Página 1 dos resultados de 79 itens digitais encontrados em 0.140 segundos

Aceitação/rejeição da evolução biológica: atitudes de alunos da educação básica; Acceptance / rejection of biological evolution: attitudes of students of basic education.

Oliveira, Graciela da Silva
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 23/01/2009 Português
Relevância na Pesquisa
95.89%
A teoria evolutiva fornece a compreensão das características fundamentais da vida e as relações dos organismos com seu ambiente. Embora seja atribuído à evolução biológica um papel unificador das Ciências Biológicas, os estudantes em geral a rejeitam ou apresentam dificuldades de compreensão de seus conceitos básicos. A controvérsia que envolve o tema extrapola as salas de aula de ciências e ganha uma dimensão mais conflitante nos Estados Unidos, onde grupos criacionistas buscam desqualificar a teoria evolutiva como conhecimento científico comprovado. Apesar de não existirem tradições fortes do criacionismo no Brasil, esse movimento tem ganhado cada vez mais espaço, principalmente no meio acadêmico. Tendo em vista as controvérsias que envolvem as construções afetivas e culturais no ensinoaprendizagem da teoria evolutiva, o multiculturalismo que caracteriza o Brasil e os resultados de levantamentos de opiniões que indicam que os brasileiros concordam com alguns itens do movimento criacionista, interessou-se pela realização desta investigação, que tem como objetivo verificar a aceitação/rejeição da teoria da evolução de alunos recém-egressos da oitava série (8ª série) do Ensino Fundamental de escolas públicas de Tangará da Serra MT e São Caetano do Sul SP; e caracterizar possíveis relações entre a atitude dos informantes sobre teoria evolutiva e a proximidade entre ciência e religião. A pesquisa consistiu de duas etapas: a primeira foi o levantamento bibliográfico das pesquisas brasileiras acerca da evolução biológica e a presença do movimento criacionista no contexto escolar. Essa etapa resultou em um balanço geral dos trabalhos publicados e indicou uma lacuna dentre as pesquisas nacionais acerca do tema. Na segunda etapa...

Qualidade da educação fundamental e sua relação com o crescimento econômico

Cadaval, Audrei Fernandes
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
75.89%
Nos últimos anos, os indicadores educacionais brasileiros apresentaram evidentes avanços quando comparados às décadas passadas. É possível identificar claramente uma melhoria dos índices de alfabetização e universalização do ensino fundamental. Entretanto, apesar destes e outros avanços marcantes na última década, o sistema educacional brasileiro ainda convive com grandes problemas. Além de o nível de escolarização brasileira ser inferior aos níveis apresentados por outros países, o Brasil enfrenta sérias desigualdades regionais no que se refere às variáveis educacionais. A proposta da presente tese é identificar, através de estudo empírico, os determinantes da qualidade da educação no Brasil, e a relação da qualidade da educação com o crescimento da renda das famílias e o PIB per capita dos estados brasileiros no período 1995-2005. Os dados para análise foram obtidos no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SAEB) e a metodologia foi dividida em três etapas principais. Na primeira etapa buscou-se identificar quais indicadores estão relacionados ao desempenho educacional através de regressões em que a variável dependente é o indicador de desempenho educacional e as variáveis explicativas são os conjuntos de indicadores do ambiente familiar e da quantidade e qualidade dos recursos educacionais disponíveis. Com o intuito tornar a análise mais robusta...

O que pensam as famílias sobre a importância da educação infantil como primeira etapa da educação básica?

Valli, Caroline Martins
Tipo: trabalho de conclusão de graduação Formato: application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
116.04%
Este trabalho tem o objetivo de conhecer o sentido atribuído pelas famílias às escolas de educação infantil, bem como verificar qual a importância desta etapa da educação para o processo de escolarização dos seus filhos. Visando, assim, refletir e provocar novos olhares sobre a escola de educação infantil. A metodologia utilizada foi a coleta de dados, com base em questionários aplicados às famílias de um grupo de crianças do Jardim A, pertencentes a uma Escola Municipal de Educação Infantil localizada na periferia urbana de Porto Alegre. Fundamentaram teoricamente este trabalho autores como Ariès(1981), Kuhlmann (1998), Lahire (1997), Dornelles (2005), Casanova (2011), dentre outros. O estudo permitiu constatar que a maioria das famílias pesquisadas recorre à Educação Infantil para poder trabalhar e consideram que ela tem o papel de ensinar, educar e oportunizar o desenvolvimento das crianças. Quanto à contribuição da educação infantil para o processo de escolarização de seus filhos expressam que “é a base”, por intermédio da qual as crianças aprendem e se desenvolvem, tendo em vista os diversos conhecimentos e interações entre seus pares no cotidiano da instituição. Neste sentido, para as famílias pesquisadas...

Formação de professores de Educação Infantil: perspectivas para projetos de formação e de supervisão

Silva, Rosangela Aparecida Galdi da
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis Formato: 275 f. : il.
Português
Relevância na Pesquisa
85.86%
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Pós-graduação em Educação - FCT; Esta pesquisa integra o Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Ciências e Tecnologia – Unesp. Nesse campo, ela se vincula à linha de pesquisa Infância e Educação, cujo objetivo é investigar a problemática da formação inicial do professor no que tange o processo de identificação das necessidades formativas e de pressupostos para a formação de docentes para a Educação Infantil. Para tanto, pesquisamos os avanços, impactos e desafios postos aos profissionais da Educação Infantil, a partir da inserção da creche e pré-escola, como primeira etapa da Educação Básica, no sistema de ensino, em decorrência do disposto pela LDB 9394/96. Analisamos as mudanças ocorridas no processo de formação inicial para a constituição da docência na Educação Infantil, considerando as influências da LDB 9394/96, das Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil, estabelecidas no Parecer CNE/CEB nº. 22, de 1998 e revistas no Parecer CNE/CEB nº. 20, de 2009 e das Diretrizes Curriculares, que fundamentam o curso de Pedagogia, as quais foram estabelecidas na Resolução CNE/CP nº. 1...

O FUNDEB e seus impactos na oferta da educação infantil conveniada: um estudo em municípios paulistas de grande porte

Espasiano, Raquel de Proença
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: info:eu-repo/semantics/bachelorthesis Formato: 62 f.
Português
Relevância na Pesquisa
105.96%
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); O presente estudo tem como objetivo identificar possíveis alterações no atendimento da educação infantil via conveniamento a partir da implantação do FUNDEB (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica). O Fundo possibilita o repasse de recursos públicos para instituições privadas sem fins lucrativos que mantenham convênios com o Poder Público para a oferta da primeira etapa da educação básica. O conjunto dos municípios aqui pesquisados são os municípios do Estado de São Paulo considerados grandes, cuja população está compreendida entre 100.001 a 500.000 habitantes conforme resultado do censo demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2010). O período considerado é de 2007 a 2012. Para a realização deste trabalho foi utilizado como procedimento teórico – metodológico leituras bibliográficas, contatos telefônicos e/ou via emails com as Secretaria da Educação dos Municípios para a coleta de informação sobre os convênios. Conclui-se que a partir da implantação do FUNDEB houve avanço no numero de municípios que implementaram as parcerias público-privado, uma vez que o recurso para a implantação/manutenção do convenio é provido pelo fundo

Estratégias municipais para oferta da educação básica: análise de parcerias público-privado no município de Itirapina

Souza, Edilene Pontes de
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: info:eu-repo/semantics/bachelorthesis Formato: 79 f.
Português
Relevância na Pesquisa
96.14%
Este Trabalho de Conclusão de Curso refere-se ao estudo de um caso e está inserido ao âmbito do Grupo de Estudos e Pesquisa em Política Educacional (Greppe) que, realiza estudos e pesquisas referentes ao projeto “Estratégias Municipais para a Oferta da Educação Básica: análise de parcerias público-privado no Estado de São Paulo”. O período da pesquisa é de 1997-2006, período de vigência do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef). O objetivo é estudar e analisar as estratégias utilizadas pelo município de Itirapina para a oferta da Educação Básica, especificamente na etapa da Educação Infantil, ou seja, estudar e analisar as parcerias (acordos) lá existentes, sua natureza e modalidade. Quais os fatores que levaram a Prefeitura de Itirapina a firmar convênio para oferta de vagas em instituições privadas filantrópicas (creches) e qual a normalização para estes convênios. Sabe-se que estas instituições já atendem as matrículas das creches e pré-escolas há muitos anos, antes mesmo do convênio formal que se iniciou em 2000. Estudar as implicações que as políticas públicas educacionais trouxeram para a oferta da primeira etapa da Educação Básica no período analisado...

Desenvolvimento de atividades pedagógicas para a educação infantil com a lousa digital interativa : uma inovação didática; Educational activities for kindergarten with digital interactive whiteboard : a teaching innovation

Elaine Messias Gomes
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 14/12/2010 Português
Relevância na Pesquisa
85.88%
Frente a diversidade de Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) na sociedade que está provocando inúmeras mudanças na forma como o sujeito se comunica, se informa, faz-se necessário repensar a prática pedagógica atual dos professores, pois a partir de então, começa-se a pensar em uma nova forma de se comunicar dentro da sala de aula, sintetizada através da Pedagogia Comunicacional Interativa, a qual tem como foco a introdução do vídeo digital, como meio de comunicação entre professor e aluno e a aprendizagem de forma interativa, a partir do uso das TIC em sala de aula. Um recurso tecnológico que possibilita o uso de vídeo digital educativo e também a construção de atividades pedagógicas interativas é a lousa digital interativa. Este recurso está começando a se fazer presente em escolas de ensino fundamental e médio, principalmente, não destinando o uso deste recurso à educação infantil. Partindo do princípio que a educação infantil constitui-se como primeira etapa da educação básica, e que o recurso da lousa digital interativa possui diversas ferramentas e funções interessantes de serem utilizadas nesta etapa da educação, postula-se como objetivo geral desta pesquisa o desenvolvimento de práticas pedagógicas para a educação infantil fazendo uso da lousa digital interativa...

A implementação da política pública de educação infantil : entre o proposto e o existente; The implementation of public policies focused in children education : between the proposed and existing

Candida Maria Santos Daltro Alves
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 25/02/2013 Português
Relevância na Pesquisa
86.05%
A presente pesquisa teve como objetivo compreender a implementação das políticas públicas voltadas à educação infantil no município de Ilhéus, no período compreendido entre 2006 e 2012. A escolha dessa temática justificou-se pelo fato de que nos últimos anos as ações encaminhadas pelo Poder Público municipal para a Educação Infantil, nessa localidade, podem apresentar diferenciações no que diz respeito à organização, estruturação e aperfeiçoamento das práticas e formulação de políticas públicas relativas ao atendimento e infraestrutura para as crianças da educação infantil. A opção pela esfera municipal se confirmou, ainda, quando se procurou estabelecer a relação entre as políticas macro e micro na configuração específica da Educação Infantil, o que implicou no acompanhamento das políticas sociais pelo poder local. A abordagem metodológica utilizada na pesquisa foi quanti-qualitativa, privilegiando na pesquisa qualitativa os procedimentos metodológicos de dois tipos de levantamentos: pesquisa de caráter bibliográfico e documental e pesquisa empírica. Empregou-se instrumentos metodológicos: levantamento bibliográfico e documental relacionados ao tema; e coleta dos dados junto às Secretarias de Educação...

A especificidade da docência na educação infantil no âmbito de documentos oficiais após a LDB 9394/1996

Bonetti, Nilva
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: dissertação (mestrado)
Português
Relevância na Pesquisa
75.97%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa catarina, Centro de Ciências da Educação. Programa de Pós-graduação em Educação.; Estudo sobre a especificidade da docência na educação infantil. Teve como objetivo verificar se a especificidade é reconhecida e como é tratada no âmbito dos documentos que abordam a formação inicial de professores para a educação básica elaborados após a LDB 9394/1996 pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), buscando identificar o reconhecimento e tratamento dado à docência na primeira etapa da educação básica nos documentos Referencial para a Formação de Professores - 1998 (RFP/1998), Proposta de Diretrizes para Formação Inicial de Professores de Educação Básica em Curso de Nível superior (Proposta/2000) e Parecer do Conselho Nacional de Educação N.009/ 2001 (Parecer 009/200). No sentido de melhor explicitar o reconhecimento e o tratamento dado à docência na educação infantil, foram analisados nos conteúdos dos documentos a denominação, a função que lhe são atribuídas e a formação inicial desse profissional, delineando assim seu perfil sob a perspectiva oficial, utilizando-se como instrumento metodológico a análise de conteúdo. Foi possível constatar que a docência na educação infantil foi abordada a partir do modelo da docência para o ensino fundamental. Indica-se no conteúdo dos documentos o reconhecimento de uma especificidade na atuação docente na educação infantil...

As concepções de formação continuada de professores no âmbito das políticas para a educação infantil a partir da década de 1990

Floriani, Ana Cristina Barreto
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: dissertação (mestrado) Formato: 161 f.| tabs.
Português
Relevância na Pesquisa
75.94%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação. Programa de Pós-graduação em Educação.; Esta pesquisa buscou analisar as concepções de formação continuada de professores de Educação Infantil no âmbito de quatro documentos oficiais que abordam a formação de professores para a educação básica e três documentos orientadores para uma política de Educação Infantil a partir dos anos de 1990. Como pano de fundo para a compreensão do objeto investigado, procuraremos dar visibilidade ao contexto histórico da reforma educacional brasileira da década de 1990, em especial a centralidade da formação de professores no conjunto dessas reformas, dentro do panorama de reestruturação produtiva no mundo e sob forte influência e orientações dos Organismos Multilaterais. Com este objetivo, nossa investigação procurou num primeiro momento trazer alguns marcos da produção da área, bem como os referenciais atuais nesta produção, destacando assim, algumas tendências acerca da concepção de formação continuada de professores, tendo como base teórica de apoio a esta discussão os conceitos de conhecimento e práxis. Num segundo momento, partindo do pressuposto de que é necessário compreender para além dos significados imediatos...

Educação física na educação infantil

Gomes, Manoel dos Santos
Fonte: Florianópolis Publicador: Florianópolis
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 243 p.| tabs.
Português
Relevância na Pesquisa
85.92%
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação; Estudo de base documental que utiliza como marco inicial a segunda metade da década de 1990, precisamente, por ser um período de "ruptura" de modelos e profícuo na elaboração de documentos pelo Estado, tanto para a Educação Física, que se tornou um componente curricular obrigatório por força da lei, quanto para a Educação Infantil, transformada em primeira etapa da educação básica. A LDBEN 9394/96 e as reformas educacionais implementadas (re) definiram uma concepção no processo de formação de professores. Elabora-se, pela primeira vez na história da educação brasileira, uma lei de diretrizes e bases que estabelece uma organicidade à Educação Infantil, sinalizando de forma inequívoca espaço e tempo onde essa educação deveria acontecer: creches e pré-escolas. O estudo investiga em documentos exarados pelo Estado no período Pós-LDBEN e nos de um curso de licenciatura em Educação Física de uma universidade do Nordeste brasileiro - UNEB - Universidade do Estado da Bahia - a formação de professores cujo foco de atuação é o nível da Educação Infantil (educação de crianças de zero a cinco anos )...

Reflexões acerca das concepções de corpo presentes nos Indicadores da Qualidade na Educação Infantil e nas práticas pedagógicas de professoras que atuam na primeira etapa da Educação Básica.

Santos, Cristina Silveira
Fonte: Florianópolis. SC Publicador: Florianópolis. SC
Tipo: tcces Formato: 58 f.
Português
Relevância na Pesquisa
105.94%
Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Educação Infantil - Segunda Edição – Polo Florianópolis, para a obtenção do Grau de Especialista em Educação Infantil.; Este trabalho discute a Educação Infantil no contexto das políticas educacionais, focalizando o estudo no documento Indicador de Qualidade da Educação Infantil. Objetiva descrever e analisar concepções de corpo presentes naquele documento e identificar os modos como elas se recolocam nas práticas pedagógicas de professores que atuam nesta etapa da Educação Básica. Partindo dos discursos contemporâneos que buscam um distanciamento das práticas assistencialistas e compensatórias que demarcam a trajetória destas instituições, procura observar se este distanciamento aparece (ou não), fundado em novas ou distintas concepções de corpo, que, por sua vez, produziriam outros modos de relação, outras técnicas e cuidados a ele destinados. Os resultados apontam para: a) a centralidade de concepções e práticas orientadas para o corpo-organismo e apoiadas em uma de ideia de cuidado e de autonomia típicas do paradigma biomédico; b) a inserção, ainda que mínima, de concepções vinculadas ao corpo relacional – demarcado por relações sócio-culturais como a violência...

Educação de infância : representações sociais em Oliveira do Bairro

Silva, Lisa Gomes da
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
85.84%
A educação das crianças mais novas não tem hoje como único responsável a família tradicional, uma vez que surgiram novas formas de organização de vida familiar e se têm criado instituições educativas para dar resposta às necessidades da família. Assim, a educação de infância teve, nos últimos tempos, uma expansão e visibilidade que a fizeram passar de mera guarda de crianças a primeira etapa de educação básica. Esta transformação é presentemente tema de constante debate e reflexão, sobretudo no que tem a ver com a redefinição das suas funções, e na representação social que os outros agentes educativos e a comunidade em geral têm da educação de infância. É nesta vertente que o nosso estudo se baseia, pretendendo-se conhecer e compreender a educação de infância, quais as suas funções e suas representações sociais na comunidade educativa de Oliveira do Bairro. ABSTRACT: Nowadays, no longer is the traditional family responsible for young children´s education seeing that new organization forms of family life emerged and educational institutions have been created to respond to family necessities. In this manner, childhood education has lately had a vast expansion and visibility that has transformed it from being considered purely child guardian to the first step of basic education. This transformation is a constant theme of debate and reflection...

A componente de apoio à família na educação pré-escolar : estudo de caso

Madail, Celeste Maria Condessa Ferreira
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
85.84%
A educação pré-escolar pública, em Portugal, é uma realidade com algumas décadas de existência, no entanto é muito recente a consciência da necessidade de alargar as suas funções na área do serviço social às famílias. O facto dos horários da rede pública não responderem às necessidades das famílias e, consequentemente, a baixa frequência das crianças, levou à criação da Componente de Apoio à Família. A Lei-Quadro da Educação Pré-Escolar consagra a Educação pré-escolar como a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida e, ao mesmo tempo, como serviço serviço social básico. Este estudo visa analisar, descrever e interpretar a participação das Associações de Pais na organização, funcionamento e gestão da Componente de Apoio à Família. Os Jardins-de-infância situam-se num contexto organizacional diversificado, uma vez que estabelecem relações com o Agrupamento de Escolas a que pertencem, com a Autarquia, com os Pais, com as Associações de Pais, com a comunidade e outros parceiros educativos. Partindo de uma matriz metodológica qualitativa, recorremos ao estudo de caso, privilegiando a realização de entrevistas aos participantes neste trabalho, nomeadamente: educadores de infância; conselhos executivos dos agrupamentos de escolas; presidentes de associações de pais e representante da autarquia...

Educação de infância: primeira etapa da educação básica

Meireles-Coelho, Carlos; Ferreira, Ana Bela
Fonte: Gailivro Publicador: Gailivro
Tipo: bookpart
Português
Relevância na Pesquisa
126.06%
Na sequência do último grande relatório para a Unesco (Delors, 1996), a Lei 5/97 preconizou que "a educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida". No entanto a Lei 5/97 não tira as consequências do que isso quer dizer e nas propostas de alteração da Lei de Bases todos isolam a educação de infância, impedindo a sua integração na educação básica

Educação básica dos 3/4 aos 11/12 anos

Meireles-Coelho, Carlos; Ferreira, Ana Bela
Fonte: SPCE Publicador: SPCE
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
96.01%
O Conselho da Europa preconiza desde 1988 «um processo contínuo sem interrupções para as crianças dos 3-4 aos 11-12 anos numa mesma escola básica»; o último grande Relatório Delors para a Unesco (1996) considera que «a educação básica para as crianças pode ser definida como uma educação inicial (formal ou não formal) que vai, em princípio, desde cerca dos três anos de idade até aos doze, ou menos um pouco»; e a Lei n.º 5/77 determina que "a educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida". Apontam-se as vantagens de um 1.º ciclo da educação básica dos 3/4 aos 7/8 anos com educadoras- professoras que garantam a continuidade e articulação entre «pré-escola» e a aprendizagem da leitura-escrita numa escola básica a tempo inteiro; e de um 2.º ciclo da educação básica dos 8/9 aos 11/12 anos com um professor principal e outros docentes especializados.

Ciclo 3 / 8 anos como primeira etapa da educação básica: condições e desafios

Meireles-Coelho, Carlos; Ferreira, Ana Bela; Ferreira, Lúcia
Fonte: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação/IPB Publicador: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação/IPB
Tipo: conferenceobject
Português
Relevância na Pesquisa
146.06%
O período dos 3 aos 8 anos foi considerado decisivo para a educação pessoal, social e ambiental destas crianças pela 12.ª Conferência de Ministros do Conselho da Europa, em 1981 em Lisboa, e deu origem aos estudos que levaram às conclusões do Projeto n.º 8 que recomenda que entre os 3/4 e os 11/12 anos as crianças sejam integradas na mesma escola básica com os mesmos professores com a mesma formação. Pretende-se analisar histórica e comparativamente a evolução da “primeira etapa da educação básica” na Europa e especialmente em Portugal, sobretudo nas suas relações com a formação de professores.

O ciclo 3-8 anos: a primeira inclusão na educação básica

Meireles-Coelho, Carlos; Ferreira, Ana Bela; Ferreira, Lúcia; Sousa, Sofia
Fonte: Pin-ANDEE, Associação Nacional de Docentes de Educação Especial Publicador: Pin-ANDEE, Associação Nacional de Docentes de Educação Especial
Tipo: conferenceobject
Português
Relevância na Pesquisa
106.02%
A escolaridade obrigatória começou por focar a alfabetização associada ao ler, escrever e contar. Com o desenvolvimento das sociedades preconiza-se a educação de todos com a satisfação das suas necessidades básicas de aprendizagem, exigindo uma educação pessoal e social desde mais cedo e durante mais tempo. Ao conceito tradicional de ensino primário e educação pré-escolar sucede o conceito de educação básica dos 3/4 aos 11/12 anos (ou um pouco menos) e dentro desta surge como inovação estratégica privilegiada o ciclo 3-8. Pretende-se contribuir para uma educação que promova o desenvolvimento sustentável, de todos e de cada um, a nível pessoal e social para a saúde e para o ambiente a partir da junção da educação pré-escolar com os primeiros anos da educação escolar considerando a idade dos três aos oito anos como o grande desafio para a concretização da primeira etapa de educação básica de qualidade para todos, em que se aprende a respeitar o ritmo individual de cada um.

Educação dos 0 aos 6/7 anos em Portugal e na Suécia: estudo comparado

Ferreira, Margarida Teixeira Serra
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: masterthesis
Português
Relevância na Pesquisa
76.08%
A Suécia lidera muitos dos estudos acerca da qualidade de vida e da educação das crianças dos 0 aos 6/7 anos de idade. Por outro lado, Portugal apresenta duas etapas de educação e cuidados infantis completamente desarticuladas, dos 0 aos 3 e dos 3 aos 6 anos de idade, remetendo para a primeira um carácter meramente de apoio social, marcada por um estatuto socialmente menor, formação menos exigente e deficientes condições de trabalho dos profissionais que se dedicam a esta faixa etária. Pretende-se saber se cada um dos países em comparação, entre si e com o referencial das organizações internacionais, cumpre (ou não) os seguintes requisitos: as mães trabalhadoras devem beneficiar de licença paga ou de licença acompanhada de serviços de segurança social adequados até aos 18 meses de idade da criança; os pais têm o direito de escolher o género de educação a dar aos seus filhos, nomeadamente escolhendo a melhor altura para a criança, entre os 12 e os 24 meses, ser admitida na educação básica ou outra modalidade alternativa; a educação básica (como nível 1 do QEQ) prolonga-se num só nível até ao correspondente ao actual 2.º ano do 2.º CEB, começando aos 2 / 3 anos (ou um pouco antes), com os mesmos professores com a mesma formação e o mesmo estatuto. Fez-se um estudo comparado da educação dos 0 aos 6/7 anos em Portugal e na Suécia e a articulação com a educação básica como preconizada pelas orientações internacionais. Comprovou-se que até aos 18 meses as crianças devem permanecer numa educação do tipo familiar...

Políticas de regulação, pesquisa e pedagogia na educação infantil, primeira etapa da educação básica

Faria,Ana Lúcia Goulart de
Fonte: Centro de Estudos Educação e Sociedade - Cedes Publicador: Centro de Estudos Educação e Sociedade - Cedes
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2005 Português
Relevância na Pesquisa
166.1%
Como fazer um mapa durante um terremoto, este artigo refaz as trajetórias pelas quais passaram creche e pré-escola, até tornarem-se, pela LDB de 1996, instituições de educação infantil responsáveis pela primeira etapa da educação básica. Mostra também que as tentativas de articulação entre pesquisa, política e prática pedagógica garantiram avanço e inovação na área, que vem construindo a Pedagogia da Infância e se empenha em garantir, pela esfera municipal, o direito à educação das crianças de 0 a 6 anos. Enquanto área muito jovem da educação, acaba sofrendo pressões que podem levar a um retrocesso, como o que vem ocorrendo no momento no Brasil. Sem concluir, o texto permite constatar a transgressão instalada pela educação infantil que, ao dar vida a uma infância que continua nas séries iniciais, torna-se o grande impedimento para uma política nacional integrada para a infância.