Página 1 dos resultados de 1009 itens digitais encontrados em 0.078 segundos

Classificação Internacional de Práticas de Enfermagem em Saúde Coletiva - CIPESC®; International classification of nursing practices in collective health - CIPESC®; Clasificación de las prácticas de enfermería en salud colectiva - CIPESC®

CUBAS, Marcia Regina; EGRY, Emiko Yoshikawa
Fonte: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem Publicador: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
86.01%
O projeto da Classificação Internacional da Prática de Enfermagem em Saúde Coletiva - CIPESCfoi a contribuição brasileira para incorporar a noção do coletivo na Classificação Internacional da Prática de Enfermagem CIPE. O artigo tem como objetivo analisar a produção bibliográfica acerca das classificações de enfermagem, disponíveis na base de dados da biblioteca virtual em saúde, a partir de 1990. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica sobre os sistemas classificatórios das práticas de enfermagem, e que faz parte de uma pesquisa que pretende identificar a face coletiva do instrumento CIPESCna rede municipal de saúde de Curitiba-PR. Constatou-se que, referente aos sistemas classificatórios em geral, a maioria dos textos acessados baseia-se no modelo clínico-individual e os que enfatizam o modelo epidemiológico e social ainda é minoria. Além disso, a maioria dos estudos, com enfoque no coletivo, é divulgada pelas publicações da Associação Brasileira de Enfermagem, tornando-a hegemônica na disseminação dos conhecimentos acerca do tema, em sua face coletiva.; The project International Classification of the Nursing Practices in Collective Health - CIPESCwas the Brazilian contribution for the incorporation of the notion of collectiveness in the International Classification of Nursing Practice - ICNP. This article aims at analyzing the bibliographical production concerning nursing classifications available in the virtual library in health database since 1990. This is a bibliographical survey of nursing practice classification systems and is part of a larger research that intends to identify the collective face of the CIPESCinstrument in the municipal health network of the city of Curitiba...

Levantamentos epidemiológicos em saúde bucal: análise da metodologia proposta pela Organização Mundial da Saúde

Oliveira, Angelo Giuseppe Roncalli da Costa; Unfer, Beatriz; Costa, Iris do Céu Clara; Arcieri, Rogério Moreira; Guimarães, Luís Octávio Coelho; Saliba, Nemre Adas
Fonte: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: 177-189
Português
Relevância na Pesquisa
95.86%
Os levantamentos epidemiológicos são importantes para o conhecimento da prevalência e tipologia das doenças bucais, podendo-se a partir dos dados coletados, planejar, executar e avaliar ações de saúde. É necessário, no entanto, que haja rigor metodológico que garanta reprodutibilidade, validade e confiabilidade, e que haja uniformidade de procedimentos para permitir comparações nacionais e internacionais. A iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) na assessoria à realização de levantamentos tem se mostrado extremamente útil, estimulando o estabelecimento de padrões de procedimentos que podem ser utilizados em todos os países. em 1991 foi publicada a edição em português da terceira edição do Oral Health Surveys - basic methods, de 1987, um manual que objetiva fornecer instruções para a realização de levantamentos epidemiológicos e tal publicação passou a servir de base a estudos realizados em diversos locais do Brasil e do mundo. O objetivo deste trabalho, é analisar criticamente a metodologia para Levantamento Epidemiológico em Saúde Bucal da OMS, na tentativa de contribuir para o aperfeiçoamento da mesma. de acordo com a presente análise, foram encontrados pontos relevantes para consideração...

Uma antropóloga em um campus universitário da saúde; An anthropologist in a university health campus; Una antropóloga en un campus universitário de la salud

Fleischer, Soraya Resende
Fonte: Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) do Departamento de Saúde Coletiva (DSC) da Universidade de Brasília (UnB) Publicador: Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) do Departamento de Saúde Coletiva (DSC) da Universidade de Brasília (UnB)
Tipo: artigo / article
Português
Relevância na Pesquisa
86.07%
A área da Saúde Coletiva, no Brasil, tem primado, dentre várias coisas, pela interdisciplinaridade acadêmica e pelo investimento na formação no nível de pós-graduação. Em 2008, numa iniciativa de vanguarda e fruto da consolidação da área, a Universidade de Brasília criou o primeiro bacharelado no país em Saúde Coletiva, conhecido localmente como “Gestão em saúde”. Dentre os concursos para contratação de docentes, havia um perfil intitulado “Ciências sociais em saúde”. Preenchi os requisitos para essa vaga e fui contratada em agosto de 2008. Neste artigo, o objetivo é sistematizar as principais experiências que ali vivenciei como docente e refletir sobre a inserção e a participação de uma antropóloga em um quadro profissional interdisciplinar em saúde. Esse relato individual encontra eco e se beneficia dos vários registros já publicados por outros antropólogos com atuação na área da pós-graduação em Saúde Coletiva, mas julgo que, aqui, uma novidade é tanto o curso ser de graduação quanto o fato de que a presença dessa ciência social ter se dado desde o início do mesmo, em tarefas de bastidores (como a criação da grade curricular, definição da orientação para o trabalho de conclusão de curso...

Análise da implantação de curso em saúde coletiva com foco nas estratégias de integração curricular; Analysis of the implementation of collective health with focus on curriculum integration strategies; Análisis de la implementación del curso en la salud pública con un enfoque en las estrategias de integración curricular

Cardoso, Antônio José Costa; Carneiro, Fernando Ferreira; Rocha, Dais Gonçalves; Pereira, Márcio Florentino; Urdaneta Gutiérrez, Maria Margarita
Fonte: Revista coordenada pelo Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) do Departamento de Saúde Coletiva (DSC) da Universidade de Brasília (UnB) Publicador: Revista coordenada pelo Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) do Departamento de Saúde Coletiva (DSC) da Universidade de Brasília (UnB)
Tipo: artigo / article
Português
Relevância na Pesquisa
106.04%
Colaboração editorial da Faculdade de Ciência da Informação (FCI) da UnB; O objetivo deste trabalho é descrever o Projeto Político-Pedagógico do curso de Gestão em Saúde Coletiva da Universidade de Brasília e analisar sua implantação a partir de 2010, com foco nas estratégias de integração curricular.Construído coletivamente pelos professores do Departamento de Saúde Coletiva, o ponto de partida foi a definição do perfil dos egressos: sanitaristas com competências para participar da formulação e gestão de políticas públicas saudáveis de caráter intersetorial na prática dos serviços de saúde, mobilizados pelas condições de vida da população e pela determinação social da saúde-doença-cuidado, o que implica quebra das fronteiras entre as disciplinas e a articulação dos processos de ensino-aprendizagem ao mundo do trabalho e à pesquisa. Articulando conteúdos em grau crescente de complexidade por meio de estratégias de integração curricular, o curso está organizado em três unidades que funcionam como matrizes cognitivas que orientam a análise e intervenção sobre a realidade sanitária, mas também a organização curricular. Com base na Aprendizagem. Baseada em Problemas e Projetos, as unidades têm por missão analisar as condições de saúde da população...

Percepção e utilização dos conteúdos de saúde coletiva por cirurgiões-dentistas egressos da Universidade Federal de Goiás; Perceptions and use of collective health by surgeon dentists egress from Federal University of Goiás

Badan, Denise Elisabeth de Campos; Marcelo, Vânia Cristina; Rocha, Dais Gonçalves
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: artigo / article
Português
Relevância na Pesquisa
96.08%
A atualidade tem exigindo dos profissionais cirurgiões-dentistas o desafio de rever o conceito de atenção à saúde. As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) sugerem mudanças na graduação, incentivando a consolidação do SUS. Objetivou-se conhecer a percepção e utilização dos conteúdos de saúde coletiva na prática dos egressos de 2000 a 2002, do curso de odontologia da Universidade Federal de Goiás. Utilizou-se a metodologia da triangulação de técnicas. Encontrou-se que 83,3% dos egressos trabalham como cirurgião-dentista. Continuaram os estudos cursando pós-graduações e especializações (68,1%). Têm dúvidas sobre as ações em saúde coletiva, embora as pratiquem. Atuar no serviço público determinou realizações de mais práticas em saúde coletiva. Os principais entraves ao desenvolvimento de ações em saúde coletiva foram falta de recursos materiais complementares e dificuldade de valorização pela população. O conteúdo recordado principal foi a promoção da saúde (100%) e o mais utilizado foi a prevenção, seguida de educação em saúde. As práticas de estágio extramuros foram muito valorizadas. Conclui-se que há necessidade de maior clareza, durante a graduação, sobre o que sejam práticas em saúde coletiva e maior integração curricular na graduação em odontologia. _________________________________________________________________________________________________________________ ABSTRACT; The present time is demanding for the dentists the challenge of reviewing the conception of health attention. The Brazilian National Curriculum Guidance (DCN) suggests changes in graduation...

Classificação Internacional de Práticas de Enfermagem em Saúde Coletiva - CIPESC®

Cubas,Marcia Regina; Egry,Emiko Yoshikawa
Fonte: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem Publicador: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2008 Português
Relevância na Pesquisa
86.01%
O projeto da Classificação Internacional da Prática de Enfermagem em Saúde Coletiva - CIPESCfoi a contribuição brasileira para incorporar a noção do coletivo na Classificação Internacional da Prática de Enfermagem CIPE. O artigo tem como objetivo analisar a produção bibliográfica acerca das classificações de enfermagem, disponíveis na base de dados da biblioteca virtual em saúde, a partir de 1990. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica sobre os sistemas classificatórios das práticas de enfermagem, e que faz parte de uma pesquisa que pretende identificar a face coletiva do instrumento CIPESCna rede municipal de saúde de Curitiba-PR. Constatou-se que, referente aos sistemas classificatórios em geral, a maioria dos textos acessados baseia-se no modelo clínico-individual e os que enfatizam o modelo epidemiológico e social ainda é minoria. Além disso, a maioria dos estudos, com enfoque no coletivo, é divulgada pelas publicações da Associação Brasileira de Enfermagem, tornando-a hegemônica na disseminação dos conhecimentos acerca do tema, em sua face coletiva.

Uma visão do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva

Pinheiro,Themis Xavier de Albuquerque
Fonte: Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2009 Português
Relevância na Pesquisa
126.1%
Breve balanço dos vinte anos de existência do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Nesc/UFRN), comemorados em 2008. Reúne e correlaciona elementos colhidos na literatura e em arquivos, vestígios funcionais e simbólicos e a vivência da autora, partícipe dessa trajetória. Constata que o Nesc, criado no contexto do movimento sanitário, firmou-se como referência no cenário da saúde coletiva no Rio Grande do Norte, ainda que tenha caminhado num labirinto, buscando construir projetos coletivos. A experiência acumulada é ferramenta para tecer a continuidade institucional.

Pode o conceito de vulnerabilidade apoiar a construção do conhecimento em Saúde Coletiva?

Muñoz Sánchez,Alba Idaly; Bertolozzi,Maria Rita
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2007 Português
Relevância na Pesquisa
96.01%
O termo vulnerabilidade tem sido usado freqüentemente na literatura científica, especialmente após a década de 80, em vários estudos epidemiológicos, principalmente focalizado para a perspectiva de risco. Este artigo tem por objetivo apresentar uma revisão sobre o conceito de vulnerabilidade, a partir de um estudo sistemático em periódicos de circulação nacional e internacional, para subsidiar o conhecimento e a prática da Saúde Coletiva. Apresenta, ainda, como no Brasil esse conceito tem sido revisitado, incorporando questões que sustentam a dimensão estrutural da realidade, articulando-a às necessidades que emanam do plano singular, que se refere aos usuários de saúde/pacientes e suas respectivas famílias. A importância de se estudar o conceito de vulnerabilidade reside no fato de que pode embasar as práticas de saúde, neste caso de Saúde Coletiva, integrando os planos relativos aos indivíduos, aos programas e às políticas de saúde.

A incorporação de novos temas e saberes nos estudos em saúde coletiva: o caso do uso da categoria gênero

Villela,Wilza; Monteiro,Simone; Vargas,Eliane
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2009 Português
Relevância na Pesquisa
126.12%
Este artigo objetiva refletir sobre a incorporação da categoria gênero nos estudos acadêmicos em saúde coletiva, tendo por referência algumas das características da área, como a interdisciplinaridade, o compromisso com as demandas da sociedade, o diálogo com os trabalhadores de saúde e a sintonia com as políticas de saúde implementadas no país. Para tanto, foi realizado um levantamento dos artigos indexados na base SciELO que referem gênero e saúde como descritores, classificando-os quanto aos temas em foco, à abordagem metodológica, à população estudada e ao tipo de uso da categoria gênero. A análise dos resultados revela a heterogeneidade no uso da categoria na produção acadêmica selecionada, que, eventualmente, pode ser explicada pelas especificidades da área. Pretende-se, com este trabalho, fomentar a reflexão sobre maneiras de incrementar a abordagem de gênero nos estudos em saúde coletiva de modo a superar diferenças entre os campos de conhecimento.

Epidemiologia e Saúde Coletiva: tendências da produção epidemiológica brasileira quanto ao volume, indexação e áreas de investigação - 2001 a 2006

Turci,Silvana Rubano Barretto; Guilam,Maria Cristina Rodrigues; Câmara,Maria Clara Coelho
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2010 Português
Relevância na Pesquisa
96.06%
O presente artigo examina e interpreta as tendências da produção epidemiológica no Brasil, no contexto da Saúde Coletiva. Utilizou-se, como banco de dados, os Cadernos de Indicadores da Capes, no período de 2001 a 2006. Foram analisados 26 programas, sendo que os dez maiores tiveram sua produção bibliográfica em periódicos indexados examinada. Observou-se que a produção total de artigos epidemiológicos representou 40% da produção em Saúde Coletiva e 55% da produção em revistas internacionais, destacando-se Cadernos de Saúde Pública, Revista de Saúde Pública e Ciência & Saúde Coletiva. Os temas mais prevalentes foram nutrição em saúde pública, saúde materno-infantil e doenças infectocontagiosas, particularmente a aids. Saúde-trabalho-ambiente, saúde oral, violência e saúde do idoso vêm se consolidando como objeto de estudo da disciplina, enquanto estudos de meta-análise e geoprocessamento aparecem como ferramenta útil para os serviços de saúde. Conclui-se que há tendência de aumento da produção epidemiológica em publicações indexadas, abrangendo temáticas diversas e abarcando amplo espectro de aspectos relevantes para a política de saúde no país.

Percepção e utilização dos conteúdos de saúde coletiva por cirurgiões-dentistas egressos da Universidade Federal de Goiás

Badan,Denise Elisabeth de Campos; Marcelo,Vânia Cristina; Rocha,Dais Gonçalves
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2010 Português
Relevância na Pesquisa
96.09%
A atualidade tem exigindo dos profissionais cirurgiões-dentistas o desafio de rever o conceito de atenção à saúde. As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) sugerem mudanças na graduação, incentivando a consolidação do SUS. Objetivou-se conhecer a percepção e utilização dos conteúdos de saúde coletiva na prática dos egressos de 2000 a 2002, do curso de odontologia da Universidade Federal de Goiás. Utilizou-se a metodologia da triangulação de técnicas. Encontrou-se que 83,3% dos egressos trabalham como cirurgião-dentista. Continuaram os estudos cursando pós-graduações e especializações (68,1%). Têm dúvidas sobre as ações em saúde coletiva, embora as pratiquem. Atuar no serviço público determinou realizações de mais práticas em saúde coletiva. Os principais entraves ao desenvolvimento de ações em saúde coletiva foram falta de recursos materiais complementares e dificuldade de valorização pela população. O conteúdo recordado principal foi a promoção da saúde (100%) e o mais utilizado foi a prevenção, seguida de educação em saúde. As práticas de estágio extramuros foram muito valorizadas. Conclui-se que há necessidade de maior clareza, durante a graduação, sobre o que sejam práticas em saúde coletiva e maior integração curricular na graduação em odontologia.

Estudantes de graduação em saúde coletiva: perfil sociodemográfico e motivações

Castellanos,Marcelo Eduardo Pfeiffer; Fagundes,Terezinha de Lisieux Quesado; Nunes,Tânia Celeste Matos; Gil,Célia Regina Rodrigues; Pinto,Isabela Cardoso de Matos; Belisário,Soraya Almeida; Viana,Solange Veloso; Correa,Guilherme Torres; Aguiar,Raphael
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2013 Português
Relevância na Pesquisa
126.04%
Os Cursos de Graduação em Saúde Coletiva (CGSC) consistem em uma nova modalidade formativa no campo da Saúde Coletiva que visa formar profissionais focados nas principais necessidades em saúde da população brasileira e no Sistema Único de Saúde. Assim, torna-se relevante traçar o perfil sociodemográfico de seus alunos e conhecer seus interesses quanto à formação e atuação profissional. Com esses objetivos, em 2010, adotando uma abordagem quantitativa ao tema, realizamos um inquérito, através da aplicação de um questionário semiestruturado aos alunos dos CGSC de universidades federais dos estados do Acre, Bahia, Minas Gerais, Mato Grosso, Paraná, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte. Entre os 304 respondentes, encontramos uma população majoritariamente feminina, com 26 anos de idade, composta por indivíduos solteiros que moram com os pais, cursaram principalmente o ensino público, pertencem a famílias com baixa renda e escolaridade, aprovam o estudo noturno, trabalham e contribuem com a renda familiar, desejam trabalhar no setor público, preferencialmente em capitais e identificam no CGSC uma oportunidade para trabalhar na área da saúde. Esse perfil aponta para desafios e avanços presentes na formação pretendida...

Grupo de mulheres na comunidade: (re)construindo saberes em saúde

Nunes,Joyce Mazza; Oliveira,Eliany Nazaré; Vieira,Neiva Francenely Cunha
Fonte: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro Publicador: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2013 Português
Relevância na Pesquisa
105.85%
Objetiva-se descrever a experiência vivenciada com um grupo de mulheres de uma comunidade de Fortaleza (CE) na realização de atividades educativas em saúde, com o intuito de fortalecer o autocuidado e a promoção da saúde das mulheres, além de contribuir para o aumento da autonomia e cidadania. Os temas discutidos foram eleitos pelas participantes, referente às temáticas câncer de mama e infertilidade. O aprendizado foi elaborado mediante o diálogo e compartilhamento de experiências entre os sujeitos e os profissionais de saúde, subsidiado por jogos educativos. Espera-se contribuir para o desenvolvimento da prática educativa em saúde com a comunidade, demonstrando que isso é possível, valorizando a participação dos sujeitos, sua realidade e necessidades.

Saúde do trabalhador nos estudos de impactos de refinarias de petróleo

Silva,José Marcos da; Augusto,Lia Giraldo da Silva; Gurgel,Idê Dantas
Fonte: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro Publicador: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2013 Português
Relevância na Pesquisa
95.9%
Este artigo apresenta a análise da saúde do trabalhador no licenciamento de refinarias de petróleo no Brasil. Utilizou-se a análise documental partindo de um marco referencial que inter-relaciona saúde do trabalhador e refino de petróleo, levantando-se 30 conteúdos de saúde do trabalhador a serem verificados nos Estudo de Impactos Ambientais (EIA). Desenvolveu-se o indicador de grau de inserção (GI), segundo as dimensões: incipiente, insuficiente, intermediário ou avançado. Identificou-se o grau de inserção incipiente (GI incipiente - 0 a 20%) para o EIA REFINE e o EIA COMPERJ, e insuficiente para o EIA REPLAN (GI insuficiente - 25 a 45%). Em relação ao grau de inserção total, o EIA REPLAN apresentou o grau insuficiente (30%), seguido do EIA COMPERJ e do EIA REFINE, que apresentaram o grau incipiente (13%; 23%). Ante os resultados encontrados, sugere-se fortemente a inserção de conteúdos de saúde do trabalhador nos EIAs de refinarias como estratégia de vigilância em saúde e controle de riscos.

Saúde Ambiental e atenção à saúde: construção e ressignificação de referências

Quandt,Fábio Luiz; Hackbarth,Bruna Barbosa; Kovaleski,Douglas Francisco; Moretti-Pires,Rodrigo Otávio
Fonte: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro Publicador: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2014 Português
Relevância na Pesquisa
95.94%
Este escrito objetivou discutir Saúde Ambiental e a Atenção Básica (AB) em saúde com base no construcionismo social. Com uma equipe multiprofissional nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), a AB visa organizar uma população, construindo um ambiente relacional integrador entre usuários e profissionais da saúde. A Saúde Ambiental inserida na AB constrói-se sob um discurso naturalizador e produtor de uma moralidade falaciosa. Atualmente, o paradigma que dá sustento para a ciência vigente organiza-se sob os pressupostos da modernidade, e aquilo que estiver fora deste padrão será considerado anormal. Esta concepção moderna implicou numa moral que postula o "deve ser" nas relações humanas, objetivando modelos de moralidade baseados nos fatos obtidos do conhecimento empírico, da construção metafísica e dos padrões ideais. A sociedade tende a criar uma ideia do que seja a natureza e o ideal ambiental, relacionando sistemas, impondo e gerenciando limites. Assim, as sociedades acabam por erguer uma das estruturas que forjam sua cultura (atenção à saúde, desenvolvimento econômico e educação), com a sua representatividade influenciada pelo tempo e espaço em que foram concebidas. Portanto, buscar a criticidade nos fenômenos naturais é urgente para o cuidado ampliado e singular em Saúde Ambiental.

Atividades participativas em grupos de educação em saúde para doentes crônicos

Mendonça,Fernanda de Freitas; Nunes,Elisabete de Fátima Polo de Almeida
Fonte: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro Publicador: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2014 Português
Relevância na Pesquisa
105.86%
O Ministério da Saúde propôs a realização de grupos de educação em saúde para os portadores de hipertensão e diabetes. Apesar de essa prática ser executada em várias localidades, muitas vezes ela apresenta uma série de limitações. Diante disso, o objetivo deste estudo foi analisar os fatores que contribuem para a presença de estratégias participativas em grupos realizados para portadores de hipertensão arterial e diabetes mellitus. Trata-se de uma pesquisa quantitativa de delineamento transversal realizada com os profissionais da Estratégia Saúde da Família do município de Campo Mourão, Paraná. Para a coleta de dados, foi utilizado um formulário aplicado com os profissionais. Os resultados revelaram que a abertura ao saber dos usuários e o trabalho multiprofissional constituem estratégias fundamentais para tornar os grupos de educação em saúde espaços de troca e construção compartilhada de saberes.

Práticas de trabalho no âmbito coletivo: profissionais da equipe Saúde da Família

Costa,Simone de Melo; Souza,Luís Paulo Souza e; Souza,Thaynara Rocha de; Cerqueira,Ana Luíza Neves; Botelho,Bianca de Lima; Araújo,Eva Patrícia Pereira de; Rodrigues,Carlos Alberto Quintão
Fonte: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro Publicador: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2014 Português
Relevância na Pesquisa
95.85%
Este artigo analisou as práticas de trabalho no âmbito coletivo dos profissionais de nível superior vinculados à Estratégia Saúde da Família (ESF) de Montes Claros (MG), Brasil. Trata-se de estudo transversal, quantitativo e de cunho censitário. A coleta de dados se deu por meio de um questionário autoaplicado. Os dados foram analisados no programa estatístico SPSS. Participaram 95 profissionais de odontologia, enfermagem e medicina. A maioria realiza educação em saúde para gestantes (86,8%), hipertensos (81,0%) e diabéticos (79,0%). Os profissionais realizam visitas domiciliares, sendo o critério mais destacado a condição de acamado (33,0%). A maioria (90,0%) destina tempo na agenda para ações administrativas, gerenciais, para reflexão em equipe e educação permanente. Concluiu-se que as práticas de trabalho na Saúde da Família incorporaram ações no âmbito coletivo, o que sugere reorientação do modelo assistencial tradicional em saúde.

Investigação das propriedades psicométricas do Duke Religious Index no âmbito da pesquisa em Saúde Coletiva

Martinez,Edson Zangiacomi; Alves,Adorama Candido; Carneiro,Ariadne Fernanda Tesarin Mendes; Jorge,Tatiane Martins; Carvalho,Antonio Carlos Duarte de; Zucoloto,Miriane Lucindo
Fonte: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro Publicador: Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2014 Português
Relevância na Pesquisa
116.1%
A religiosidade é uma variável importante para a pesquisa em saúde, considerando suas conhecidas associações com o processo saúde-doença e questões importantes sobre o bem-estar, atitudes, práticas e satisfação em relação a cuidados e serviços. No entanto, na pesquisa em Saúde Coletiva, é frequentemente usada a afiliação religiosa como única dimensão da religiosidade. O presente estudo objetivou investigar a adequação do uso do instrumento Duke Religious Index (DUREL) no âmbito da pesquisa em Saúde Coletiva, ao avaliar as capacidades psicométricas do instrumento quando aplicado a uma população representativa de usuários dos serviços de atenção primária à saúde de um município de porte médio do interior do Estado de São Paulo. Foi encontrada uma adequada consistência interna para o instrumento e validade convergente-discriminante. Os resultados sugerem que o uso do DUREL não é restrito à pesquisa em saúde mental e que sua utilização pode trazer novas perspectivas para o entendimento de eventos de interesse na área da Saúde Coletiva.

Considerações sobre o uso da epidemiologia nos estudos em saúde ambiental

Câmara,Volney de Magalhães; Tambellini,Anamaria Testa
Fonte: Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2003 Português
Relevância na Pesquisa
85.98%
No Brasil, a Saúde Ambiental incorporou como situações de risco questões como saneamento, água para consumo humano, poluição química, pobreza, eqüidade, condições psicossociais e a necessidade de um desenvolvimento sustentável para preservar as gerações futuras. As metodologias para estudos epidemiológicos e ações de vigilância que dizem respeito à relação da saúde com estas questões são necessariamente mais diversas e complexas do que nas outras áreas da Saúde Coletiva. Neste documento são discutidas as informações sobre as características da exposição e dos efeitos à saúde que constituem os principais substratos para a definição do desenho e da factibilidade dos estudos epidemiológicos voltados para o campo da Saúde Ambiental. Também é enfatizado o uso da Epidemiologia no desenvolvimento de ações de vigilância através da definição de indicadores de saúde para um sistema de informação, e do desenvolvimento de atividades de monitoramento dos impactos das ações de mitigação e controle. Finaliza realçando a necessidade de um trabalho integrado interdisciplinar e intersetorial, os preceitos éticos que devem nortear estes estudos, e as principais características que devem influir na definição dos recursos humanos para a formação das equipes científicas e técnicas.

Epidemiologia e Saúde Coletiva no Brasil: desafios para a formação em pesquisa

Aquino,Estela Maria
Fonte: Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2008 Português
Relevância na Pesquisa
96%
A pesquisa epidemiológica tem crescido muito no Brasil, o que pode ser atribuído em parte à expansão da formação pós-graduada. Mudanças na avaliação dos programas, conjugando qualidade e eficiência, têm colocado desafios para a formação em pesquisa impulsionando o desenvolvimento de estratégias pedagógicas variadas. Neste artigo, pretendo debater a proposta de "consórcio de pesquisas" do Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia da Universidade Federal de Pelotas, destacando algumas implicações pedagógicas deste modelo e apresentando em contraste a estratégia adotada pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia para formação em pesquisa epidemiológica. Procuro contextualizar o debate situando-o brevemente no quadro da epidemiologia brasileira, suas principais características de desenvolvimento e pontuando o potencial dos inquéritos domiciliares como ferramenta de diagnóstico de saúde para subsidiar políticas públicas. Após discutir as principais vantagens e limites dos modelos adotados em dois importantes pólos de ensino e pesquisa epidemiológica no país, concluo levantando algumas questões que se colocam como desafios para formação pós-graduada de pesquisadores na atualidade.