Página 1 dos resultados de 151 itens digitais encontrados em 0.105 segundos

As condições que levam as mulheres soropositivas ao HIV/AIDS a abrir a privacidade de suas informações às equipes do programa saúde da família; The conditions the infected women by the HIV open its privacy in relation the information on the diagnosis of positive HIV´s result to family health program

Ferreira, Fernanda Cristina
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 22/02/2007 Português
Relevância na Pesquisa
56.02%
A aids é uma doença infecciosa que aparece na década de 1980. Desde sua descoberta até os dias atuais houve mudanças nas características das pessoas infectadas. Uma dessas mudanças foi a feminização. As mulheres devido às questões de gênero possuem singularidades na forma do enfrentamento da doença. O acompanhamento das mulheres infectadas pelo HIV é realizado principalmente, por serviços especializados de saúde. Depois da criação do Programa Saúde da Família, em 1994, e o incentivo às ações de promoção à saúde e prevenção do HIV na atenção básica, torna-se de suma importância a discussão de temas sobre bioética no caso da aids no PSF. O PSF adentra as residências das famílias e tem uma relação de maior proximidade com a comunidade, e incorpora um novo trabalhador que é o Agente Comunitário de Saúde. É a mulher infectada pelo HIV que tem o direito de decidir a quem, como, onde e quando a informação sobre sua soropositividade deve ser revelada. Este estudo teve como objetivos descrever em que condições as mulheres infectadas pelo HIV abrem sua privacidade em relação a informação sobre o diagnóstico de soropositividade a familiares, amigos e vizinhos; e identificar quais as motivações para abrir a privacidade de informações para a equipe de PSF das mulheres infectadas pelo HIV/AIDS. Trata-se de um estudo descritivo de natureza qualitativa...

Estudo da prevalência de papilomavirus humano (HPV) em urina de homens infectados pelo HIV-1 na cidade de São Paulo, Brasil; Study of prevalence of human papillomavirus HPV in urine samples of male HIV-1

Costa, Fernando Augusto Miranda da
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 06/02/2009 Português
Relevância na Pesquisa
55.85%
Introdução: O Papilomavirus Humano ( HPV) é um vírus de DNA que inclui 118 genótipos, sendo o tipo 16 responsável por 80% dos casos de câncer cervical nas mulheres. Os homens são um importante reservatório de HPV e os principais responsáveis pela transmissão às suas parceiras. Objetivo: Detectar HPV DNA e determinar a prevalência de HPV-16, 18, 6 e 11 em amostras de urina de homens infectados pelo HIV-1. Material e Métodos: Homens adultos infectados pelo HIV proveniente de clínica de Urologia/doenças sexualmente transmissíveis e clínica de HIV foram convidados a participar da pesquisa. O estudo foi conduzido entre março de 2006 e abril de 2008. Cerca de 20 ml de urine foi coletada em uma sala específica. As amostras foram submetidas a um PCR Real Time utilizando-se Sybr Green® com primers degenerados PGMY09/11 para detecção de HPV DNA. As amostras positivas, então, foram submetidas a uma PCR convencional utilizando-se primers específicos para cada tipo de HPV. Resultados: Um total de 223 homens infectados pelo HIV-1 foi testado, sendo que 81% deles utilizavam HAART. Sessenta e nove (30.9%) homens apresentaram positividade para HPV DNA na urina pelo método de PCR Real Time. Vinte e dois (31.9%) deles foram positivos para o HPV-16...

Fatores de impacto que influenciam na adesão ao preservativo por mulheres soropositivas para o HIV/com AIDS; Factors of impact that influences the use of protection by women who are HIV positive/with AIDS

Moura, Edilene Lins de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 29/03/2011 Português
Relevância na Pesquisa
55.96%
O presente estudo, com abordagem quantitativa, foi motivado pela reduzida adesão ao uso do preservativo pela mulher soropositiva ao HIV/com aids e pela gravidez indesejada. Teve como objetivo geral discriminar fatores de impacto que influenciam as ações de mulheres soropositivas ao HIV/com aids no uso de preservativos, e como objetivos específicos: construir um instrumento para avaliação de fatores de impacto no campo de interesse; identificar os fatores de impacto relacionados à adesão aos preservativos pela mulher soropositiva ao HIV/com aids; associar a situação sociodemográfica dessa mulher às variáveis de maior influência na adesão aos preservativos. Na construção do instrumento de coleta de dados, especialistas avaliaram o formulário original e emitiram sugestões que resultaram em sua reformulação. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura da Cidade de São Paulo. Os dados foram coletados no período de setembro de 2009 a setembro de 2010, por meio de entrevistas com 201 mulheres soropositivas ao HIV/com aids que frequentavam um serviço de assistência especializada em DST/aids no município de São Paulo. Os achados foram tratados estatisticamente...

Construção e validação de marcadores de vulnerabilidade de mulheres às DST/HIV na atenção básica à saúde; Construction and validation of markers for women's vulnerability to STD / HIV in primary care

Guanilo, Mónica Cecilia De la Torre Ugarte
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 30/11/2012 Português
Relevância na Pesquisa
55.92%
A prevenção da transmissão do HIV em mulheres é um desafio. O conceito de vulnerabilidade trouxe importantes avanços na análise e intervenção relacionada ao HIV/aids, pois possibilita conceber as ações de prevenção como uma resposta social perante a epidemia e não como ações pontuais. Não obstante, verifica-se limitada incorporação dos elementos da vulnerabilidade nas ações de prevenção do HIV e no seu monitoramento. Nesse sentido, este estudo, de desenvolvimento metodológico, tem como objetivo validar marcadores de vulnerabilidade de mulheres às DST/HIV, correntes na literatura, para serem aplicados na Atenção Básica à Saúde. A construção dos marcadores foi subsidiada por revisão sistemática (1996-2007) desenvolvida anteriormente, que foi atualizada neste estudo. Utilizou-se da Validação de Conteúdo para validar os marcadores. As etapas percorridas para a validação foram: Primeira Etapa- atualização da revisão sistemática (1996-2011); Segunda Etapa- seleção e construção dos instrumentos de marcadores de vulnerabilidade de mulheres às DST/HIV, que consistiu em: seleção dos elementos de vulnerabilidade de mulheres ao HIV, elaboração do Manual Operacional e Planilha de Avaliação, que continha os marcadores com seus componentes; Terceira Etapa: Validação dos Marcadores por meio da Técnica de Consenso de Especialistas...

Prevalência de deficiência/insuficiência nos níveis séricos e consumo de vitamina D e cálcio em pacientes HIV; Prevalence of deficiency/insufficiency in serum levels and intake of vitamin D and calcium in HIV patients

Sales, Stephanie Bianca Hael
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 06/11/2014 Português
Relevância na Pesquisa
55.88%
INTRODUÇÃO: Em mais de trinta anos de epidemia a Organização Mundial da Saúde (OMS) estima haver cerca de 34 milhões de pessoas vivendo com HIV no mundo (WHO, 2000). No Brasil, de 1980 a Junho de 2013 foram diagnosticados mais de 686 mil casos. Os nutrientes são constituintes dos alimentos necessários à manutenção das funções corporais normais, A Deficiência de micronutrientes é comum em portadores de HIV/AIDS, gerado pela má absorção, interação medicamentosa, estado metabólico alterado e perda de fluídos, como náusea e vômito, além da diarreia, A deficiência de vitamina D tem sido observado na ausência de tratamento antirretroviral, mas tende a ser mais comum entre os pacientes tratados com antirretrovirais. OBJETIVO: Determinar a prevalência de deficiência no consumo e níveis séricos de vitamina D e cálcio dado através da deita habitual e de exames bioquímicos. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo transversal, de uma amostra sequencial de 98 pacientes, sendo 66 homens e 32 mulheres infectados pelo HIV em acompanhamento clínico no Ambulatório de Imunodeficiências Secundárias do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo no período de Janeiro de 2012 a Fevereiro de 2014. RESULTADOS: Dentre os 98 pacientes estudados...

Prevalência, incidência, progressão e regressão das lesões intra-epiteliais do colo uterino de mulheres portadoras do HIV

Kreitchmann, Regis
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
55.95%
Objetivos Avaliar o impacto da imunodepressão causada pelo HIV, terapia antiretroviral e das características dos pacientes na ocorrência das lesões intra-epiteliais (LIE) e do câncer do colo uterino. Desenho Estudo de coorte População Desde julho de 1997 a abril de 2007, 898 mulheres HIV positivas foram avaliadas no momento da coleta do exame citopatológico no Centro de DST/AIDS da Secretaria Muncipal da Saúde de Porto Alegre. Destas, 388 mulheres realizaram exames citopatológicos adicionais durante o período do seguimento. Métodos Foram avaliadas a prevalência, incidência, progressão e regressão das lesões intra-epiteliais do colo uterino através da citologia no exame citopatológico (Papanicolau). Este exame foi coletado na linha de base e recomendado para ser repetido anualmente, se negativo, de acordo com as diretrizes nacionais. As mulheres que apresentaram lesões de alto grau ou persistências de lesões de baixo grau foram encaminhadas a colposcopia e biópsia. Resultados 898 mulheres foram arroladas e contribuíram com um exame de Papanicolau ao estudo, 388 destas mulheres realizaram pelo menos um exame adicional de Papanicolau durante as visitas do seguimento (máximo de 8 exames realizados). As características das pacientes na linha de base incluíram: cor de pele branca (68...

Avaliação do uso do condom feminino em mulheres vivendo com o HIV

Jarbas Magalhães
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 18/09/2001 Português
Relevância na Pesquisa
55.91%
Para avaliar a aceitabilidade, a adesão e a experiência com o uso de condom feminino entre mulheres contaminadas pelo HIV, do Ambulatório de Infecções Genitais-II da UNICAMP e Centro Corsini, desenvolveu-se um estudo descritivo prospectivo. As 76 mulheres que aceitaram participar responderam a uma entrevista de triagem, quando receberam um calendário para anotação das relações sexuais e uso de condom masculino. Após 30 dias, compareceram à visita de treinamento para colocação do condom feminino em modelo pélvico, trazendo o diário de relações sexuais deste ciclo, considerado controle. Foram entrevistadas através de questionário estruturado após 30, 60 e 90 dias, trazendo sempre o diário onde deveriam ser registradas as relações sexuais, com uso ou não, de um ou outro condom. A análise estatística foi realizada utilizando-se os testes de Qui-Quadrado, Exato de Fisher , McNemar e Friedman para amostras emparelhadas. A população estudada foi predominantemente constituída de mulheres jovens, de baixa escolaridade e dois terços delas moravam com o parceiro. Observaram-se altas taxas de uso (87%), continuidade (78%) e aceitabilidade (68%) do condom feminino, ao longo de 90 dias de estudo. O uso de condom feminino...

Praticas sexuais de mulheres de parceiros infectados pelo HIV : contribuições acerca da cadeia epidemiologica da transmissão do HIV/AIDS

Westrupp, Maria Helena Bittencourt
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 174f.| il. + anexos
Português
Relevância na Pesquisa
55.97%
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciencias da Saude; Contribuição para a reflexão sobre as práticas sexuais de mulheres de parceiros infectados pelo HIV, proporcionando subsídios acerca da Cadeia Epidemiológica da transmissão do HIV/AIDS. Fatores de risco comportamentais foram analisados mantendo atenção para os demais que a eles se relacionam. A população escolhida foi a que freqüentou os ambulatórios para diagnóstico e tratamento de DST/AIDS, existentes em Florianópolis, no período de 01 de junho de 1995 a 01 de abril de 1996. Foram selecionadas mulheres com o conhecimento de serem seus parceiros infectados pelo HIV e estarem convivendo sexualmente com eles num período mínimo de seis meses. Foram entrevistadas 40 (quarenta) mulheres: 24 (vinte e quatro) mulheres soropositivas e 16 (dezesseis) mulheres soronegativas, com dois ou mais testes de Elisa e Imunoflorescência para pesquisa de anti-HIV. A pesquisa foi dirigida aos aspectos das práticas sexuais enfocadas no conceito de sexo seguro do Ministério da Saúde do Brasil, antes e depois das mulheres terem conhecimento dos resultados dos exames de laboratório e/ou de seus parceiros. O estudo inclui as três práticas sexuais largamente difundidas...

Participação da rede social significativa de mulheres que vivem e convivem com o HIV no enfrentamento da soropositividade

Orlandi, Renata
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 253 p.| il., grafs., tabs.
Português
Relevância na Pesquisa
55.85%
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis, 2011; O recebimento da notícia diagnóstica, o aparecimento de sintomas e a aderência ao tratamento antirretroviral abrem precedentes para uma infinidade de mudanças no cotidiano das pessoas que vivem e convivem com o HIV. Face à revelação diagnóstica, as pessoas que vivem com o HIV podem acionar a sua rede social ou manter em segredo o seu status sorológico, tornando o enfrentamento da contaminação um processo desgastante e solitário. Haja vista a tendência mundial e também brasileira de feminização da epidemia torna-se estratégico o desenvolvimento de pesquisas voltadas para essa população. O objetivo deste estudo foi investigar como a rede social significativa de mulheres que vivem e convivem com o HIV participa do enfrentamento da soropositividade. Metodologicamente, o trabalho se caracteriza como qualitativo, transversal, descritivo e exploratório. Para a coleta de dados foram empregados a entrevista semi-estruturada, o mapa de redes e o genograma, bem como foram consultados os prontuários médicos das pessoas investigadas. Participaram do estudo mulheres infectadas pelo HIV com idades compreendidas entre 20 e 59 anos que haviam recebido o diagnóstico há mais de um ano e que apresentavam condições emocionais para lidar com o procedimento de investigação. Os dados foram coletados em um hospital de referência no tratamento de doenças infecciosas...

Avaliação da imuno-expressão da granzima B na neoplasia intra-epitelial cervical em mulheres infectadas pelo HIV

Piccinin, Klissia Pires Souza
Tipo: dissertação / dissertation
Português
Relevância na Pesquisa
65.87%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2006.; A granzima B é uma serino-protease sintetizada pelos linfócitos T citotóxicos ativados por um estímulo exógeno. O linfócito T citotóxico é o principal efetor no processo de erradicação de células infectadas por vírus e células neoplásicas. Em associação com a perforina, a granzima B induz apoptose na célula alvo. O objetivo desta pesquisa foi avaliar quantitativamente, por estudo imuno-histoquímico, a expressão linfocitária da granzima B na neoplasia intra-epitelial cervical de pacientes infectadas pelo HIV. Participaram da pesquisa 71 pacientes, sendo 36 HIV-positivo e 35 controles. A maioria das pacientes do grupo HIV-positivo apresentava contagem de células CD4>200/mm³ e utilizava terapia anti-retroviral potente. Os valores medianos para a granzima B em 20 campos de grande aumento (epiteliais e estromais) no grupo HIV-positivo e no grupo controle foram respectivamente: sem neoplasia (20,5 e 4,6), NIC I (54,0 e 40,3), NIC II e NIC III (36,0 e 58,7). Não houve diferença estatisticamente significante entre a NIC de pacientes HIV-positivo e controles. Portanto, a alta incidência e recorrência de NIC nas pacientes infectadas pelo HIV não parecem ser decorrentes de alteração na expressão linfocitária da granzima B. _______________________________________________________________________________________ ABSTRACT; Granzyme B is a serine protease synthesized in activated cytotoxic T lymphocyte after exogenous stimulation. Cytotoxic T lymphocyte are the main effector in eradication process of neoplasic cell and virus infected cell. With perforin...

Por que o Brasil ainda registra elevados coeficientes de transmissão vertical do HIV? : uma avaliação da qualidade da assistência prestada a gestantes/parturientes infectadas pelo HIV e seus recém-nascidos; Why does Brazil still report high rates of vertical HIV transmission? : an evaluation of health care quality to HIV-infected pregnant women and their children

Vasconcelos, Ana Lucia Ribeiro de; Hamann, Edgar Merchán
Fonte: Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira Publicador: Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira
Tipo: artigo / article
Português
Relevância na Pesquisa
55.82%
OBJETIVOS: avaliar a assistência prestada a parturientes HIV+ e seus recém-nascidos (RN), e determinar os coeficientes de transmissão vertical (TV) do HIV em quatro capitais brasileiras. MÉTODOS: foi realizado um estudo de coorte cuja população correspondeu a 1475 parturientes HIV+ e seus RN, assistidas de 1996 a 2003, em 17 maternidades públicas. As informações foram obtidas, retrospectivamente, a partir dos prontuários médicos e de um questionário estruturado (fase prospectiva) aplicado em 274 mulheres. RESULTADOS: quanto à assistência dispensada, verificou-se respectivamente nas fases retrospectiva e prospectiva do estudo, que cerca de 24% e 27% das gestantes não tiveram acesso sequer ao AZT oral; 19% e 10% das parturientes não receberam o AZT intravenoso; 8% e 7% dos bebês não foram medicados com o AZT solução oral. O coeficiente de TV foi de 5,6% variando de 2,9% a 7,5% nas cidades, e sendo maior no parto vaginal (8%) e na cirurgia cesariana não-eletiva (7%). CONCLUSÕES: o Programa Brasileiro de Redução da TV do HIV se revela frágil no que diz respeito à sua organização, administração e avaliação nos serviços de saúde. Para melhor entendimento dessas etapas, nos vários níveis de gestão, um modelo-guia é sugerido. _____________________________________________________________________________________________________________ ABSTRACT; OBJECTIVES: to assess the health care provided to HIV+pregnant women and their children and determine vertical transmission rates in four Brazilian capitals. METHODS: a cohort study was performed in a population of 1475 HIV+pregnant women and their children...

Estimativa do n??mero de pessoas de 15 a 49 anos infectadas pelo HIV, Brasil, 1998

Szwarcwald, Celia Landmann; Castilho, Euclides Ayres de
Fonte: Escola Nacional de Sa??de P??blica/ Funda????o Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Sa??de P??blica/ Funda????o Oswaldo Cruz
Tipo: other
Português
Relevância na Pesquisa
55.85%
1 C??lia Landmann Szwarcwald 2 Euclides Ayres de Castilho 1 . Av. Brasil 4365, Rio de Janeiro, RJ 21041-210, Brasil.celia@malaria.procc.fiocruz.br 2 . Esplanada dos Minist??rios, Bloco G, Edif??cio Sede, Sobreloja, Bras??lia, DF 70058-900, Brasil.; Neste trabalho, estima-se o n??mero de indiv??duos de 15-49 anos infectados pelo HIV no Brasil, em 1998, com base nos dados dos estudos de popula????o-sentinela em gestantes que apresentavam vi??s de sele????o da amostra. Um procedimento de componentes principais foi usado para agregar 44 munic??pios em 13 conglomerados homog??neos. Para cada conglomerado foram constru??dos dois indicadores: a) logaritmo da taxa de incid??ncia acumulada de AIDS entre mulheres de 15-34 anos de idade (1996) e b) logaritmo da raz??o de crescimento da taxa de incid??ncia m??dia de AIDS em mulheres de 15 a 34 anos, do per??odo de 1990-1992 para 1993-1996. Tendo como vari??vel resposta o logito da propor????o de gestantes infectadas pelo HIV e como vari??veis independentes os dois indicadores citados, ajustou-se uma reta de regress??o aos dados agregados. A estima????o dos par??metros do modelo permitiu calcular a propor????o de infectados por grande regi??o, por idade (15-34 e 35-49 anos) e por sexo. A estimativa por ponto foi de 536 mil adultos infectados pelo HIV com intervalo de confian??a de 68% (470.689; 603.305).

Uso de condom feminino por mulheres infectadas pelo HIV

Magalhães,Jarbas; Rossi,Andréa da Silveira; Amaral,Eliana
Fonte: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Publicador: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2003 Português
Relevância na Pesquisa
75.94%
OBJETIVO: avaliar a aceitabilidade, a adesão e a experiência com o uso de condom feminino (CF) entre mulheres infectadas pelo HIV. MÉTODO: estudo descritivo prospectivo com 76 mulheres infectadas pelo HIV atendidas no CAISM/UNICAMP e no Centro Corsini de Campinas. Após entrevista de triagem e concordando em participar, as voluntárias receberam calendário para registro das relações sexuais e uso de condom masculino (CM). Após 30 dias, compareceram à visita de treinamento com colocação do CF em modelo pélvico, trazendo o diário do ciclo anterior, considerado controle. Aplicou-se questionário estruturado após 30, 60 e 90 dias, recolhendo-se sempre o diário de registro das relações sexuais e uso de CF ou CM. Usaram-se os testes de c², exato de Fisher, McNemar e Friedman para amostras emparelhadas na análise estatística. RESULTADOS: predominaram as mulheres jovens, de baixa escolaridade, que moravam com o parceiro. Observou-se taxa de continuidade de uso de 52%, ao longo de 90 dias. O uso de CF, em metade das relações sexuais em cada período de estudo, permaneceu estável nos 90 dias. Houve significativa diminuição da proporção média das relações sexuais desprotegidas (de 14% para 6%), sem uso de CM ou CF...

Associação entre a contagem de linfócitos T CD4+ e a gravidade da neoplasia intra-epitelial cervical diagnosticada pela histopatologia em mulheres infectadas pelo HIV

Zimmermmann,Juliana Barroso; Melo,Victor Hugo; Castro,Lúcia Porto Fonseca de; Alves,Márcio José Martins; Zimmermmann,Sebastião Guerra; Del Castillo,Dora Mendez
Fonte: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Publicador: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2006 Português
Relevância na Pesquisa
65.84%
OBJETIVO: avaliar a associação entre a contagem de linfócitos T CD4+ e a gravidade da neoplasia intra-epitelial cervical em pacientes HIV positivas. MÉTODOS: estudo transversal no qual foram incluídas 87 pacientes infectadas pelo HIV, confirmado por testes sorológicos prévios. Todas eram portadoras do HPV cervical, diagnosticado por meio da reação em cadeia da polimerase. Foram realizados anamnese, exame físico e colposcopia de todas em pacientes. A biópsia do colo uterino foi realizada quando indicada pelo exame colposcópico. Os resultados histopatológicos foram classificados com neoplasia intra-epitelial de baixo grau (NIC I) ou de alto grau (NIC II e II). A associação entre a contagem de linfócitos T CD4+ e a gravidade da lesão foi verificada por meio da comparação de médias utilizando a análise da variância (ANOVA). RESULTADOS: entre as 60 pacientes biopsiadas foram encontrados 24 casos (40,0%) com NIC I, oito (13,3%) NIC II, três (5%) NIC III, 14 (23,3%) pacientes somente com cervicite crônica e 11 (18,3%) apresentando efeito citopático produzido pelo HPV, mas sem perda da polaridade celular. Isso equivale a 35 mulheres com lesão intra-epitelial de baixo grau (NIC I + HPV) (58,3%) e 11 (18,3%) com lesão intra-epitelial de alto grau (NIC II + NIC III). A associação entre a média da contagem de linfócitos T CD4+ e a gravidade da lesão intra-epitelial cervical não foi significativa (p=0...

Contracepção hormonal e anti-retrovirais em mulheres infectadas pelo HIV

Amaral,Eliana; Viscola,Marco Aurélio Martino; Bahamondes,Luis
Fonte: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Publicador: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2006 Português
Relevância na Pesquisa
65.83%
Há controvérsia sobre a relação entre o uso de contraceptivos hormonais e o risco de adquirir o vírus da imunodeficiência humana (HIV), e pouco se sabe sobre os efeitos da contracepção hormonal em mulheres infectadas (efeitos colaterais, distúrbios menstruais, progressão da doença, interações com terapias anti-retrovirais). O objetivo deste artigo foi revisar os dados disponíveis quanto à vulnerabilidade ao HIV e à sua transmissibilidade na vigência do uso de contraceptivos hormonais bem como as conseqüências potenciais do uso desses contraceptivos por mulheres HIV-positivas sob terapia anti-retroviral (TARV), com ênfase nas interações medicamentosas. Concluiu-se que ainda não é possível elaborar recomendações, baseadas em evidências, sobre a contracepção hormonal em mulheres portadoras do HIV sob TARV. Assim, os infectologistas e os ginecologistas devem estar atentos às interações potenciais que possam representar aumento de efeitos adversos, individualizando a orientação sobre os esteróides contraceptivos, suas doses e vias de administração, considerando a TARV em uso.

Uso de drogas ilícitas por gestantes infectadas pelo HIV

Melo,Victor Hugo; Botelho,Ana Paula Machado; Maia,Marcelle Marie Martins; Correa Júnior,Mário Dias; Pinto,Jorge Andrade
Fonte: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Publicador: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2014 Português
Relevância na Pesquisa
65.72%
OBJETIVO: Determinar se o uso de drogas ilícitas aumenta a transmissão vertical do HIV, identificar os fatores de risco envolvidos na saúde materno-infantil e a prevalência do uso de drogas entre essas gestantes. MÉTODOS: Entre 845 gestantes da região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, atendidas no serviço entre outubro de 1997 e fevereiro de 2012, 64 (7,6%) afirmaram usar drogas ilícitas. Os casos são as gestantes HIV positivas usuárias de drogas ilícitas (n=64) e os controles as não usuárias (n=192). Para cada caso foram selecionados três controles. Consideraram-se as diferentes exposições/condições no grupo controle como: tabagismo; etilismo; uso de tabaco e álcool; idade materna; escolaridade; etnia; e estado civil. Foram investigadas também intercorrências no pré-natal, parto e puerpério, taxa de transmissão vertical e resultados neonatais. RESULTADOS: As variáveis com significância estatística na análise univariada foram: idade materna; uso de tabaco; número de consultas de pré-natal; tipo de terapia antirretroviral; forma de contágio e carga viral na época do parto. A regressão logística mostrou como significantes: idade materna (menores de 25 anos), uso de tabaco e o número de consultas de pré-natal (menos de 6). A transmissão vertical entre usuárias foi de 4...

Estimativa do número de pessoas de 15 a 49 anos infectadas pelo HIV, Brasil, 1998

Szwarcwald,Célia Landmann; Castilho,Euclides Ayres de
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2000 Português
Relevância na Pesquisa
55.85%
Neste trabalho, estima-se o número de indivíduos de 15-49 anos infectados pelo HIV no Brasil, em 1998, com base nos dados dos estudos de população-sentinela em gestantes que apresentavam viés de seleção da amostra. Um procedimento de componentes principais foi usado para agregar 44 municípios em 13 conglomerados homogêneos. Para cada conglomerado foram construídos dois indicadores: a) logaritmo da taxa de incidência acumulada de AIDS entre mulheres de 15-34 anos de idade (1996) e b) logaritmo da razão de crescimento da taxa de incidência média de AIDS em mulheres de 15 a 34 anos, do período de 1990-1992 para 1993-1996. Tendo como variável resposta o logito da proporção de gestantes infectadas pelo HIV e como variáveis independentes os dois indicadores citados, ajustou-se uma reta de regressão aos dados agregados. A estimação dos parâmetros do modelo permitiu calcular a proporção de infectados por grande região, por idade (15-34 e 35-49 anos) e por sexo. A estimativa por ponto foi de 536 mil adultos infectados pelo HIV com intervalo de confiança de 68% (470.689; 603.305).

Cotidiano de mulheres após contágio pelo HIV/AIDS: subsídios norteadores da assistência de enfermagem

Silva,Lucilane Maria Sales da; Moura,Maria Aparecida Vasconcelos; Pereira,Maria Lucia Duarte
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós Graduação em Enfermagem Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós Graduação em Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2013 Português
Relevância na Pesquisa
55.88%
A pesquisa trata de compreender o cotidiano de mulheres após contágio do HIV/aids como subsídios norteadores da assistência de enfermagem. Pesquisa qualitativa, com participação de 39 mulheres que estavam em atendimento ambulatorial para HIV em Fortaleza-CE. Os dados foram coletados por meio de entrevistas e analisados por Análise de Conteúdo. Dos resultados, emergiu uma categoria: mudanças no cotidiano das mulheres após contágio pelo HIV, com três subcategorias: mudanças no âmbito afetivo familiar; modificações no contexto social, trabalho, lazer; novos hábitos cotidianos com vistas à qualidade de vida. Ao término do estudo, evidenciamos que a mulher soropositiva vivencia situações de abandono familiar, isolamento social, estagnação das atividades laborais e lazer devido ao estigma da doença. Os depoimentos demonstraram redução ou abandono da bebida, do fumo e das práticas sexuais desprotegidas. Os resultados sinalizam para enfermagem ações assistenciais que contemplem questões biopsicossocioespirituais.

Carga viral vaginal de HIV em mulheres brasileiras infectadas pelo HIV

Campos,Angela; Amaral,Eliana; Levi,José Eduardo; Portugal,Priscila; Villarroel,Marina; Bezerra,Karina C.; Silva,Marcos T. Nolasco da; Morais,Sirlei Siani
Fonte: Associação Médica Brasileira Publicador: Associação Médica Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2008 Português
Relevância na Pesquisa
55.83%
OBJETIVO: Avaliar os fatores associados à presença de RNA-HIV na vagina. MÉTODOS: Estudo de corte transversal, em mulheres infectadas por HIV, excluindo-se aquelas com antecedente de histerectomia, as em uso de medicações vaginais nas últimas 48 horas, as que se referiram à relação sexual desprotegida há menos de 72 horas, as gestantes e aquelas com sangramento genital. Após consentimento, coletou-se amostra sanguínea para contagem de linfócitos T CD4 e carga viral plasmática de HIV, além de lavado vaginal com 10mL de solução salina, que foi centrifugado, aliquotado e armazenado em freezer -70°C para posterior quantificação de RNA-HIV livre. A mensuração de carga viral de RNA-HIV livre plasmática e vaginal foi realizada utilizando-se o kit HIV Monitor v1.5 Cobas Amplicor®, Roche. Pesquisou-se a presença de HPV de alto e baixo risco, clamídia e gonococo por Captura Híbrida II®, Digene, em amostra endocervical. Colheu-se amostra vaginal para bacterioscopia com coloração de Gram, utilizando-se os critérios de Nugent. RESULTADOS: Entre as 200 mulheres estudadas, 73,5% usavam terapia anti-retroviral (TARV) com drogas múltiplas. O RNA-HIV foi detectável no lavado vaginal de 18 delas (9%), mas em apenas uma daquelas que tinham carga viral plasmática indetectável (0...

A Prevenção do HIV / AIDS segundo o olhar das mulheres: o caso do Grupo de Direitos Reprodutivos em Juiz de Fora / MGª

Paiva,Elenir Pereira de; Motta,Maria Catarina Salvador da
Fonte: Universidade Federal do Rio de Janeiro Publicador: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2006 Português
Relevância na Pesquisa
55.86%
O estudo teve como objeto as práticas de prevenção do HIV na visão de mulheres participantes do Grupo de Direitos Reprodutivos¹ pois, apesar das diversas campanhas dirigidas à prevenção, as estatísticas indicam aumento significativo de mulheres infectadas pelo HIV. Os objetivos foram: 1) identificar as informações que as participantes do Grupo de Direitos Reprodutivos possuem sobre as formas de prevenção contra HIV/AIDS; 2) identificar estratégias de prevenção contra o HIV/AIDS que as mulheres do Grupo de Direitos Reprodutivos adotam em sua prática sexual; 3) analisar as formas de prevenção contra o HIV/AIDS adotadas pelas mulheres do Grupo de Direitos Reprodutivos no Departamento de Urgência e Emergência Norte (DUEN) em Juiz de Fora- MG. Metodologia: privilegiou-se a pesquisa qualitativa, sob a forma de estudo de caso², oriundas do grupo de discussão mencionado. Para coleta de dados, empregou-se a entrevista semi-estruturada, juntamente com observação participante³ com registro em diário de campo. Os resultados sugerem que as participantes ainda mantêm perplexidades quanto às formas de transmissão do HIV, prosseguem representando a AIDS como doença perigosa e incurável4 e, a despeito de valorizarem o preservativo como mecanismo de prevenção...