Página 1 dos resultados de 79 itens digitais encontrados em 0.614 segundos

Gestão de creches para além da assistência social: transição e percurso na Prefeitura de São Paulo de 2001 a 2004; Administration of day-nurseries farther on Social Assistance transition and course at Administration of São Paulos City in 2001 at 2004

Franco, Dalva de Souza
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 03/04/2009 Português
Relevância na Pesquisa
135.53%
O presente estudo tem como objeto a transição e os percursos das creches diretas da Secretaria de Assistência Social (SAS), para a Secretaria Municipal de Educação (SME), na Prefeitura Municipal de São Paulo durante a gestão Marta Suplicy (PT), de 2001 a 2004. Buscou-se compreender o processo político-administrativo levado a efeito nesse período. Intencionamos ao mesmo tempo, contribuir para o debate sobre creches, buscando apontar alguns indicadores do processo e como o município de São Paulo incorporou o preceito constitucional das creches na área da Educação. Buscou-se utilizar como referências conceituais diferentes teorias da área de política de educação infantil e das políticas sociais dirigidas à infância, objetivando relacioná-las com as políticas de creche no município de São Paulo, evidenciando o contexto histórico-político em que estava inserido. A conclusão do estudo revela que a mudança de área trouxe várias modificações com relação ao atendimento das crianças nas creches, em especial, a organização da demanda, a gestão de sistema e de unidades e a formação de professores. A pesquisadora reuniu e analisou grande parte da documentação que caracterizou a transição e com base nas entrevistas realizadas demonstrou que...

Ambientes para educação infantil: um quebra-cabeça? Contribuição metodológica na avaliação pós-ocupação de edificações e na elaboração de diretrizes para projetos arquitetônicos na área; Environment to children´s education: a puzzle? Methodological contribution on pos-occupation evaluation of buildings and on creation og guidelines to architectural projects in the area

Elali, Gleice Virginia Medeiros de Azambuja
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 20/09/2002 Português
Relevância na Pesquisa
95.59%
Numa época na qual meio ambiente e qualidade de vida são temas em evidência, parte do controle sobre as práticas sócioambientais exige regulamentação e fiscalização das iniciativas (públicas e privadas) em áreas que abrangem da medicina à construção civil, passando por alimentação, hábitos individuais, energia, etc. Nesse contexto é necessária especial atenção com a infância, pois a criança representa o próprio futuro/continuidade da sociedade. Assim, sendo a escola um dos principais locais de vivência infantil, a preocupação com sua qualidade ambiental precisa ser redobrada, sobretudo em se tratando de instituições que lidam com menores de 7 anos. No Brasil, a Constituição de 1988 reconheceu a educação infantil como direito da criança entre 0 e 6 anos, tornando-a uma obrigação do Estado delegada ao âmbito municipal, e exigindo que os municípios criem instrumentos de controle adequados. Isso gerou a oportunidade de olhar-se criticamente cada realidade a fim de delimitar-se propostas social e ambientalmente coerentes, tarefa na qual essa tese opta por utilizar a APO. Partindo de um roteiro básico de pesquisa, foram visitadas 41 pré-escolas em Natal-RN e vistoriadas 16. Em 5 destas o trabalho foi aprofundado...

A relação entre a educação infantil e as famílias do campo; The relationship between early education and rural families

Lima, Luciana Pereira de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 14/11/2012 Português
Relevância na Pesquisa
115.57%
A relação dialógica e de proximidade entre a Educação Infantil e as famílias do campo é considerada necessária ao atendimento à criança de 0 a 6 anos, em espaços coletivos. No contexto rural, tal relação pode ser atravessada por diferentes elementos que precisam ser compreendidos por aqueles que almejam uma Educação Infantil no campo voltada à sua realidade e às características de suas crianças e famílias. Diante do reduzido número de estudos na área, realizamos a presente pesquisa que teve como objetivo investigar as significações de profissionais da educação e famílias do campo sobre a relação entre a Educação Infantil e as famílias do campo. Partimos da hipótese de que as significações que compõem o universo semiótico das profissionais e das famílias partilham elementos gerais da matriz sócio-histórica, mas que a relação diferenciada no e com o rural e suas condições materiais de existência circunscreve também diferentes possibilidades de significações, em relações de proximidade e distanciamento. A pesquisa foi realizada em um município de Minas Gerais que possuía 13 Escolas que ofereciam Educação Infantil no campo. Em um primeiro momento da pesquisa, foram realizadas visitas às 13 Escolas...

Educação infantil do campo e gestores educacionais; Preschool Education in Rural Areas and Educational Managers

Araujo, Thaise Vieira de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 12/02/2015 Português
Relevância na Pesquisa
95.65%
O objetivo geral do estudo foi compreender as significações dos gestores educacionais sobre o atendimento às crianças do campo na educação infantil. Buscou-se ainda compreender: como municípios da mesorregião de Ribeirão Preto (SP) ofertam a educação infantil às crianças de 0 a 5 anos moradoras em área rural; como gestores educacionais organizam e significam o atendimento às crianças do campo na educação infantil. O estudo teve uma abordagem quantitativa e qualitativa. Os dados quantitativos foram levantados por meio de questionários respondidos por 18 secretarias de educação de municípios da mesorregião de Ribeirão Preto. As informações qualitativas foram levantadas por meio de observação em 4 pré-escolas localizadas no campo e de entrevistas com gestores de um município da mesorregião de Ribeirão Preto, escolhido como foco da pesquisa. Participaram 6 gestores: 1 secretária de educação, 1 coordenadora municipal de educação infantil, 2 diretoras escolares e 2 coordenadoras pedagógicas das pré-escolas no campo. O material empírico foi categorizado e analisado de acordo com a perspectiva teórico metodológica da Rede de Significações. Os resultados advindos dos questionários indicam que: a quase totalidade dos municípios oferta educação infantil para as crianças em área rural; a oferta é prioritária para crianças de 4 e 5 anos de idade...

A criança e sua infância: combates no saber em educação

Santos, Solange Estanislau dos
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis Formato: 131 f.
Português
Relevância na Pesquisa
105.6%
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Pós-graduação em Educação - FCT; Esta pesquisa é vinculada à linha de pesquisa Processos formativos, diferença e valores e discute o tema da produção de práticas e significados para os processos educacionais. Apresenta como seu objeto de estudo os conceitos de criança e infância articulados aos de culturas infantis e identidades infantis , categorias essas que transpõem a formação de professores e sua prática pedagógica. Foi traçado como seu principal objetivo o mapeamento desses conceitos e a análise da forma como está ocorrendo a sua apropriação e consolidação, através dos trabalhos apresentados no Grupo de Trabalho (GT) Educação da criança de 0 a 6 anos , da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação (ANPED), no período de 2000 a 2004. Para tal empreendimento, realizei estudos e análises teóricas e metodológicas embasadas em discussões sobre cultura e também referentes às singularidades do corpus documental. Também esquematizei a pesquisa a partir do rastreamento dos dados quantitativos e qualitativos e da problematização e discussão dos principais eixos que articulavam os enunciados e conceitos em debate. Os principais resultados obtidos indicam para: 1) a existência de uma hegemonia geográfica desses trabalhos...

Política Pública de Creche: entre as leis e a realidade

Tsuda, Márcia Satomi
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis Formato: 145 f. : il.
Português
Relevância na Pesquisa
95.64%
Pós-graduação em Educação - FCT; O presente trabalho está vinculado à linha de pesquisa “Políticas Públicas, Organização Escolar e Formação de Professores”. As mudanças ocorridas na Educação Infantil, a partir do reconhecimento do direito da criança de 0 a 6 anos à educação, promulgado na Constituição Brasileira de 1988, representaram um marco na vida das crianças, principalmente daquelas que ficavam à margem desse atendimento. Para o reconhecimento desse direito, foi aprovada a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN 9394/96), que organizou o atendimento da criança pequena no sistema de ensino, diferenciando a creche e a pré-escola apenas com o critério universal da idade e exigindo que as crianças fossem assumidas por um professor com formação especifica. A lei atribuiu também ao Município a responsabilidade de oferecêla. Desse modo, a Educação Infantil esta passando por momentos de adequação nos sistemas municipais de ensino, fato que requer, dos gestores municipais, estudo, reflexão e revisão das ações ao elaborarem as políticas públicas desta etapa educacional. Esta pesquisa investigou, assim, a maneira como essas decisões da Política Nacional de Educação Infantil têm refletido na organização do atendimento público municipal à criança de 0 a 3 anos...

Do adulto em miniatura a criança como sujeito de direitos : a construção da politicas de educação para a criança de tenra idade na França

Maria Evelyna Pompeu do Nascimento
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 20/02/2001 Português
Relevância na Pesquisa
85.66%
No mundo ocidental moderno parece consensual que "as crianças são o recurso mais importante de um país"; no entanto, cada país tende a ter uma determinada compreensão da amplitude política que a preservação social da infância pressupõe. Adernais, a inscrição da problemática numa agenda política nada tem de natural, é objeto de controvérsias sociais e políticas que explicitam, a cada nova contingência, um determinado campo de forças. Partindo do pressuposto que a "questão da infancia" se coloca em zonas limítrofes onde o público e o privado muitas vezes se confrontam, a tese trata de verificar os condicionantes da ação do Estado Francês relativamente às crianças de tenra idade, identificando as transformações que propiciaram regulações estatais que possibilitaram à sociedade francesa ascender à condição de parâmetro ocidental de construção de políticas públicas, especialmente as educativas, para a íaixa de O a 6 anos. No primeiro capítulo, "Do adulto em miniatura à exaltação da infância", acompanha-se a emergência do valor de que a criança é diferente do adulto e como tal sua especificidade deve ser respeitada; privilegia-se a família e a escola enquanto espaços institucionais por excelência de vivências da infância...

Atenção à saúde ocular de crianças com alterações no desenvolvimento no município de Curitiba-PR; Attention to ocular health of children with developmental alterations in county of Curitiba-PR

Gabriela Cordeiro Corrêa do Nascimento
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 17/12/2014 Português
Relevância na Pesquisa
95.55%
As alterações visuais podem causar impactos no desenvolvimento infantil e em funções diretamente relacionadas à visão, trazendo repercussões ao indivíduo e à sociedade. A literatura ressalta a alta incidência dessas alterações em pessoas com outras alterações no desenvolvimento. Este estudo objetivou conhecer, descrever e analisar a realidade da atenção à saúde ocular de crianças com alterações no desenvolvimento que frequentam serviços de intervenção precoce no município de Curitiba/PR. Para tanto, a pesquisa constituiu-se de um levantamento, exploratório e descritivo, que contou com a aplicação de questionários com representantes institucionais, profissionais da equipe dos serviços de intervenção precoce e mães ou cuidadores das crianças atendidas nestes serviços. Os dados obtidos receberam tratamento estatístico através dos softwares Sistema de Análise Estatística SAS 9.3, Wolfram Mathematica e Microsoft Excel. A amostra constituiu-se de 19 representantes institucionais, 142 profissionais do serviço de intervenção precoce e 273 mães ou cuidadores das crianças atendidas, totalizando 434 sujeitos. Em relação às instituições predominaram aquelas do 3º setor (47,4%), que atuam na área da educação (73...

Da educação pré-escolar à educação infantil

Rivero, Andréa Simões
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: dissertação (mestrado)
Português
Relevância na Pesquisa
95.58%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação.; Este trabalho investigou a formação dos professores de Educação Infantil a partir das visões de criança, de professor e de educação infantil durante as duas décadas da Habilitação de Educação Infantil do Curso de Pedagogia da UFSC. Os pontos de vista dos alunos e dos professores são as fontes mais significativas na pesquisa realizada. Os anos 80 na habilitação foram marcados por duas vertentes contrárias. Uma defendia concepções assistencialistas, outra, sintonizada com os avanços teóricos do momento, fazia críticas a esse modelo e propunha uma pré-escola com função pedagógica. Surge então uma visão que ressalta "as possibilidades da criança", ao invés de concebê-las como carentes, consolidando uma perspectiva crítica na habilitação. Nos anos 90 há evidências de uma unidade teórica. A busca da especificidade da educação das crianças de 0 a 6 anos marca a formação, produzindo avanços na compreensão do pedagógico, em direção a uma perspectiva integrada do processo educativo (binômio cuidar e educar). Essa investigação permite dizer que a habilitação vem propiciando aos seus alunos uma rica discussão teórica...

Educação infantil

Moraes, Andréa Alzira de
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: dissertação (mestrado) Formato: 202 f.| grafs., tabs.
Português
Relevância na Pesquisa
105.63%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciencias da Educação. Programa de Pós-graduação em Educação; Esta pesquisa é um estudo sobre as imagens da infância e da criança contemporâneas nas produções acadêmicas referentes à educação infantil. Trata-se de uma análise sobre as concepções de criança, infância e educação veiculadas pelas produções acadêmicas recentes apresentadas nas Reuniões Anuais (RA) da Associação de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), especificamente no Grupo de Trabalho - Educação das Crianças de 0 a 6 anos (GT 7), entre os anos de 1997 e 2002. Tendo como objetivo identificar através da análise das concepções mapeadas, o papel social que a criança ocupa no processo educacional. E partindo de uma perspectiva multidisciplinar, na qual as contribuições das ciências humanas e sociais constituem o quadro teórico para esta análise, bem como, para o entendimento da criança como sujeito ativo e participativo do seu processo educacional e sua atuação enquanto ator social, esta pesquisa buscou delinear as concepções educativas que a partir da análise das produções acadêmicas se engendraram. Utilizando como instrumento metodológico a análise de conteúdo...

Concepções de formação das educadoras de infância em Portugual e das professoras de educação infantil no Brasil

Raupp, Marilene Dandolini
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 230 f.| grafs.
Português
Relevância na Pesquisa
95.61%
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação.; Este trabalho é uma pesquisa teórico-bibliográfica no campo científico da Educação. Objetiva examinar e analisar como tem sido entendida a formação das educadoras de infância e professoras de Educação Infantil na produção científica portuguesa e brasileira no período de 1995#2006. Trata-se, portanto, de averiguar o conteúdo teórico, ou seja, a base epistemológica sobre a qual se constrói a concepção dessa formação presente: 1) nas teses, nos livros e nos artigos de autoria de pesquisadores portugueses que têm exercido importância na difusão do tema; 2) e em textos brasileiros referentes aos trabalhos sobre formação de professoras de Educação Infantil apresentados nas reuniões anuais da Anped (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação) no grupo de trabalho Educação de Criança de 0 a 6 anos (GT 07). A partir da década de 1990, uma série de críticas advindas da esfera científica direcionam-se tanto às políticas para a formação docente quanto às produções científicas da educação, entre as quais a Educação Infantil. Estas críticas incidem...

Representações sociais da infância e estilos de práticas educativas de mães e professoras de crianças de 0 a 6 anos de idade

Wilbert, Débora Driemeyer
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 136 f.| tabs.
Português
Relevância na Pesquisa
125.54%
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Psicologia.; Esta pesquisa estudou o conhecimento cotidiano de mães e professores sobre infância e os estilos de práticas educativas adotadas com crianças de 0 a 6 anos de idade. Participaram 120 mães (60 com descendência alemã e 60 com descendência italiana) e 120 professoras em igual situação. A faixa etária variou entre 18 e 59 anos e as variáveis descritivas caracterizaram o grupo como homogêneo. Na primeira etapa do estudo, os dados foram coletados por meio de entrevistas em profundidade não diretivas e na segunda através de questionários semi-estruturados e auto aplicados. Eles foram submetidos à analises estatísticas e discutidos a partir da teoria das representações sociais. Os dados provenientes das entrevistas sobre concepção de infância e relatos de práticas educativas foram analisados por meio de uma classificação hierárquica descendente (software ALCESTE). Para aqueles dos questionários foi utilizada analise quantitativa buscando o diagnóstico da representação social dos sujeitos por meio da análise lexical das palavras (EVOC) e estrutural (SIMILITUDE). A identificação dos estilos de práticas educativas foi feita por meio da análise estatística descritiva e inferencial (t de Student - diferença entre médias; e de variância - ANOVA; utilizando o software SPSS). Os resultados indicaram que a representação da infância está ancorada nos aspectos lúdicos inerentes à esta etapa de vida...

O Referencial curricular nacional para a educação infantil no contexto das reformas

Cerisara,Ana Beatriz
Fonte: Centro de Estudos Educação e Sociedade - Cedes Publicador: Centro de Estudos Educação e Sociedade - Cedes
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2002 Português
Relevância na Pesquisa
115.49%
Este artigo tem por objetivo refletir sobre o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil no contexto das políticas públicas para educação infantil do Governo Fernando Henrique Cardoso. Inicia com uma análise das reformas educacionais implementadas na área da educação infantil, com base em legislações, pareceres, resoluções e documentos encaminhados pelo MEC desde a LDB nº 9.394/96 enfatizando aspectos relativos ao financiamento para a educação infantil e à formação de suas professoras. Em seguida, retoma o debate em torno do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil situando-o como mais uma ação do governo no contexto das reformas em andamento e, por último, apresenta algumas das tendências e utopias que têm inspirado os educadores da área.

Políticas de regulação, pesquisa e pedagogia na educação infantil, primeira etapa da educação básica

Faria,Ana Lúcia Goulart de
Fonte: Centro de Estudos Educação e Sociedade - Cedes Publicador: Centro de Estudos Educação e Sociedade - Cedes
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2005 Português
Relevância na Pesquisa
105.5%
Como fazer um mapa durante um terremoto, este artigo refaz as trajetórias pelas quais passaram creche e pré-escola, até tornarem-se, pela LDB de 1996, instituições de educação infantil responsáveis pela primeira etapa da educação básica. Mostra também que as tentativas de articulação entre pesquisa, política e prática pedagógica garantiram avanço e inovação na área, que vem construindo a Pedagogia da Infância e se empenha em garantir, pela esfera municipal, o direito à educação das crianças de 0 a 6 anos. Enquanto área muito jovem da educação, acaba sofrendo pressões que podem levar a um retrocesso, como o que vem ocorrendo no momento no Brasil. Sem concluir, o texto permite constatar a transgressão instalada pela educação infantil que, ao dar vida a uma infância que continua nas séries iniciais, torna-se o grande impedimento para uma política nacional integrada para a infância.

Envolvimento de pais em creche: possibilidades e dificuldades de parceria

Bhering,Eliana; De Nez,Tatiane Bombardelli
Fonte: Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília Publicador: Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2002 Português
Relevância na Pesquisa
95.47%
O envolvimento de pais com a educação das crianças, hoje no Brasil, é muito pouco investigado, seja na educação infantil ou nos outros níveis de educação. No entanto a literatura estrangeira nos aponta vários caminhos dependendo do foco da pesquisa. Neste estudo, a literatura usada foi a tipologia de Epstein (in Brandt, 1989), as esferas sobrepostas (Epstein, 1987), ambas baseadas na teoria ecológica de Bronfenbrenner (1979, 1996), e o modelo das pirâmides invertidas de Hornby (1990). O objetivo deste estudo consistiu em identificar os aspectos da relação entre a creche e os pais no que se refere à comunicação, expectativas e dificuldades de relacionamento, contribuições e as estratégias utilizadas para o envolvimento dentro da perspectiva dos pais, professoras e atendentes. Este estudo usa dados qualitativos coletados em entrevistas (questionário semi-estruturado) com 33 pais de crianças de 0 a 6 anos, 7 professores e 8 atendentes de uma creche de iniciativa voluntária. Os resultados, depois de análise feita através de categorias, mostram que a comunicação existente impossibilita a proximidade e trocas de informações. A atitude da creche para os pais é calcada numa postura de oferecimento da assistência à criança e a atitude dos pais na receptividade limitada calcada numa postura de favorecimento por estes serviços. O desconhecimento sobre as possibilidades de envolvimento exclui os pais...

Perfil das crianças de 0 a 6 anos que freqüentam creches, pré-escolas e escolas: uma análise dos resultados da Pesquisa sobre Padrões de Vida/IBGE

Kappel,Maria Dolores Bombardelli; Carvalho,Maria Cristina; Kramer,Sonia
Fonte: Editora Autores Associados Publicador: Editora Autores Associados
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2001 Português
Relevância na Pesquisa
125.54%
O texto apresenta, inicialmente, aspectos conceituais e a evolução da população de 0 a 6 anos na educação pré-escolar através da análise das matrículas e dos índices de atendimento no Brasil - período de 1979 a 1996. A seguir, com base na Pesquisa sobre Padrões de Vida, realizada em 1996 e 1997 pelo IBGE, nas regiões Nordeste e Sudeste do país, é desenvolvida uma análise dos resultados que possibilitam um maior conhecimento da situação da criança de 0 a 6 anos que freqüenta a instituição de educação infantil e os fatores que influenciam na freqüência. A sistematização de tais dados permite um diagnóstico a respeito das atuais condições do atendimento à primeira infância e fornece subsídios para a formulação e implementação de políticas no setor, tanto em termos de expansão quanto do estabelecimento de prioridades e definição de estratégias de ação

A educação infantil no contexto das políticas públicas

Barreto,Angela Maria Rabelo Ferreira
Fonte: Editora Autores Associados Publicador: Editora Autores Associados
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2003 Português
Relevância na Pesquisa
125.55%
Com base em dois estudos anteriores, esse trabalho busca situar o lugar ocupado pela criança de 0 a 6 anos nas políticas públicas e programas de âmbito federal, especialmente na área de educação, na segunda gestão do Governo Fernando Henrique Cardoso. Valendo de análise de documentos e registros administrativos oficiais, mostra inicialmente como é tímida e pouco articulada a ação da União dirigida a esse segmento etário. Numa segunda seção, aprofunda-se na questão do financiamento da educação infantil e os desafios para a implementação das metas do Plano Nacional de Educação para essa etapa da educação básica. Estimativas de demanda por creches e pré-escolas baseadas nas metas do PNE são apresentadas, bem como cenários de gastos necessários ao cumprimento dessas metas, desenhados com base em cálculos dos recursos previstos para o setor educacional, nas diferentes esferas de governo, segundo os mínimos constitucionais. As análises evidenciam a necessidade de implementação do princípio do regime de colaboração entre a União, os estados e os municípios, previsto na Constituição de 1988 e na LDB de 1996, para que a educação infantil alcance, na política pública, o lugar em que a legislação educacional já a reconhece.

Programas educacionais para a pequena infância na Itália

Musatti,Tullia
Fonte: Editora Autores Associados Publicador: Editora Autores Associados
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2003 Português
Relevância na Pesquisa
105.55%
As creches do norte da Itália para as crianças de 0 a 3 anos têm sido referência internacional para a formação da professora de educação infantil. Tendo como atores pais, criança e professoras, o artigo apresenta as creches no interior das políticas para a infância e destaca o papel da família ao lado do Estado na educação dos pequenos. Reflete sobre as mães italianas, trabalhadoras ou não, e também sobre a paternidade/maternidade e a educação dos filhos e filhas em casa e na creche. Relata dois novos tipos de programas para as famílias e as crianças, concluindo sobre a importância de oferecer aos pais um amplo leque de escolhas para o cuidado da criança. Essas questões que hoje na Itália fazem parte do debate sobre a política para a infância e a família devem também fazer parte dos projetos de pesquisas e de práticas inovadoras.

Estágio supervisionado em Psicologia Escolar: desmistificando o modelo clínico

Lima,Maria de Fátima Evangelista Mendonça
Fonte: Conselho Federal de Psicologia Publicador: Conselho Federal de Psicologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2009 Português
Relevância na Pesquisa
95.47%
O objetivo deste relato é apresentar a prática de Estágio Supervisionado em Psicologia Escolar da UFMS, desenvolvida em unidades de CEINFs (Centros de Educação Infantil) de Campo Grande, MS. O estágio teve como objetivos: o conhecimento e a análise do espaço institucional de educação infantil, o reconhecimento da especificidade da atuação psicológica e o planejamento da intervenção. A prática de estágio foi desenvolvida por meio de visitas semanais às instituições, de aproximadamente 2h, e supervisão semanal de 4h aula. O relato aponta principalmente a presença de comportamentos cristalizados quanto ao papel do psicólogo escolar, assim como os principais desafios que se apresentam no caminho rumo a um atendimento educacional consistente e coerente à criança de 0 a 6 anos de idade, em creches e pré-escolas.

Alterações da linguagem oral no nível fonológico/fonético em crianças de 4 a 6 anos residentes em belo horizonte

Campos,Fernanda Rodrigues; Rabelo,Alessandra Terra Vasconcelos; Friche,Clarice Passos; Silva,Bárbara Suelen Vasconcelos da; Friche,Amélia Augusta de Lima; Alves,Claudia Regina Lindgren; Goulart,Lúcia Maria Horta de Figueiredo
Fonte: CEFAC Saúde e Educação Publicador: CEFAC Saúde e Educação
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2014 Português
Relevância na Pesquisa
115.5%
Objetivo estudar a prevalência de alterações da linguagem oral em crianças de quatro a seis anos e verificar sua associação com as variáveis idade, sexo, presença de alterações de motricidade orofacial e presença de alterações de processamento auditivo. Métodos realizou-se avaliação da linguagem oral (teste de avaliação de linguagem ABFW – Fonologia), avaliação de motricidade orofacial e avaliação simplificada do processamento auditivo. Os dados foram armazenados em formato eletrônico para análise estatística. Para comparação de proporções foi empregado o Teste Qui-Quadrado e para comparação de médias foi empregada a análise de variância. Foi considerado valor de 5% (p< 0,05) como limiar de significância estatística. Resultados foram avaliadas 242 crianças de 4 anos a 6 anos e 11 meses de idade. Observou-se prevalência de 36,0% (n=87) de alterações de linguagem oral, e associação com faixa etária com significância estatística (p=0,009). Verificou-se associação entre desvio fonológico e faixa etária (p