Página 1 dos resultados de 10952 itens digitais encontrados em 0.038 segundos

A comunicação na aula de matemática : o papel do professor

Martinho, Maria Helena
Fonte: Associação de Professores de Matemática (APM) Publicador: Associação de Professores de Matemática (APM)
Tipo: info:eu-repo/semantics/conferenceobject
Publicado em //2009 Português
Relevância na Pesquisa
46.8%
Esta comunicação apresenta os resultados de um trabalho colaborativo desenvolvido ao longo de ano e meio com três professores de Matemática, do 2º e 3º ciclos do ensino básico em torno da comunicação matemática na sala de aula. Este estudo teve um duplo objectivo: por um lado, compreender o papel do professor relativamente à comunicação na sala de aula de Matemática; por outro, perceber de que forma esse papel e as práticas que o configuram podem ser reflectidos, problematizados e reformulados pelos professores através de um projecto colaborativo. Mais especificamente, abordam-se aqui as seguintes questões: Quais as concepções, práticas e reflexão sobre as práticas dos professores relativamente à comunicação matemática na sala de aula e como podem evoluir ao longo de um trabalho colaborativo? Como é que o professor de Matemática vê o seu papel na sala de aula na criação de contextos facilitadores da comunicação matemática e como podem estes contextos evoluir ao longo de um trabalho colaborativo?

O estudo acompanhado em articulação com a matemática : práticas de duas professoras

Delgado, Fátima; Ferreira, Rosa Antónia Tomás; Fernandes, José António
Fonte: Sociedade Portuguesa de Investigação em Educação Matemática Publicador: Sociedade Portuguesa de Investigação em Educação Matemática
Tipo: info:eu-repo/semantics/conferenceobject
Publicado em /05/2012 Português
Relevância na Pesquisa
46.84%
Com a implementação do Plano da Matemática (PM), a área curricular não disciplinar de Estudo Acompanhado (EA) passou a constituir um espaço significativo para trabalhar Matemática. Neste texto, pretendemos identificar e analisar a articulação entre a disciplina de Matemática e a área de EA quando nesta são desenvolvidas tarefas matemáticas e lecionadas pelo mesmo professor. Com este intuito, analisámos as práticas de duas professoras no que diz respeito aos tipos de tarefas selecionadas para as aulas de Matemática e de EA, às razões e fontes para essa seleção e às formas como são, em geral, exploradas as tarefas em cada um destes espaços de trabalho com os alunos. Os resultados evidenciam que ambas as professoras procuram articular o trabalho desenvolvido nas aulas de Matemática e nas de EA de forma complementar, aproveitando este espaço para reforçar conteúdos e preparar os alunos para as provas nacionais, embora de formas diferentes. Os resultados sugerem também que o Plano da Matemática tem uma maior influência nas práticas das professoras nas aulas de EA do que nas de Matemática.; Programa Operacional Fatores de Competitividade – COMPETE; FCT – Fundação para a Ciência e Tecnologia

Proposta de um projeto de investigação sobre a comunicação matemática com alunos com deficiência auditiva : um estudo de caso numa turma do 7.º ano

Tinoco, Joana Margarida; Martinho, Maria Helena; Santos, Anabela Cruz dos
Fonte: Associação de Professores de Matemática Publicador: Associação de Professores de Matemática
Tipo: info:eu-repo/semantics/conferenceobject
Publicado em //2012 Português
Relevância na Pesquisa
46.8%
A nível nacional e internacional constatámos que existe pouca investigação sobre as aprendizagens matemáticas de alunos com deficiência auditiva, e em particular, que relacione a comunicação com a aprendizagem efetiva da matemática em alunos com deficiência auditiva, apesar dos estudos existentes indicarem que estes alunos se encontram desfasados dos seus pares no desempenho em matemática. Nesse sentido, este estudo a que nos propomos procura interligar estas duas áreas distintas que lhe conferem o suporte teórico: a educação matemática e a educação especial. Tendo como finalidade contribuir para conhecer a forma como se processa a comunicação matemática com alunos com deficiência auditiva, pretendemos fazer um levantamento para compreender os padrões de interação presentes, o tipo de tarefas propostas e a forma como é discutida a sua resolução e as diversas representações matemáticas presentes nas aulas, pois considerámos que estas podem constituir barreiras ao nível da comunicação matemática. Pretendemos que esta comunicação promova um espaço de reflexão e discussão sobre esta temática, de onde podem surgir contribuições importantes para a implementação do nosso estudo.

A matemática em ambiente virtual: potencialidades dos blogues

Carrilho, Cristina; Cabrita, Isabel
Fonte: Secção de Educação Matemática da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação Publicador: Secção de Educação Matemática da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação
Tipo: conferenceobject
Português
Relevância na Pesquisa
46.84%
Ao longo dos tempos, a matemática esteve sempre presente na actividade humana, tendo contribuído para o avanço do conhecimento em geral e da Ciência em particular. Por estas razões, é um imperativo que a escola faculte uma adequada formação matemática a todos os jovens, mesmos àqueles que, porventura, no final da escolaridade obrigatória, pretendam integrar o mundo do trabalho e não prosseguir os seus estudos. De acordo com o referido em Carrilho (2006), tal formação deve proporcionar o desenvolvimento de inúmeras competências, o que implica, forçosamente, a disponibilização de ambientes de aprendizagem abertos, diversificados, interactivos e cooperativos, capazes de promoverem um equilíbrio entre a construção e aplicação de conhecimentos e o desenvolvimento de capacidades, aptidões, atitudes e valores consonantes com as novas exigências que se colocam ao cidadão do século XXI. Com efeito, impõe-se uma reestruturação dos paradigmas educativos, o que, na opinião de muitos investigadores, implica uma adequada integração das novas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), como é o caso da Internet e da WWW em particular, em todo o processo de ensino e aprendizagem da matemática, dado que estes meios permitem inovar o ensino desta disciplina com repercussões interessantes no processo de aprendizagem. Neste cenário...

Sessão de discussão pública, Rede Portuguesa de Matemática na Indústria

Correia, Joaquim M.C.
Fonte: Centro de Investigação em Matemática e Aplicações & Departamento de Matemática, Universidade de Évora Publicador: Centro de Investigação em Matemática e Aplicações & Departamento de Matemática, Universidade de Évora
Tipo: conferenceobject
Português
Relevância na Pesquisa
46.87%
O European Consortium for Mathematics in Industry (ECMI) e a Comissão de Matemática Aplicada da Sociedade Europeia de Matemática (EMS-AMC) criaram no final de 2013 a rede EU-MATH-IN. Esta rede, cujo lançamento oficial teve lugar em Amsterdão em Novembro, irá agrupar redes nacionais ligadas à Matemática e a Indústria. Desde Maio deste ano a comunidade matemática portuguesa tem vindo a trabalhar na formação da Rede Portuguesa de Matemática na Indústria. Todas as informações relativas a esse trabalho podem ser vistas em: http://www.mat.uc.pt/ alma/PT-MATHS-IN/. Nesta sessão pretende-se discutir as conclusões dos grupos de trabalho que se constituíram para a formalização da Rede Portuguesa de Matemática na Indústria. Todas os contributos serão bem-vindos.

Math4All : atreve-te na matemática

Barbas, Maria; Búzio, Ana; Durão, Conceição; Boryslav, João
Fonte: Barbas,M., Búzio, A., Durão, C., Boryslav, J. (2010).Math4All : atreve-te na matemática Publicador: Barbas,M., Búzio, A., Durão, C., Boryslav, J. (2010).Math4All : atreve-te na matemática
Tipo: info:eu-repo/semantics/other
Publicado em //2010 Português
Relevância na Pesquisa
46.88%
Aprender matemática é um direito básico de todas as pessoas, em especial de todas as crianças e jovens, e uma resposta a necessidades individuais e sociais. Segundo o Departamento de Educação Básica, a matemática “constitui um património cultural da humanidade e um modo de pensar, sendo a sua apropriação, um direito de todos”1. Todas as crianças e jovens devem desenvolver a sua capacidade de usar a matemática para analisar e resolver situações problemáticas, para raciocinar e comunicar, bem como a auto-confiança necessária para o fazer. O Math4All – Atreve-te na Matemática é um site desenvolvido com o principal objetivo de ajudar todas as pessoas, em especial crianças e jovens com idades compreendidas entre os 9 e os 13 anos, a aprender matemática de um modo significativo, através de actividades lúdicas e dinâmicas. A literacia matemática das/os alunas/os é determinada pelo modo como usam os conhecimentos, as capacidades e as atitudes na resolução de problemas. Assim, é necessário propor-lhes experiências diversificadas que permitam desenvolver as suas capacidades de resolução de problemas, de modo a poderem tirar partido da Matemática ao longo da vida. Este projeto aborda o tema Números e operações e respeita os objetivos gerais de aprendizagem...

Concepções de professores do 1º Ciclo do Ensino Básico: A Matemática, o seu ensino e os materiais didácticos

António, Ribeiro
Fonte: Associação de Professores de Matemática Publicador: Associação de Professores de Matemática
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //1995 Português
Relevância na Pesquisa
46.84%
Esta investigação incide sobre as concepções de professores do 1º Ciclo do Ensino Básico relativamente ao seu papel enquanto profissionais de ensino, à Matemática, ao ensino desta disciplina e ao papel que atribuem aos materiais didácticos. No contexto de um programa de formação inspirado nas perspectivas da Didáctica da Matemática e orientado para a promoção de colaboração e reflexão, pretende-se conhecer a forma como encaram, estes professores, o seu papel na construção, utilização e avaliação de materiais didácticos, bem como a forma como estes percebem as actividades colaborativas e de reflexão na construção do saber matemático. Para o efeito, definiram-se as seguintes questões: (a) Como encaram os professores o papel do material didáctico no processo de ensino/aprendizagem? (b) Como que a visão do papel dos materiais didácticos se articula numa visão mais geral sobre a Matemática e sobre o ensino da Matemática? (c) Como encaram os professores o seu papel na produção, adaptação e utilização de materiais didácticos e como é que o desempenham? (d) Quais são os obstáculos (apontados e observados) que tornam a produção de materiais uma prática difícil? Dadas as características deste estudo...

O processo histórico de disciplinarização da Metodologia do Ensino de Matemática

Ferreira,Viviane Lovatti; Santos,Vinicio de Macedo
Fonte: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática Publicador: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2012 Português
Relevância na Pesquisa
46.8%
Desde as primeiras décadas do século XX, foi constatada nos currículos dos cursos de formação de professores a existência de uma disciplina cuja constituição, funcionamento e objetivos têm como pressuposto ensinar a ensinar a matemática. Historicamente, a disciplina Metodologia do Ensino de Matemática tem aparecido nos cursos de Licenciatura em Matemática com distintas denominações. Ao longo dessas mudanças, os pressupostos e as características dessa disciplina foram se modificando. Tomando como metodologia de pesquisa a análise documental e a história oral, e como referencial teórico os estudos de André Chervel (1990), este trabalho teve como objetivo compreender o processo histórico de disciplinarização da Metodologia do Ensino de Matemática em cursos de licenciatura em Matemática de instituições públicas de ensino superior do estado de São Paulo (USP, UNICAMP e UNESP-Rio Claro), buscando conhecer a gênese e o desenvolvimento histórico da disciplina, identificando conteúdos e métodos propostos bem como as mudanças pelas quais passou a disciplina.

Quais Elementos Caracterizam uma Atividade de Modelagem Matemática na Perspectiva Sociocrítica?

Silva,Cíntia da; Kato,Lilian Akemi
Fonte: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática Publicador: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2012 Português
Relevância na Pesquisa
46.8%
A Modelagem Matemática é apontada por diversos autores como uma das tendências em Educação Matemática que pode contemplar a formação da cidadania por tratar, preferencialmente, de problemas advindos da realidade vivenciada pelos estudantes, propiciando a utilização de argumentos matemáticos para sua interpretação ou solução. A perspectiva sociocrítica da Modelagem é aquela que mais se identifica com esse propósito, contudo não tem sido explicitada nos trabalhos que relatam atividades de Modelagem com tais características. Embora diversos trabalhos apontem a presença das características gerais desta perspectiva, ela não costuma ser destacada como referência-chave no texto. Neste texto, propomos alguns elementos que caracterizam uma atividade de Modelagem Matemática, segundo a perspectiva sociocrítica, tomando por base alguns referenciais teóricos publicados no Brasil sobre este tema, e utilizamos esses elementos para analisar todos os relatos de experiência apresentados na VI Conferência Nacional sobre Modelagem em Educação Matemática segundo as características construídas.

Ser Crítico em Projetos de Modelagem em uma Perspectiva Crítica de Educação Matemática

Araújo,Jussara de Loiola
Fonte: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática Publicador: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2012 Português
Relevância na Pesquisa
46.82%
Apresento, neste artigo, uma análise de como um grupo de estudantes realizou a tarefa de desenvolver um projeto de modelagem matemática orientado pela educação matemática crítica. Especificamente, procuro compreender como o grupo interpretou o ser crítico que deles era esperado nessa tarefa. É apresentado um referencial teórico sobre modelagem na perspectiva da educação matemática crítica, enfatizando a concepção problematizadora e libertadora de educação de Paulo Freire, a compreensão de educação matemática crítica de Ole Skovsmose e o uso desses referenciais na organização de ambientes de aprendizagem de modelagem matemática. A abordagem metodológica foi qualitativa e o principal procedimento foi a análise do relatório de trabalho produzido pelo grupo. Da análise, foi possível perceber, pelo menos, duas maneiras diferentes pelas quais o grupo interpretou o que significa ser crítico: a primeira sinaliza uma inserção crítica dos educandos em sua realidade e, a segunda, que se apoiou em certezas matemáticas para chegar às conclusões do projeto.

Sobre a Pesquisa Qualitativa na Modelagem Matemática em Educação Matemática

Klüber,Tiago Emanuel; Burak,Dionísio
Fonte: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática Publicador: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2012 Português
Relevância na Pesquisa
46.88%
As pesquisas em Modelagem Matemática na Educação Matemática são realizadas há mais de três décadas no Brasil. Nesse período, é possível afirmar que há predominância da abordagem da pesquisa qualitativa. Nesse contexto, explicitamos alguns significados da pesquisa qualitativa em Modelagem Matemática na Educação Matemática no Brasil. Tais significados são descortinados sob uma abordagem fenomenológica de pesquisa, sobre a questão: como se mostra a pesquisa qualitativa em Modelagem Matemática na Educação Matemática? O solo para o qual a interrogação se direciona são os trabalhos publicados no III Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática SIPEM, realizado em 2006. As interpretações indicam fragilidades acerca do uso da abordagem qualitativa, principalmente, quanto à descrição detalhada dos procedimentos de análise, carecendo, portanto, de debates mais amplos para o avanço da pesquisa em Modelagem Matemática na Educação Matemática.

Os "Mundos da Matemática" em Atividades de Modelagem Matemática

Almeida,Lourdes Maria Werle de; Palharini,Bárbara Nivalda
Fonte: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática Publicador: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2012 Português
Relevância na Pesquisa
46.89%
As argumentações pautadas nos interesses e objetivos de alunos e professores durante o desenvolvimento de atividades de Modelagem Matemática foram sistematizadas em Kaiser e Sriraman (2006) por meio de perspectivas para a Modelagem Matemática na Educação Matemática. Considerando o propósito do nosso trabalho de investigar a Modelagem Matemática como prática favorável ao desenvolvimento do pensamento matemático de alunos, pautamos nossas discussões na perspectiva cognitivista para a Modelagem Matemática. Para abordar o pensamento matemático utilizamos os pressupostos teóricos de Dreyfus (2002) sobre o pensamento matemático de estudantes, e as caracterizações de Tall (2004) para diferentes "Mundos da Matemática". As análises empreendidas se realizam a partir do desenvolvimento de atividades de modelagem por estudantes de um curso de Licenciatura em Matemática e expressam reflexões e considerações sobre o pensamento matemático dos alunos e os processos cognitivos que mobilizaram e apontam indícios do trânsito dos alunos pelos Três Mundos da Matemática durante o desenvolvimento destas atividades. Os resultados obtidos a partir dessa análise indicam o potencial de atividades de Modelagem Matemática como desencadeadoras de processos de pensamento matemático caracterizados por Dreyfus (2002) e Tall (2004).

3+1 e suas (In)Variantes (Reflexões sobre as possibilidades de uma nova estrutura curricular na Licenciatura em Matemática)

Moreira,Plinio Cavalcanti
Fonte: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática Publicador: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2012 Português
Relevância na Pesquisa
46.82%
Uma análise atenta dos currículos da formação inicial do professor de matemática no Brasil nos leva à seguinte conclusão: a licenciatura saiu do 3+1, mas o 3+1 ainda não saiu da licenciatura. No que segue, explico o que quero dizer com isso, defendo a necessidade urgente de uma efetiva superação desse esquema na formação inicial do professor e discuto as possibilidades de implementação de uma nova estrutura nos cursos de licenciatura em matemática. Este texto, escrito para a conferência de encerramento da II Escola de Inverno em Educação Matemática (Santa Maria, RS), não é um relato de pesquisa, mas as ideias aqui desenvolvidas têm seus fundamentos em parte da literatura especializada na área de formação de professores de matemática, principalmente das três últimas décadas. Num momento em que se discutem,nacionalmente, os Referenciais Curriculares para a Formação do Professor (vide Comissão Paritária SBEM-SBM), este texto chama a atenção para as dificuldades estruturais inerentes a uma concepção curricular em que a formação matemática e as discussões de questões referentes ao ensino escolar da matemática sejam vistos como blocos de formação relativamente autonomizados.

O que é número?: produção, circulação e apropriação da Matemática Moderna para crianças

Valente,Wagner Rodrigues
Fonte: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática Publicador: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2012 Português
Relevância na Pesquisa
46.8%
O estudo aborda as mudanças nos conteúdos a serem ensinados nos primeiros anos da escola elementar. Em particular, considera o ensino de matemática. Atém-se, sobretudo, à emergência da Matemática Moderna no Brasil. De forma específica, analisa o conceito de número. Leva em consideração, como base teórico-metodológica, estudos vindos da História Cultural. Na análise realizada trata de movimentos pedagógicos anteriores ao que fica conhecido como Movimento da Matemática Moderna: o ensino tradicional, o ensino intuitivo e o escolanovismo. Em seguida, leva em conta a emergência, divulgação e apropriação de uma nova matemática escolar a partir de finais da primeira metade do século XX. O artigo orienta-se pela seguinte questão: que alterações o conceito de número sofre, na matemática escolar brasileira, em finais da década de 1950? Como resultado do estudo revela-se como se dá o processo de produção, de circulação e de apropriação de novos conteúdos elementares da matemática escolar para crianças.

Contribuições da história da matemática para a construção dos saberes do professor de matemática

Araman,Eliane Maria de Oliveira; Batista,Irinéa de Lourdes
Fonte: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática Publicador: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2013 Português
Relevância na Pesquisa
46.8%
Este artigo apresenta os resultados de uma investigação a respeito da relevância dos conhecimentos advindos de estudos da história da matemática para o processo de formação dos saberes docentes. As investigações evidenciam que os conhecimentos teóricos e metodológicos da história da matemática são importantes para a formação do professor. Tivemos como objetivo analisar e evidenciar como tais conhecimentos colaboram para a estruturação dos saberes do professor de matemática. Para isso, entrevistamos professores que vivenciaram o processo de construção e aplicação de uma proposta pedagógica, apoiada na história da matemática, em sala de aula. Por meio da análise de conteúdo, estruturamos seis categorias que evidenciam alguns saberes docentes, que fazem parte ou vão além daqueles saberes já explicitados pela literatura.

Modelagem matemática e o ensino de ajuste de funções: um caderno pedagógico

Pereira,Rudolph dos Santos Gomes; Santos Júnior,Guataçara dos
Fonte: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática Publicador: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2013 Português
Relevância na Pesquisa
46.8%
Este artigo apresenta um projeto desenvolvido com alunos formandos do Curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Estadual do Norte do Paraná, como parte integrante dos resultados de uma pesquisa do curso de Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Tecnologia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus Ponta Grossa, cujo objeto de estudo é o uso da Modelagem Matemática como estratégia de ensino e aprendizagem de Matemática. Ao longo do desenvolvimento da atividade pôde-se perceber a interação dos alunos com os demais e com o problema sugerido, tendo em vista que este retratava uma situação real bem como a (re)produção de conhecimentos matemáticos. No final do projeto, percebeu-se que a Modelagem Matemática, como estratégia de ensino e aprendizagem de Matemática, pode contribuir para o aprendizado de conceitos matemáticos e elaborou-se um Caderno Pedagógico que contém a atividade desenvolvida para ser utilizada por outros professores do Ensino Superior na contextualização de conceitos.

O lugar das matemáticas na Licenciatura em Matemática: que matemáticas e que práticas formativas?

Fiorentini,Dario; Oliveira,Ana Teresa de Carvalho Correa de
Fonte: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática Publicador: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2013 Português
Relevância na Pesquisa
46.89%
Este artigo é um ensaio que tem por objetivo problematizar e discutir o lugar da matemática na formação do futuro professor, em cursos de Licenciatura em Matemática. O ensaio é organizado em torno de duas questões básicas: de que matemática estamos falando, quando dizemos que o professor precisa saber bem matemática para ensiná-la? Que práticas formativas podem contribuir para que o futuro professor possa se apropriar dessa matemática fundamental para seu trabalho profissional? Para respondê-las, foram analisadas e problematizadas as diferentes práticas sociais do educador matemático, tentando perceber, nelas, indícios do tipo de saber matemático mobilizado e requerido. A seguir, foram trazidas algumas tentativas históricas de tratar o problema da formação matemática dos professores, tendo por base Felix Klein, Richard Courant e Bento de Jesus Caraça, e algumas pesquisas brasileiras e internacionais que têm como foco de estudo a formação matemática do professor. A partir desses estudos, o artigo destaca a existência, na formação inicial do professor de matemática, de uma quase tricotomia entre formação matemática, formação didático-pedagógica e prática profissional. Para romper com essa tradição tricotômica são sugeridas algumas mudanças em relação à prática e à pesquisa sobre formação de professores tais como: a formação do professor de matemática deve orientar-se pelas diferentes práticas sociais do educador matemático; adotar...

O lugar da matemática escolar na Licenciatura em Matemática

Valente,Wagner Rodrigues
Fonte: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática Publicador: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2013 Português
Relevância na Pesquisa
46.86%
Considerando o tema da formação matemática do futuro professor, este texto analisa a importância em se considerar os conteúdos elementares matemáticos no curso de licenciatura. Para isso, aborda a matemática escolar sob dois aspectos: epistemológico e histórico. Na abordagem, o estudo considera como aportes teóricos os textos de historiadores como André Chervel, Dominique Julia e Roger Chartier. Constituem fontes de pesquisa para a discussão estudos e investigações recentes sobre o papel da História da Matemática na formação de educadores e as potencialidades da História da educação matemática. Por fim, defende-se a inclusão da História da educação matemática como uma metodologia para a formação de professores de matemática.

Atribuições Dadas à Matemática e Ansiedade ante a Matemática: o relato de alguns estudantes do ensino fundamental

Mendes,Alessandra Campanini; Carmo,João dos Santos
Fonte: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática Publicador: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2014 Português
Relevância na Pesquisa
46.82%
O presente estudo objetivou identificar, em relato de alunos, atribuições dadas à Matemática, bem como graus de ansiedade ante a Matemática. No Estudo 1 foi aplicada a técnica brainstorming que consistiu em escrever, em uma folha de papel, tudo o que ocorre diante da palavra matemática. Participaram 57 estudantes do Ensino Fundamental, 28 do 2º ano e 29 do 6º ano. Os alunos do 6º ano atribuíram mais características negativas à Matemática do que os do 2º ano. No Estudo 2, aplicou-se uma escala de ansiedade à Matemática a quatro crianças do 6º ano, aleatoriamente selecionadas do estudo 1. Observou-se que as situações que os alunos indicaram alta ou extrema ansiedade foram aquelas em que poderiam falhar e sofrer alguma punição. São discutidos o aumento das atribuições negativas com o passar dos anos e a necessidade de metodologias que previnam a aversão à Matemática.

Contribución de la Sociedad Matemática Española a la Educación Matemática en los Veinte Primeros Años de su Fundación

Peralta,Javier
Fonte: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática Publicador: UNESP - Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Pesquisa; Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2014 Português
Relevância na Pesquisa
46.86%
Con ocasión de la reciente celebración del centenario de la fundación de la Sociedad Matemática Española, creada en 1911, se analiza en el artículo si este acontecimiento tuvo repercusiones en la educación matemática en España. Con este objetivo se han consultado la revista instituida con motivo de ese nacimiento: la Revista de la Sociedad Matemática Española, y la Revista Matemática Hispano-Americana, su sucesora. Del estudio de estas publicaciones y de otras fuentes, se concluye que, efectivamente, el nacimiento de la Sociedad Matemática Española dio un impulso a la educación matemática en España, aunque sus efectos habrían de tardar varios años en apreciarse.