Página 1 dos resultados de 4534 itens digitais encontrados em 0.034 segundos

Qualidade de vida e depressão na pessoa idosa institucionalizada

Andrade, Maria Goreti Freitas de
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em /09/2011 Português
Relevância na Pesquisa
37.17%
A melhoria do nível de vida, veio influenciar positivamente a longevidade humana e a relação entre a qualidade de vida e o envelhecimento. O presente estudo, Qualidade de Vida e Depressão na Pessoa Idosa Institucionalizada nos Lares da Região Autónoma da Madeira (RAM), tem por objectivo: analisar a qualidade de vida dos idosos, identificar o nível de depressão e relacionar a qualidade de vida com o nível de depressão e foi realizado com uma amostra de 155 dos idosos institucionalizados em 16 lares da RAM. Para a avaliação da qualidade de vida utilizou-se a escala WHOQOL-Bref, da Organização Mundial de Saúde (OMS). Para a avaliação da Depressão usamos a Escala de Depressão Geriátrica (Geriatric Depression Scale - GDS), construída por Brink, Jesavage, Lum, Heersema, Adey e Rose (1982). Dos dados obtidos verificou-se que, relativamente à satisfação com a saúde, 37,4%, dos idosos estão satisfeitos, 33,5% não estão satisfeitos nem insatisfeitos, 23,9% estão insatisfeitos e 3,2% estão muito insatisfeitos. Na avaliação geral da qualidade de vida, 51,0% dos idosos considera a sua qualidade de vida nem boa nem má e 37,4% boa. No domínio geral da qualidade de vida obteve-se uma média de 55,84. O domínio que apresentou a média mais elevada (64...

Sintomas de depressão e solidão em idosos institucionalizados

Ribeiro, Maria Isabel; Fernandes, António
Tipo: conferenceobject
Português
Relevância na Pesquisa
37.13%
Enquadramento e Problema: A depressão tem-se mostrado como a perturbação mental mais comum na comunidade idosa, sobretudo na institucionalizada (Barua & Kar, 2010). A solidão, em termos psicológicos, pode ser caracterizada pela ausência afetiva do outro e estar relacionado com o sentimento, com a sensação de estar só (Moreira & Callou, 2006). Pode ser um sentimento de angústia, abandono e isolamento (Pinhel, 2011). Muitas vezes, os idosos institucionalizados experimentam sentimentos de depressão e solidão nos locais onde se encontram. No entanto, existem, cada vez mais, estratégias para o combate à solidão e depressão, que permitem ao idoso ter uma melhor qualidade de vida. Neste contexto, para o esclarecimento do problema de investigação e tendo em conta os objetivos traçados, formulou-se a seguinte questão de investigação: Existe relação entre os sentimentos de solidão e a sintomatologia depressiva?Objetivo geral: Verificar se existe correlação entre os sentimentos de solidão e a sintomatologia depressiva em idosos institucionalizados. Objetivos específicos: Determinar a proporção de idosos com sintomas de solidão e determinar o grau de depressão do idoso institucionalizado. Metodologia: Estudo quantitativo...

Factores de Risco da Depressão Pós-Parto: Uma Abordagem Multidimensional

Marques, Mariana Vaz Pires
Tipo: Tese de Doutorado
Português
Relevância na Pesquisa
37.17%
Introdução: São poucos os estudos que, no nosso país, tenham investigado simultaneamente o papel de factores de risco (FRs) e correlatos pertencentes a vários domínios (e.g. clínico, social…) no desenvolvimento de sintomatologia depressiva no pós-parto (PPt)/depressão pósparto (DPP). Por outro lado, quer em Portugal, quer internacionalmente, poucos combinam as abordagens categorial e dimensional quando se dedicam ao tema e/ou exploram o papel das variáveis de sono e da insónia na determinação dos outcomes. O nosso principal objectivo foi analisar potenciais associações e o papel preditivo de vários FRs e correlatos de diferentes domínios no desenvolvimento dos outcomes. Apresentamos, também, alguns dados epidemiológicos e sobre o curso da depressão perinatal. Metodologia: 236 mulheres no terceiro trimestre de gravidez (M=32.58 semanas de gestação; DP=3.61), idade média=30.51 anos (DP=4.02; variação=19-41 anos) preencheram uma booklet com dois questionários (Postpartum Depression Screening Scale/PDSS; Profile of Mood States/POMS), questões avaliando variáveis sócio-demográficas, sociais, de saúde, de sono, cronobiológicas e a insónia, entre outras. Em três momentos distintos do PPt (3, 6 e 12 meses PPt; T1/T2 e T3) as participantes voltaram a preencher a booklet com os mesmos questionários e questões sobre variáveis sociais e algumas questões obstétricas e sobre o bebé (e.g. temperamento difícil). As versões portuguesas da Diagnostic Interview for Genetic Studies (DIGS) e do OPerational CRITeria Checklist for Psychotic Illness (OPCRIT) foram usadas em todos os momentos de avaliação como gold standard para o diagnóstico (ICD-10 e DSM-IV). Nas análises estatísticas recorremos à versão 15.0 do SPSS para Windows e a uma funcionalidade do mesmo para realizar análises de bootstrapping/mediação. Depois de exploradas potenciais associações com diferentes outcomes categoriais e dimensionais...

Manifestações somáticas da depressão do idoso

Pimentel, Sara Isabel da Costa
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
37.13%
Introdução: A esperança média de vida e a prevalência da depressão têm vindo a aumentar progressivamente, sendo previsível que mantenham esta tendência, nos próximos anos. Nos idosos, uma das particularidades desta patologia é o predomínio de manifestações de sintomas somáticos, em relação aos sintomas do humor. Este facto pode protelar o diagnóstico, e consequentemente o tratamento, especialmente se co-existe patologia médica. Objectivos: Analisar as características particulares das manifestações somáticas na depressão do idoso, a sua influência nas estratégias para diagnóstico e tratamento e o seu reflexo no prognóstico da mesma. Desenvolver a influência das particularidades da depressão geriátrica, no desempenho do clínico geral e suas dificuldades na abordagem desta situação, bem como a necessidade de cuidados psiquiátricos diferenciados. Desenvolvimento: A apresentação clínica da depressão é menos evidente no idoso que no jovem. Muitas vezes, a depressão exprime-se apenas por sintomas somáticos ou modificações do comportamento habitual, frequentemente subestimadas nos idosos, por serem relacionadas com a comorbilidade médica, a polimedicação ou as alterações próprias da idade. Estes sintomas estão associados a recorrência mais frequente aos serviços de saúde e a sua severidade é proporcional à gravidade da depressão. A DSM-IV e a ICD-10 contemplam os sintomas somáticos...

Depressão em mulheres climatéricas: análise de mulheres atendidas ambulatorialmente em um hospital universitário no Maranhão; Depression in climacteric women: analysis of a sample receiving care at a university hospital in Maranhão, Brazil

SILVA, Mari-Nilva Maia da; BRITO, Luciane Maria Oliveira; CHEIN, Maria Bethânia da Costa; BRITO, Luiz Gustavo Oliveira; NAVARRO, Paula Andréa de Albuquerque Salles
Fonte: Sociedade de Psiquiatria do Rio Grande do Sul Publicador: Sociedade de Psiquiatria do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
37.15%
Introdução: O climatério, período de transição entre a fase reprodutiva e não-reprodutiva, ocasiona mudanças biopsicossociais nas mulheres que o vivenciam. A associação entre a maior prevalência de depressão nesse período é, no entanto, ainda controversa. O objetivo deste estudo foi avaliar a prevalência de depressão em mulheres climatéricas atendidas em um hospital universitário numa cidade da Região Nordeste do Brasil e identificar fatores associados. Método: Foi realizado um estudo prospectivo e analítico de 70 mulheres climatéricas. O diagnóstico de depressão foi dado segundo critérios diagnósticos da Classificação Internacional de Doenças em um período de seguimento mínimo de 3 meses. Foram investigadas as seguintes variáveis: escolaridade, situação conjugal, renda pessoal, gravidade da depressão segundo escala de Hamilton, presença e intensidade de sintomas climatéricos, menopausa (natural ou cirúrgica), dependência econômica do parceiro, antecedentes familiares de depressão, história prévia de depressão pós-parto, episódios depressivos e transtorno disfórico pré-menstrual, alterações da função sexual e visão positiva ou negativa da menopausa. Resultados: Um percentual de 34...

Avaliação do tratamento de depressão em pacientes com doença de Parkinson através de ressonância magnética funcional; Evaluation of depression treatment in Parkinson's disease patients with functional magnetic resonance

Cardoso, Ellison Fernando
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 04/04/2008 Português
Relevância na Pesquisa
37.13%
O circuito neuronal relacionado à depressão na doença de Parkinson (DP), assim como os efeitos da terapia antidepressiva nestes pacientes, não é bem estabelecido. Os métodos de neuroimagem podem levar ao melhor conhecimento da patogênese e também dos mecanismos de ação relacionados a um tipo específico de tratamento. Para avaliar as diferenças da atividade neuronal, comparamos 21 pacientes com DP e diagnóstico de depressão e 16 sem depressão através de ressonância magnética funcional (RMf) em uma tarefa cognitiva que inclui percepção emocional e escolha forçada com duas opções. Estes 21 pacientes deprimidos foram aleatorizados em dois grupos de tratamento por 4 semanas: estimulação magnética transcraniana (EMT) ativa sobre o córtex pré-frontal dorsolateral esquerdo ( 5 Hz EMT - 120% do limiar motor) com pílula placebo e EMT placebo com 20 mg diária de fluoxetina. Os pacientes foram submetidos a um experimento de RMf cujo paradigma foi relacionado a eventos apresentação visual de faces de conteúdo emocional. Os pacientes sem depressão realizaram RMf duas vezes (teste reteste) e os deprimidos quatro vezes (duas vezes antes e duas depois do tratamento). As imagens dos pacientes com DP e depressão demonstraram menor atividade no córtex pré-frontal medial quando comparados aos pacientes com DP sem depressão. Ambos os subgrupos de pacientes com DP e depressão apresentaram melhora significativa e similar dos sintomas da depressão. Após o tratamento com EMT ativa observou-se menor atividade do giro fusiforme esquerdo...

Identificação da depressão em mulheres no sistema prisional; Depression among women in prison.

Pinese, Carmen Silvia Vilela
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 11/08/2008 Português
Relevância na Pesquisa
37.17%
Introdução: As mulheres que vivem em confinamento num sistema penitenciário necessitam de condições para que cumpram suas penas com dignidade. No contexto da reclusão, os transtornos mentais são freqüentes, especialmente a depressão, com fatores de risco associados à história familiar, adversidade na infância, aspectos da personalidade, isolamento social e exposição a experiências estressantes. Objetivos: O objetivo deste trabalho foi identificar o perfil da população de mulheres detentas, suas características sóciodemográficas, clínicas, condição penal e os sinais indicativos de depressão correlacionando estes indicadores. Metodologia: Da capacidade de detenção da Penitenciária de Ribeirão Preto/ SP (310), foram entrevistadas 100 mulheres. Utilizou-se um questionário com informações sociodemográficas, clínicas, situação penal e o Inventário de Beck. Para a apreciação conjunta das possíveis influências das variáveis independentes com relação à depressão optou-se por uma regressão logística multinomial, com a variável desfecho tendo categorias 0,1, 2 e 3. As variáveis independentes foram transformadas em dicotômicas e o elemento de comparação foi a Razão de Risco Relativa. Resultados: Das 100 mulheres entrevistadas no sistema prisional...

A depressão no ciclo gravídico-puerperal de mulheres atendidas em um ambulatório de hospital geral; Depression during pregnancy and puerperal cycle of women attended in an outpatient clinic in a general hospital

Sousa, Valéria Feitosa de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 14/11/2008 Português
Relevância na Pesquisa
37.13%
O ciclo gravidico-puerperal é um período que envolve transformações profundas para a mulher nos aspectos físicos, psíquicos e sociais, podendo, no seu transcurso, aparecer importantes alterações na sua personalidade e gerar sofrimento psíquico com intensidades variadas, tornando-se um fator que pode dificultar o estabelecimento de um futuro vínculo afetivo seguro entre mãe e filho, interferindo, particularmente, nas relações interpessoais. Este estudo objetivou identificar a existência de quadros depressivos no ciclo gravídico-puerperal, seus fatores de risco biopsicossociais, bem como descrever os resultados obstétricos e pediátricos das mulheres com sintomas depressivos. Trata-se de um estudo do tipo epidemiológico, descritivo, transversal, realizado em um ambulatório de pré-natal de um hospital geral em 3 etapas, sendo uma durante a gestação, outra durante o puerpério, e, numa terceira, foram realizadas buscas em seus prontuários. Os dados foram coletados por meio de 5 instrumentos, sendo dois questionários contendo informações gerais, aplicados na gestação e no puerpério; uma planilha de coleta de dados, para informações referentes ao trabalho de parto, parto, puerpério imediato e dados do recém nascido; o Inventário de Depressão de Beck e a Escala de Depressão Pós-Parto de Edimburgo...

Depressão materna associada a múltiplos estressores e a socialização de crianças em idade escolar; Association of maternal depression with multiple stressors and socialization of schoolchildren

Pizeta, Fernanda Aguiar
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 11/05/2009 Português
Relevância na Pesquisa
37.13%
A depressão materna recorrente, pelas suas peculiaridades, pode se associar a outras condições adversas crônicas, configurando-se em cenários familiares diversos com impacto diferenciado para as famílias e para a socialização de crianças em idade escolar. Objetivou-se caracterizar, por meio do método de estudos de caso, o contexto de socialização de crianças em idade escolar que convivem com a depressão materna recorrente, associada a cenários familiares diversos. Comparou-se os recursos e as adversidades pessoais das crianças, das suas famílias e da rede de apoio social, tendo como foco crianças com perfis diferenciados, quanto ao desempenho acadêmico e ao comportamento, expressos pela presença ou ausência de dificuldade de socialização. Foram avaliadas oito duplas mãe-criança, tendo as mulheres entre 25 e 45 anos e diagnóstico de depressão recorrente, e as crianças, de ambos os sexos, com idades entre sete e 12 anos, sendo quatro com dificuldade de socialização e quatro sem tal dificuldade. Definiu-se como dificuldade de socialização, para crianças em idade escolar, problemas referentes ao desempenho acadêmico e ao comportamento. Procedeu-se à aplicação, com as mães: (a) entrevista diagnóstica para confirmação do transtorno depressivo recorrente...

Qualidade de vida relacionada à saúde, depressão e senso de coerência de pacientes, antes e seis meses após revascularização do miocárdio; Patients health-related quality of life, depression and sense of coherence before myocardial revascularization and six months after it.

Gois, Cristiane Franca Lisboa
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 24/06/2009 Português
Relevância na Pesquisa
37.18%
A cirurgia de revascularização do miocárdio (CRVM) é um procedimento indicado para pacientes com angina pectoris não controlada com o tratamento clínico e para pacientes com elevado grau de obstrução das artérias principais. A cirurgia visa a melhorar a qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS) dos pacientes, aliviar os sintomas da angina e aumentar a sobrevida, sobretudo dos pacientes de maior risco. No contexto do paciente coronariopata, a depressão tem sido relacionada como um preditor de pior QVRS, enquanto o senso de coerência (SC) tem sido associado a melhor QVRS e menor depressão. Objetivos: Avaliar a QVRS, depressão e SC, antes e seis meses após a CRVM e investigar as associações entre essas variáveis. Casuística e método: Estudo observacional e prospectivo, realizado em um hospital-escola no interior do Estado de São Paulo, desenvolvido entre os meses de setembro de 2006 e abril de 2008. A amostra foi constituída por 54 pacientes que fizeram parte das duas avaliações. Foram utilizados três instrumentos de medida: para avaliação da QVRS, o Medical Outcomes Study 36 - item Short-Form (SF-36), para a depressão, o Inventário de Depressão de Beck (IDB) e para o SC, o Questionário de Senso de Coerência de Antonovsky de 29 itens (QSCA). Os dados foram coletados por meio de entrevistas. Posteriormente...

Depressão e estado de saúde percebido por pacientes com primeiro episódio de síndrome isquêmica miocárdica instável; Depression and health state perceived by patients with first episode of Acute Coronary Syndrome

Dessotte, Carina Aparecida Marosti
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 19/04/2010 Português
Relevância na Pesquisa
37.13%
A avaliação do estado de saúde percebido tem sido um tema de pesquisa imprescindível na área da saúde, visto que seus resultados contribuem para definir tratamentos, avaliar custo/benefício do cuidado, além de reduzir as taxas de morbimortalidade. Os objetivos deste estudo foram: comparar a presença de sintomas, o estado de saúde percebido e o grau de severidade da depressão, segundo o diagnóstico da Síndrome Isquêmica Miocárdica Instável (SIMI): Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) versus Angina Instável (AI); investigar a presença de possíveis relações entre o estado de saúde percebido e o grau de severidade da depressão nos dois grupos e analisar a variância da medida do estado de saúde percebido e do grau de severidade da depressão explicada por variáveis preditoras. Estudo descritivo, correlacional e transversal, desenvolvido na Unidade Coronariana e enfermarias da cardiologia de dois hospitais públicos do interior de São Paulo. Entrevistas individuais foram realizadas pela pesquisadora com a coleta de dados para caracterização sociodemográfica e clínica, questionário de sintomas associados à SIMI, avaliação do estado de saúde percebido (SF-36) e depressão (Inventário de Depressão de Beck). Os dados foram analisados utilizando o teste de associação (Qui-quadrado)...

(Dis)função sexual, depressão e ansiedade em pacientes ginecológicas; Sexual dysfunction, depression, and anxiety in gynecological patients

Lucena, Bárbara Braga de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 05/07/2013 Português
Relevância na Pesquisa
37.17%
Os objetivos do presente estudo foram: (1) avaliar a função sexual feminina e a presença de depressão e ansiedade; (2) verificar a associação entre disfunção sexual feminina (DSF), depressão e ansiedade e (3) identificar as variáveis relacionadas com os domínios: desejo, excitação, orgasmo e dor durante a relação sexual Participaram do estudo 110 pacientes saudáveis (idade: 18-61, média:38,5 anos) que aguardavam consulta ambulatorial de prevenção ginecológica no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP). A avaliação foi realizada com questionários específicos desenvolvidos para a pesquisa, juntamente com o Quociente Sexual Feminino (QS-F), Inventário Beck de Depressão (BDI-II) e Inventário Beck de Ansiedade (BAI). A análise das respostas mostrou que do total da amostra, 36 (32,7%) mulheres apresentavam inibição de desejo; 16 (14,5%), problemas de excitação; 35 (31,8%), dificuldades de orgasmo; 31 (28,2%) queixavam-se de dor durante a relação; e 39 (35,5%) atingiram pontuação inferior a 60 no QS-F, indicando DSF em geral. Depressão e ansiedade acometeram 26 (23,6%) e 37 (33,6%) pacientes, respectivamente. Os dados também revelaram uma relação significante entre DSF...

Características clínicas e alterações estruturais em exames de ressonância magnética : importância para o desfecho da depressão em idosos; Clinical characteristics and structural changes in magnetic resonance imaging: importance for the outcome of late life depression

Ribeiz, Salma Rose Imanari
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 22/11/2013 Português
Relevância na Pesquisa
37.15%
A relação entre as alterações estruturais cerebrais e a resposta ao tratamento da depressão em idosos continua a ser uma área intrigante de pesquisa. Neste estudo, foram investigadas diferenças quanto ao volume total e regionalizado de substância cinzenta e branca em exames de ressonância magnética (RM) de idosos com depressão (de acordo com os critérios do DSMIV-TR) e de controles. Além disso, para melhor compreender a fisiopatologia da depressão no idoso, o volume total das hiperintensidades em substância branca foi quantificado e comparado entre os grupos. A amostra foi composta por 30 idosos com depressão e 22 controles. Os idosos com depressão foram divididos em grupos de acordo com o uso prévio de antidepressivos, a resposta ao tratamento farmacológico, assim como de acordo com a idade de início da depressão. As imagens de RM foram processadas utilizando o programa Statistical Parametric Mapping e a morfometria baseada em voxel (DARTEL). A quantificação do volume total das hiperintensidades em substância branca foi realizada através de uma variação do método automático conhecido como Expectation Maximization Segmentation (EMS). Na análise do cérebro inteiro, encontramos uma redução volumétrica significativa no giro reto e no córtex orbitofrontal bilateralmente em pacientes em comparação com os controles.Além disso...

Desenvolvimento prossocial em crianças de três anos de idade: relações do contexto sócio afetivo de criação e da depressão materna; Prosocial development in three years old children: the relationship of the socio affective parenting context and of the maternal depression

Stobäus, Laura Cristina
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 13/09/2013 Português
Relevância na Pesquisa
37.13%
Estudos em diferentes ambientes socioculturais têm mostrado uma incidência de depressão em 10 a 20% das mulheres. Dentre as decorrências relevantes do quadro, tem havido um interesse especial nos potenciais comprometimentos da interação mãebebê no desenvolvimento cognitivo e emocional da criança, que repercutem no desenvolvimento do seu comportamento prossocial. O objetivo do presente estudo foi avaliar, através de tarefas de ajuda instrumental, se a depressão materna afeta o desenvolvimento do comportamento prossocial de crianças de três anos de idade. Participantes: 24 díades mães-criança: 12 mães nunca deprimidas, seis mães sempre deprimidas e seis mães com depressão atual quando as crianças estavam com a idade de 36 meses (M=37±2,8 meses). As mães estavam com a idade média de 25 anos (M=25,87±5,23) e foram avaliadas pela escala de Depressão Pós-Parto de Edimburgo, no momento da aplicação dos testes e no puerpério. Foi filmado o desempenho das crianças em tarefas de: 1) ajudar a mãe, pessoa familiar, a recolher os brinquedos, depois de uma sessão de brincadeira e 2) ajudar experimentador, desconhecido, a pegar objeto que ele deixa cair ao solo. Os resultados não apresentaram diferenças significativas estatísticas quanto aos tipos de comandos maternos...

Validade e utilidade diagnóstica de escalas de avaliação de depressão e testes neuropsicológicos nos principais transtornos psiquiátricos após traumatismo cranioencefálico grave

Schwarzbold, Marcelo Liborio
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 133 p.| il., grafs., tabs.
Português
Relevância na Pesquisa
37.13%
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Neurociências, Florianópolis, 2014.; Introdução: o traumatismo cranioencefálico (TCE) grave é uma importante causa de morbidade e mortalidade. Transtornos cognitivos e psiquiátricos são frequentes em sobreviventes de TCE grave, principalmente depressão e alteração de personalidade. Poucos estudos investigaram o valor de testes psicométricos para o rastreamento e o auxílio diagnóstico desses transtornos. Objetivos: definir o valor de testes psicométricos no rastreamento e no auxílio diagnóstico da depressão e alteração de personalidade após TCE grave. Metodologia: 46 pacientes consecutivamente hospitalizados por TCE grave realizaram avaliação psiquiátrica e neuropsicológica na fase crônica do trauma. O diagnóstico de depressão foi definido pela Entrevista Clínica Estruturada para os Transtornos do Eixo I do DSM-IV (SCID-I) e o diagnóstico de alteração de personalidade foi feito de acordo com a 4ª edição revisada do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-IV-TR). Os seguintes instrumentos foram aplicados: Escala de Depressão de Hamilton (HAM-D); Inventário de Depressão de Beck (BDI); Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão (HADS); teste de fluência verbal; testes de Vocabulário...

Investigação experimental da percepção de dor em mulheres com depressão

Crepaldi, Ana Maria
Tipo: dissertação / dissertation
Português
Relevância na Pesquisa
37.13%
Dissertação (mestrado)-Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, 2009.; No Brasil, onde existe grande ocorrência de casos de Transtorno Depressivo Maior (TDM) em comorbidade com sintomas dolorosos, há uma carência de pesquisa básica sobre a interação entre depressão e percepção de dor. O presente trabalho teve como objetivo contribuir para esclarecer como os estados depressivos podem influenciar a percepção de dor em ambientes experimentais, por meio do uso do Teste Pressor ao Frio (TPF) como método de indução de dor e do Questionário de Dor de McGill (QDM) como métrica de avaliação da dor. Foram realizados dois estudos: um piloto, com 16 participantes saudáveis (12 mulheres e quatro homens), para ajuste da metodologia, e um experimento envolvendo 16 mulheres com Depressão e 16 mulheres saudáveis, utilizando-se da mesma metodologia do estudo piloto para averiguar possíveis diferenças entre os resultados do TPF e do QDM entre os grupos com e sem depressão. O diagnóstico de depressão e a ausência de sintomas depressivos foram verificados através dos questionários Mini International Neuropsychiatric Interview (M.I.N.I.) e Inventário de Beck Para Depressão. A sensibilidade à dor foi comparada entre homens e mulheres no estudo piloto (01) e entre mulheres com e sem depressão no estudo 02. As medidas utilizadas para averiguar a sensibilidade à dor foram: a tolerância à dor...

Viver com a depressão: relatos de uma transição

Marques, Maria de Fátima
Fonte: Sociedade Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental Publicador: Sociedade Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
37.13%
Titulo – Viver com a depressão - relatos de uma transição Questão: - Como acontece a transição saúde-doença na pessoa com depressão? Objectivos: - Compreender a transição saúde-doença na pessoa com depressão. - Descrever os factores desencadeantes da depressão; - Descrever as alterações que ocorrem na vida da pessoa com depressão - Identificar como a pessoa vive a sua depressão - Descrever as reacções da pessoa com depressão na relação com os outros. Metodologia: Desenho de investigação de natureza qualitativa. Decorreu em Dezembro 2007 nas consultas externas do Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Hospital de Évora. Estudo exploratório/descritivo com vista a originar questões para estudo posterior. A amostragem é não probabilística por acessibilidade. Seleccionei, todos os indivíduos a que tive acesso durante Dezembro nas consultas externas, 2 vezes por semana, num total de 5 participantes, obedecendo aos seguintes critérios: - ter diagnóstico médico de depressão unipolar sem patologia associada, inscrito nas consultas externas do Departamento. - ter capacidade cognitiva que permita a recolha de informação - aceitar participar no estudo de forma voluntária. Foram respeitados os procedimentos éticos. Recolha de dados: consulta da ficha clínica para obtenção do diagnóstico médico (critério de selecção) e entrevistas semi-estruturadas. Entrevistas gravadas em áudio e transcritas integralmente por mim. Análise de conteúdo temática segundo Bardin. Com o desmembramento do texto em unidades...

Depressão : detecção, diagnóstico e tratamento. Estudo de prevalência e despite das perturbações depressivas e tratamento 

Gusmão, Ricardo Duarte Miranda de
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2005 Português
Relevância na Pesquisa
37.15%
RESUMO:A depressão clínica é uma patologia do humor, dimensional e de natureza crónica, evoluindo por episódios heterogéneos remitentes e recorrentes, de gravidade variável, correspondendo a categorias nosológicas porventura artificiais mas clinicamente úteis, de elevada prevalência e responsável por morbilidade importante e custos sociais crescentes, calculando-se que em 2020 os episódios de depressão major constituirão, em todo o mundo, a segunda causa de anos de vida com saúde perdidos. Como desejável, na maioria dos países os cuidados de saúde primários são a porta de entrada para o acesso à recepção de cuidados de saúde. Cerca de 50% de todas as pessoas sofrendo de depressão acedem aos cuidados de saúde primários mas apenas uma pequena proporção é correctamente diagnosticada e tratada pelos médicos prestadores de cuidados primários apesar dos tratamentos disponíveis serem muito efectivos e de fácil aplicabilidade. A existência de dificuldades e barreiras a vários níveis – doença, doentes, médicos, organizações de saúde, cultura e sociedade – contribuem para esta generalizada ineficiência de que resulta uma manutenção do peso da depressão que não tem sido possível reduzir através das estratégias tradicionais de organização de serviços. A equipa comunitária de saúde mental e a psiquiatria de ligação são duas estratégias de intervenção com desenvolvimento conceptual e organizacional respectivamente na Psiquiatria Social e na Psicossomática. A primeira tem demonstrado sucesso na abordagem clínica das doenças mentais graves na comunidade e a segunda na abordagem das patologias não psicóticas no hospital geral. Todavia...

Depressão em mulheres climatéricas: análise de mulheres atendidas ambulatorialmente em um hospital universitário no Maranhão

Silva,Mari-Nilva Maia da; Brito,Luciane Maria Oliveira; Chein,Maria Bethânia da Costa; Brito,Luiz Gustavo Oliveira; Navarro,Paula Andréa de Albuquerque Salles
Fonte: Sociedade de Psiquiatria do Rio Grande do Sul Publicador: Sociedade de Psiquiatria do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2008 Português
Relevância na Pesquisa
37.15%
Introdução: O climatério, período de transição entre a fase reprodutiva e não-reprodutiva, ocasiona mudanças biopsicossociais nas mulheres que o vivenciam. A associação entre a maior prevalência de depressão nesse período é, no entanto, ainda controversa. O objetivo deste estudo foi avaliar a prevalência de depressão em mulheres climatéricas atendidas em um hospital universitário numa cidade da Região Nordeste do Brasil e identificar fatores associados. Método: Foi realizado um estudo prospectivo e analítico de 70 mulheres climatéricas. O diagnóstico de depressão foi dado segundo critérios diagnósticos da Classificação Internacional de Doenças em um período de seguimento mínimo de 3 meses. Foram investigadas as seguintes variáveis: escolaridade, situação conjugal, renda pessoal, gravidade da depressão segundo escala de Hamilton, presença e intensidade de sintomas climatéricos, menopausa (natural ou cirúrgica), dependência econômica do parceiro, antecedentes familiares de depressão, história prévia de depressão pós-parto, episódios depressivos e transtorno disfórico pré-menstrual, alterações da função sexual e visão positiva ou negativa da menopausa. Resultados: Um percentual de 34...

Depressão pós-parto:pensamentos disfuncionais e comorbidade com transtornos ansiosos

Cantilino da Silva Junior, Amaury; Botelho Sougey, Everton (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: other
Português
Relevância na Pesquisa
37.18%
Introdução: Apesar da depressão pós-parto ser bastante pesquisada, algumas lacunas importantes no conhecimento desse transtorno ainda existem. No Brasil, por exemplo, não existem estudos de prevalência que tenham utilizado entrevistas clínicas estruturadas para o seu diagnóstico. Além disso, também no nosso meio, não se conhece a prevalência dos transtornos de ansiedade no puerpério e a sua comorbidade com depressão. Outro aspecto relevante é que embora programas de tratamento de depressão pós-parto com psicoterapia cognitivocomportamental sejam realizados e pesquisados, estudos que comparem a freqüência de pensamentos disfuncionais entre puérperas deprimidas e puérperas sem depressão não têm sido encontrados na literatura. Tanto pesquisas que estudem comorbidade entre depressão pós-parto e transtornos de ansiedade quanto aquelas que possam avaliar quais pensamentos disfuncionais estão mais presentes nessas puérperas podem dar subsídios para a construção de programas de terapia cognitiva baseados em evidências. Objetivos: O estudo teve três eixos centrais: 1) Estimar a prevalência de depressão pós-parto em Recife-PE utilizando a Structured Clinical Interview for DSM-IV Axis I Disorders (SCID-I); 2) Avaliar quais pensamentos disfuncionais de acordo com o Postnatal Negative Thoughts Questionnaire (PNTQ) estavam mais presentes em mulheres com depressão pós-parto quando comparadas às puérperas sem depressão; 3) Estimar a prevalência de transtornos de ansiedade no puerpério e avaliar a freqüência de comorbidade com depressão. Método: Uma amostra de conveniência de 400 puérperas foi selecionada em ambulatórios públicos e em um consultório privado de puericultura enquanto aguardavam consultas para seus bebês. Essas mulheres foram entrevistadas com o uso da SCID-I para depressão e com o Mini International Neuropsychiatric Interview para transtornos de ansiedade. Além disso...