Página 1 dos resultados de 280 itens digitais encontrados em 0.054 segundos

A influência das variáveis socioemocionais e do autoconceito nos anos de transição 2º e 3º Ciclo do Ensino Básico: um estudo exploratório na RAM

Castro, Dolores Carina Reis
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em 26/07/2013 Português
Relevância na Pesquisa
36.56%
Nos últimos anos tem havido um aumento da investigação em torno das transições escolares. Assim, consideramos que as variáveis socioemocionais e o autoconceito podem influenciar de forma positiva e/ou negativa este processo de transição. No mesmo sentido as expetativas criadas pelos alunos nos anos de transição podem condicionar a adaptação ao novo ciclo de estudos. Se soubermos antecipadamente o que carateriza estes alunos, poderemos intervir adequadamente no sentido de potencializar o seu sucesso escolar. Centramos então o nosso estudo numa amostra de alunos do 2º e 3º ciclo do ensino básico de uma escola situada na zona rural da ilha da Madeira onde foram aplicados testes de inteligência emocional, autoconceito e de expetativas na transição de ano, nomeadamente, o PACS - Avaliação de Competências Sociais; EQ-i: YV - Inteligência Emocional; PCIS - Inteligência Social; PHCSCS 2 - Piers-Harris Children’s Self-Concept Scale 2 e o Questionário de Expetativas dos Alunos nos anos de Transição. Os resultados apontam para que quer no 2º, quer no 3º ciclo a inteligência emocional esteja direta e positivamente associada ao autoconceito. No 2º ciclo, existe uma relação positiva entre a competência social e o autoconceito bem como entre a competência social e a inteligência emocional...

II Seminário Internacional em Inteligência Emocional

Veiga-Branco, Augusta (Coord.)
Fonte: Instituto Politécnico de Bragança, Escola Superior de Saúde Publicador: Instituto Politécnico de Bragança, Escola Superior de Saúde
Tipo: book
Português
Relevância na Pesquisa
36.48%
Somos sempre o “persona” dos nossos contextos de vida, e invariavelmente, não escapamos à necessidade permanente e inusitada de adequarmos os comportamentos aos nossos objetivos em particularíssimos contextos. A Vida é cada um destes agoras. Em cada situação a nossa imagem de marca é a nossa habilidade em nos tornarmos destros a esculpir comportamentos assertivos, adequados no sentido de uma imagem pessoal credível, para nós e para os outros. Assim, e porque é crescente o interesse de toda a população em geral, e dos profissionais da educação e da saúde em particular – surge a pertinência de oferecer uma Pós graduação em Educação Emocional, que termina com uma última oportunidade formativa e reflexiva: o II Seminário Internacional em Inteligência Emocional. Este Livro de Resumos apresenta o conjunto de Conferências, Comunicações em Painel, Workshop, Comunicações Livres e Posters, que constituíram o II Seminário Internacional em Inteligência Emocional, realizado no Auditório Alcínio Miguel da ESTIG, IPB, em Bragança. O evento, realizado em parceria entre a Escola Superior de Saúde, PAIDEIA e CFEBN, marca o fim do 1º curso de Pós Graduação em Educação Emocional desenvolvido na Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Bragança...

Inteligência emocional e ética no sucesso organizacional

Cabral, Ângelo Miguel Rodrigues
Fonte: FEUC Publicador: FEUC
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
36.57%
Objectivo – A presente pesquisa consubstancia-se na análise da importância da Inteligência Emocional na conduta Ética dos indivíduos e no impacto dessas no Sucesso Organizacional. Neste sentido, o objectivo geral da investigação prende-se com a exploração do papel da Inteligência Emocional na tomada de decisão ética, especificamente na Ética Individual, na Percepção da Ética de Terceiros, na medição da diferença entre a percepção da avaliação de ética individual e de terceiros, visto que frequentemente as pessoas entendem os outros como sendo menos éticos do que eles próprios, e na Percepção de que o comportamento antiético facilita o Sucesso. Metodologia – A amostra deste estudo é constituída por empresas exportadoras e/ou com interesse em exportar da base de dados da AICEP - Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal. Foram testadas as hipóteses formuladas em 404 empresas. O procedimento metodológico adoptado na realização da investigação consistiu numa abordagem quantitativa que visou a mensuração das variáveis do modelo conceptual. A recolha de dados foi feita pela administração de um questionário, tratando-se os resultados recorrendo à análise estatística e ao programa IBM SPSS Statistics 19. Resultados – A Inteligência Emocional emerge como factor preponderante na explicação das percepções éticas no alcance do sucesso organizacional. Foi atestado também o papel predictor da Inteligência Emocional na Ética Individual...

Escalas de inteligência de Wechsler e paralisia cerebral: um estudo exploratório de análise descritiva dos resultados obtidos na WISC-III e na WPPSI-R

Rodrigues, Nadine Reis
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
46.23%
O presente estudo, de caráter exploratório, pretende caracterizar o funcionamento cognitivo de sujeitos com Paralisia Cerebral através da análise descritiva dos resultados obtidos na WISC-III e na WPPSI-R. Para esse efeito, foi estudada uma amostra constituída por 62 WISC-III e 34 WPPSI-R, aplicadas pelo Departamento de Psicologia da Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra. De um modo global, verifica-se que na WISC-III, o nível médio de inteligência geral dos sujeitos enquadra-se, de acordo com a classificação da amostra de aferição da WISC-II, no nível “Médio Inferior” (82,58) e na WPPSI-R, de acordo com a amostra de aferição da escala, no nível “Médio” (92,26).; The current exploratory study characterizes the cognitive functioning in a group of subjects with Cerebral Palsy through a descriptive analysis of the results obtained in the WISC-III and WPPSI-R. To achieve this, it was studied a sample of 62 and 34 WISC-III WPPSI-R applied by the Department of Psychology at the Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra. Globally, it appears that in the WISC-III, the average level of general intelligence of the subjects fits, according to the classification of the sample measurement of WISC-II, at the "Under Average" (82.58) and the WPPSI-R...

Inteligência Emocional em Alunos do 8º ano : diferenças em função de variáveis sociodemográficas

Matias, Dora Filipa Santos
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
36.56%
A inteligência emocional tem ganho um relevo particular no domínio da psicologia, enquanto ingrediente-chave para alcançar sucesso, qualidade de relacionamento interpessoal, saúde, satisfação, bem-estar, e qualidade de vida, associados aos contextos educativos e profissionais (Nelis, Quoidbach, Mikolajczak, & Hansenne, 2009, cit. in Carvalho, 2011). Neste estudo visa-se estudar as qualidades psicométricas de um instrumento de avaliação da inteligência emocional, caracterizar a inteligência emocional, e analisar possíveis diferenças nos resultados em função de variáveis sociodemográficas. Participaram 557 alunos do 8º ano de escolaridade, 289 raparigas e 268 rapazes, entre os 11 e os 15 anos (M=13.27; DP=.583), que frequentavam escolas públicas do norte, centro, e sul de Portugal. A inteligência emocional foi avaliada através do Questionário de Inteligência Emocional de Bar-On, (Candeias & Rebocho, 2007). Em termos das qualidades psicométricas do instrumento verifica-se uma solução fatorial de 31 itens, organizados em cinco fatores, que explicam aproximadamente 50% da variância dos itens, sendo claramente identificados os fatores Humor Geral, Adaptabilidade e Interpessoal. Por sua vez, constatam-se diferenças estatisticamente significativas em função do sexo...

Inexistência de diferenças de sexo no fator g (inteligência geral) e nas habilidades específicas em crianças de duas capitais brasileiras; There are no sex differences on g factor and specific abilities in children from two brazilian capitals

Flores-Mendoza, Carmen; Alves, Marcela Mansur; Lelé, Álvaro José; Bandeira, Denise Ruschel
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
56.55%
O presente trabalho pretendeu examinar diferenças relacionadas ao sexo no fator g (inteligência geral) e em habilidades específicas em crianças de duas cidades brasileiras: Belo Horizonte e Porto Alegre. No caso da amostra mineira (n=1,316), a idade compreendeu entre 5 e 11 anos de idade examinada através de uma bateria de testes a qual incluiu instrumentos de inteligência (Raven, Escala Verbal WISC III, R-2, DFH), de avaliação psicomotora (Bender) e de desempenho escolar (TDE). No caso da amostra gaúcha (n=779), a idade compreendeu entre 5 e 11 anos, utilizando-se o teste Raven – Escala Colorida. A análise individual dos testes aponta que a maioria das diferenças nas habilidades específicas não é estatisticamente significativa. Na utilização do Método dos Vetores Correlacionados, uma análise mais sofisticada da inteligência geral, observa-se inexistência de diferenças de sexo. Tais resultados corroboram os registros internacionais sobre inexistência de diferenças cognitivas relacionadas ao sexo em crianças e adolescentes.; This paper intended to verify sex differences on the g factor (general intelligence) and specific abilities from a sample of children from two Brazilian cities: Belo Horizonte (BH) and Porto Alegre (PA). The sample from BH (n=1.316) aged 5 to 11 years was examined with a battery of intelligence (CPM...

Inteligência geral e conhecimento específico no Futebol : Estudo comparativo entre inteligência geral e o conhecimento específico em jovens federados de diferentes níveis competitivos

Costa, João Carlos Viana Cunha
Fonte: Universidade do Porto. Reitoria Publicador: Universidade do Porto. Reitoria
Tipo: dissertação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
46.63%
A investigação actual vem realçando a importância dos processos cognitivos nas acções realizadas no âmbito dos Jogos Desportivos Colectivos, em virtude das características complexas da sua intervenção. Entre os requisitos considerados fundamentais, o conhecimento específico da modalidade parece possuir um peso importante na performance desportiva. Contudo, a existência dum elevado nível de conhecimento poderá não garantir uma elevada prestação, se os caminhos de circulação de informação não estiverem optimizados e se o jogador não for capaz de adaptar e reordenar a sua intervenção em cada momento de jogo.No âmbito da avaliação do conhecimento específico em Jogos Desportivos Colectivos, os protocolos têm privilegiado, simultaneamente, a análise da prontidão e da qualidade da resposta, através de inquéritos de resposta múltipla.No presente estudo pretende-se analisar e comparar a forma como a inteligência geral dos jogadores de Futebol e o seu conhecimento específico do jogo se relacionam. Mais especificamente, pretende-se: avaliar e comparar a Inteligência geral e o conhecimento específico do jogo em jovens praticantes de Futebol segundo os respectivos estatutos posicionais e nível competitivo; e contrastar a percepção do treinador...

Prática desportiva e inteligência emocional : estudo da influência do desporto na aquisição de aptidões e competências de inteligência emocional

Kerkoski, Marcio José
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em 22/05/2009 Português
Relevância na Pesquisa
36.63%
Tese de doutoramento em Estudo da Criança (ramo de conhecimento em Educação Física, Lazer e Recreação); O fenômeno desportivo é um campo em que se entrelaçam emoções, inteligência, imaginação, criatividade, relações, o que o caracteriza como um campo privilegiado para o estudo de Inteligência Emocional. Os objetivos gerais do estudo foram: determinar qual a contribuição do Desporto para a formação das dimensões relacionadas com a Inteligência Emocional à luz da proposta de QE de Bar-On & Parker (2000) pelas comparações entre atletas do mesmo gênero e diferentes desportos, entre atletas de gêneros diferentes de um mesmo desporto e entre atletas e não-atletas; e Identificar qual a contribuição dos Desportos, suas representações e práticas para a formação de aptidões e competências da Inteligência Emocional a partir da perspectiva de treinadores, pais ou responsáveis e da própria criança. A metodologia utilizada teve características quantitativas e qualitativas. Na abordagem quantitativa foi aplicado o questionário EQ-i: YV (Bar-On Emotional Questionnaire Inventory: Young Version) de Bar-On & Parker (2000) com 221 praticantes de Voleibol, Basquetebol e Natação e com 233 não-praticantes de nenhum tipo de desporto. Os resultados quantitativos demonstraram que cada modalidade desportiva produz um efeito distinto nas dimensões da Inteligência Emocional...

A estrutura da inteligência na infância: desenvolvimento e diferenciação cognitiva; The structure of intelligence in children: development and cognitive differentiation

Martins, Ana A.; Alves, Ana Filipa; Almeida, Leandro S.
Fonte: Asociación INFAD Publicador: Asociación INFAD
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2015 Português
Relevância na Pesquisa
36.51%
Apesar da controvérsia, a inteligência é considerada um dos melhores preditores da aprendizagem e do (in)sucesso académico. Alguns autores têm considerado a inteligência resultante de um único fator geral subjacente a todas as realizações cognitivas e considerado a principal fonte explicativa das diferenças individuais. Contudo, a literatura atual tem vindo a propor uma diferenciação da estrutura intelectual, considerando-a composta por uma inteligência fluida e por habilidades cognitivas desenvolvidas a partir do processo de socialização e associadas aos interesses e experiências. Com este estudo pretendemos averiguar a presença do fator g numa bateria de testes que avaliam várias funções cognitivas. Aplicou-se a Escala de Competências Cognitivas para Crianças (ECCOs 4/10) a uma amostra de 360 crianças portuguesas, com 5, 7 e 9 anos, a frequentar a educação Pré-escolar e o 1.º Ciclo do Ensino Básico. Os resultados apontam para a presença predominante de um fator geral, no entanto, outros fatores parecem tomar parte na explicação da variância, ganhando alguma especificidade cognitiva nesta faixa etária. Algumas considerações acerca da indiferenciação das habilidades cognitivas e sobre a relevância da avaliação da inteligência na aprendizagem são discutidas neste estudo.; Despite the controversy...

A estrutura da inteligência na infância: desenvolvimento e diferenciação cognitiva; The structure of intelligence in children: development and cognitive differentiation

Martins, Ana A.; Alves, Ana Filipa; Almeida, Leandro S.
Fonte: Asociación INFAD Publicador: Asociación INFAD
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2015 Português
Relevância na Pesquisa
36.51%
Apesar da controvérsia, a inteligência é considerada um dos melhores preditores da aprendizagem e do (in)sucesso académico. Alguns autores têm considerado a inteligência resultante de um único fator geral subjacente a todas as realizações cognitivas e considerado a principal fonte explicativa das diferenças individuais. Contudo, a literatura atual tem vindo a propor uma diferenciação da estrutura intelectual, considerando-a composta por uma inteligência fluida e por habilidades cognitivas desenvolvidas a partir do processo de socialização e associadas aos interesses e experiências. Com este estudo pretendemos averiguar a presença do fator g numa bateria de testes que avaliam várias funções cognitivas. Aplicou-se a Escala de Competências Cognitivas para Crianças (ECCOs 4/10) a uma amostra de 360 crianças portuguesas, com 5, 7 e 9 anos, a frequentar a educação Pré-escolar e o 1.º Ciclo do Ensino Básico. Os resultados apontam para a presença predominante de um fator geral, no entanto, outros fatores parecem tomar parte na explicação da variância, ganhando alguma especificidade cognitiva nesta faixa etária. Algumas considerações acerca da indiferenciação das habilidades cognitivas e sobre a relevância da avaliação da inteligência na aprendizagem são discutidas neste estudo.; Despite the controversy...

Inteligência Humana: Investigações e Aplicações

Candeias, Adelinda Maria; Almeida, Leandro Silva
Fonte: Quarteto Publicador: Quarteto
Tipo: book Formato: 97637 bytes; application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
36.65%
Este livro reúne contributos teóricos, empíricos e práticos em torno de uma das variáveis mais relevantes e mais polémicas no seio da psicologia – a Inteligência –, estando a sua edição na sequência da realização, na Universidade de Évora (6-8 de Outubro, 2005) do I Simpósio Internacional “Inteligência Humana: Investigação e Aplicações”. Nesta primeira edição, o Congresso reportou-se a autores de Portugal, Espanha e Brasil, devendo este espectro alargar-se nas suas futuras edições. A inteligência emerge associada aos primeiros estudos do Laboratório de Psicologia Experimental em Leipzig, pensando-se nos tempos de reacção a estímulos e nos processos cognitivos associados. Esta situação encontra-se bem retratada nos trabalhos de Galton e de Mckeen Cattell nos finais do século XIX, tendo sido de novo recuperada nos estudos da cognição por parte dos estudos de cariz cognitivista. A relevância social deste constructo psicológico, um século atrás, justificou que os psicólogos se envolvessem numa caminhada algo sinuosa e complicada de construção de instrumentos para a sua avaliação. A partir daí, não atingindo o construto na sua essência mas nas suas manifestações comportamentais, a psicologia envolveu-se em longos tratados sobre o conceito (definição)...

Desempenho e inteligência emocional em contexto policial: Construção e validação da escala de conceção de desempenho profissional para polícias

Silva, Joviano Hério Medina
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em 14/11/2013 Português
Relevância na Pesquisa
36.6%
Dissertação de Mestrado, Psicologia da Educação (Contextos Educativos), 14 de Novembro 2013, Universidade dos Açores.; A inteligência emocional é uma temática que tem vindo a ser pesquisada desde 1990, embora a investigação científica ainda apresente muitas críticas quanto a sua existência, visto levantar-se a questão de saber se a inteligência emocional é realmente um novo construto ou será um novo nome para traços já estudados nas teorias da personalidade. Diversos investigadores referem que a inteligência emocional influencia o desempenho profissional, no entanto, são escassas as pesquisas que suportem essa afirmação. Serão assim, necessárias pesquisas de validade para uma melhor compreensão desse construto. Partindo dessa questão, os objetivos deste estudo foram investigar os níveis de inteligência emocional dos polícias, compreender se a inteligência emocional influi no desempenho profissional e perceber se a inteligência emocional nos polícias apresenta características semelhantes à população em geral. Este estudo procura também ser um quadro inicial de referência para subsequentes investigações sobre a Inteligência Emocional e Desempenho Profissional na Polícia de Segurança Pública. Para a caracterização do presente estudo foi necessário proceder-se à validação da Escala de Conceção de Desempenho Profissional dos Polícias (ECDP-P). Os resultados apontam para que exista uma correlação significativa entre a inteligência emocional e o desempenho profissional. Indicam também que os polícias têm níveis elevados de inteligência emocional...

A inteligência emocional em jovens estudantes do 12º ano de escolaridade: Um estudo exploratório

Gonçalves, Marta O. S. Mosca
Fonte: Instituto Superior de Psicologia Aplicada Publicador: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2006 Português
Relevância na Pesquisa
46.73%
Dissertação de Mestrado em Psicologia Educacional; O presente trabalho teve como principal objectivo a tradução, adaptação e validação de provas de inteligência emocional a jovens adolescentes portugueses. Adjacente a este propósito estiveram os objectivos de procurar relações entre a inteligência emocional e a inteligência gerai, a idade, o género, o agrupamento frequentado no ensino secundário, a área profissional preferida e a atitude face à exploração da carreira. O sujeito de inteligência emocional foi apresentado em 1990 por Mayer e Salovey, mas foi popularizado cinco anos depois num livro com o título "Inteligência Emocional", de Daniel Goleman. Actualmente, existem duas grandes correntes teóricas sobre a inteligência emocional, nas quais esta é interpretada, por um lado, como uma aptidão (Mayer & Salovey, 1997) e, por outro lado, como um traço de personalidade (Bar-On, 1997; Goleman, 1995, 1998). Para atingir os objectivos propostos, traduziram-se provas de inteligência emocional, ambas de tipo self-report, após o que se procedeu à sua adaptação e validação. As escalas traduzidas foram aplicadas a uma amostra de jovens estudantes do 12° ano de escolaridade de cursos secundários gerais...

Relação entre rede social, Inteligência geral, inteligência social e hormonas em humanos

Pestana, José Antonio Melo
Fonte: ISPA -Instituto Universitário Publicador: ISPA -Instituto Universitário
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2013 Português
Relevância na Pesquisa
66.68%
Dissertação de Mestrado em Psicobiologia, apresentada ao ISPA - Instituto Universitário; Segundo a Hipótese da Inteligência Maquiaveliana, o principal motor evolutivo responsável pelo desenvolvimento das capacidades cognitivas que muitas espécies exibem terá sido a exigência que o processamento de uma rede social numerosa e complexa pede. Um factor importante para o estabelecimento de relações sociais humanas é a Teoria da Mente, que é definida como a capacidade de inferir sobre os estados mentais dos outros. Existem também numerosas evidências relativas à influência de várias hormonas no comportamento social. De forma a investigar quais as variáveis cognitivas e fisiológicas relacionadas com o tamanho e complexidade da rede social em humanos, foram recolhidos dados sobre Inteligência Geral (medida através de “Matrizes Progressivas Avançadas de Raven”), Teoria da Mente (através de” Reading the Eyes in the Mind Test”, cuja versão portuguesa foi também aqui validada, num N = 130), rede social (através de “Social Network Index”), testosterona e cortisol. Não foram encontradas relações da rede social e hormonas com nenhuma das restantes variáveis em estudo. Foi, contudo, observada uma associação entre Inteligência Geral e Teoria da Mente...

Estudo exploratório da inteligência emocional em adolescentes

Oliveira, Elisabete Sofia Meelind de
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2008 Português
Relevância na Pesquisa
56.65%
Dissertação de Mestrado apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada; O presente estudo teve como principal objectivo estudar a Inteligência Emocional numa amostra de adolescentes com idades compreendidas entre os 14 e os 18 anos. Pretendeu-se averiguar a existência de correlações entre a Inteligência Emocional, a idade, o género, o número de retenções vs nenhuma retenção escolar, a inteligência geral, o ser aluno dos Cursos Educação e Formação vs. alunos do Ensino Regular, o auto – conceito e o estatuto sócio económico. Para concretizar o objectivo, usou-se o Emotional Intelligence Scale (EIS), as Matrizes Progressivas de Raven (SPM), a Escala de Auto-Conceito de Song & Hattie e a Classificação Social Internacional de Graffar. As restantes variáveis foram obtidas mediante preenchimento de dados colocados no início dos instrumentos atrás mencionados. Como principais resultados obteve-se uma correlação não significativa entre a Inteligência Emocional e a idade e o género, grupo (ser aluno dos CEF vs do ensino regular), o número de retenções vs. nenhuma retenção a inteligência geral e o estatuto sócio económico (verificou-se no entanto que estas três últimas variáveis relacionam-se entre si). A Inteligência Emocional mostrou-se então correlacionada unicamente com a variável Auto-Conceito.; ABSTRACT: The main objective of this study is to analyse Emotional Intelligence within a sample of adolescents of ages ranging between 14 and 18 years old. It is aimed to examine the existence of the correlation between Emotional Intelligence...

Inexistência de diferenças de sexo no fator g (inteligência geral) e nas habilidades específicas em crianças de duas capitais brasileiras

Flores-Mendoza,Carmen E.; Mansur-Alves,Marcela; Lelé,Álvaro José; Bandeira,Denise Ruschel
Fonte: Curso de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Curso de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2007 Português
Relevância na Pesquisa
46.51%
O presente trabalho pretendeu examinar diferenças relacionadas ao sexo no fator g (inteligência geral) e em habilidades específicas em crianças de duas cidades brasileiras: Belo Horizonte e Porto Alegre. No caso da amostra mineira (n=1,316), a idade compreendeu entre 5 e 11 anos de idade examinada através de uma bateria de testes a qual incluiu instrumentos de inteligência (Raven, Escala Verbal WISC III, R-2, DFH), de avaliação psicomotora (Bender) e de desempenho escolar (TDE). No caso da amostra gaúcha (n=779), a idade compreendeu entre 5 e 11 anos, utilizando-se o teste Raven - Escala Colorida. A análise individual dos testes aponta que a maioria das diferenças nas habilidades específicas não é estatisticamente significativa. Na utilização do Método dos Vetores Correlacionados, uma análise mais sofisticada da inteligência geral, observa-se inexistência de diferenças de sexo. Tais resultados corroboram os registros internacionais sobre inexistência de diferenças cognitivas relacionadas ao sexo em crianças e adolescentes.

Informação geral e atual e sua relação com a inteligência e a personalidade em crianças escolares

Flores-Mendoza,Carmen; Jardim,Graciane Lopes; Abad,Francisco José; Rodrigues,Larissa Assunção
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas Publicador: Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2010 Português
Relevância na Pesquisa
36.51%
Investiga-se a relação entre inteligência, personalidade e nível de informação geral e atual de escolares do Estado de Minas Gerais. Duas amostras participaram do estudo: a primeira proveniente de escolas de três níveis de vulnerabilidade social de Belo Horizonte (MG) (n=600), e a segunda de escolas municipais da cidade de Perdões (MG) (n=215). Ambas as amostras foram submetidas ao teste Raven e ao Questionário de Informações Gerais e Atuais. A segunda amostra realizou o Eysenck Questionnaire Personality e o subteste Informação do WISC-III. Os resultados mostraram uma associação consistente entre inteligência e o Questionário de Informações Gerais e Atuais, mesmo controlando-se o efeito da vulnerabilidade social das escolas (r=0,431). Uma path analyses mostrou predição independente da inteligência (0,430) e da dimensão Psicoticismo (-0,18) sobre Questionário de Informações Gerais e Atuais, após controle da idade e da covariância entre os preditores. Conclui-se que a inteligência explica as diferenças de Questionário de Informações Gerais e Atuais duas vezes mais do que a personalidade.

Inteligência e personalidade: um estudo correlacional em uma amostra de universitários

Santos,Mariana Teles; Nascimento,Elizabeth do
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas Publicador: Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2012 Português
Relevância na Pesquisa
46.34%
O presente estudo teve como objetivo investigar a associação entre inteligência e personalidade, sendo a primeira avaliada por meio dos testes G36, Matrizes Progressivas de Raven e Bateria de Provas de Raciocínio; e a segunda, mensurada por meio do Inventário Fatorial de Personalidade. Tais instrumentos foram aplicados em uma amostra composta por 266 estudantes universitários, 77,8% dos quais do sexo feminino, com idade entre 18 e 59 anos (M=21,2). A análise das correlações de Pearson apresentou valores de correlação que variaram de 0,13 a 0,22. Os fatores desempenho, agressão e exibição correlacionaram-se positivamente com a inteligência geral medida (teste G36) e com o raciocínio mecânico e o abstrato. Já os fatores intracepção, afago, deferência, denegação e ordem correlacionaram-se negativamente com o raciocínio espacial, o mecânico e o abstrato. O estudo apontou uma associação de magnitude fraca, porém significativa, entre a inteligência e a personalidade na fase adulta.

Evolução inicial dos estudos da inteligência do idoso: mitos e fatos

Rozestraten,Reinier Johannes Antonius
Fonte: Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto Publicador: Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2002 Português
Relevância na Pesquisa
46.43%
Apresentamos nesse artigo o início e o primeiro desenvolvimento dos estudos sobre a inteligência do idoso dentro do quadro das fases da psicogênese do comportamento : tomada de informação, processamento de informação, tomada de decisão, comportamento-resposta e feedback. Através dessa evolução que teve seu início no fim da I Guerra Mundial vêem-se surgir três mitos que aos poucos foram refutados: a) o mito que a inteligência é uma capacidade única em vez de um conjunto de diversas capacidades que se combinam de múltiplas formas; b) o mito que a inteligência como totalidade única se deteriora durante a velhice, enquanto se verificou posteriormente que apenas algumas capacidades agrupadas como inteligência fluida são afetadas enquanto outras caracterizadas como inteligência cristalizada ficam constantes ou até melhoram; e c) a idade avançada é o único fator que influencia o desenvolvimento ou deterioração das capacidades intelectuais. Em relação ao último mito Lehr afirma que há pelo menos mais nove fatores influentes: declínio de fator G, rapidez, aptidão inata, nível educacional, treinamento, ambiente estimulante, saúde, sucesso na vida e motivação.

Aumento da inteligência ao longo do tempo: efeito Flynn e suas possíveis causas

Schelini,Patrícia Waltz; Almeida,Leandro S.; Primi,Ricardo
Fonte: Universidade de São Francisco, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia Publicador: Universidade de São Francisco, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2013 Português
Relevância na Pesquisa
46.51%
O presente trabalho descreve o efeito Flynn, entendido como os ganhos verificados nas medidas de inteligência ao longo do tempo. Para viabilizar a compreensão do efeito, são apresentadas algumas concepções psicométricas sobre a inteligência, sobretudo as que sugerem uma organização hierárquica das capacidades cognitivas, diferenciando fatores mais gerais de fatores mais específicos. O efeito Flynn tende a ser mais consistentemente observado em testes que avaliam a inteligência geral e a inteligência fluida. As possíveis causas explicativas do efeito Flynn são igualmente apresentadas e discutidas, dentre elas: os anos de escolaridade, a nutrição, a complexidade dos ambientes mais atuais, a atitude assertiva para resolver testes e a heterose.