Página 1 dos resultados de 10197 itens digitais encontrados em 0.122 segundos

Percepção do processo saúde-doença: significados e valores da educação em saúde

Câmara,Ana Maria Chagas Sette; Melo,Vinícius Lins Costa; Gomes,Maria Gabriela Pimentel; Pena,Bruna Calado; Silva,Ana Paula da; Oliveira,Kênia Marice de; Moraes,Ana Paula de Sousa; Coelho,Gabriella Rodrigues; Victorino,Luciana Ribeiro
Fonte: Associação Brasileira de Educação Médica Publicador: Associação Brasileira de Educação Médica
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2012 Português
Relevância na Pesquisa
106.07%
A relevância sociológica do estudo das representações sociais do processo saúde-doença está no fato de que elas fundamentam práticas e atitudes dos seus atores, assim como as relações que eles estabelecem com o seu contexto social e com aquilo que lhes acontece. O problema dessa pesquisa consiste em conhecer as representações sociais do processo saúde-doença dos profissionais do PSF, considerando que esse conhecimento pode ser fundamental para o desenvolvimento de práticas educativas em saúde. A abordagem metodológica desta pesquisa foi qualitativa, tendo por base as representações sociais dos profissionais de apoio e das equipes de saúde da família do Centro de Saúde Milionários, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Para a coleta de dados, foi utilizada entrevista individual semi-estruturada abordando os seguintes aspectos: processo saúde-doença; educação em saúde; e barreiras ou dificuldades para prescrição/adoção de hábitos saudáveis. Os dados foram analisados pela técnica de análise de conteúdo, a partir das categorias: dimensões do processo saúde-doença; barreiras ou dificuldades para adoção de hábitos saudáveis; e significados e valores da educação em saúde. Os dados apontam que há necessidade de modificações conceituais na formação permanente desses profissionais e da inclusão do enfoque coletivo...

Sala de espera para gestantes: uma estratégia de educação em saúde

Santos,Débora Souza; Andrade,Adriana Lyzian Alves de; Lima,Beatriz Santana de Souza; Silva,Yasmyny Natash da
Fonte: Associação Brasileira de Educação Médica Publicador: Associação Brasileira de Educação Médica
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2012 Português
Relevância na Pesquisa
106.04%
O objetivo do presente estudo foi descrever as experiências das acadêmicas de enfermagem monitoras do PET-Saúde Enfermagem da Ufal, em 2009/2010, na realização de ações de educação em saúde para gestantes em sala de espera. As ações foram realizadas regularmente na Unidade de Saúde, enquanto as gestantes aguardavam atendimento médico e de enfermagem do pré-natal. Vários temas de interesse para a gestante foram abordados, sempre utilizando métodos criativos e participativos de educação em saúde. Com essas ações, as estudantes aprenderam sobre a dura realidade dessas mulheres e sobre o papel da enfermagem na saúde coletiva, efetivando o cuidar através da educação participativa, em que usuários, familiares e profissionais trabalham juntos para proteger, promover e recuperar a saúde.

Promoção e educação em saúde no âmbito da Escola de Governo em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública

Buss,Paulo Marchiori
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1999 Português
Relevância na Pesquisa
106.06%
As escolas de saúde pública devem definir seus programas de ensino, pesquisa e cooperação técnica em função dos contextos epidemiológico, epistemológico e dos serviços de saúde, que são profundamente condicionados pelo contexto sócio-econômico do país. No Brasil, a transição demográfico-epidemiológica caracteriza-se pela prevalência cada vez mais elevada de doenças e fatores de risco relacionados com os estilos de vida, o que exige uma profunda transformação do modelo assistencial, com a maior oferta de serviços e ações preventivas e de promoção da saúde baseadas em evidências, o que inclui iniciativas inovadoras de informação, educação e comunicação. Esse artigo aborda a experiência recente da Escola Nacional de Saúde Pública, que vem somando à sua longa tradição acadêmica a reorientação estratégia denominada Escola de Governo em Saúde, que inclui a educação à distância como uma de suas principais opções pedagógicas. Face ao quadro sócio-sanitário vigente, conclui-se que adquire enorme importância a capacitação de profissionais e a pesquisa e desenvolvimento tecnológico nos campos da promoção e educação em saúde no âmbito da Escola de Governo em Saúde da ENSP.

Representação social da educação ambiental e da educação em saúde em universitários

Andrade Júnior,Hermes de; Souza,Marcos Aguiar de; Brochier,Jorgelina Ines
Fonte: Curso de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Curso de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2004 Português
Relevância na Pesquisa
106.09%
A crescente globalização tem promovido modificações econômicas, políticas e culturais em diversos setores da atividade humana. Tal situação de interdependência tem favorecido a discussão de temas de interesse mundial, como a educação ambiental e a educação em saúde. O presente estudo teve como objetivo investigar as representações sociais da educação ambiental e da educação em saúde em 204 estudantes universitários da cidade do Rio de Janeiro, sendo 106 homens e 98 mulheres, na idade média de 26,9 anos. Os participantes preencheram um questionário com perguntas relativas a concepções pessoais sobre educação ambiental e educação em saúde. Da análise das respostas, através da técnica de análise de conteúdo, emergiram três categorias relativas à educação ambiental (concepção antropocêntrica utilitarista, concepção antropocêntrica pactuada e concepção ecocêntrica) e quatro categorias relativas a educação em saúde (saúde como ausência de doença, ênfase na saúde do corpo, saúde como equilíbrio corpo-mente e concepção ecocêntrica de saúde). As conclusões remetem ao entendimento de que meio ambiente e saúde ainda são entendidos como temas independentes, dificultando ações mais eficientes por parte da população e de entidades governamentais e não governamentais.

A estratégia saúde da família como objeto de educação em saúde

Besen,Candice Boppré; Netto,Mônica de Souza; Da Ros,Marco Aurélio; Silva,Fernanda Werner da; Silva,Cleci Grandi da; Pires,Moacir Francisco
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2007 Português
Relevância na Pesquisa
106.09%
Este estudo investigou se a proposta da Estratégia Saúde da Família (ESF) é objeto de discussão com a população na prática educativa dos profissionais nela inseridos e a compreensão sobre Educação em Saúde que eles possuem. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, exploratório-descritiva, realizada a partir de entrevistas semi-estruturadas. Na análise de conteúdo, identificaram-se as categorias: Educação em Saúde; A Universidade não ensina e A ESF como objeto de educação em Saúde. Os resultados mostraram que a ESF não é objeto de educação; alguns profissionais desconhecem seus fundamentos e a maioria deles tem práticas educativas verticais e patologizantes, distanciando-se da proposta de Promoção da Saúde da ESF. Reflete-se acerca das concepções de Educação em Saúde que permeiam os discursos dos profissionais, assim como sobre sua participação na capacitação comunitária para a construção da autonomia, cidadania e controle sobre os determinantes de saúde na perspectiva da Promoção da Saúde. Aponta-se para a importância da Educação Permanente e a reestruturação da graduação, de modo a aproximar as práxis da Educação em Saúde com a realidade social.

Análise biopolítica do discurso oficial sobre educação em saúde para pacientes diabéticos no Brasil

Melo,Lucas Pereira de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2013 Português
Relevância na Pesquisa
106.05%
No contexto brasileiro de transição epidemiológica, a educação em saúde tem sido uma ferramenta na luta pela promoção de estilos de vida "saudáveis" e adesão ao tratamento. Dentre essas doenças destaca-se o diabetes mellitus, considerado um problema de saúde pública. O objetivo deste estudo é analisar o discurso oficial sobre educação em saúde para diabetes mellitus, na primeira década dos anos 2000, no Brasil, fundamentado nos conceitos de biopolítica e práticas discursivas de Michel Foucault. Foi feita a revisão bibliográfica de dois documentos publicados pelo Ministério da Saúde brasileiro relacionados ao tema em estudo: "Manual de hipertensão arterial e diabetes mellitus", de 2002; e o "Caderno de atenção básica, número 16, diabetes mellitus", de 2006. Essas publicações têm orientado as práticas dos profissionais de saúde nos últimos dez anos. A localização e obtenção das fontes foram realizadas no site da Biblioteca Virtual do Ministério da Saúde, em dezembro de 2010. São discutidas as características gerais dos discursos oficiais; os objetivos das ações educativas para pacientes diabéticos; as temáticas abordadas nessas ações; o imperativo técnico e moral que rege o incentivo à realização das práticas educativas; e os parâmetros para avaliação e acompanhamento dos adoecidos. Em seguida...

Educação em saúde como estratégia de promoção de saúde bucal em gestantes

Reis,Deise Moreira; Pitta,Daniela Rocha; Ferreira,Helena Maria Barbosa; Jesus,Maria Cristina Pinto de; Moraes,Mari Eli Leonelli de; Soares,Milton Gonçalves
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2010 Português
Relevância na Pesquisa
106.04%
O objetivo desta revisão da literatura é discutir a importância da educação em saúde como estratégia de promoção de saúde bucal no período gestacional. Foram estudadas as manifestações bucais mais comuns na gestação, concluindo-se que, embora a gestação por si só não seja responsável por tais manifestações como, por exemplo, a cárie dentária e a doença periodontal, faz-se necessário o acompanhamento odontológico no pré-natal, considerando-se que as alterações hormonais da gravidez poderão agravar as afecções já instaladas. Destacou-se na promoção de saúde bucal na gestante a educação em saúde bucal, considerando-a parte importante do Programa de Atenção à Saúde da Mulher, conforme recomendado pelas atuais Diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal. Considera-se que, por meio de ações de educação em saúde bucal, desenvolvidas no pré-natal por uma equipe multiprofissional, orientada por um cirurgião-dentista, a mulher poderá se conscientizar da importância de seu papel na aquisição e manutenção de hábitos positivos de saúde bucal no meio familiar e atuar como agente multiplicador de informações preventivas e de promoção de saúde bucal.

A política federal de saneamento básico e as iniciativas de participação, mobilização, controle social, educação em saúde e ambiental nos programas governamentais de saneamento

Moisés,Márcia; Kligerman,Débora Cynamon; Cohen,Simone Cynamon; Monteiro,Sandra Conceição Ferreira
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2010 Português
Relevância na Pesquisa
106.06%
O presente artigo se propõe a relatar uma análise crítica de dois programas governamentais - os Programas de Educação em Saúde e Mobilização Social (PESMS), da Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), e de Educação Ambiental e Mobilização Social em Saneamento (PEA-MSS), do Ministério das Cidades (MCidades). Os referidos programas visam fomentar ações educativas participativas e a mobilização social em projetos de saneamento. A metodologia utilizada baseou-se na leitura e análise documental e em observações oportunizadas por meio de participações em seminários, encontros, reuniões, oficinas e entrevistas. Os autores abordam a criação do PESMS e do PEAMSS, promovendo uma reflexão sobre os conceitos relativos à participação, mobilização, controle social, educação em saúde e educação ambiental. Fazem considerações quanto às dificuldades, facilidades, avanços e desafios na implantação e na implementação dos programas quanto aos princípios fundamentais para prestação de serviços públicos de saneamento básico. Concluem que, para o desenvolvimento da Política Federal de Saneamento Básico, se faz necessário criar condições mediante iniciativas de participação, mobilização, controle social...

Educação em saúde: percepção dos enfermeiros da atenção básica em Uberaba (MG)

Cervera,Diana Patrícia Patino; Parreira,Bibiane Dias Miranda; Goulart,Bethania Ferreira
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2011 Português
Relevância na Pesquisa
106.07%
A educação em saúde é uma forte ferramenta que valoriza os contextos sociais, econômicos e culturais da comunidade, aliados ao processo de promoção da saúde. O objetivo deste estudo foi conhecer a percepção dos enfermeiros, vinculados à Estratégia Saúde da Família, sobre a educação em saúde, em Uberaba (MG). O estudo foi descritivo, de abordagem qualitativa, utilizando-se o método de análise temática. Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com vinte enfermeiros da Estratégia Saúde da família (ESF) do referido município. Das informações obtidas, foram abstraídos cinco temas: conceituação; postura; educação bancária; crescimento profissional e ação pontual. Foi possível identificar que no cotidiano os sujeitos apresentam uma perspectiva de educação em saúde ampla, com uma relação próxima dos profissionais a esta prática. Porém, os trabalhadores ainda percebem esta estratégia de uma forma verticalizada, institucionalizada, com um sentido único profissional-usuário. Acredita-se que este estudo poderá contribuir para uma reflexão a respeito do tema na prática, podendo assim possibilitar a construção de um novo olhar sobre a educação em saúde, pautado em relações dialógicas e na valorização do saber popular.

A educação em saúde e suas representações entre alunos de um curso de odontologia

Mialhe,Fábio Luiz; Silva,Cristiane Maria da Costa
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2011 Português
Relevância na Pesquisa
106.07%
A educação em saúde é um importante instrumento para se promover a participação ativa das pessoas na conquista de sua autonomia. Desta forma, este estudo exploratório, de abordagem qualitativa, objetivou avaliar as representações em educação em saúde de graduandos de um curso de odontologia, trazendo à tona dados para a discussão sobre quais concepções têm sustentado suas práticas educativas. Os dados foram coletados por meio de um instrumento contendo a seguinte questão: particularmente, o que você entende por educação em saúde? O mesmo foi aplicado em 67 acadêmicos do último ano do curso, perfazendo 85,3 % da população-alvo. A análise dos dados foi realizada segundo os pressupostos metodológicos qualitativos do discurso do sujeito coletivo. Os resultados evidenciaram que o conceito de educação em saúde dos acadêmicos está fortemente ligado ao conceito positivista de ensinamento, instrução e prevenção de doenças, pautados na ideia de que a falta de informações dos indivíduos é que os induz a não exercerem práticas saudáveis em saúde, sendo função do profissional educar as pessoas neste sentido. Observou-se a necessidade de estratégias de ensino-aprendizagem voltadas a transformar a representação da educação em saúde por parte dos acadêmicos.

A educação em saúde na relação usuário-trabalhador no cotidiano de equipes de saúde da família

Pinafo,Elisangela; Nunes,Elisabete de Fátima Polo de Almeida; González,Alberto Durán
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2012 Português
Relevância na Pesquisa
106.04%
O objetivo desta pesquisa foi analisar como ocorre a prática da educação em saúde em momentos informais da relação usuário-trabalhador, e as estratégias utilizadas para a sua concretização no cotidiano da atenção básica. Trata-se de um estudo qualitativo, realizado com duas equipes de Saúde da Família, sendo os dados coletados por meio de observação e de entrevistas semiestruturadas e avaliados segundo análise de discurso. A educação em saúde realizada na informalidade das relações profissional-usuário ocorre nas conversas e nas orientações do cotidiano, e permeiam os variados temas que envolvem as necessidades dos usuários. Os trabalhadores apresentam estratégias educativas que se dão de forma não estruturada, algumas retratam um modo diferenciado de realizar a prática educativa, porém a maioria destas prende-se ao repasse de informações, no qual o trabalhador procura transferir/informar, reforçando sua atitude de controle e imposição de um saber que julga ser o certo. Torna-se necessário ser repensada e valorizada a educação em saúde como uma tecnologia de trabalho, que revela diferentes processos de agir em saúde, reorientando esta prática em uma aprendizagem significativa, e que promova mudança para os usuários...

Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva

Falkenberg,Mirian Benites; Mendes,Thais de Paula Lima; Moraes,Eliane Pedrozo de; Souza,Elza Maria de
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2014 Português
Relevância na Pesquisa
106.08%
O presente artigo tem como objetivo analisar os conceitos-chave relativos à Educação em Saúde e Educação na Saúde e suas interfaces no campo da Saúde Coletiva. Embora apresentem diferenças, é frequente na prática dos serviços, a utilização das diversas variantes a elas relacionadas de forma indistinta. Dessa forma busca-se, também, distinguir dentro desses conceitos-chave as variantes da primeira, tais como, educação sanitária, educação e saúde, educação para a saúde e educação popular em saúde que significa um conjunto de práticas de educação para indivíduos e comunidade a fim de aumentar a autonomia das pessoas e da comunidade para que possam fazer escolhas e adotar hábitos saudáveis de vida e as variantes da segunda, tais como educação permanente em saúde e educação continuada ministrada para profissionais de saúde a fim de aprimorar o conhecimento destes e a atenção dispensada à população.

Educação em saúde ou projeto terapêutico compartilhado? O cuidado extravasa a dimensão pedagógica

Slomp Junior,Helvo; Feuerwerker,Laura Camargo Macruz; Land,Marcelo Gerardin Poirot
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2015 Português
Relevância na Pesquisa
106.06%
Pesquisa que teve como objetivo geral compreender as possibilidades de contribuição da homeopatia na construção de projetos terapêuticos cuidadores, em oficinas multiprofissionais de educação permanente em saúde, no contexto da atenção básica. Como analisadores foram escolhidos os incômodos que os trabalhadores da saúde manifestaram com relação ao seu processo de trabalho e a emergência, nos primeiros encontros com as equipes, do tema da educação em saúde, que motivou a produção deste artigo. Discute-se o território existencial “ser profissional de saúde” como sendo instituído a partir de uma concepção de educação como referente significante, e de certa missão intervencionista como valor transcendente. Observou-se ao longo das oficinas um esvaecimento da importância do tema da educação em saúde, por vezes até desaparecendo das discussões, na medida em que os projetos terapêuticos cuidadores se constituíam. Conclui-se que tal esvaecimento consistiu em um processo de desterritorialização no sentido de uma pactuação com o usuário, tido ao final como um interlocutor válido; e que o cuidado ultrapassa a dimensão estritamente pedagógica.

Educação em saúde como principal alternativa para promover a saúde do idoso

Mallmann,Danielli Gavião; Galindo Neto,Nelson Miguel; Sousa,Josueida de Carvalho; Vasconcelos,Eliane Maria Ribeiro de
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2015 Português
Relevância na Pesquisa
106.03%
Trata-se de uma revisão integrativa que objetivou identificar as evidências científicas sobre as ações educativas em saúde voltadas à promoção da saúde do idoso. A busca dos artigos foi realizada nas bases de dados Medline, Lilacs, BDENF, CINAHL e biblioteca virtual SciELO, por meio do cruzamento dos descritores Educação em Saúde, Idoso, Envelhecimento, Saúde do Idoso, Promoção da Saúde e Qualidade de vida, incluindo-se artigos publicados no período de 2003 a 2013, nos idiomas inglês, espanhol e português, realizados com idosos. Foram selecionados oito artigos, dos quais percebeu-se a qualidade de vida e a promoção do envelhecimento saudável como fatores resultantes das estratégias de educação em saúde. As ações de educação em saúde para idosos necessitam de metodologias que atentem para a complexidade do processo de envelhecimento e relacionem os fatores que cercam o indivíduo, como as crenças, os valores, as normas e os modos de vida.

Atividades participativas em grupos de educação em saúde para doentes crônicos

Mendonça,Fernanda de Freitas; Nunes,Elisabete de Fátima Polo de Almeida
Fonte: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro Publicador: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2014 Português
Relevância na Pesquisa
116%
O Ministério da Saúde propôs a realização de grupos de educação em saúde para os portadores de hipertensão e diabetes. Apesar de essa prática ser executada em várias localidades, muitas vezes ela apresenta uma série de limitações. Diante disso, o objetivo deste estudo foi analisar os fatores que contribuem para a presença de estratégias participativas em grupos realizados para portadores de hipertensão arterial e diabetes mellitus. Trata-se de uma pesquisa quantitativa de delineamento transversal realizada com os profissionais da Estratégia Saúde da Família do município de Campo Mourão, Paraná. Para a coleta de dados, foi utilizado um formulário aplicado com os profissionais. Os resultados revelaram que a abertura ao saber dos usuários e o trabalho multiprofissional constituem estratégias fundamentais para tornar os grupos de educação em saúde espaços de troca e construção compartilhada de saberes.

Educação em saúde com vistas à triagem neonatal e audição: uma revisão integrativa

Barbosa,Camila Padilha; Griz,Silvana Maria Sobral
Fonte: CEFAC Saúde e Educação Publicador: CEFAC Saúde e Educação
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2014 Português
Relevância na Pesquisa
106.06%
O objetivo deste trabalho foi investigar estudos sobre educação em saúde e capacitação que abordassem o tema triagem neonatal e/ou audição. Trata-se de uma revisão integrativa, realizada em agosto de 2011, com busca na Biblioteca Virtual em Saúde, a partir dos Descritores em Ciências da Saúde: “Audição”;, “Capacitação”;, “Educação em Saúde”; e “Triagem Neonatal”;. A amostra final constituiu-se por 10 estudos. A base de dados com maior número de artigos foi a Medline e a maioria dos artigos (n=07) foi classificado com nível de evidência três. Nesta revisão integrativa, pode-se observar o quão é interessante adotar as estratégias de educação em saúde e/ou capacitação nos serviços de saúde como uma forma de educação permanente ou continuada. A população mais frequentemente estudada foi mães/pais e médicos. Ações educativas podem empoderar a população em relação à audição, englobando aspectos sobre a Triagem Auditiva Neonatal e seus procedimentos.

Grupos de educação em saúde: aprendizagem permanente com pessoas soropositivas para o HIV

Pereira,Audrey Vidal; Vieira,Ana Luiza Stiebler; Amâncio Filho,Antenor
Fonte: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Publicador: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2011 Português
Relevância na Pesquisa
106.03%
Atualmente a epidemia de HIV/Aids está disseminada em todo o país e no mundo, infectando milhares de pessoas nos diferentes ciclos da vida. Deste modo, estratégias de prevenção, tanto individuais quanto coletivas, permanecem imprescindíveis para reduzir e controlar as taxas de transmissão. O objetivo do artigo é analisar as percepções dos profissionais de saúde sobre as práticas de educação em saúde realizadas por meio de ações coletivas com pessoas soropositivas para o HIV. Este estudo qualitativo de abordagem descritiva foi desenvolvido com profissionais de saúde em cinco instituições do município de Niterói, Rio de Janeiro. Foram utilizados a técnica de entrevistas semiestruturadas e o método de análise de conteúdo. A educação em saúde é vista pelos profissionais como modos de ensino e aprendizado, repasse de informações, troca de ideias e experiências, bem como crescimento mútuo, processo reflexivo e participativo, que contribui para minimizar sofrimentos, trabalhar expectativas e emoções, além de promover cidadania e qualidade de vida. As ações de educação em saúde possibilitariam recriar momentos participativos, interativos, cooperativos e inclusivos; suscitar desdobramentos socioafetivos e compromissos sociopolíticos; aproximar e humanizar as relações interpessoais; garantir acesso às medidas de prevenção...

Relações entre concepções e práticas de educação em saúde na visão de uma equipe de saúde da família

Pinafo,Elisangela; Nunes,Elisabete de Fátima Polo de Almeida; González,Alberto Durán; Garanhani,Mara Lúcia
Fonte: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Publicador: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2011 Português
Relevância na Pesquisa
106.04%
Este estudo objetiva analisar as concepções de educação em saúde de profissionais da equipe de Saúde da Família e pensar criticamente sobre a relação estabelecida entre as práticas de educação em saúde e os discursos desses trabalhadores. Trata-se de uma pesquisa qualitativa que adota a análise de discurso como referencial teórico e técnicas de observação e entrevistas para a produção dos dados. Os modelos curativos e de transmissão do conhecimento encontram-se fortemente arraigados na concepção e nas práticas de educação em saúde, prevalecendo uma relação vertical, impositiva, superior, na qual o profissional é o detentor do saber. Os trabalhadores sentem-se educadores, e observa-se uma postura que considera o processo de trabalho educativo voltado para o aprendizado mútuo e o respeito aos conhecimentos prévios da população, porém essa percepção encontra-se presente somente em seu discurso, necessitando ser incorporada à sua prática para que haja a mudança nos serviços de saúde. Verificou-se a necessidade de maior valorização do papel do trabalhador como sujeito propulsor de mudanças na prática educativa e no modelo de atenção em saúde vigente, bem como a importância do reconhecimento do usuário como sujeito atuante na própria saúde e com capacidade de intervenção na sua realidade.

Educação em saúde e cidadania: revisão integrativa

Ferreira,Viviane Ferraz; Rocha,Genylton Odilon Rêgo da; Lopes,Márcia Maria Bragança; Santos,Milena Silva dos; Miranda,Shirley Aviz de
Fonte: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Publicador: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2014 Português
Relevância na Pesquisa
106.08%
Este artigo apresenta os resultados de uma revisão integrativa de literatura sobre educação em saúde e cidadania, que buscou conhecer e analisar as diferentes contribuições científicas disponíveis. A educação em saúde reflete uma estratégia que almeja um cidadão coautor do processo de construção do cuidado à sua saúde. Utilizouse para a coleta de dados a base Lilacs (Literatura LatinoAmericana do Caribe em Ciências da Saúde) no período de 2000 a 2011, totalizando 79 produções. Após a aplicação dos critérios de inclusão e exclusão, a amostra final incluiu dez publicações. A pesquisa trouxe a prevalência de estudos da natureza artigo, apresentando mais de três autores, com predominância de docentes e produção do tipo revisão teórica. As categorias que emergiram do estudo foram: educação em saúde - historicidade e bases conceituais; e educação popular como geradora de cidadania. As evidências mostraram o processo histórico das políticas de saúde e o surgimento dos movimentos sociais voltados para as necessidades da população. Destacaram também que a educação permanente em saúde proporciona a construção de novos saberes, mediante a junção de conhecimentos científicos e de saberes populares. Manifestaramse na literatura contribuições relevantes sobre a educação em saúde...

AVALIAÇÃO DE GRUPOS DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA PESSOAS COM DOENÇAS CRÔNICAS

Mendonça,Fernanda de Freitas; Nunes,Elisabete de Fátima Polo de Almeida
Fonte: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Publicador: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2015 Português
Relevância na Pesquisa
106.05%
O objetivo do estudo foi caracteriza os grupos de educação em saúde realizados para hipertensos e diabéticos de Campo Mourão, no Paraná. Trata-se de um estudo quantitativo realizado com 121 profissionais vinculados à Estratégia Saúde da Família. Utilizou-se um formulário com variáveis de caracterização e de avaliação, como a realização de grupos com a comunidade, os assuntos discutidos, os profissionais participantes, sugestões e dificuldades. Os resultados revelaram que 70% das unidades oferecem grupos de educação em saúde, contudo estão focados em temas curativistas. Os profissionais que se mostraram mais envolvidos foram os agentes comunitários de saúde e os enfermeiros. Apesar de os grupos apresentarem uma configuração que necessita de mudanças para melhor promover a educação em saúde, foram poucos os profissionais que reconheceram a importância de se promoverem alterações nos grupos. É fundamental que os profissionais da equipe de saúde da família sejam capacitados para perceberem que o processo de educação em saúde não se limita à transferência de informações, mas inclui a construção compartilhada de saberes entre o usuário e o profissional de saúde.