Página 1 dos resultados de 88835 itens digitais encontrados em 0.031 segundos

Os Centros de Saúde em Portugal - A Satisfação dos Utentes e dos Profissionais

Santos, Osvaldo; Biscaia, André; Antunes, Ana Rita; Craveiro, Isabel; Júnior, António; Caldeira, Rita; Charondière, Pascale
Fonte: Ministério da Saúde - Missão para os Cuidados de Saúde Primários Publicador: Ministério da Saúde - Missão para os Cuidados de Saúde Primários
Tipo: book Formato: 1992750 bytes; application/pdf
Português
Relevância na Pesquisa
46.29%
A satisfação com os serviços de saúde, na sua dupla vertente da satisfação dos utentes e da satisfação dos profissionais, é uma área complexa e de difícil avaliação mas, ao mesmo tempo, incontornável. A satisfação dos utentes é, actualmente, considerada como um objectivo fundamental dos serviços de saúde e tem vindo a ocupar um lugar progressivamente mais importante na avaliação da qualidade dos mesmos. O aumento da popularidade deste conceito está associado ao seu valor mediador na aliança (e adesão) terapêutica, à evidência de que a satisfação dos utentes está directamente relacionada com os resultados dos cuidados de saúde, influenciando muitos comportamentos de doença e de saúde, e à crescente importância do papel do utente dos cuidados de saúde enquanto consumidor. Mais especificamente, sabe-se que a satisfação dos utentes está associada à taxa de uso de cuidados de saúde, à efectividade das terapêuticas e ao estado geral de saúde. Por seu lado, e numa visão integradora, a satisfação profissional surge como sendo o resultado afectivo da motivação no trabalho, tendo consequências em termos do desempenho no trabalho e, portanto, sendo determinante para o desenvolvimento sustentado dos cuidados de saúde. A satisfação profissional nos serviços de saúde é considerada um elemento estrutural destes e está associada à sua qualidade e resultados...

Da depressão da crise para a governação prospectiva da saúde. Relatório de Primavera 2011

Escoval, Ana; Lopes, M. J.; Ferreira, P. L.
Fonte: Observatório Português dos Sistemas de Saúde Publicador: Observatório Português dos Sistemas de Saúde
Tipo: book
Português
Relevância na Pesquisa
46.33%
Principais conclusões 1. Saúde e crise: a crise financeira, económica e social, particularmente o desemprego e o empobrecimento, têm um impacte negativo sobre a saúde (páginas 42 a 50). A resposta à crise – restrições para conseguir os recursos necessários para fazer face ao endividamento público e privado, acrescentam novas dificuldades; o estatuto de “país intervencionado” por instituições internacionais desafia a auto-estima dos portugueses. Não basta cumprir as “obrigações internacionais” – é necessário superá-las, fazendo da crise uma oportunidade, mobilizando o melhor do país para esse efeito; 2. Antecedentes imediatos (2010-11): a acção do Ministério da Saúde durante os últimos 17 meses foi altamente condicionada pelo agravamento da situação financeira do país, que se manifestou por uma diminuição de cerca de 13% no orçamento da saúde para 2011. Adoptaram-se um amplo conjunto de medidas de poupança (muitas das quais anteciparam o que consta do “memorando de entendimento” (páginas 79 a 80) ao mesmo tempo que se procuraram manter as reformas em curso – nomeadamente as dos cuidados de saúde primários e continuados. No entanto, o pouco investimento feito na qualidade da governação da saúde limitou os progressos possíveis: nas boas práticas em saúde (antibióticos e infecção hospitalar – páginas 20 a 27)...

Comportamentos de saúde infanto-juvenis: perspetivas e realidades

Albuquerque, Carlos; Pereira, Anabela; Oliveira, António; Nave, Filipe; Leal, Isabel; Duarte, João; Bonito, Jorge; Rodrigues, Manuel; Ferreira, Manuela; Costa, Maria da Graça; Nunes, Maria Madalena; Nelas, Paula; Franco, Vítor; Rodrigues, Vítor
Fonte: Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Viseu Publicador: Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Viseu
Tipo: book
Português
Relevância na Pesquisa
56.23%
A Saúde Pública Nova, em plena era do conhecimento, não ignora a importância dos problemas equacionados. Como se sabe, o objetivo central é prolongar a vida dos cidadãos, numa ótica de envelhecimento ativo, que abrange todo o ciclo de vida. Isto é, do nascimento ao final da vida. É neste contexto que os comportamentos de crianças em idade escolar são especialmente importantes. A transmissão de mais informação aos cidadãos, na perspetiva de conduzir a maior aquisição de conhecimentos, tem em vista a adoção consciente de comportamentos saudáveis. É este o princípio que constitui a base daquele objetivo. Pedagogos, psicólogos, especialistas em ciências sociais, enfermeiros e médicos reconhecem a imensa complexidade da análise dos comportamentos em adolescentes. Temas tão oportunos como a educação sexual ou os padrões alimentares e, ainda, o perfil comportamental associado ao risco de acidentes ou, também, a obesidade ou o tabagismo, contam, com esta edição, com o apoio de textos reunidos ao estilo de coletânea de utilidade indiscutível. São, hoje, bem conhecidas as relações causa-efeito entre certos fatores de risco e a incidência de doenças, tantas vezes evitáveis pelo próprio comportamento. Este binómio entre...

A saúde mental dos enfermeiros nos cuidados de saúde primários: uma abordagem no ACES da Cova da Beira

Florentim, Ricardo Jorge Santos; Cabral, Lídia Rosário, orient.; Duarte, João Carvalho, co-orient.
Fonte: Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu Publicador: Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2011 Português
Relevância na Pesquisa
46.3%
Introdução e Objectivos: A Saúde Mental é uma das componentes da Saúde, onde o Enfermeiro é um profissional de referência dos indivíduos, das famílias e da comunidade. Contudo, para cuidar é preciso cuidar-se. Deste modo, os objectivos desta investigação são: avaliar a Saúde Mental dos Enfermeiros nos Cuidados de Saúde Primários (nomeadamente no ACES da Cova da Beira), analisar a relação entre os factores sócio-demográficos e a Saúde Mental e determinar se os factores profissionais influenciam a mesma. Metodologia: Esta investigação quantitativa assenta numa base descritiva e correlacional, mediante utilização de um questionário (para descrição dos factores sócio-demográficos e profissionais) e do Inventário de Saúde Mental (para avaliação da Saúde Mental) aplicados aos Enfermeiros do ACES da Cova da Beira, durante a 2ª quinzena de Setembro de 2011. Resultados: A maioria dos Enfermeiros do ACES da Cova da Beira é do sexo feminino, com idade superior a 40 anos, casados, licenciados, com a categoria profissional de Enfermeiro e exerce funções no Centro de Saúde da Covilhã. Porém, não existe relação estatística entre a Saúde Mental dos Enfermeiros e as variáveis sócio-demográficas e profissionais estudadas. Conclusões: As Enfermeiras e os profissionais do Centro de Saúde de Belmonte têm melhores níveis de Saúde Mental. Paralelamente...

Estilos de vida e vigilância de saúde sexual e reprodutiva da mulher portuguesa

Ferreira, Sofia Marques Grilo; Ferreira, Manuela Maria Conceição, orient.; Duarte, João Carvalho, co-orient.
Fonte: Instituto Politécnico de Viseu. Escola Superior de Saúde de Viseu Publicador: Instituto Politécnico de Viseu. Escola Superior de Saúde de Viseu
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2012 Português
Relevância na Pesquisa
46.29%
Enquadramento: Verifica-se que a atitude das mulheres em relação á realização do rastreio é determinante para a incidência do cancro do colo do útero e do cancro da mama, sendo este um evidente problema de saúde pública. Objectivos: Objectivamos com este estudo, identificar os factores associados à adesão das mulheres à vigilância de saúde sexual e reprodutiva; analisar em que medida os conhecimentos das mulheres acerca do autoexame e do cancro do colo do útero e o estilo de vida estão relacionados com a adesão à vigilância de saúde sexual e reprodutiva. Método: Trata-se de um estudo de natureza quantitativa, não experimental, descritivo, correlacional e transversal, com uma amostra constituída por 522 mulheres com idades compreendidas entre os 18 e os 67 anos que frequentam os cuidados de saúde primários nos ACES DÃO LAFÕES I, II, III. Resultados: Em relação às variáveis sociodemográficas e profissionais verificamos que os grupos etários, o estado civil, o agregado familiar, as habilitações literárias, a profissão e o número de filhos foram preditores da adesão à vigilância de saúde sexual e reprodutiva. A realização do autoexame da mama e os conhecimentos acerca do cancro do colo do útero (CCU) mostraram ser preditores da adesão à vigilância de saúde sexual e reprodutiva. Nas crenças de saúde acerca do autoexame da mama e do cancro da mama (AEM e CM) na escala global...

Influência do perfil funcional e da autoavaliação do idoso na saúde mental e emocional

Marques, Rosa Maria; Duarte, João Carvalho, orient.; Gonçalves, Amadeu Matos, co-orient.
Fonte: Instituto Politécnico de Viseu. Escola Superior de Saúde de Viseu Publicador: Instituto Politécnico de Viseu. Escola Superior de Saúde de Viseu
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2013 Português
Relevância na Pesquisa
46.29%
O envelhecimento da população é um dado incontornável do presente, em todo o mundo. Portugal não é exceção, sendo um dos países da UE a envelhecer mais depressa: em 30 anos, a percentagem de portugueses com mais de 65 anos passou de 11% para 17,5%. Em 2050, cerca de 80% da população portuguesa apresentar-se-á envelhecida e dependente (INE, 2011). A Saúde Mental influência o bem-estar do idoso e da população, integrando um recurso essencial para a adaptação às exigências da vida. A vulnerabilidade dos idosos às perturbações mentais justifica a relevância da investigação das manifestações psicopatológicas que apresentam, para orientar as intervenções necessárias à promoção da saúde mental de forma a associar qualidade aos anos vividos (Motta e Aguiar, 2007). Neste sentido, delinearam-se as seguintes questões de investigação e os objetivos: quais as características sociodemográficas que influenciam a Saúde Mental e Emocional dos Idosos?, qual a influência do Perfil Funcional e da Autoavaliação da Saúde Mental e Emocional do idoso? Delinearam-se ainda, os seguintes objetivos de estudo: identificar as variáveis sociodemográficas que influenciam a Saúde Mental e Emocional dos Idosos; analisar o Perfil Funcional e a Autoavaliação da Saúde Mental e Emocional dos Idosos. Este estudo centrando-se no grupo mais idoso da nossa população (idade igual ou superior a 65 anos)...

Equidade na saúde e nos cuidados de saúde : migrantes e não migrantes na infecção de VIH/SIDA em Portugal 

Baleizão, Andreia
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública. Universidade Nova de Lisboa Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública. Universidade Nova de Lisboa
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2010 Português
Relevância na Pesquisa
46.29%
RESUMO - Este estudo tem como objectivo analisar a questão da equidade em saúde e nos cuidados de saúde entre migrantes e não migrantes no contexto da infecção de VIH/SIDA. A equidade em saúde e nos cuidados de saúde são valores de justiça distributiva. Este princípio representa um direito essencial para atingir uma melhor saúde e preocupa-se com a redução das desigualdades injustas em saúde e nos cuidados de saúde entre classes socioeconómicas. Os migrantes podem ser mais propensos a piores níveis de saúde do que os não migrantes devido a desigualdades sociais, na infecção por VIH/SIDA. Há escassez de estudos sobre a equidade em saúde e nos cuidados de saúde entre migrantes e não migrantes, aplicado ao contexto de VIH/SIDA em Portugal. Este é um país recente de migração e apresenta um aumento do número de casos de VIH/SIDA. O desenvolvimento deste estudo é importante para uma melhor compreensão da realidade da equidade em saúde e cuidados de saúde entre migrantes e não migrantes. Para a metodologia deste estudo, foram utilizados os dados da notificação obrigatória dos casos de VIH/SIDA em Portugal. A nacionalidade foi utilizada como aproximação ao estatuto de migrante. Através deste estudo empírico...

Inteligência emocional como competência na formação do futuro gestor de saúde de instituições de saúde : proposta de uma unidade curricular

Sousa, Ana Sofia Marques de
Fonte: Universidade Nova de Lisboa. Escola Nacional de Saúde Pública Publicador: Universidade Nova de Lisboa. Escola Nacional de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2011 Português
Relevância na Pesquisa
46.31%
RESUMO - Introdução: A formação de um gestor neste século é um verdadeiro desafio, pois apesar das instituições de ensino superior formarem profissionais com capacidade para actuar na área da Gestão da Saúde, é difícil afirmar que tal formação seja suficiente para produzir os grandes gestores exigidos actualmente para orientarem Instituições de Saúde modernas. Assim, muitos são os estudos que têm mostrado que os gestores de saúde mais eficazes se assemelham num requisito crucial: a Inteligência Emocional (IE). Objectivos: Perceber a importância do ensino das competências emocionais nos Cursos de Mestrado em Gestão da Saúde; analisar de forma descritiva/analítica e crítica o módulo opcional de Emoção, Liderança e Coaching na Gestão da Saúde leccionado no Mestrado em Gestão da Saúde na Escola Nacional de Saúde Pública; e por fim construir uma proposta de Unidade Curricular de Inteligência Emocional. Metodologia: Realizou-se uma revisão da literatura que permitiu desenvolver e adquirir conhecimentos, conceitos e teorias na área da IE. De seguida, procedeu-se a uma análise descritiva/analítica e crítica do módulo opcional de Emoção, Liderança e Coaching na Gestão em Saúde leccionado no Mestrado em Gestão da Saúde na Escola Nacional de Saúde Pública...

Utilização dos serviços de saúde pela população coberta pela Estratégia de Saúde da Família

Fernandes,Léia Cristiane L; Bertoldi,Andréa D; Barros,Aluísio J D
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2009 Português
Relevância na Pesquisa
46.31%
OBJETIVO: Analisar os padrões de utilização dos serviços de saúde em comunidades cobertas pela Estratégia de Saúde da Família. MÉTODOS: Estudo transversal de base populacional com amostra de 2.988 indivíduos, de todas as idades, residentes em áreas de abrangência da Estratégia de Saúde da Família, em Porto Alegre (RS), entre julho e setembro de 2003. Foram aplicados questionários pré-codificados a todos os moradores dos domicílios sorteados sobre informações demográficas, socioeconômicas e de saúde. Nas análises foram calculadas razões de prevalências, intervalos com 95% de confiança e aplicados testes do qui-quadrado. Realizou-se regressão de Poisson na análise multivariável para possíveis fatores de confusão. RESULTADOS: Pessoas do sexo feminino, com 60 anos ou mais, com cor da pele branca, com menor nível socioeconômico, sem cobertura por plano de saúde e com autopercepção de saúde ruim tiveram maior probabilidade de utilizar a unidade de saúde da família local. Em relação aos usuários de outros serviços de saúde, o padrão foi semelhante para as variáveis sexo, idade e autopercepção de saúde, mas foi encontrada uma maior utilização por pessoas com maior nível socioeconômico e com cobertura por plano de saúde. CONCLUSÕES: A utilização da unidade de saúde da família local foi maior entre as pessoas com menor nível socioeconômico e sem cobertura por plano de saúde...

Percepções e ações de mulheres em relação à prevenção e promoção da saúde na atenção básica

Figueira,Taís Rocha; Ferreira,Efigênia Ferreira e; Schall,Virgínia Torres; Modena,Celina Maria
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2009 Português
Relevância na Pesquisa
46.29%
OBJETIVO: Analisar percepções e participação de usuárias de unidade básica de saúde em relação à prevenção e promoção de saúde. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: Estudo qualitativo no qual foram entrevistadas 20 usuárias de uma unidade de saúde da família de Belo Horizonte, MG, em 2007. O roteiro da entrevista englobou questões sobre o processo saúde-doença e prevenção e promoção de saúde. Foi utilizada a técnica de análise de conteúdo na análise dos relatos. ANÁLISE DOS RESULTADOS: A percepção sobre prevenção apresentou influência da teoria de Leavell & Clark, expressa por ações que evitam o aparecimento, progressão ou agravamento de alguma doença. A promoção de saúde foi concebida como um nível de prevenção e associada à responsabilização individual e ao conceito positivo de saúde. As práticas de prevenção e promoção de saúde estiveram orientadas pelo conceito positivo de saúde, pela possibilidade de gerarem prazer/desprazer, pelas interferências que poderiam ocasionar no cotidiano, pela concepção de força de vontade e de valor conferido à vida. CONCLUSÕES: O discurso sobre prevenção e promoção de saúde é marcado por concepções tradicionais. Contudo, houve a incorporação do conceito positivo de saúde que...

Utilização dos serviços de saúde pela população coberta pela Estratégia de Saúde da Família

Fernandes,Léia Cristiane L; Bertoldi,Andréa D; Barros,Aluísio J D
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2009 Português
Relevância na Pesquisa
46.31%
OBJETIVO: Analisar os padrões de utilização dos serviços de saúde em comunidades cobertas pela Estratégia de Saúde da Família. MÉTODOS: Estudo transversal de base populacional com amostra de 2.988 indivíduos, de todas as idades, residentes em áreas de abrangência da Estratégia de Saúde da Família, em Porto Alegre (RS), entre julho e setembro de 2003. Foram aplicados questionários pré-codificados a todos os moradores dos domicílios sorteados sobre informações demográficas, socioeconômicas e de saúde. Nas análises foram calculadas razões de prevalências, intervalos com 95% de confiança e aplicados testes do qui-quadrado. Realizou-se regressão de Poisson na análise multivariável para possíveis fatores de confusão. RESULTADOS: Pessoas do sexo feminino, com 60 anos ou mais, com cor da pele branca, com menor nível socioeconômico, sem cobertura por plano de saúde e com autopercepção de saúde ruim tiveram maior probabilidade de utilizar a unidade de saúde da família local. Em relação aos usuários de outros serviços de saúde, o padrão foi semelhante para as variáveis sexo, idade e autopercepção de saúde, mas foi encontrada uma maior utilização por pessoas com maior nível socioeconômico e com cobertura por plano de saúde. CONCLUSÕES: A utilização da unidade de saúde da família local foi maior entre as pessoas com menor nível socioeconômico e sem cobertura por plano de saúde...

Percepções e ações de mulheres em relação à prevenção e promoção da saúde na atenção básica

Figueira,Taís Rocha; Ferreira,Efigênia Ferreira e; Schall,Virgínia Torres; Modena,Celina Maria
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2009 Português
Relevância na Pesquisa
46.29%
OBJETIVO: Analisar percepções e participação de usuárias de unidade básica de saúde em relação à prevenção e promoção de saúde. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: Estudo qualitativo no qual foram entrevistadas 20 usuárias de uma unidade de saúde da família de Belo Horizonte, MG, em 2007. O roteiro da entrevista englobou questões sobre o processo saúde-doença e prevenção e promoção de saúde. Foi utilizada a técnica de análise de conteúdo na análise dos relatos. ANÁLISE DOS RESULTADOS: A percepção sobre prevenção apresentou influência da teoria de Leavell & Clark, expressa por ações que evitam o aparecimento, progressão ou agravamento de alguma doença. A promoção de saúde foi concebida como um nível de prevenção e associada à responsabilização individual e ao conceito positivo de saúde. As práticas de prevenção e promoção de saúde estiveram orientadas pelo conceito positivo de saúde, pela possibilidade de gerarem prazer/desprazer, pelas interferências que poderiam ocasionar no cotidiano, pela concepção de força de vontade e de valor conferido à vida. CONCLUSÕES: O discurso sobre prevenção e promoção de saúde é marcado por concepções tradicionais. Contudo, houve a incorporação do conceito positivo de saúde que...

Determinantes sociais da saude e o Programa Saude da Familia no municipio de Sao Paulo

Dowbor,Tatiana Pluciennik; Westphal,Marcia Faria
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2013 Português
Relevância na Pesquisa
46.29%
OBJETIVO Analisar a situação do trabalho com determinantes sociais da saúde no âmbito do Programa Saúde da Família. MÉTODOS Estudo de caso com métodos mistos de pesquisa, ancorados em estratégia sequencial explanatória, com 171 gerentes das unidades do Programa Saúde da Família em São Paulo, SP, em 2005/2006. Questionários autopreenchíveis foram aplicados. Entrevistas semiestruturadas e grupos focais foram realizados com amostra intencional de profissionais envolvidos no trabalho com determinantes sociais da saúde. Os dados quantitativos foram analisados por análise descritiva, análise de correspondência múltipla, análise de agrupamento e testes de correlação entre variáveis. Os dados qualitativos foram apurados por análise de conteúdo e a criação de categorias temáticas. RESULTADOS Apesar da concentração de atividades direcionadas ao cuidado com a doença, o Programa Saúde da Família realizou atividades relacionadas à determinação social da saúde, contemplando todas as formas de abordagem da promoção da saúde (biológico, comportamental, psicológico, social e estrutural) e os principais determinantes sociais da saúde descritos na literatura. Houve diferença significativa quanto à abrangência dos determinantes trabalhados nas unidades em relação às diferentes regiões do município. Constatou-se fragilidade das iniciativas e a sua desconexão com a estrutura programática do Programa Saúde da Família. CONCLUSÕES A quantidade e variedade de atividades com determinantes sociais da saúde realizadas no Programa Saúde da Família mostram potencial para trabalhar a determinação social da saúde. Mas a fluidez de objetivo e o caráter extraordinário das atividades descritas questionam sua sustentabilidade como parte integral da atual estrutura organizacional do programa.

Ouvidorias públicas de saúde: estudo de caso em ouvidoria municipal de saúde

Silva,Rita de Cássia Costa da; Pedroso,Marcelo Caldeira; Zucchi,Paola
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2014 Português
Relevância na Pesquisa
46.31%
OBJETIVO : Analisar o papel da ouvidoria e sua contribuição para a gestão da saúde pública segundo usuários de sistema de Saúde e de conselheiros municipais de saúde. MÉTODOS : Pesquisa qualitativa, estudo de caso, descritivo e transversal. A unidade de análise foi uma ouvidoria de saúde, localizada em município do estado de Minas Gerais, de maio a agosto de 2010. O estudo foi de natureza observacional com dados coletados em entrevistas com dois grupos de stakeholders: usuários e conselheiros de saúde. Foram entrevistados 44 usuários do Sistema Único de Saúde que registraram manifestações presenciais na ouvidoria e todos os 20 conselheiros do município. As informações obtidas foram analisadas com base em três questões: (1) natureza das informações obtidas; (2) discussão sobre subsídios para qualificar o funcionamento da ouvidoria como ferramenta de gestão; (3) proposição de ações para o aprimoramento da gestão democrática no campo da saúde pública. RESULTADOS : As demandas reportadas à ouvidoria indicaram dificuldade de acesso às ações e serviços de saúde, correndo o risco de serem percebidas como atalhos para obtenção de acessibilidade, desconsiderando o princípio da justiça social. A atuação da ouvidoria contou com a aprovação dos cidadãos. Os usuários relataram como principais funções da ouvidoria: ajudar a solucionar problemas de saúde e ouvir e esclarecer sobre o funcionamento do Sistema Único de Saúde. A informação foi enfatizada pelos conselheiros de saúde como instrumento de poder e de acesso aos direitos dos usuários do Sistema Único de Saúde. Destacaram que a ouvidoria tem como tarefa garantir justiça na efetivação da política de saúde e que desempenha importante papel de mediação entre o Conselho de Saúde...

Saúde Pública e meio ambiente: evolução do conhecimento e da prática, alguns aspectos éticos

Ribeiro,Helena
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2004 Português
Relevância na Pesquisa
46.29%
O artigo enfoca a relação saúde-meio ambiente e a área de Saúde Ambiental. Apresenta as definições adotadas pela Organização Mundial da Saúde para a Saúde Ambiental, destacando sua preocupação tanto com estudos para verificar as possíveis relações entre os fatores ambientais e a saúde, quanto com a prática de propor formas de eliminar esses fatores de risco à saúde. Aponta, a seguir, as diferentes questões da relação homem-meio, que ganharam destaque em diferentes momentos da história humana. Faz um breve relato da história dessa relação, como campo de conhecimento e de prática, partindo dos trabalhos de Hipócrates e da concepção de saúde dos gregos, passando pela civilização romana, pela Idade Média e pelos progressos havidos nos séculos XVIII e XIX. No século XIX, o novo-Hipocratismo designa as tendências da Saúde Pública: a Reforma Sanitária, a saúde vista como um bem social, o desenvolvimento da engenharia de saúde pública, os progressos da microbiologia. Em seguida, descreve as atuais propostas do setor saúde para a Saúde Ambiental, no mundo e no Brasil, e sua relação com o desenvolvimento sustentável. Apresenta alguns aspectos éticos em Saúde Ambiental, discutindo a incorporação dos conceitos de desenvolvimento sustentável e de eqüidade nas propostas de promoção da saúde ambiental.

Estratégia de apoio em saúde mental aos agentes comunitários de saúde de Salvador-BA

Silva,Cristiane Batista da; Santos,Josenaide Engrácia dos; Souza,Rozemere Cardoso de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2012 Português
Relevância na Pesquisa
46.29%
Este artigo descreve uma intervenção de apoio matricial, modelo de integração do cuidado em saúde mental na Estratégia de Saúde da Família (ESF), a partir de suporte técnico-pedagógico e retaguarda especializada à equipe de referência, cuja atuação permite que os sujeitos sejam cuidados na dinâmica do seu próprio território. OBJETIVO: relatar experiência de apoio matricial junto aos Agentes Comunitários de Saúde no bairro de Saramandaia (Salvador, Bahia) que buscou formular novas formas de relação entre saúde mental e saúde da família. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: A experiência resultou de uma pesquisa, intitulada "Construção social da aprendizagem em saúde mental e saúde da família" e dos contatos com a equipe; nela foram respeitados três cuidados essenciais da pesquisa qualitativa: aprovação pelo comitê de ética, anonimato e resguardo do uso abusivo do poder na relação entre pesquisador e participantes. Para o matriciamento, foram realizadas reuniões teóricas, discussão de casos e visitas domiciliares. RESULTADOS: O apoio matricial propiciou a construção coletiva de saberes em saúde mental, garantiu espaço de cuidado aos Agentes Comunitários de Saúde e fomentou a construção de redes do cotidiano...

Temas emergentes em ciências sociais e saúde pública/coletiva: a produção do conhecimento na sua interface

Marsiglia,Regina Maria Giffoni
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2013 Português
Relevância na Pesquisa
46.29%
Neste artigo, apontam- se inicialmente algumas questões fundamentais para o entendimento das relações entre ciências sociais e saúde desde o inicio do século XX. Posteriormente, discute-se a presença das ciências sociais na saúde pública e a constituição do campo da saúde coletiva, com a criação da Associação Brasileira de Pós- Graduação em Saúde Coletiva - ABRASCO, ao final dos anos 70. Aborda-se a definição de três eixos de pesquisa do novo campo - Política de Saúde e Organização de Serviços de Saúde, Condições de Vida e Saúde, Recursos Humanos na Saúde - e dois temas emergentes de pesquisa: trabalho e saúde, violência e saúde. Nos últimos tópicos, dedicado aos desafios para a produção do conhecimento na interface entre ciências sociais, saúde pública e saúde coletiva, a autora apresenta suas considerações sobre alguns pontos abordados por Amélia Cohn na Mesa Redonda promovida pela Revista Saúde e Sociedade em 20 de março de 2012 e os novos desafios, eixos de pesquisa e temas emergentes para a saúde coletiva e para as ciências sociais nesse campo, no contexto dos anos 2000.

Saúde do homem e masculinidades na Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: uma revisão bibliográfica

Separavich,Marco Antonio; Canesqui,Ana Maria
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2013 Português
Relevância na Pesquisa
46.29%
Este artigo, orientado pela teoria do gênero sobre masculinidades, revisa os textos que trataram do tema nos periódicos de Saúde Coletiva/Saúde Pública no período de 2005-2011. Os eixos temáticos encontrados coincidem com as prioridades conferidas pela Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem, criada pelo Ministério da Saúde em 2008. São eles: o acesso dos homens aos serviços de saúde, sexualidade, saúde reprodutiva, violência e os principais agravos à saúde masculina, contextualizados à luz dos determinantes sociais da saúde. Tais determinantes se baseiam em um tipo de masculinidade tradicional concebida como hegemônica, que apesar de comprometer a saúde masculina, não é o tipo único de masculinidade existente na sociedade. As diferentes masculinidades encontram-se imbricadas no processo saúde/doença vivido pelos homens. Elas devem ser consideradas na busca da adesão dos homens aos serviços de saúde.

O direito à saúde: desafios revelados na atenção domiciliar na saúde suplementar

Silva,Kênia Lara; Sena,Roseni Rosângela; Feuerwerker,Laura Camargo Macruz; Souza,Caroline Gomes de; Silva,Paloma Morais; Rodrigues,Andreza Trevenzoli
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2013 Português
Relevância na Pesquisa
46.29%
O objetivo do estudo foi analisar programas de atenção domiciliar na saúde suplementar do ponto de vista do direito à saúde, a partir de estudo de casos, de natureza qualitativa, desenvolvido em quatro operadoras de saúde no município de Belo Horizonte, Minas Gerais. Os dados empíricos foram obtidos de entrevistas com gestores de operadoras e prestadoras que ofertam programas de atenção domiciliar. Os resultados são discutidos a partir de três eixos analíticos: a oferta da atenção domiciliar e os desafios da universalização do direito à saúde; a relação da saúde suplementar com o sistema público de saúde e com as famílias; e a judicialização como caminho para se garantir o direito à saúde no campo da atenção domiciliar na saúde suplementar. A desregulamentação da atenção domiciliar na saúde suplementar foi revelada como um desafio para a garantia do direito à saúde, prevalecendo a oferta segundo os interesses das operadoras que adotam estratégias para evitar a judicialização, como, por exemplo, não divulgar o benefício. A suspensão da assistência por decisão unilateral da operadora e a transferência de responsabilidades para o sistema público de saúde e para as famílias afrontam o direito dos usuários de receber serviços na modalidade que melhor responda a determinadas situações de saúde. Conclui-se que a atenção domiciliar na saúde suplementar é permeada por tensões que evidenciam a urgência de maior regulamentação no campo.

Percepções de gestores municipais sobre ações de promoção da saúde: em foco os agentes comunitários de saúde

Fracolli,Lislaine Aparecida; Gomes,Maria Fernanda Pereira; Gryschek,Anna Luiza de Fátima Pinho Lins
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2014 Português
Relevância na Pesquisa
46.31%
Considerando a importância de investigar a competência de promoção da saúde na prática dos agentes comunitários de saúde e o fato de que a visão dos gestores de saúde influencia no desenvolvimento dessa competência, este artigo descreve as percepções dos gestores de saúde sobre as ações de promoção da saúde praticadas pelos agentes comunitários de saúde. Trata-se de pesquisa qualitativa cujo cenário de estudo foi o Colegiado de Gestão Regional do Alto Capivari do Departamento Regional de Saúde de Presidente Prudente (SP). Foram sujeitos da pesquisa os secretários municipais de saúde. Os dados foram coletados por meio de um questionário com perguntas abertas em julho e agosto de 2011. As respostas foram submetidas à técnica de análise de conteúdo proposta por Bardin. Os resultados apontaram que os gestores de saúde confundem a competência promoção da saúde e prevenção com monitoramento de grupos específicos e morbidades. Também se observou que os gestores não conseguem diferenciar a Política Nacional de Promoção da Saúde e a Política Nacional de Atenção Básica. Cidades onde os gestores municipais compreendiam e diferenciavam melhor essas políticas apresentavam agentes comunitários de saúde mais engajados na realização de ações de promoção da saúde...