Página 1 dos resultados de 5278 itens digitais encontrados em 0.036 segundos

O Acompanhamento Terapêutico (AT): dispositivo de atenção psicossocial em saúde mental; Therapeutic Accompaniment (TA): tool for psychosocial care within mental healthcare; El Acompañamiento Terapéutico (AT): dispositivo de atención psico-social en salud mental

PITIÁ, Ana Celeste de Araújo; FUREGATO, Antonia Regina Ferreira
Fonte: Revista Interface - Comunicação, Saúde, Educação Publicador: Revista Interface - Comunicação, Saúde, Educação
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
76.35%
Este artigo aborda a prática clínica do Acompanhamento Terapêutico (AT), incorporado ao modo de atenção psicossocial em saúde mental e seus outros dispositivos. Objetiva-se discutir o processo de reabilitação psicossocial e este tipo de ação terapêutica na saúde mental, com base na clínica de AT. Para tanto, realizouse uma reflexão teórica, considerandose os paradigmas dos modos asilar e psicossocial de atenção, que referenciam as práticas de intervenção terapêutica em saúde mental. As reflexões conduzem à importância da consolidação de uma rede de atenção que possibilite perspectiva de vida aos portadores de sofrimento psíquico como um desafio a ser enfrentado que considere prioritariamente o sujeito aí implicado e seu contexto de imersão social.; This paper discusses the clinical practice of Therapeutic Accompaniment (TA), incorporated into the psychosocial care model within mental healthcare and into other such models. The aim was to discuss the process of psychosocial rehabilitation and this type of therapeutic action within mental healthcare, in relation to TA clinics. For this, the paradigms of the asylum and psychosocial care models that are the reference points for intervention practices in mental healthcare were examined from a theoretical viewpoint. These reflections showed the importance of consolidating a care network that makes it possible for patients with mental suffering to have prospects within their lives. This is a challenge to be faced...

Ações de saúde mental na atenção básica: caminho para ampliação da integralidade da atenção; Mental health in primary care: ways to reach an integral care

TANAKA, Oswaldo Yoshimi; RIBEIRO, Edith Lauridsen
Fonte: Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
76.37%
A great challenge for the primary healthcare system, implemented by the strategy called the Family Health Program, is to incorporate actions for facing situations of violence and mental health problems. This study analyzed the care delivered to 411 children between five and eleven years of age in a primary care unit in the city of São Paulo. The clinical findings were compared to a standard inventory of symptoms (CBCL). In addition, semi-structured interviews were held with pediatricians. The study shows low capacity of the pediatricians to recognize mental health problems in children. This is mainly due to deficiencies in their training and lack of possibilities for concrete intervention to face a complaint or diagnostic hypothesis. The reorganization process of primary care will need to provide specific technical support in mental health, incorporating more appropriate technologies for intervention such as a humanized approach and qualified listening. The inclusion of psychosocial aspects in the everyday practice of primary care will make it possible to broaden the concept of health and open way for an integrated approach to situations of violence related to children assisted by the primary care network of the Brazilian Health System.; A atenção básica de saúde...

Apoio matricial em saúde mental: alcances e limites na atenção básica; Matrix support in mental health: achievements and limits in primary health care

Morais, Ana Patrícia Pereira; Tanaka, Oswaldo Yoshimi
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica
Português
Relevância na Pesquisa
76.39%
As mudanças na atenção à saúde mental no município de Fortaleza têm um processo histórico e político recente, comparada a outros municípios cearenses, que no início dos anos 1990 já se lançavam pioneiros no processo. Fortaleza não implementou as mudanças devido aos interesses dos hospitais psiquiátricos, ambulatórios de psiquiatria da rede pública e dificuldade de gestão dos novos dispositivos e equipamentos de saúde mental presentes na Atenção Básica (AB). No município, a reorganização das ações e serviços de saúde mental tem exigido da Rede Básica o enfrentamento do desafio de atender aos problemas de saúde mental com a implementação do Apoio Matricial (ApM). Mediante o contexto, buscou-se avaliar o ApM em saúde mental em Unidades Básicas de Saúde (UBS) e identificar alcances e limites nas Unidades Básicas de Saúde com ApM. O presente estudo utilizou uma abordagem qualitativa, tipo estudo de caso. Foram entrevistados doze profissionais das Equipes de Saúde da Família de quatro UBS com apoio matricial implantado. A análise das informações revela que o acesso, a tomada de decisão, a participação e os desafios da implementação do ApM são elementos que se apresentam de forma dialética frágeis e fortes na reorganização dos serviços e das práticas. A presença do ApM na AB ressalta a proposta de trabalhar saúde mental em rede no município. O processo não está findo. Mobilização...

Saúde mental e atenção primária : uma experiência com agentes comunitários de saúde em Salvador-BA; Mental health and primary care : an experience with community health agents in Salvador-BA

Cunha, Allann Carneiro; Oliveira, Ana Carolina Moreira; Souza, Mariane Marques dos Santos; Alves, Miriam Santos; Casais, Noêmia Aragão; Santos, Josenaide Engracia dos
Fonte: Centro de Ciências da Saúde da Universidade de Fortaleza Publicador: Centro de Ciências da Saúde da Universidade de Fortaleza
Tipo: artigo / article
Português
Relevância na Pesquisa
76.37%
Objetivo: Compartilhar uma experiência de articulação entre atenção primária e saúde mental por meio de apoio matricial. Método: Pesquisa realizada no período de março a dezembro de 2007, no bairro de Pernambués, Distrito de Cabula-beiru, em Salvador – Bahia. A construção compartilhada do conhecimento foi realizada pelos residentes do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde, Núcleo de Saúde Mental da Universidade do Estado da Bahia, com Agentes Comunitários de Saúde (ACS). Reuniões, discussões e visitas domiciliares foram utilizadas como técnicas e instrumentos de compartilhamento, com registros fonográfico, fotográfico e em relatório. As informações obtidas foram avaliadas quanto aos seus conteúdos e divididas em fases e categorias. Resultados: determinaramse as seguintes fases a partir da técnica: aproximação, fortalecimento de vínculos, trabalho conjunto e conclusão. Os resultados foram analisados a partir da interatividade de cooperação cotidiana dos ACS, obtendo-se assim o desenvolvimento de um espírito crítico na análise da relação da atenção primária e saúde mental. Considerações finais: A informação e discussão das experiências produziram significativa aprendizagem...

Saúde mental versus doença mental

Sá, Luís
Fonte: Sociedade Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental Publicador: Sociedade Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental
Tipo: info:eu-repo/semantics/conferenceobject
Publicado em 24/10/2010 Português
Relevância na Pesquisa
86.28%
Neste artigo são sintetizadas um conjunto de leituras realizadas para a moderação da mesa “Saúde Mental versus Doença Mental”. Pretendemos contribuir para a reflexão sobre a dificuldade de consensos para a definição objectiva de saúde e doença mental.

Qualidade de vida e saúde mental em mulheres consumidoras de drogas

Seabra, Paulo; Garcia, Lurdes; Santos, Alexandra Maria Sarreira; Amendoeira, José; Sá, Luís
Fonte: Unidade de Investigação em Ciências da Saúde Publicador: Unidade de Investigação em Ciências da Saúde
Tipo: info:eu-repo/semantics/conferenceobject
Publicado em /10/2013 Português
Relevância na Pesquisa
76.37%
Introdução: As questões de género no domínio da saúde requerem reflexão e investigação para respostas adequadas às necessidades encontradas. A condição de mulher, associada a alguns determinantes de saúde, pode provocar especial vulnerabilidade se estiver dependente de substâncias. Os estudos normalmente alargam a análise ao impacto em outros elementos sócio relacionais, como os fi companheiros, idade, emprego e comorbilidades. Estas variáveis têm impacto na Saúde Mental, influenciam a forma como vivemos eu dia-a-dia e condicionam a perceção da Qualidade de Vida. Objetivos: A análise das atitudes comportamentais, os fatores de risco e a manutenção de consumos, requer maior aprofundamento no impacto que provocam na perceção da qualidade de vida e na saúde mental na população consumidora, em particular nas mulheres. Pretendemos analisar a relação entre Qualidade de Vida e Saúde mental, em mulheres consumidoras de drogas que se submetem a um programa medicamentoso com metadona, e relacioná-los com variáveis relacionais e sociodemográficas. Metodologia: Investigamos a perceção da Qualidade de Vida, da Saúde Mental e a sua correlação, numa amostra de 48 mulheres dependentes de opiáceos, integradas num programa com metadona. Utilizámos dois instrumentos - Escala de avaliação da qualidade de vida nos consumidores de substâncias em programa de substituição com metadona (Pacheco...

A saúde mental dos enfermeiros nos cuidados de saúde primários: uma abordagem no ACES da Cova da Beira

Florentim, Ricardo Jorge Santos; Cabral, Lídia Rosário, orient.; Duarte, João Carvalho, co-orient.
Fonte: Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu Publicador: Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2011 Português
Relevância na Pesquisa
76.44%
Introdução e Objectivos: A Saúde Mental é uma das componentes da Saúde, onde o Enfermeiro é um profissional de referência dos indivíduos, das famílias e da comunidade. Contudo, para cuidar é preciso cuidar-se. Deste modo, os objectivos desta investigação são: avaliar a Saúde Mental dos Enfermeiros nos Cuidados de Saúde Primários (nomeadamente no ACES da Cova da Beira), analisar a relação entre os factores sócio-demográficos e a Saúde Mental e determinar se os factores profissionais influenciam a mesma. Metodologia: Esta investigação quantitativa assenta numa base descritiva e correlacional, mediante utilização de um questionário (para descrição dos factores sócio-demográficos e profissionais) e do Inventário de Saúde Mental (para avaliação da Saúde Mental) aplicados aos Enfermeiros do ACES da Cova da Beira, durante a 2ª quinzena de Setembro de 2011. Resultados: A maioria dos Enfermeiros do ACES da Cova da Beira é do sexo feminino, com idade superior a 40 anos, casados, licenciados, com a categoria profissional de Enfermeiro e exerce funções no Centro de Saúde da Covilhã. Porém, não existe relação estatística entre a Saúde Mental dos Enfermeiros e as variáveis sócio-demográficas e profissionais estudadas. Conclusões: As Enfermeiras e os profissionais do Centro de Saúde de Belmonte têm melhores níveis de Saúde Mental. Paralelamente...

Influência do perfil funcional e da autoavaliação do idoso na saúde mental e emocional

Marques, Rosa Maria; Duarte, João Carvalho, orient.; Gonçalves, Amadeu Matos, co-orient.
Fonte: Instituto Politécnico de Viseu. Escola Superior de Saúde de Viseu Publicador: Instituto Politécnico de Viseu. Escola Superior de Saúde de Viseu
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em //2013 Português
Relevância na Pesquisa
76.45%
O envelhecimento da população é um dado incontornável do presente, em todo o mundo. Portugal não é exceção, sendo um dos países da UE a envelhecer mais depressa: em 30 anos, a percentagem de portugueses com mais de 65 anos passou de 11% para 17,5%. Em 2050, cerca de 80% da população portuguesa apresentar-se-á envelhecida e dependente (INE, 2011). A Saúde Mental influência o bem-estar do idoso e da população, integrando um recurso essencial para a adaptação às exigências da vida. A vulnerabilidade dos idosos às perturbações mentais justifica a relevância da investigação das manifestações psicopatológicas que apresentam, para orientar as intervenções necessárias à promoção da saúde mental de forma a associar qualidade aos anos vividos (Motta e Aguiar, 2007). Neste sentido, delinearam-se as seguintes questões de investigação e os objetivos: quais as características sociodemográficas que influenciam a Saúde Mental e Emocional dos Idosos?, qual a influência do Perfil Funcional e da Autoavaliação da Saúde Mental e Emocional do idoso? Delinearam-se ainda, os seguintes objetivos de estudo: identificar as variáveis sociodemográficas que influenciam a Saúde Mental e Emocional dos Idosos; analisar o Perfil Funcional e a Autoavaliação da Saúde Mental e Emocional dos Idosos. Este estudo centrando-se no grupo mais idoso da nossa população (idade igual ou superior a 65 anos)...

A promoção do autocuidado de doentes internados em psiquiatria forense como contributo para o seu processo reabilitativo : contributos do enfermeiro especialista em saúde mental e psiquiatria, para a promoção do autocuidado e da saúde mental.

Silva, Céu da Conceição Rito da
Fonte: Instituto Politécnico de Setúbal. Escola Superior de Saúde. Publicador: Instituto Politécnico de Setúbal. Escola Superior de Saúde.
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em /12/2013 Português
Relevância na Pesquisa
76.4%
Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica; A saúde mental, de acordo com a OMS, é fundamental e básica para a saúde global da população. A psiquiatria forense é uma realidade atual mas a institucionalização, assim como a cronicidade da doença mental, são aspetos pouco favoráveis na recuperação destes doentes tornando-se fundamental que seja estabelecido com eles precocemente um plano reabilitativo para uma integração social com sucesso. O trabalho aqui exposto apresenta um projeto de intervenção no serviço e o processo desenvolvido para aquisição das competências de Mestre em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiatria. O projeto de intervenção foi desenvolvido num serviço de psiquiatria forense e tem como objetivos promover o autocuidado dos doentes e incentivar à reflexão. Foi aplicada metodologia de projeto. Identificou-se como problemática a necessidade de medidas reabilitativas para promoção da saúde e futura integração social destes doentes e como prioridade a prestação de cuidados de enfermagem dirigidos à promoção do autocuidado destes envolvendo-os na sua recuperação. A Pergunta de partida foi: Quais são as necessidades de autocuidado dos doentes do serviço de psiquiatria forense...

Adultos jovens desempregados e saúde mental: intervenção em saúde mental

Guerreiro, Maria Helena Quinta
Fonte: Instituto Politécnico de Setúbal. Escola Superior de Saúde Publicador: Instituto Politécnico de Setúbal. Escola Superior de Saúde
Tipo: info:eu-repo/semantics/masterthesis
Publicado em /02/2015 Português
Relevância na Pesquisa
76.42%
Relatório do Trabalho de Projeto em Enfermagem Apresentado para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica; A Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica, foca-se na promoção da saúde mental, na prevenção, no diagnóstico e na intervenção perante respostas humanas desajustadas ou desadaptadas aos processos de transição, geradores de sofrimento, alteração ou doença mental. Como Enfermeira Especialista em Saúde Mental e Psiquiatria, é-me pedido enquanto profissional competente a compreensão dos processos de sofrimento, alteração e perturbação mental do cliente assim como as implicações para o seu projeto de vida, o potencial de recuperação e a forma como a saúde mental é afetada pelos fatores contextuais. Após análise das necessidades da comunidade, verificou-se que a recuperação (recovery) pessoal, feita através do aconselhamento, com o objetivo de desenvolver a resiliência da pessoa seria uma mais-valia, quando aplicado a pessoas com perturbações de ansiedade e depressão, sendo estas perturbações mentais, que provocam a curto prazo graves problemas com consequências por vezes irreversíveis. O objetivo da consulta é direcionado para o desemprego jovem e as repercussões na saúde mental dos mesmos. O desemprego afeta...

Crenças e atitudes educativas dos pais e problemas de saúde mental em escolares

Vitolo,Ymara Lúcia Camargo; Fleitlich-Bilyk,Bacy; Goodman,Robert; Bordin,Isabel Altenfelder Santos
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2005 Português
Relevância na Pesquisa
76.36%
OBJETIVO: Verificar a prevalência e fatores de risco para problemas de saúde mental em escolares e sua possível relação com crenças e atitudes educativas de pais/cuidadores. MÉTODOS: Estudo de corte transversal; com amostra probabilística e estratificada (n=454) de escolares das primeiras três séries do ensino fundamental de escolas públicas e particulares de Taubaté, Estado de São Paulo. Foram aplicados instrumentos padronizados a pais/cuidadores por entrevistadores treinados: questionários de rastreamento de problemas de saúde mental em crianças e pais/cuidadores; questionário de crenças e atitudes educativas; questionário de classificação econômica. As seguintes análises estatísticas foram utilizadas: testes de qui-quadrado e modelos de regressão logística. RESULTADOS: A prevalência dos casos clínicos/limítrofes entre os escolares foi de 35,2%. Pais/cuidadores que acreditavam na punição física como método educativo agrediam fisicamente seus filhos com maior freqüência (64,8%). Modelos de regressão logística revelaram que a atitude de bater com o cinto esteve associada a problemas de conduta e a problemas de saúde mental em geral nos escolares, na presença de outros fatores de risco: sexo da criança (masculino)...

Política de Saúde Mental no Brasil: evolução do gasto federal entre 2001 e 2009

Gonçalves,Renata Weber; Vieira,Fabíola Sulpino; Delgado,Pedro Gabriel Godinho
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2012 Português
Relevância na Pesquisa
76.39%
OBJETIVO: Analisar a evolução de estimativas do gasto federal com o Programa de Saúde Mental desde a promulgação da lei nacional de saúde mental. MÉTODOS: O gasto federal total do Programa de Saúde Mental e seus componentes de gastos hospitalares e extra-hospitalares foi estimado a partir de 21 categorias de gastos de 2001 a 2009. Os valores dos gastos foram atualizados para valores em reais de 2009 por meio da aplicação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo. Foi calculado o valor per capita/ano do gasto federal em saúde mental. RESULTADOS: Observou-se o crescimento real de 51,3% do gasto em saúde mental no período. A desagregação do gasto revelou aumento expressivo do valor extra-hospitalar (404,2%) e decréscimo do hospitalar (-39,5%). O gasto per capita teve crescimento real menor, embora expressivo (36,2%). A série histórica do gasto per capita desagregado mostrou que em 2006, pela primeira vez, o gasto extra-hospitalar foi maior que o hospitalar. O valor per capita extra-hospitalar teve o crescimento real de 354,0%; o valor per capita hospitalar decresceu 45,5%. CONCLUSÕES: Houve crescimento real dos recursos federais investidos em saúde mental entre 2001 e 2009 e investimento expressivo nas ações extra-hospitalares. Houve inversão no direcionamento dos recursos...

Política de Saúde Mental no Brasil: evolução do gasto federal entre 2001 e 2009

Gonçalves,Renata Weber; Vieira,Fabíola Sulpino; Delgado,Pedro Gabriel Godinho
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2012 Português
Relevância na Pesquisa
76.39%
OBJETIVO: Analisar a evolução de estimativas do gasto federal com o Programa de Saúde Mental desde a promulgação da lei nacional de saúde mental. MÉTODOS: O gasto federal total do Programa de Saúde Mental e seus componentes de gastos hospitalares e extra-hospitalares foi estimado a partir de 21 categorias de gastos de 2001 a 2009. Os valores dos gastos foram atualizados para valores em reais de 2009 por meio da aplicação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo. Foi calculado o valor per capita/ano do gasto federal em saúde mental. RESULTADOS: Observou-se o crescimento real de 51,3% do gasto em saúde mental no período. A desagregação do gasto revelou aumento expressivo do valor extra-hospitalar (404,2%) e decréscimo do hospitalar (-39,5%). O gasto per capita teve crescimento real menor, embora expressivo (36,2%). A série histórica do gasto per capita desagregado mostrou que em 2006, pela primeira vez, o gasto extra-hospitalar foi maior que o hospitalar. O valor per capita extra-hospitalar teve o crescimento real de 354,0%; o valor per capita hospitalar decresceu 45,5%. CONCLUSÕES: Houve crescimento real dos recursos federais investidos em saúde mental entre 2001 e 2009 e investimento expressivo nas ações extra-hospitalares. Houve inversão no direcionamento dos recursos...

(Des)construção do modelo assistencial em saúde mental na composição das práticas e dos serviços

Quinderé,Paulo Henrique Dias; Jorge,Maria Salete Bessa
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2010 Português
Relevância na Pesquisa
76.39%
A Reforma Psiquiátrica brasileira trouxe uma nova visão de tratamento e acompanhamento para as pessoas com transtornos mentais. A criação dos Centros de Atenção Psicossocial (Caps), assim como a inserção de ações de saúde mental nos vários níveis de complexidade do sistema de saúde, assumem um importante papel no cenário das novas práticas de saúde mental, configurando-se como dispositivos estratégicos para a transformação do modelo hospitalocêntrico. O estudo tem como objetivo discutir a (des)construção do modelo assistencial em saúde mental no município de Sobral-CE, na composição das práticas e dos serviços. Trata-se de um estudo de natureza histórico-social, realizado na Rede de Atenção Integral à Saúde Mental do município de Sobral-CE. Utilizamos para a coleta de dados as técnicas de observação sistemática, documentos e a entrevista semiestruturada. Os sujeitos da pesquisa foram definidos pela saturação teórico-empírica, sendo entrevistados 10 usuários, 9 trabalhadores e 4 coordenadores dos serviços de saúde mental. Os resultados revelaram que o modelo assistencial do município foi reestruturado, deslocando as ações em saúde mental do Hospital Psiquiátrico para os diversos níveis de complexidade do sistema de saúde. O modelo de Atenção Psicossocial prestado às pessoas portadoras de transtornos mentais no município de Sobral-CE tem contribuído para a transformação do modelo psiquiátrico asilar na composição dos saberes e das práticas em saúde mental.

Estratégia de apoio em saúde mental aos agentes comunitários de saúde de Salvador-BA

Silva,Cristiane Batista da; Santos,Josenaide Engrácia dos; Souza,Rozemere Cardoso de
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2012 Português
Relevância na Pesquisa
76.36%
Este artigo descreve uma intervenção de apoio matricial, modelo de integração do cuidado em saúde mental na Estratégia de Saúde da Família (ESF), a partir de suporte técnico-pedagógico e retaguarda especializada à equipe de referência, cuja atuação permite que os sujeitos sejam cuidados na dinâmica do seu próprio território. OBJETIVO: relatar experiência de apoio matricial junto aos Agentes Comunitários de Saúde no bairro de Saramandaia (Salvador, Bahia) que buscou formular novas formas de relação entre saúde mental e saúde da família. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: A experiência resultou de uma pesquisa, intitulada "Construção social da aprendizagem em saúde mental e saúde da família" e dos contatos com a equipe; nela foram respeitados três cuidados essenciais da pesquisa qualitativa: aprovação pelo comitê de ética, anonimato e resguardo do uso abusivo do poder na relação entre pesquisador e participantes. Para o matriciamento, foram realizadas reuniões teóricas, discussão de casos e visitas domiciliares. RESULTADOS: O apoio matricial propiciou a construção coletiva de saberes em saúde mental, garantiu espaço de cuidado aos Agentes Comunitários de Saúde e fomentou a construção de redes do cotidiano...

Apoio matricial em saúde mental: alcances e limites na atenção básica

Morais,Ana Patrícia Pereira; Tanaka,Oswaldo Yoshimi
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2012 Português
Relevância na Pesquisa
76.38%
As mudanças na atenção à saúde mental no município de Fortaleza têm um processo histórico e político recente, comparada a outros municípios cearenses, que no início dos anos 1990 já se lançavam pioneiros no processo. Fortaleza não implementou as mudanças devido aos interesses dos hospitais psiquiátricos, ambulatórios de psiquiatria da rede pública e dificuldade de gestão dos novos dispositivos e equipamentos de saúde mental presentes na Atenção Básica (AB). No município, a reorganização das ações e serviços de saúde mental tem exigido da Rede Básica o enfrentamento do desafio de atender aos problemas de saúde mental com a implementação do Apoio Matricial (ApM). Mediante o contexto, buscou-se avaliar o ApM em saúde mental em Unidades Básicas de Saúde (UBS) e identificar alcances e limites nas Unidades Básicas de Saúde com ApM. O presente estudo utilizou uma abordagem qualitativa, tipo estudo de caso. Foram entrevistados doze profissionais das Equipes de Saúde da Família de quatro UBS com apoio matricial implantado. A análise das informações revela que o acesso, a tomada de decisão, a participação e os desafios da implementação do ApM são elementos que se apresentam de forma dialética frágeis e fortes na reorganização dos serviços e das práticas. A presença do ApM na AB ressalta a proposta de trabalhar saúde mental em rede no município. O processo não está findo. Mobilização...

Equipe de apoio e a construção coletiva do trabalho em Saúde Mental junto à Estratégia de Saúde da Família: espaço de discussão e de cuidado

Prates,Maria Margarida Licursi; Garcia,Vânia Ghirello; Moreno,Diva Maria Faleiros Camargo
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2013 Português
Relevância na Pesquisa
76.36%
A grande demanda por consulta psiquiátrica e psicoterapia e a necessidade de otimizar os recursos humanos em Saúde Mental têm conduzido à organização de novos modos de ação e suporte técnico aos profissionais de unidades com Estratégia de Saúde da Família. Uma Unidade Básica de Saúde de uma região da cidade de São Paulo iniciou a prática denominada Apoio Matricial, que consiste no suporte à identificação, tratamento, e proposta de solução dos problemas de saúde mental em conjunto com as equipes de Saúde da Família. O presente trabalho tem por objetivo relatar a experiência focada nesse processo de trabalho, tendo como horizonte ético os princípios do Sistema Único de Saúde e concepções técnicas e científicas mais humanizadas com vistas ao atendimento integral ao paciente e a sua inserção no meio social. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa que utilizou a observação participante como meio para coletar os dados e analisar a situação. Consoante com a Reforma Psiquiátrica no Brasil, busca-se uma visão complementar e menos fragmentada do atendimento em Saúde Mental. A experiência mostrou que por meio do apoio matricial pode ser alcançada a necessária (re)organização dos serviços para acolher a demanda e efetivar a atenção em Saúde Mental de qualidade. Esse modo de operar...

Saúde mental na atenção básica: possibilidades para uma prática voltada para a ampliação e integralidade da saúde mental

Moliner,Juliane de; Lopes,Stella Maris Brum
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2013 Português
Relevância na Pesquisa
76.37%
O presente estudo buscou conhecer como vem se configurando as práticas em saúde mental na atenção básica, através de uma equipe de Estratégia Saúde da Família (ESF), a fim de que novas reflexões sejam despertadas acerca da temática. A pesquisa foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas e individuais, com dez profissionais da equipe de ESF, esses tinham entre 20 e 50 anos de idade, sendo todas mulheres. A partir da análise dos dados foram identificadas as seguintes práticas: atendimento diferencial, os grupos e visitas domiciliares, a responsabilização da família e a medicalização. Estas práticas foram articuladas com as concepções de saúde mental referidas pela equipe. Os resultados indicam que as práticas assistenciais refletem a concepção de saúde mental como doença/transtorno mental; poucas vezes houve referência a práticas de caráter promocional e preventivo à saúde mental. Com isso pode-se constatar que os princípios da integralidade e de um fazer para a clínica ampliada ainda não estão presentes na referida equipe de ESF. Para a concretização de uma clínica ampliada e integral se faz necessário equipes de ESF dispostas a assumir seu papel estruturante na rede de cuidados, construindo novas concepções e práticas...

Saúde mental nos municípios do Alto Uruguai, RS, Brasil: um diagnóstico da reforma psiquiátrica

Consoli,Gelson Luiz; Hirdes,Alice; Costa,Juvenal Soares Dias da
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2009 Português
Relevância na Pesquisa
76.37%
O presente estudo investigou as características dos cuidados em saúde mental nos municípios do Alto Uruguai, levando em conta as diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS) e da Reforma Psiquiátrica. Através de um instrumento estruturado, foram entrevistados 31 profissionais que atuam na rede de saúde pública. Os resultados apontam a centralização das ações no modelo de atendimento clínico, na medicalização dos sintomas, embora a totalidade dos municípios disponha de Programas de Saúde da Família; a não utilização de conceitos de clínica ampliada na saúde mental; a inexistência de uma rede de serviços de Saúde Mental nos municípios, excetuando a cidade-pólo; a utilização da transferência para hospitais psiquiátricos como solução para os casos agudos e crônicos; a ausência de acompanhamento posterior das equipes à internação em hospitais psiquiátricos, caracterizando a porta giratória; a inexistência de programas de saúde mental inseridos nos Planos Municipais de Saúde; assim como a inexpressiva representatividade de profissionais nos Conselhos de Saúde. Conclui-se que a questão da municipalização da Saúde Mental na região norte do Rio Grande do Sul é incipiente, prevalecendo ainda as internações em hospitais psiquiátricos como principal intervenção em Saúde Mental.

Acessibilidade e resolubilidade da assistência em saúde mental: a experiência do apoio matricial

Quinderé,Paulo Henrique Dias; Jorge,Maria Salete Bessa; Nogueira,Maria Sônia Lima; Costa,Liduina Farias Almeida da; Vasconcelos,Mardenia Gomes Ferreira
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/07/2013 Português
Relevância na Pesquisa
76.37%
Os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) têm também como finalidade articular ações de saúde mental no território, principalmente na Atenção Primária à Saúde (APS). O apoio matricial é uma das formas para esta articulação, pois objetiva assegurar retaguarda especializada às equipes de saúde. Diante disto, a pesquisa pretende compreender como as ações de matriciamento em saúde mental contribuem para a acessibilidade e a resolubilidade dos casos. Trata-se de uma pesquisa qualitativa realizada nas cidades de Fortaleza e Sobral, no Estado do Ceará, cujos sujeitos entrevistados foram 37 (trinta e sete) trabalhadores de saúde mental e da atenção primária, 14 (quatorze) usuários e 13 (treze) familiares que participaram das ações do apoio matricial. Conforme os resultados demonstraram os trabalhadores da APS não se sentem instrumentalizados para intervir nos casos de saúde mental. Existe uma precipitação nos encaminhamentos dos usuários para os CAPS, dificultando a acessibilidade da assistência em saúde mental. Porém, identificou-se que as discussões em saúde mental na atenção primária possibilitam a apropriação dos casos pelos trabalhadores da APS e promovem a aproximação entre as equipes. Deste modo influenciam na resolubilidade dos casos de saúde mental.