Página 1 dos resultados de 4844 itens digitais encontrados em 0.027 segundos

Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças do Nordeste Transmontano

Vasques, Catarina; Mota,Maria Paula; Correia, Teresa; Lopes, Vítor P.
Fonte: Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade Publicador: Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade
Tipo: conferenceobject
Português
Relevância na Pesquisa
46.92%
Um estilo de vida fisicamente activo é factor de prevenção de uma série de doenças crónicas, tendo um efeito benéfico no controlo da sobrecarga ponderal. Objectivo: averiguar a prevalência de excesso de peso e obesidade em crianças e jovens de ambos os sexos com idades compreendidas entre os 6 e os 14 anos. Métodos: a amostra foi constituída por 203 crianças, sendo 89 do sexo feminino e 114 do sexo masculino, com a idade média de 9,85 anos. Foram efectuadas medições de altura e peso para obtenção do índice de massa corporal (IMC =kg/m2). Para definir sobrepeso e obesidade foram utilizados os valores de corte propostos por Cole (2000). Resultados: no total da amostra estudada 63,5% das crianças eram normo-ponderais, 24,1% apresentaram sobrepeso e 12,3% eram obesas. Relativamente ao excesso de peso os indivíduos do sexo masculino apresentaram uma percentagem de 22,8%, já nos indivíduos do sexo feminino foi de 25,8%, quanto aos valores de obesidade as meninas revelaram valores percentuais inferiores aos meninos 11,2% e 13,2% respectivamente. A maior percentagem de crianças a deslocar-se a pé para a escola são do sexo masculino, no entanto também são os meninos que passam mais horas a ver televisão e a jogar vídeo jogos. Conclusões: o presente estudo revelou que os valores percentuais de excesso de peso em crianças da região de Trás-os-Montes são muito semelhante à prevalência a nível nacional. Pode dizer-se que os altos valores encontrados alertam para a necessidade de se aumentar os cuidados com esta epidemia...

Um perfil das crianças/adolescentes com obesidade num estudo de intervenção

Correia, Teresa; Lopes, Vítor P.; Vasques, Catarina
Fonte: Endocrinologia Diabetes & Obesidade Publicador: Endocrinologia Diabetes & Obesidade
Tipo: conferenceobject
Português
Relevância na Pesquisa
46.92%
Identificar um perfil dos factores de risco coronário numa amostra de crianças/adolescentes observados num estudo de intervenção na cidade de Bragança. Métodos: Foram estudadas 19 crianças com sobrepeso e obesidade entre os 6 e os 14 anos de idade visando a detecção dos níveis séricos de colesterol (CT), lipoproteínas de baixa densidade (LDL-C), alta densidade (HDL-C) e trigliceridios (TG). O sobrepeso e a obesidade foram determinados de acordo com os valores de corte IOTF para o IMC. Os valores de referência para os parâmetros laboratoriais foram seguidos os do National Cholesterol Education Program (NCEP). Obtida a autorização dos pais, por escrito, para a realização dos exames laboratoriais, foram convidados a levar os seus filhos a um laboratório, com o qual havia um protocolo de colaboração, onde deveriam deslocar-se da parte da manhã após um jejum de doze horas. Resultados: Do total, foram identificadas 47,4% crianças/adolescentes com sobrepeso e 52,6% com obesidade sendo a prevalência maior no sexo feminino. Aproximadamente 6% destas crianças/adolescentes ingerem apenas três ou menos refeições por dia, sendo que 16,6% apresenta uma ingestão calórica total diária superior a 2000 calorias. A hipertensão arterial sistólica verificou-se em 10...

Obesidade e sintomatologia depressiva em estudantes do ensino superior

Correia, Teresa; Afonso, Iolanda Lígia
Fonte: Sociedade Portuguesa para Estudo da Obesidade Publicador: Sociedade Portuguesa para Estudo da Obesidade
Tipo: conferenceobject
Português
Relevância na Pesquisa
46.77%
A obesidade e a depressão são dos problemas mais graves de Saúde Pública nos países ocidentais. Analisar a associação entre estado nutricional e apresentação de sintomatologia depressiva em jovens que frequentam o Ensino Superior. Material e métodos: Estudo transversal numa amostra de 394 alunos do ensino superior no ano letivo de 2010/2011. Foi aplicado um questionário de qualidade de vida e saúde, com a escala de CES-D e dados antropométricos auto-reportados. Da população estudada a maioria é do sexo feminino (87,8%), frequenta o 1.º ano de licenciatura (38,1%), tem uma média de idades de 20 anos. Relativamente ao estado nutricional, 14,7% dos estudantes apresentam sobrepeso, sendo que 3,1% são obesos. Quanto à sintomatologia depressiva a população estudada revelou um risco de depressão de 37,4%, sendo mais prevalente nas mulheres (40,6%) que nos homens (14,6%). A probabilidade das estudantes femininas apresentarem quadro clínico de depressão é 4 vezes superior comparativamente com a dos homens OR= 0,25 (IC95 0,109-0,573). A população com sobrepeso apresenta uma prevalência elevada de risco de depressão, representando mais de um terço destes indivíduos (35,1%) sendo superior à prevalência da população eutrófica (34...

Prevalência de sobrepeso e obesidade em jovens escolares masculinos da Ilha Terceira

Nunes, Carla Alexandra Ramos da Silva
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
37.11%
A obesidade é um dos males mais presentes na sociedade contemporânea, denominado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a epidemia global. Vários estudos relatam que esta epidemia se correlaciona mais com a diminuição dos hábitos de actividade física das populações, do que com o aumento médio de ingestão calórica. Deste modo pode-se considerar que a obesidade é uma doença complexa, multifactorial, na qual ocorre uma sobreposição de factores genéticos, comportamentais e ambientais. Hoje em dia, as crianças já não brincam como antigamente e deste modo associam-se aos problemas do mundo moderno. Com a popularização da televisão, computadores e jogos electrónicos, estas tornam-se cada vez mais inactivas. Os jovens de hoje são muito mais sedentários, passando mais tempo sentados em aulas, a estudar, a ver televisão, no computador ou em consolas de vídeo-jogos. O objectivo do presente estudo foi determinar a prevalência de sobrepeso e obesidade em jovens escolares masculinos da Ilha Terceira. A rede escolar restringiu-se à Ilha Terceira, mais precisamente a 12 escolas locais, entre Maio e Dezembro de 2008. A amostra foi composta por 453 jovens do sexo masculino e idades compreendidas entre os oito e os dezasseis anos. As variáveis do estudo foram: a massa corporal...

Prevalência de sobrepeso e obesidade em jovens escolares femininos da Ilha Terceira

Coelho, Paula Dias Azevedo Albuquerque
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
37.11%
A obesidade é considerada um problema de saúde pública, a nível mundial, e pela OMS, uma epidemia global. O sobrepeso/obesidade e as suas consequências têm ameaçado a longevidade, cada vez mais cedo, e têm-se estabelecido devido a hábitos inadequados de vida. Este estudo surgiu não só da necessidade de se aprofundar o conhecimento relativo a esta doença crónica, assim como da sua utilidade no âmbito da saúde pública; tendo-se definido como objectivo principal descrever a prevalência de sobrepeso e obesidade em 458 jovens femininos, com idades compreendidas entre os 8 e os 16 anos, pertencentes a 12 escolas da Ilha Terceira. Após concretizada a abordagem institucional, as avaliações foram realizadas durante as aulas de Educação Física, variando entre as 08h00 e as 18h00, no período de Maio a Dezembro de 2008. A análise foi realizada com dados da massa corporal e estatura para o cálculo do IMC, além da espessura da prega tricipital. O estado de crescimento foi calculado através da estatura para a idade e massa corporal para a idade. Para definição de sobrepeso e obesidade foi utilizado o IMC, de acordo com os critérios publicados pelo Cole et al. (2000), CDC e Must et al. (1991a,b) e a prega tricipital...

Obesidade visceral como doença inflamatória e sua relação com o fígado gordo não alcoólico, cancro do cólon e doença de Chron

Fraga, Francisco Manuel Archer de Meneses Castro.
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
37.12%
Este trabalho, em forma de artigo de revisão, terá como finalidade fazer uma síntese sobre o papel da obesidade visceral na doença coronária e em doenças do foro gastroenterológico, nomeadamente o fígado gordo não alcoólico e o cancro cólo-rectal. Também se abordarão aspectos da obesidade visceral enquanto doença inflamatória e o papel da gordura mesentérica na doença de Crohn. Estudos apontam para que a obesidade seja uma doença inflamatória. O tecido adiposo deixou de ser considerado apenas como um tecido de armazenamento da gordura do organismo, sendo actualmente reconhecido como um órgão com funções endócrinas e imunitárias. Diversas adipocinas têm sido implicadas. A obesidade visceral refere-se à acumulação de gordura intra-abdominal, nomeadamente no bordo dorsal dos intestinos, peritoneu e superfície ventral dos rins. A obesidade visceral tem sido muito implicada no síndrome metabólico, com a insulinoresistência a ocupar um lugar de destaque Considerada como uma epidemia do mundo ocidental, a obesidade foi desde longa data considerada como factor de risco cardiovascular. A obesidade visceral é factor de risco para doença coronária uma vez que está associada a hipertensão arterial, diabetes e dislipidémia. Para além da obesidade na avaliação do risco cardiovascular...

Obesidade induzida por consumo de dieta: modelo em roedores para o estudo dos distúrbios relacionados com a obesidade; Diet-induced obesity: rodent model for the study of obesity-related disorders

Rosini, Tiago Campos; Silva, Adelino Sanchez Ramos da; Moraes, Camila de
Fonte: Associação Médica Brasileira Publicador: Associação Médica Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
37.11%
A obesidade vem aumentando significativamente em todo o mundo, e os fatores ambientais, como o consumo excessivo de alimentos e o sedentarismo, são os principais fatores relacionados com a gênese dessa doença. Em animais de laboratório, a gênese da obesidade está relacionada, em sua maioria, com mutações genéticas, porém esse modelo é muito distante do encontrado nos humanos. A adoção de dietas hipercalóricas ou hiperlipídicas vem sendo utilizada como modelo de indução da obesidade em animais, devido à sua semelhança com a gênese e às respostas metabólicas decorrentes da obesidade em humanos. Assim, o objetivo dessa revisão de literatura é apresentar os diferentes tipos de dietas utilizadas para a indução da obesidade em roedores, as modificações metabólicas induzidas e identificar alguns cuidados que devem ser tomados para que esse modelo seja eficaz para o estudo das complicações relacionadas com a obesidade. Realizou-se busca na base de dados PubMed utilizando as expressões: 1-"hipercaloric diet" AND "rodent", 2- "hiperlipidic diet" AND "rodent", sendo selecionadas aquelas consideradas mais relevantes a partir dos critérios: data de publicação (1995-2011), a utilização de animais wild type, a descrição detalhada sobre a dieta utilizada e a análise de parâmetros bioquímicos e vasculares de interesse. Foram inseridas referências para introduzir assuntos como o aumento da prevalência da obesidade e questões relacionadas com a gênese da obesidade em humanos. Podemos considerar eficiente o modelo de obesidade induzida por dieta em roedores quando o objetivo é o estudo da fisiopatologia das complicações metabólicas e vasculares associadas à obesidade.

Fatores dietéticos associados à obesidade abdominal: estudo transversal de base populacional em nipo-brasileiros de Bauru; Dietary factors associated with abdominal obesity: cross-sectional population based study among Japanese-Brazilian from Bauru, SP

Cristofoletti, Maria Fernanda
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 12/03/2008 Português
Relevância na Pesquisa
37.15%
Introdução: A obesidade abdominal associa-se ao risco para diabetes mellitus tipo 2 (DM) e doença cardiovascular (DCV). Entre os fatores associados à obesidade abdominal, destaca-se o importante papel da dieta. Objetivo: O presente estudo investigou a associação entre fatores dietéticos e adiposidade em nipo-brasileiros de Bauru, Estado de São Paulo. Métodos: Para o presente estudo, 772 participantes (329 homens e 443 mulheres) com idade entre 30-92 anos foram analisados em inquérito transversal de base populacional. Um questionário quantitativo de freqüência alimentar validado para essa população foi empregado para avaliar a dieta habitual. Índice de massa corporal (IMC, em kg/m2) e circunferência de cintura (CC, em cm) foram classificados de acordo com critérios da Organização Mundial de Saúde para a população asiática (obesidade geral IMC >= 25kg/m2; obesidade abdominal CC >= 90 cm para homens e >= 80 cm para mulheres). Modelos de regressão logística múltiplos foram utilizados na comparação entre o menor e o maior tercil de consumo alimentar em relação ao risco associado para obesidade abdominal, obesidade geral ou obesidade geral com obesidade abdominal, após ajuste para co-variáveis sócio-demográficas...

Soro Amilóide A (SAA) e Adiponectina : caracterização no câncer de mama na pós-menopausa e relação com obesidade; Serum Amyloid A (SAA) and Adiponectin : characterization in postmenopausal breast cancer relationship with obesity

Aline Barros Santana
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 16/02/2012 Português
Relevância na Pesquisa
37.11%
A obesidade tem aumentado consideravelmente nas últimas cinco décadas em todo mundo. A Organização Mundial de Saúde estima que pessoas com sobrepeso ultrapassem a casa do bilhão e que cerca de 300 milhões sejam obesas. No contexto da inflamação crônica presente na obesidade, as adipocinas SAA e adiponectina, que possuem funções antagônicas, têm demonstrado notável destaque na literatura e ambas também têm sido associadas com o desenvolvimento e prognóstico do câncer de mama. No presente estudo foi investigada a associação entre obesidade, SAA e adiponectina em portadoras de câncer de mama na fase pós-menopausa e suas relações com as características clínico-patológicas dos tumores. Para esta investigação as pacientes participantes do estudo foram divididas em dois grupos: o primeiro grupo foi composto por mulheres com sobrepeso/obesidade e presença de gordura abdominal e o segundo grupo por mulheres não-obesas, com ausência de gordura abdominal. Os dados encontrados demonstraram que as concentrações séricas de SAA foram maiores em pacientes com sobrepeso/obesidade e que essa elevação foi dependente da obesidade, aqui caracterizada tanto pelo índice de massa corpórea (IMC) quanto pela circunferência abdominal (CA). Concentrações mais elevadas de SAA foram também observadas em portadoras de tumores com ausência de expressão de receptores de estrógeno (RE-)...

Incidência e fatores associados ao sobrepeso/obesidade em crianças assistidas por unidades de educação infantil de Florianópolis/SC

Menezes, Caroline Franz Broering de
Tipo: dissertação (mestrado) Formato: 95 p.| grafs., tabs.
Português
Relevância na Pesquisa
37.16%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Nutrição, Florianópolis, 2011; Introdução: O desenvolvimento do sobrepeso e obesidade é considerado um importante problema de saúde pública. Estudos internacionais e nacionais confirmam que o sobrepeso/obesidade tem se tornando um dos principais problemas de nutrição também em crianças menores de seis anos. No entanto, poucos são os estudos que avaliam mudanças longitudinais no estado nutricional de crianças em idade pré-escolar. Objetivo: Avaliar a incidência de sobrepeso/obesidade e fatores associados em crianças com até seis anos de idade em dois anos de acompanhamento. Métodos: Estudo longitudinal com uma coorte de pré-escolares (n = 242), de sete Unidades de Educação Infantil públicas de Florianópolis (SC), acompanhados entre abril de 2008 e abril de 2010. O desfecho foi o sobrepeso/obesidade (escore-z >+2) avaliado pelo índice de massa corporal para idade e sexo, comparado às novas curvas da Organização Mundial de Saúde de 2006 e 2007, e mensurado por meio da incidência acumulada. As variáveis independentes analisadas foram: sexo (feminino e masculino), faixa etária (? a 2 anos ou > 2 anos)...

Prevalência e fatores associados à obesidade central em escolares de Santa Catarina

Feltrin, Gabriella Bettiol
Tipo: dissertação (mestrado) Formato: 128 p.| il., tabs.
Português
Relevância na Pesquisa
37.11%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Nutrição, Florianópolis, 2013.; Objetivo: Estimar a prevalência e verificar os fatores sociodemográficos e de consumo alimentar associados à obesidade central em escolares de 6 a 10 anos de idade do Estado de Santa Catarina, Brasil. Método: Trata-se de um estudo transversal, realizado com 4.963 escolares matriculados em escolas públicas e privadas de oito municípios do Estado. Foram aferidas as medidas antropométricas dos alunos na escola e os dados sociodemográficos foram obtidos a partir de questionário enviado aos pais. O consumo alimentar dos escolares foi avaliado por meio de um questionário alimentar do dia anterior (QUADA). As variáveis independentes foram: sexo (masculino e feminino); idade (6 - 7 anos e 8 - 10 anos); rede de ensino (pública e privada); escolaridade materna (0 ? 8 anos de estudo, 9 - 11 anos de estudo, 12 anos ou mais); estado nutricional do escolar segundo o índice de massa corporal - IMC (com excesso de peso = escore-z +1 e sem excesso de peso - < escore-z +1); consumo de alimentos protetores (adequado - 6 vezes ao dia e inadequado - = 5 vezes ao dia); consumo de alimentos de risco (adequado - < 3 vezes ao dia e inadequado - = 3 vezes ao dia); número de refeições realizadas ao dia (= 3 refeições ao dia e = 4 refeições ao dia). A variável dependente foi obesidade central investigada por meio da medida da circunferência da cintura e classificada de acordo com percentis...

A obesidade como expressão de questão social : nutrição e estigma

Mortoza, Andréa Sugai
Tipo: tese / thesis
Português
Relevância na Pesquisa
37.16%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Serviço Social, Programa de Pós-Graduação em Política Social, 2011.; Este trabalho trata do problema da obesidade enquanto uma construção sócio-cultural e ideológica, considerando os modelos da arena pública e suas implicações. Examina-se a obesidade por três abordagens: (a) obesidade como uma concepção moral; (b) obesidade como uma concepção de doença ou medicalização da obesidade e (c) obesidade como uma concepção politicamente aceitável ou de não-medicalização da obesidade. Utilizase o método qualitativo, construtivista social e a teoria por modelos conhecida como “framing”, baseando-se em documentos públicos. Considera-se inicialmente um panorama da obesidade a partir de uma perspectiva internacional, na qual a situação nacional é analisada. Verifica-se então como a discussão atual sobre a obesidade no país está condicionada pelo debate da fome. Outro resultado diz respeito à demanda por uma análise da obesidade mais ampla, contemplando a cultura da alimentação e o gerenciamento da interface humana com o ambiente físico, econômico e sociocultural. Devido a estreita relação com a comida...

Obesidade na adolescência: um olhar sobre os conhecimentos e opiniões dos alunos do 2º e 3º ciclos

Pereira, Helena Cristina Figueiredo Lopes
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
37.12%
Dissertação de Mestrado em Enfermagem Comunitária; A obesidade é uma doença crónica, multifatorial e multisistémica. Emergiu como a nova doença crónica ao longo das últimas duas décadas, constituindo um grave problema de saúde pública. Na idade pediátrica, a prevalência da obesidade tem também vindo a aumentar em termos globais, sendo atualmente considerada a doença crónica mais comum nesta idade. Atualmente, mais de 300 milhões de indivíduos são considerados obesos e 1,2 biliões, ou seja, 34% da população mundial, é considerada como tendo excesso de peso (OMS, 2006). A Organização Mundial de Saúde (2006), colocou a obesidade entre os dez principais fatores de risco para a saúde nos dias de hoje, considerando a prevenção da epidemia como um desafio prioritário da saúde pública. A prevalência da obesidade em muitos países está acima do limiar crítico de 15% estabelecido pela OMS para situações epidémicas e a necessitar de intervenção. Durante a adolescência, o excesso de peso e a obesidade constituem frequentemente uma sobrecarga ao processo de desenvolvimento, podendo resultar em problemas psicossociais graves. Com este estudo pretendeu-se identificar os conhecimentos e opiniões dos alunos do 2º e 3º ciclos acerca da obesidade. Metodologicamente...

Custos socioeconómicos da obesidade : estudo de caso

Correia, Paula Cristina
Tipo: info:eu-repo/semantics/other
Publicado em //2013 Português
Relevância na Pesquisa
37.12%
RESUMO - A prevalência da obesidade tem vindo a aumentar em alguns países, registando-se um aumento mais acentuado na última década. Os fatores socioeconómicos podem influenciar a obesidade, e alguns estudos apontam para uma maior prevalência de obesidade entre os indivíduos com um nível socioeconómico mais baixo. Com o aumento de peso, aumenta também o risco das doenças associadas à obesidade, como a hipertensão arterial, a diabetes, e diversos tipos de cancro, aumentando também o risco de morte prematura. A obesidade tornou-se assim num problema de saúde pública implicando grandes consequências económicas, para a sociedade em geral e para os indivíduos. A implementação de estratégias de prevenção e redução da incidência e prevalência de obesidade poderiam trazer ganhos de saúde à população e reduzir os custos económicos com tratamentos e medicamentos, que representam uma grande fatia dos custos com estes doentes. Objetivo: Estimar os custos diretos e indiretos da obesidade, na perspetiva da sociedade, numa amostra de doentes inscritos no Programa de Tratamento Cirúrgico de Obesidade, no ano 2012. Metodologia: Foi aplicado um instrumento de colheita de dados, desenvolvido especificamente para este trabalho...

Obesidade e papel da leptina e grelina na sua patogénese :

Ferreira, Ana Catarina Moutinho
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em /08/2008 Português
Relevância na Pesquisa
37.14%
A prevalência da obesidade tem aumentado progressivamente por muitos países do Mundo. O seu tratamento é imprescindível, pois ela está associada ao aparecimento de diversas patologias. Entre as várias opções terapêuticas para a obesidade, o tratamento clínico é fundamental, sendo mesmo uma parte integrante do tratamento cirúrgico; tem como objectivo mudar o estilo de vida do indivíduo obeso, melhorando o seu padrão alimentar e também estimulando a práctica de actividade física. Para isso, é necessário identificar as falhas no comportamento alimentar do paciente, bem como outros erros nos seus hábitos de vida. Não existem evidências que indiquem qual a composição mais adequada da dieta, no âmbito de promover uma maior perda de peso; porém, uma alimentação equilibrada parece promover mais saúde e bem-estar do que dietas altamente restritivas em algum tipo de nutriente, e ser igualmente eficaz em promover perda de peso. Apesar de ser uma das doenças metabólicas mais antigas da humanidade, as opções farmacológicas para o tratamento da obesidade são limitadas e apresentam diversos efeitos colaterais. As descobertas relativamente recentes das hormonas leptina e grelina têm estimulado a investigação e a descoberta de várias novas hormonas e outras substâncias relacionadas com a saciedade...

Obesidade : revisão bibliográfica

Esteves, Pedro Filipe Correia da Silva de Sá
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em /06/2011 Português
Relevância na Pesquisa
37.12%
Introdução: A obesidade é um assunto que nos dias de hoje merece especial destaque pela sua crescente prevalência entre a população mundial, incluindo as crianças, que desde cedo são afectadas por esta patologia correndo graves riscos de desenvolverem futuras comorbilidades. Esta é considerada a “Síndrome do Novo Mundo”, a epidemia do século XXI. Embora haja uma predisposição genética, esta é uma doença multifactorial que resulta da interacção complexa entre factores genéticos, metabólicos, hormonais, ambientais comportamentais e culturais. Hiperfagia, consumo excessivo de lípidos e hidratos de carbono e sedentarismo são factores implicados na sua fisiopatologia. O excesso de peso (definido como um índice de massa corporal [IMC] de 25 kg/m2 ou mais) e a obesidade (IMC maior que 30 kg/m2) são a 5ª principal causa de morte a nível mundial e indiscutivelmente a maior causa de mortalidade evitável a seguir ao consumo tabágico, pelo que é fulcral unir esforços no sentido de travar esta tendência. A obesidade está associada a um risco aumentado de várias doenças: doença arterial coronária, doença cerebrovascular, hipertensão arterial, dislipidemia, diabetes mellitus tipo 2, litíase biliar, embolia pulmonar...

Influência dos comportamentos alimentares e do estatuto socioeconómico na prevalência da obesidade numa população infantil

Ferreira, Inês Castelão Dias
Fonte: Universidade da Beira Interior Publicador: Universidade da Beira Interior
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em /04/2013 Português
Relevância na Pesquisa
37.11%
Introdução: Actualmente, a obesidade é a doença pediátrica mais prevalente a nível mundial, tornando urgente o investimento na sua prevenção e tratamento. A identificação e compreensão dos factores que contribuem para a adiposidade infantil é fundamental para a criação de abordagens eficazes contra esta doença. Objectivos: Caracterizar uma população infantil da região da Covilhã de acordo com a sua prevalência de pré-obesidade e obesidade e estudar a influência do estatuto socioeconómico (ESE), do grau de instrução parental e dos comportamentos alimentares na prevalência da obesidade infantil. Métodos: Este estudo incidiu sobre as crianças nascidas em 2006 e as crianças nascidas em 2003 que frequentavam o 1º Ciclo do Ensino Básico de um conjunto de escolas do concelho da Covilhã no início do ano lectivo de 2012/2013. O Índice de Massa Corporal (IMC) foi calculado através das medições do peso e estatura efectuadas nas escolas. A recolha dos restantes dados foi realizada através do preenchimento do Questionário do Comportamento Alimentar de Crianças (CEBQ) e da Escala de Graffar Adaptada pelas mães das crianças. Resultados: Das crianças estudadas, 43,9% apresentavam excesso de peso, incluindo 12...

A tendência secular da obesidade segundo estratos sociais: Nordeste e Sudeste do Brasil, 1975-1989-1997

Monteiro,Carlos A.; Conde,Wolney L.
Fonte: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Publicador: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/1999 Português
Relevância na Pesquisa
37.12%
A partir de inquéritos nutricionais probabilisticos realizados nas três últimas décadas foram estabelecidas tendências passadas e recentes da prevalência da obesidade (IMC ³ 30 kg/m²) na população adulta da menos desenvolvida (Nordeste) e da mais desenvolvida (Sudeste) região brasileira. No primeiro período de observação (1975-1989), a evolução da obesidade foi ascendente e relativamente uniforme nas duas regiões, com o que não foram alterados o predomínio da enfermidade na Região Sudeste e a tendência de que, dentro das duas regiões, os estratos mais pobres apresentassem-se menos vulneráveis à obesidade. Esse foi também o quadro observado para a população masculina no segundo período de estudo (1989-1997), exceto pelo aumento mais intenso da obesidade na Região Nordeste e pela conseqüente diminuição das diferenças entre as duas regiões. A evolução da obesidade feminina no período 1989-1997 mostrou-se distintamente influenciada pela renda familiar nas duas regiões. Na Região Nordeste, o aumento da obesidade foi modesto para as mulheres mais pobres e intenso para os estratos intermediários e de alta renda. Na Região Sudeste, houve declínio na prevalência da obesidade para os estratos intermediários e de alta renda e aumento intenso para as mulheres mais pobres. Esse padrão socialmente diferenciado da evolução regional da obesidade fez com que...

Distribuição de obesidade geral e abdominal em adultos de uma cidade no Sul do Brasil

Linhares,Rogério da Silva; Horta,Bernardo Lessa; Gigante,Denise Petrucci; Dias-da-Costa,Juvenal Soares; Olinto,Maria Teresa Anselmo
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2012 Português
Relevância na Pesquisa
37.11%
O objetivo foi determinar a prevalência e a evolução da obesidade geral e abdominal em adultos com 20 anos ou mais em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Estudo transversal de base populacional realizado em 2010. A obesidade geral foi definida pelo índice de massa corporal (IMC) > 30kg/m² e a obesidade abdominal definida como > 88cm para mulheres e > 102cm para homens. Foram entrevistados 2.448 indivíduos. A prevalência de obesidade foi de 21,7% nos homens e 29,2% nas mulheres, já a obesidade abdominal foi de 19,5% e 37,5%, respectivamente. Na análise multivariada, menor escolaridade esteve associada ao aumento da obesidade geral e abdominal em mulheres. Renda familiar apresentou relação inversa com obesidade abdominal em homens. Comparativamente, mostraram aumento das prevalências de obesidade de 1,2 vez para as mulheres e 1,5 vez para os homens, com estudos em 1994 e 2000. Porém, para obesidade abdominal houve pequena redução entre as mulheres e se manteve semelhante para os homens. A prevalência de obesidade geral aumentou nos últimos 10 anos, enquanto que a obesidade abdominal mostrou estabilidade.

Obesidade induzida por consumo de dieta: modelo em roedores para o estudo dos distúrbios relacionados com a obesidade

Rosini,Tiago Campos; Silva,Adelino Sanchez Ramos da; Moraes,Camila de
Fonte: Associação Médica Brasileira Publicador: Associação Médica Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2012 Português
Relevância na Pesquisa
37.11%
A obesidade vem aumentando significativamente em todo o mundo, e os fatores ambientais, como o consumo excessivo de alimentos e o sedentarismo, são os principais fatores relacionados com a gênese dessa doença. Em animais de laboratório, a gênese da obesidade está relacionada, em sua maioria, com mutações genéticas, porém esse modelo é muito distante do encontrado nos humanos. A adoção de dietas hipercalóricas ou hiperlipídicas vem sendo utilizada como modelo de indução da obesidade em animais, devido à sua semelhança com a gênese e às respostas metabólicas decorrentes da obesidade em humanos. Assim, o objetivo dessa revisão de literatura é apresentar os diferentes tipos de dietas utilizadas para a indução da obesidade em roedores, as modificações metabólicas induzidas e identificar alguns cuidados que devem ser tomados para que esse modelo seja eficaz para o estudo das complicações relacionadas com a obesidade. Realizou-se busca na base de dados PubMed utilizando as expressões: 1-"hipercaloric diet" AND "rodent", 2- "hiperlipidic diet" AND "rodent", sendo selecionadas aquelas consideradas mais relevantes a partir dos critérios: data de publicação (1995-2011), a utilização de animais wild type, a descrição detalhada sobre a dieta utilizada e a análise de parâmetros bioquímicos e vasculares de interesse. Foram inseridas referências para introduzir assuntos como o aumento da prevalência da obesidade e questões relacionadas com a gênese da obesidade em humanos. Podemos considerar eficiente o modelo de obesidade induzida por dieta em roedores quando o objetivo é o estudo da fisiopatologia das complicações metabólicas e vasculares associadas à obesidade.