS CIÊNCIAS SOCIAIS ENTRE AS DÉCADAS DE 1960 E 1970.

Coan, Isadora Cristina de Melo
Tipo: tccgrad Formato: 80 f.
Português
Relevância na Pesquisa
66.23%
TCC (graduação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Curso de Ciências Sociais.; O objetivo deste trabalho é tratar do surgimento de abordagens interpretativistas em meados da década de 1960, movimento conhecido como virada interpretativista. Diz-se ressurgimento visto a marginalização de tais abordagens no período que compreende a institucionalização das disciplinas sociais na âmbito da estrutura universitária, porém mais contundentemente após o predomínio de concepções positivistas, estrutural-funcionalistas e comportamentalistas (como o behaviorismo) nas ciências sociais. Para tal revitalização das abordagens interpretativas, recorreu-se amplamente a desenvolvimentos da disciplina do século XIX, início do século XX (como a hermenêutica de W. Dilthey e a sociologia compreensiva de M. Weber), bem como a desdobramentos posteriores da filosofia do século XX, como a abordagem linguística de L. Wittgenstein, a abordagem fenomenológica de A. Schütz e a contribuição da Escola de Frankfurt, representada aqui pela obra de J. Habermas. Dentre inumeráveis temas que foram tratados pelos mais diversos autores explícita e consensualmente enquadrados como tendo uma abordagem interpretativa frente ao mainstream positivista das ciências sociais...

Ciências Sociais e Humanas no século XXI: inconfidências, usos e significados privados

Rodrigues, Helena
Fonte: Edições Colibri e Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Faculdade Nova de Lisboa Publicador: Edições Colibri e Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Faculdade Nova de Lisboa
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2001 Português
Relevância na Pesquisa
66.23%

A Revista de Antropologia e as ciências sociais em São Paulo: notas sobre uma cena e alguns debates

Peixoto,Fernanda Arêas; Simões,Júlio Assis
Fonte: Departamento de Antropologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo - FFLCH/USP Publicador: Departamento de Antropologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo - FFLCH/USP
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2003 Português
Relevância na Pesquisa
76.11%
O artigo busca situar o contexto intelectual da criação e dos primeiros dez anos de existência da Revista de Antropologia, em que ganha destaque a emergente produção universitária de ciências sociais, no interior de um movimento de delimitação e especialização de áreas e setores do conhecimento. A partir da releitura de artigos, resenhas e comentários ali publicados - tendo em comum o questionamento das possibilidades da investigação antropológica das "sociedades complexas" -, delineou-se um mapa das questões relacionadas à "mudança cultural", então em voga, no qual ressaltam tanto a colaboração entre sociólogos e antropólogos como os embates entre e dentro de cada disciplina, em seu(s) respectivo(s) nicho(s) institucional(ais). A análise esboçada aponta a importância de qualificar a polarização, tão freqüentemente realçada, entre disciplinas e instituições universitárias nas ciências sociais em São Paulo nesse período.

As Ciências Sociais e Humanas em Saúde na ABRASCO: a construção de um pensamento social em saúde

Ianni,Aurea Maria Zöllner; Spadacio,Cristiane; Barboza,Renato; Alves,Olga Sofia Fabergé; Viana,Sabrina Daniela Lopes; Rocha,Ane Talita
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2014 Português
Relevância na Pesquisa
66.27%
O desenvolvimento de um pensamento social em saúde, recente no Brasil, está relacionado com a constituição da Saúde Coletiva e da Associação Brasileira de Pós-graduação em Saúde Coletiva (ABRASCO). Com a criação da ABRASCO, constituiu-se também a área de Ciências Sociais. Este artigo apresenta os principais aspectos referentes à constituição e institucionalização das Ciências Sociais em Saúde na ABRASCO, com base nos depoimentos de seus presidentes e coordenadores das Comissões de Ciências Sociais no período de 1995 a 2011. Os depoimentos possibilitaram captar e analisar o contexto de constituição desse campo, sua relevância e trajetória no conjunto da Saúde Coletiva, tendo sido agrupados em cinco eixos de análise: (1) o desenvolvimento das Ciências Sociais e Humanas em Saúde; (2) a Saúde Coletiva e a interdisciplinaridade; (3) a contribuição das Ciências Sociais à Saúde Coletiva; (4) as Ciências Sociais em Saúde e as Ciências Sociais “tradicionais”; e (5) os desafios para as Ciências Sociais e Humanas em Saúde.

AS CIÊNCIAS SOCIAIS NA ÉPOCA DA GLOBALIZAÇÃO

Ianni,Octavio
Fonte: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais - ANPOCS Publicador: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais - ANPOCS
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/1998 Português
Relevância na Pesquisa
86.09%
Desde que se iniciaram as pesquisas e os debates sobre a globalização, vista como um processo histórico-social de amplas proporções, multiplicaram-se as interpretações mais ou menos abrangentes. Ao lado do contraponto de micro e macro teorias, surgem metateorias que se polarizam principalmente em duas direções: sistêmicas e históricas. Umas e outras começam não só a desenhar o novo mapa do mundo, como também a recriar o mapa das ciências sociais.

As ciências sociais e o bug do milênio

Reis,Elisa P.
Fonte: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais - ANPOCS Publicador: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais - ANPOCS
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/1999 Português
Relevância na Pesquisa
86.19%
Ao concluir seu mandato como presidente da Anpocs (1996-98), a autora empreende uma reflexão sobre os desafios contemporâneos às ciências sociais. Argumenta que, ante a magnitude e a profundidade das mudanças em curso, as ciências sociais enfrentam a ameaça de se tornarem supérfluas, incapazes de formular questões relevantes e pertinentes aos problemas em curso. Sugere que o antídoto ao bug peculiar às ciências sociais requer novas maneiras de se formular antigas questões e dilemas sociais.

O Projeto Unesco e a agenda das ciências sociais no Brasil dos anos 40 e 50

Maio,Marcos Chor
Fonte: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais - ANPOCS Publicador: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais - ANPOCS
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/1999 Português
Relevância na Pesquisa
86.14%
O artigo tem por objetivo descrever o processo de estruturação do ciclo de estudos sobre as relações raciais no Brasil patrocinado pela Unesco no início dos anos 50. Ao realçar a atuação de determinados atores sociais e suas respectivas visões a respeito do empreendimento a ser realizado no país, foi possível verificar os elos de ligação entre as demandas da agência internacional e o leque de questões formuladas pelas ciências sociais brasileiras. Esta agenda, sintetizada por Arthur Ramos no final dos anos 40, colocava para a inteligência do país inserida no mundo universitário o desafio de associar a qualificação profissional nos campos da Antropologia e da Sociologia e o incremento de pesquisas que pudessem decifrar o que o antropólogo considerava ser a singularidade brasileira, o "laboratório de civilização". Para Arthur Ramos, o tema das relações raciais assumia um lugar privilegiado para a percepção e análise dos desafios da transição do tradicional para o moderno, do cenário de significativas desigualdades sociais e raciais, da diversidade regional e da busca em conformar, em definitivo, uma identidade nacional.

A gênese da favela carioca. A produção anterior às ciências sociais

Valladares,Licia
Fonte: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais - ANPOCS Publicador: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais - ANPOCS
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2000 Português
Relevância na Pesquisa
86.16%
O artigo mostra o lugar ocupado pela favela e seus moradores no debate político e social da primeira metade do século XX, ressaltando a produção de conhecimento que foi gerada por jornalistas, médicos, engenheiros e assistentes sociais no período que antecede o desenvolvimento das ciências sociais e da universidade no Brasil. Propõe que o processo de construção social da representação da favela, que então se inicia, deve ser analisado a partir de uma periodização distinta daquela já consagrada e que tem como marco de referência a relação do Estado com a favela e desta com o tipo de regime político vigente em diferentes momentos históricos. A periodização sugerida pela autora compreende um momento inicial, marcado por um mito de origem, a visão de Euclides da Cunha do arraial de Canudos em sua obra Os sertões, período em que a favela carioca é descoberta e descrita transpondo-se a dualidade litoral versus sertão para a cena urbana, pela oposição da cidade à favela. Segue-se a este período de descoberta um período de transformação da favela em problema social e urbano, seguido de um terceiro momento, quando a idéia de administrar o problema toma a forma de medidas e políticas concretas. Um quarto momento inclui a produção de dados oficiais através de censos de favelas e a transformação de um fenômeno local em realidade nacional. O artigo mostra que à favela centenária corresponde uma representação social que já é praticamente centenária também...

Inovação e ciências sociais: em busca de novos referenciais

Andrade,Thales de
Fonte: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais - ANPOCS Publicador: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais - ANPOCS
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2005 Português
Relevância na Pesquisa
86.12%
O presente artigo trata da problemática da inovação tecnológica, retomando o surgimento do conceito e a importância da economia em sua consolidação. Discute os conceitos de contexto e ambientes de inovação, apontando para a necessidade de a sociologia se debruçar sobre essas ferramentas teóricas. Aborda, ainda, a questão da incerteza inscrita na prática inovativa, um tema presente no pensamento de diversas correntes da filosofia e da sociologia das técnicas. É necessário sublinhar a importância da participação das ciências sociais no estabelecimento da agenda de pesquisa em inovação, e alguns autores têm demonstrado interesse em lançar um olhar circunstanciado sobre as diferentes práticas sociais ligadas à dimensão inovativa.

A questão da universidade e da formação em ciências sociais

Garcia,Sylvia Gemignani
Fonte: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo Publicador: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2000 Português
Relevância na Pesquisa
76.09%
A análise histórica dos processos sociais e intelectuais que caracterizam a formação cultural e científica na modernidade contemporânea permite a reconstrução de questões culturais e educacionais que se fazem constantemente presentes hoje no dia-a-dia da vida universitária na forma de problemas acadêmicos e administrativos. Situada na intersecção das áreas de história intelectual, sociologia da ciência e das instituições científicas e sociologia da educação e da cultura, essa perspectiva de investigação aborda, primeiro, os amplos processos institucionais nas esferas da política, da economia e da cultura que situam a questão contemporânea da universidade e da formação em ciências sociais; em seguida, expõe alguns aspectos centrais do debate sociológico acerca da natureza da disciplina e do perfil da formação em ciência social; e, finalmente, discute certos pressupostos e categorias básicas das atuais propostas de reforma universitária.

As ciências sociais e a cultura

Ortiz,Renato
Fonte: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo Publicador: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2002 Português
Relevância na Pesquisa
76.04%
O artigo analisa a constituição histórica da cultura como objeto nas ciências sociais, em termos de cultura popular, cultura nacional e cultura de massa. Compara os processos de institucionalização da sociologia segundo seus diferentes contextos nacionais ou regionais, abordando os modos como a disciplina torna-se autônoma por meio da especialização de tarefas em concorrência com outras disciplinas. A retomada da unidade interpretativa e uma revisão conceitual para a abordagem dos "objetos globais" são definidos como os principais desafios para a sociologia na atualidade.

Licenciatura em ciências sociais e ensino de sociologia: entre o balanço e o relato

Moraes,Amaury Cesar
Fonte: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo Publicador: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2003 Português
Relevância na Pesquisa
76.14%
Nesse texto pretendo apresentar um breve resumo das questões centrais referentes ao ensino de sociologia na escola média brasileira: a intermitência desse ensino, a fragmentação das pesquisas, as dificuldades na consolidação de conteúdos mínimos e de material didático. A partir de uma bibliografia recente e da própria experiência como professor de Metodologia do Ensino de Ciências Sociais, relaciono, por um lado, essas dificuldades ao distanciamento e à hierarquização existentes entre os cientistas sociais como intelectuais acadêmicos e cientistas sociais como professores do ensino médio e, por outro, ao divórcio e ao desequilíbrio existentes entre a formação do bacharel e a do licenciado no modelo efetivado com a criação das faculdades de Filosofia, Ciências e Letras desde a década de 1930.

Currículo, iniciação científica e evasão de estudantes de ciências sociais

Villas Bôas,Glaucia K.
Fonte: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo Publicador: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2003 Português
Relevância na Pesquisa
76.11%
O artigo mostra que as reformas curriculares ocorridas no curso de ciências sociais da UFRJ não influem sobre as taxas de evasão dos estudantes, enquanto a inserção de alunos em projetos de pesquisa por meio de programa de iniciação científica diminui em muito os índices de abandono da graduação. Ao relacionar currículos e evasão no período de 1939 a 1988, a pesquisa feita na UFRJ evidencia ainda que as mudanças de currículo ocorreram, significativamente, de acordo com mudanças de ordem política e social. Seguiram, porém, a "lógica da acumulação", modificando-se pouco a estrutura curricular, pois a ela foram sendo acrescentadas cada vez mais matérias e disciplinas. Contrastando com essa experiência histórica, o Programa de Iniciação Científica do Laboratório de Pesquisa Social (LPS), que funcionou nos de 1988 a 1997, não só manteve alto índice de alunos no curso até o término da graduação, como proporcionou uma formação acadêmica que permitiu à maioria de seus egressos a possibilidade de se dedicar a atividades profissionais voltadas para as ciências sociais.

A história e as ciências sociais na profissionalização da historiografia argentina

Devoto,Fernando J.
Fonte: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo Publicador: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2009 Português
Relevância na Pesquisa
76.04%
Neste artigo, o autor reconstrói as relações travadas entre os praticantes da disciplina histórica na Argentina e os novos aportes trazidos pelas ciências sociais, num período que vai desde meados do século XIX, com a Historia de Belgrano (1857), de Bartolomé Mitre, até o término da Primeira Guerra Mundial, quando a chamada Nueva Escuela Histórica passa a controlar a disciplina na universidade (após a Reforma Universitária de 1918). Para tal, detém-se especialmente nas apropriações feitas pelo debate local argentino das proposições da historiografia positivista europeia, como a obra de H. Taine, por exemplo, concentrando-se nos seguintes autores: Bartolomé Mitre, Vicente Fidel López, José María Ramos Mejía, Ernesto Quesada, Augustín García, Juan Álvarez e Paul Groussac.

Filosofia das ciências sociais: temas atuais

Kincaid,Harold
Fonte: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo Publicador: Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2014 Português
Relevância na Pesquisa
76.23%
A filosofia das ciências sociais, concebida da maneira adequada, tem algo a oferecer aos que praticam as ciências sociais. Os cientistas sociais adotam em suas pesquisas, ainda que de forma implícita, alguma filosofia de sua ciência. Para evitar impasses, é melhor explicitar essa filosofia e ser criticamente consciente dos seus méritos. A filosofia das ciências sociais, por sua vez, não pode ser praticada sem um envolvimento íntimo com a pesquisa social. O artigo esboça alguns desenvolvimentos da filosofia da ciência pós-positivista e suas implicações para a filosofia das ciências sociais. Essa perspectiva geral é então aplicada a alguns debates das ciências sociais: a natureza da causalidade; o lugar dos mecanismos na pesquisa social e da legitimidade de explicações puramente macrossociológicas; a distinção entre pesquisa qualitativa e quantitativa; a distinção entre evidência observacional e evidência experimental; a polêmica entre o individualismo e o holismo metodológicos na explicação sociológica.

Trajetórias profissionais na constituição das Ciências Sociais e Humanas em Saúde na Abrasco

Ianni,Aurea Maria Zöllner; Spadacio,Cristiane; Barboza,Renato; Alves,Olga Sofia Fabergé; Viana,Sabrina Daniela Lopes; Rocha,Ane Talita
Fonte: IMS-UERJ Publicador: IMS-UERJ
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2014 Português
Relevância na Pesquisa
66.25%
Nos dias de hoje, é cada vez mais perceptível a importância das Ciências Sociais para a consolidação da Saúde Coletiva no Brasil. Compreender, portanto, a trajetória dos profissionais que de certa forma fundaram o campo e o mantiveram é, enfim, compreender a própria trajetória teórica e prática dessa área, evidenciada, também, nos congressos de Ciências Sociais em Saúde realizados pela Abrasco. No contexto dessa discussão, o presente artigo realiza um mapeamento do perfil dos presidentes da Abrasco e dos coordenadores das Comissões de Ciências Sociais que ocuparam esses cargos entre 1995 e 2011, anos em que aconteceram os Congressos Brasileiros de Ciências Sociais e Humanas em Saúde. Foram realizadas 13 entrevistas com presidentes da Abrasco e com os coordenadores das Comissões de Ciências Sociais, em suas diferentes gestões. Apesar de este artigo assumir caráter mais descritivo acerca da constituição e institucionalização das Ciências Sociais em Saúde na Abrasco, acredita-se que a compreensão do processo de conformação desse subcampo a partir da fala dos agentes que o constituem seja extremamente profícua para os debates atuais sobre o lugar das Ciências Sociais no campo da Saúde Coletiva

A produção de conhecimentos na interface entre as ciências sociais e humanas e a saúde coletiva

Minayo,Maria Cecília de Souza
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2013 Português
Relevância na Pesquisa
66.24%
Este artigo trata da intercessão, no âmbito do conhecimento, entre as ciências sociais e humanas e a saúde coletiva. Parte-se do legado das ciências sociais clássicas, discute-se esse aporte, debate-se como e em que medida as ciências sociais e humanas em saúde constituem um subcampo que, por sua vez, articula diversas racionalidades. O texto se baseia numa pesquisa sobre a produção científica das sete principais revistas da área: Revista de Saúde Pública; Cadernos de Saúde Pública; Ciência & Saúde Coletiva; Saúde e Sociedade, Physis, Interface e História, Ciência e Saúde no período de janeiro de 2011 a agosto de 2012 (20 meses). Foram ao todo 1757 artigos publicados nessas revistas, sendo 545 (31,0%) sobre ciências sociais e saúde ou fazendo interface desse campo com a saúde coletiva. O artigo se debruça na análise dessa produção e conclui: que é pujante a participação das ciências sociais e humanas no campo da saúde; que existe um polo irradiador de conhecimentos que parte de autores seminais, mas já conta com a contribuição de estudiosos importantes de segunda e terceira geração; e que os problemas referidos pelos cientistas sociais e de humanidades da área de saúde são os mesmos que hoje ocupam os teóricos sociais...

O ensino das ciências sociais em saúde: entre o aplicado e o teórico

Barros,Nelson Filice de
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2014 Português
Relevância na Pesquisa
66.27%
Os modelos de ensino de ciências sociais e da clínica são insuficientes para as necessidades prático-reflexivas quando aplicados à saúde. O objetivo deste artigo é refletir sobre os desafios e as perspectivas do ensino de ciências sociais para profissionais da saúde. Na década de 1950 iniciou-se o importante movimento de aproximação das ciências sociais com o campo da saúde, no entanto prevalecem relações de fraca credencial, devido: baixo status profissional dos cientistas sociais na área da saúde; localização pouco clara dos profissionais de ciências sociais no campo da saúde; pequena importância atribuída pelos estudantes às ciências sociais; reduzido número de profissionais e a colonização das ciências sociais pela cultura biomédica no campo da saúde. Dessa maneira, aos profissionais das ciências sociais aplicadas à saúde ainda é colocada a necessidade de construir uma identidade, mesmo após seis décadas de presença neste campo, pois sua condição ambivalente os tem fixado como presença parcial, incompleta e virtual, exigindo estratégia complexa de sobrevivência na fronteira entre as ciências sociais e a saúde.