Página 1 dos resultados de 228 itens digitais encontrados em 0.228 segundos

Necessidades de adolescentes atendidos em Unidades Básicas de Saúde do Município de São José do Rio Preto e as suas demandas para o cuidado em saúde: encontros e desencontros; Adolescent needs in Primary Health Care Services in the city of São José do Rio Preto and their requirements concerning the care about health: agreements and disagreements

Salomão, Maria Lúcia Machado
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 24/09/2007 Português
Relevância na Pesquisa
116.07%
A adolescência é considerada um dos estágios do desenvolvimento humano, apresentando características específicas a partir dos quais se derivam necessidades de saúde. As teorias sobre esta fase da vida nos diversos campos do conhecimento como Antropologia, Sociologia, Psicologia, Medicina e outros, contribuíram na compreensão destas necessidades. Diante da amplitude e complexidade que reveste a adolescência na sociedade atual, o estudo possibilitou a aproximação a alguns aspectos relevantes para a saúde dos adolescentes. A organização dos serviços de saúde influiu tanto na percepção dessas necessidades, como no atendimento desses carecimentos. O objetivo do estudo foi compreender necessidades de saúde dos adolescentes atendidos em Unidades Básicas de Saúde tal como expressas nas demandas traduzidas pelos adolescentes, familiares dos adolescentes e profissionais que atendem os adolescentes no município de São José do Rio Preto. A metodologia adotada foi de natureza qualitativa, com a utilização da técnica de Grupo Focal. O instrumento do estudo foi um roteiro com temas indutores (saúde, necessidades de saúde, ajuda recebida nestas necessidades, facilidades ou dificuldades nessa ajuda e expectativas em relação à ajuda). Foram realizados reuniões com nove grupos (três de cada categoria - adolescentes...

A medicina de adolescentes no Estado de São Paulo de 1970 a 1990: uma dimensão histórica; Adolescent Medicine in the State of São Paulo from 1970 to 1990: a historical dimension

Queiroz, Ligia Bruni
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 04/05/2011 Português
Relevância na Pesquisa
95.99%
Observa-se relativa escassez de trabalhos especializados a respeito da reconstrução histórica da institucionalização da Medicina de Adolescentes e da Atenção à Saúde Integral dos Adolescentes, no Estado de São Paulo. Esta lacuna mostra-se ainda maior quando se trata de examinar a implantação desses serviços pioneiros no âmbito das universidades e a maneira como os profissionais responsáveis por esse pioneirismo se posicionavam diante das dificuldades e embates no contexto de suas instituições de ensino, à luz daquele momento histórico: meados da década de 1970, marcado pela ditadura militar no país. O presente trabalho tem como objetivo recuperar as origens da Medicina de Adolescentes em São Paulo, entre as décadas de 1970 a 1990. Trata-se de um estudo qualitativo, orientado pela análise dos documentos históricos produzidos ao longo das mencionadas décadas acerca da institucionalização da Medicina de Adolescentes e da construção histórico-cultural do adolescente, e pela obtenção de depoimentos dos responsáveis pela implantação dos primeiros serviços de atenção à saúde dos adolescentes no Estado de São Paulo, seja no âmbito da Pediatria, Ginecologia e Obstetrícia e Psiquiatria, seja na área da Saúde Coletiva. Foram realizadas entrevistas...

Medo, ansiedade e dor de dente em adolescentes: impacto na qualidade de vida, na saúde bucal e no acesso aos serviços de saúde; Fear, anxiety and dental pain in adolescents: impact on quality of life, oral health and access to health services

Carvalho, Fábio Silva de
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 29/06/2012 Português
Relevância na Pesquisa
135.9%
O medo e a ansiedade odontológica estão frequentemente associados a experiências traumáticas ocorridas no ambiente odontológico durante a infância. A dor de dente parece ser o problema de saúde bucal de maior impacto sobre o bemestar dos indivíduos, interferindo diretamente na qualidade de vida, pois provoca desordens no sono, diminuição do rendimento no trabalho, faltas escolares e dificuldades na alimentação. Além disso, tem sido identificada como forte preditor de restrição ao acesso aos serviços de saúde bucal, bem como importante elemento no planejamento dos serviços de saúde. O presente estudo teve como objetivos verificar a prevalência e intensidade do medo, da ansiedade e da dor de dente em adolescentes e estimar o impacto dessas variáveis na qualidade de vida, na saúde bucal e no acesso aos serviços de saúde. A amostra foi composta por 101 adolescentes, matriculados na única escola estadual do município de Reginópolis- SP. Foram aplicados cinco questionários para verificar a prevalência e intensidade do medo (Dental Fear Survey), da ansiedade (Modified Dental Anxiety Scale) e da dor de dente, além de verificar o impacto na qualidade de vida (Oral Health Impact Profile, OHIP-14) e o acesso aos serviços de saúde. Para avaliar as condições de saúde bucal foram utilizados os índices CPOD (cárie dentária) e CPI (doença periodontal). O teste de Mann-Whitney foi usado para verificar as diferenças entre os grupos (idade...

Relação do medo, dor, ansiedade e condições de saúde bucal com o acesso aos serviços de saúde bucal e qualidade de vida de adolescentes; Relationship of fear, pain, anxiety and oral health with access to oral health services and quality of life of adolescents

Monteiro, Angela Xavier
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 29/04/2013 Português
Relevância na Pesquisa
125.87%
A presente pesquisa teve por objetivo avaliar a relação entre as condições de saúde bucal, a dor, o medo e a ansiedade odontológica, com o acesso aos serviços de saúde bucal e com a qualidade de vida de adolescentes. Para a realização deste estudo transversal de investigação observacional a amostra foi composta por 256 adolescentes entre 15 e 19 anos de idade matriculados em escolas públicas do município de Agudos, SP. Para avaliar as condições de saúde bucal foram utilizados os Índices CPOD para cárie dentária, Índice de Dean para fluorose, Índice Periodontal Comunitário para condição periodontal e Índice de Estética Dental para má oclusão, utilizando-se os códigos e critérios recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Além disso, foi utilizado o Modified Dental Anxiety Scale para avaliar a ansiedade odontológica, o Dental Fear Survey para avaliar o medo odontológico, o questionário de Goes para avaliar a dor de dente, questionário de acesso aos serviços de saúde bucal e o OHIP 14 para avaliar a influência de saúde bucal na qualidade de vida. O teste Mann Whitney foi utilizado para avaliar a diferença entre os grupos sexo e etnia e o teste Kruskall Wallis foi utilizado para avaliar a diferença entre as idades...

Ações de educação em saúde para o cuidado das famílias em um centro de atenção psicossocial infantil; Educational Interventions in Health for family care in a Children Psychosocial Care Center

Campelo, Lany Leide de Castro Rocha
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: dissertação de mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 30/06/2014 Português
Relevância na Pesquisa
95.99%
Criados no bojo da Reforma Psiquiátrica, os Centros de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil - CAPSi são, em 150 anos, a primeira experiência generalizada e pública de acolhimento e cuidado para com crianças e adolescentes que sofrem de transtorno mental no Brasil. Diante do cumprimento da lei 10.216 de 06/04/01, que prevê a mudança do modelo de atenção hospitalocêntrico para um modelo assistencial comunitário e junto à família, as famílias dessas crianças e adolescentes tornaram-se ao mesmo tempo ponto de apoio para o tratamento de seu familiar e também alvo das intervenções nesses serviços. Face às dificuldades vivenciadas por estas famílias para o cuidado e convívio diário com o familiar doente mental, o presente estudo considera a Educação em Saúde enquanto um dos caminhos para acessar e apoia-las no cuidado dispensado para seus familiares com transtornos mentais. Tendo em vista que a inclusão da família no processo de cuidar da criança e do adolescente nos CAPSi é necessária conforme os parâmetros da Reforma Psiquiátrica brasileira este estudo teve como objetivos caracterizar o perfil sociodemográfico dos familiares cuidadores das crianças e adolescentes atendidos no CAPSi; verificar os conhecimentos desses familiares acerca do transtorno mental e as dificuldades sentidas no cuidar da criança e adolescente; indagar sobre ações de Educação em Saúde efetuadas no contexto do CAPSi dirigidas às famílias para o cuidado da criança e adolescente; e analisar a percepção dos familiares sobre a atenção recebida no CAPSi e o quanto esta atenção contribui para auxilia-los no cuidado da sua criança/adolescente com transtorno mental. Para tanto adotou-se a abordagem qualitativa descritiva utilizando os marcos da Educação em Saúde e da Reabilitação Psicossocial como arcabouços teóricos. Participaram da pesquisa 13 familiares de usuários do CAPSi que convivem com a criança/adolescente no mesmo domicílio. A coleta de dados foi realizada mediante observação de campo...

O adolescente e o atendimento público de saúde

Carreirão, Elizabeth Callado de Oliveira
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: dissertação (mestrado)
Português
Relevância na Pesquisa
106.04%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública.; Este trabalho estuda as mudanças ocorridas no atendimento público de saúde aos adolescentes com o advento do Estatuto da Criança e do Adolescente. Apresenta a evolução histórica da assistência e proteção à criança no Brasil, nos diferentes discursos: médico, jurídico e social, e de como se chegou ao conceito de adolescência que hoje se concebe, pontuando de início como essa questão foi abordada na Europa. A organização e o funcionamento dos serviços públicos de saúde do Município de Florianópolis também são apresentados. A pesquisa foi feita através da triangulação de dados. A análise dos prontuários de um ambulatório de adolescentes mostra a dificuldade de acesso aos serviços públicos de saúde através das queixas dos adolescentes. A entrevista com interlocutores dos órgãos de defesa dos direitos da criança e do adolescente e a análise de documentos também identificam os problemas nas práticas de atendimento aos adolescentes no serviço público de saúde. Os dados coletados indicam que o tratamento dispensado aos adolescentes na sociedade brasileira foi se construindo na dualidade de adolescente rico e adolescente pobre...

Atenção à saúde do adolescente : análise do trabalho desenvolvido na unidade básica de saúde do Paranoá-DF

Moura, Ana Socorro de
Tipo: dissertação / dissertation
Português
Relevância na Pesquisa
105.98%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2007.; A implementação de uma política de saúde direcionada para atender as necessidades e demandas específicas da adolescência é relativamente recente no Distrito Federal. O presente estudo teve por objetivo avaliar o atendimento prestado pelo Programa de Atenção Integral à Saúde do Adolescente na Unidade Básica do Paranoá (PRAIA – Paranoá). Foi utilizado o método de avaliação de processo que tem por finalidade determinar até que ponto os serviços prestados estão de acordo com o planejamento original e se os objetivos previamente estabelecidos foram alcançados. A coleta de dados foi feita por meio de consulta de documentos oficiais, observação participante e entrevista semi-estruturada com gestores, adolescentes, profissionais de saúde e informante-chave, totalizando 55 sujeitos. Os resultados obtidos revelam que as características dos adolescentes são semelhantes às descritas na literatura, as ações desenvolvidas priorizam as áreas da saúde sexual e reprodutiva. Não há indícios de que os profissionais envolvidos tenham algum conhecimento do projeto original do programa, observou-se também a falta de uma definição clara de metas a serem alcançadas e o não-estabelecimento de parâmetros de avaliação...

O enfermeiro na atenção à saúde sexual e reprodutiva dos adolescentes

Oliveira,Thays Cristina de; Carvalho,Liliane Pinto; Silva,Marysia Alves da
Fonte: Associação Brasileira de Enfermagem Publicador: Associação Brasileira de Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2008 Português
Relevância na Pesquisa
105.7%
O estudo busca compreender a participação dos enfermeiros na atenção à saúde sexual e reprodutiva dos adolescentes, a forma de acolhimento nas unidades de saúde e a perspectiva da integralidade no processo. A abordagem é qualitativa e o instrumento, a entrevista não estruturada. Os sujeitos são enfermeiros que atuam nas UBS. Os resultados apontam para atendimentos individuais conforme a demanda, e grupais, como em escolas. A integralidade é motivo de preocupação para os enfermeiros, devido aos limites de tempo, capacitação e recursos. Recomendamos novos estudos com base epidemiológica voltados para esse grupo e sobre a participação dos enfermeiros e população nos Conselhos Locais de Saúde, para discussão dos problemas e melhor resolutividade.

Uso de contracepção por adolescentes de escolas públicas na Bahia

Almeida,Maria da Conceição Chagas de; Aquino,Estela Maria Leão de; Gaffikin,Lynne; Magnani,Robert J
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2003 Português
Relevância na Pesquisa
105.69%
OBJETIVO: O interesse sobre o comportamento contraceptivo de adolescentes vem crescendo, especialmente pela relevância social conferida à gravidez nessa faixa etária. Assim, realizou-se estudo para investigar fatores associados ao uso de métodos anticoncepcionais entre adolescentes escolares. MÉTODOS: Estudo transversal que utilizou um questionário auto-aplicado em 4.774 alunos de ambos os sexos, entre 11 e 19 anos. Calcularam-se as prevalências de uso de contraceptivos na primeira e na última relação sexual e em ambas as situações (uso consistente). A regressão logística foi utilizada para a análise simultânea dos fatores e cálculo de medidas ajustadas. RESULTADOS: Entre 1.664 estudantes com iniciação sexual, os fatores associados positivamente ao uso consistente de contraceptivos pelos rapazes incluíram a iniciação sexual mais tardia, com parceria estável, contar com a família como fonte potencial de contraceptivos e acesso a serviços de saúde; entre as moças, ter iniciado a vida sexual há pouco tempo e ter o pai como fonte de informação sobre sexualidade, contracepção e prevenção DST/Aids. A gravidez foi relatada por 6,4% dos rapazes e 18,1% das moças, sendo sua ausência associada ao uso consistente de contraceptivos por elas (OR=3...

Fatores associados ao acesso anterior à gestação a serviços de saúde por adolescentes gestantes

Carvacho,Ingrid Espejo; Mello,Maeve Brito de; Morais,Sirlei Siani; Silva,João Luiz Pinto e
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2008 Português
Relevância na Pesquisa
125.85%
OBJETIVO: Analisar os fatores determinantes do acesso de adolescentes gestantes a serviços de atenção primária à saúde, anterior à ocorrência da gestação. MÉTODOS: Estudo transversal baseado em referencial teórico. O acesso a serviços foi analisado em cinco dimensões: geográfico, econômico, administrativo, psicossocial e de informação. Participaram 200 adolescentes primigestas (10 a 19 anos) atendidas em uma unidade básica de saúde do município de Indaiatuba (SP), em 2003. Um questionário com perguntas abertas e fechadas referentes ao acesso ao último serviço de saúde utilizado, anterior à gestação, foi aplicado às participantes no momento de sua primeira consulta de pré-natal. Os dados foram analisados por meio do teste de qui-quadrado de Pearson ou exato de Fisher e por regressão logística múltipla, considerando as cinco dimensões de acesso. RESULTADOS: Mais da metade (63,7%) das adolescentes utilizou algum serviço de saúde para consulta ginecológica. Entre as que nunca consultaram um ginecologista, as justificativas dadas foram falta de informação (43,8%) ou sentimento de medo ou vergonha (37,0%). A principal dificuldade de acesso ao serviço esteve relacionada a barreiras psicossociais, identificadas por 77...

Avaliação de um serviço de atenção integral à saúde do adolescente

Formigli,Vera Lúcia Almeida; Costa,Maria Conceição Oliveira; Porto,Lauro Antonio
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2000 Português
Relevância na Pesquisa
105.95%
Foram avaliados a cobertura, a adequação, a acessibilidade e o padrão de utilização do Serviço de Saúde dos Adolescentes da comunidade de Emaús, Belém, Pará, no período de 1994 a 1996. A cobertura foi estimada com base nos registros da unidade de saúde e de informações colhidas junto à população-alvo; a adequação foi analisada por comparação com as condições estabelecidas para esse tipo de serviço pela OPS/OMS; a acessibilidade e o padrão de utilização foram avaliados tomando-se por base inquérito populacional com os adolescentes da área. Os resultados apontaram: bom grau de adequação do programa à sua finalidade, necessitando ajustes, especialmente no item recursos humanos; inexistência de barreiras de acesso dos usuários ao serviço; cobertura das ações satisfatória, embora com baixa concentração de atendimentos por adolescente; padrão de utilização compatível com o perfil de oferta, direcionado principalmente à assistência curativa e individual. Recomendações são feitas no sentido de reverter o modelo assistencial prevalecente, de modo a enfatizar atividades preventivas, coletivas e educativas com maior potencial de efetividade para a promoção da saúde da população adolescente.

Avaliação das condições de atendimento do Programa de Saúde do Adolescente no Município do Rio de Janeiro

Ruzany,Maria Helena; Andrade,Carla Lourenço Tavares; Esteves,Maria Angela Pires; Pina,Maria de Fátima; Szwarcwald,Célia Landman
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2002 Português
Relevância na Pesquisa
145.96%
A pesquisa consistiu no estudo das condições básicas para a prestação da atenção integral aos adolescentes nas Unidades de Saúde (US) do Município do Rio de Janeiro. Inicialmente aplicou-se um questionário estruturado aos coordenadores de 70 centros e postos de saúde (70/ 78). Em seguida, com os resultados obtidos, criou-se um índice que sintetizava as condições básicas oferecidas para a prestação do atendimento e procedeu-se a estratificação da rede pública ambulatorial. O estudo espacial da concentração da população adolescente e de seus principais problemas deu origem a três mapas temáticos. Entre as 70 US estudadas, 49 participavam do Programa de Saúde do Adolescente (PROSAD). Destas, 12% foram classificadas como em "boas" condições e 45% como "regulares". O estudo espacial demonstrou que somente seis, das 17 US situadas nas áreas de maior densidade demográfica, estavam em condições boas ou regulares. Concluiu-se que, para aumentar a efetividade do PROSAD do Município do Rio de Janeiro, deve-se melhorar as condições dos profissionais para prestar atenção integral a este grupo etário, levando em consideração os problemas de saúde em nível local, a densidade demográfica da população adolescente por área geográfica e a demanda de serviços.

Adolescentes e suas relações com serviços de saúde: estudo transversal em escolares de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil

Claro,Lenita Barreto Lorena; March,Claudia; Mascarenhas,Monica Tereza Machado; Castro,Isabel Antonia Barros de; Rosa,Maria Luiza Garcia
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2006 Português
Relevância na Pesquisa
125.89%
Este estudo transversal, realizado nas escolas de um bairro do Município de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil, descreve a relação de adolescentes, entre 12 e 17 anos, com os serviços de saúde, através dos indicadores ­ morbidade referida, auto-avaliação do estado de saúde, necessidade de saúde sentida, demanda, utilização, fidelidade aos serviços de saúde e adesão aos cuidados de saúde ­ e sua associação com variáveis sócio-demográficas. O nível sócio-econômico, representado pelo tipo de escola, mostrou-se associado a todos os indicadores. Os alunos das escolas públicas tinham uma chance maior do que os alunos das escolas privadas de avaliarem seu estado de saúde como regular ou ruim e uma chance menor de expressarem necessidade sentida positivamente, demandarem serviços de saúde, obterem acesso aos serviços procurados e manterem-se fiéis aos serviços utilizados. As meninas apresentaram maior chance de auto-avaliarem seu estado de saúde como ruim ou muito ruim e de demandarem serviços de saúde. A adesão, tanto à realização de exames quanto ao tratamento prescrito por médicos, mostrou-se elevada na amostra investigada.

Hábitos de higiene bucal e utilização de serviços odontológicos em escolares de uma cidade da Região Sul do Brasil

Freddo,Silvia Letícia; Aerts,Denise Rangel Ganzo de Castro; Abegg,Claídes; Davoglio,Rosane; Vieira,Patrícia Conzatti; Monteiro,Lisiane
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2008 Português
Relevância na Pesquisa
105.8%
Estudo transversal investigando associação entre hábitos de higiene bucal e utilização dos serviços odontológicos, fatores sócio-demográficos e relacionados ao estilo de vida em amostra representativa de 1.170 escolares de 7ª série do ensino municipal de Gravataí, Rio Grande do Sul, Brasil. A associação entre os desfechos e sexo; cor da pele; inserção sócio-econômica; estilo de vida sedentário; uso de álcool e tabaco; e consumo de balas, refrigerantes e chocolates foi investigada com regressão de Cox univariada. Entre os jovens estudados, 77,8% escovavam os dentes > 3 vezes/dia, 31,9% utilizavam fio dental, 68,9% visitavam o dentista anualmente e 50% consultaram por motivo curativo. As meninas apresentaram maior freqüência de escovação do que os meninos. Os jovens com baixa inserção sócio-econômica, os com estilo de vida sedentário e os que experimentaram tabaco apresentaram menor uso diário de fio dental e consultas odontológicas anuais, e mais consultas curativas. O consumo de balas associou-se à menor utilização de serviços odontológicos e o de refrigerantes à maior freqüência de consultas curativas. O estilo de vida saudável associou-se com melhores hábitos de higiene bucal e utilização de serviços odontológicos.

Fatores associados a hábitos de saúde bucal e utilização de serviços odontológicos entre adolescentes

Davoglio,Rosane Silvia; Aerts,Denise Rangel Ganzo de Castro; Abegg,Claídes; Freddo,Silvia Letícia; Monteiro,Lisiane
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2009 Português
Relevância na Pesquisa
115.83%
Estudo transversal com 1.170 adolescentes da sétima série da rede pública municipal de Gravataí, Rio Grande do Sul, Brasil, investigando a associação de fatores sócio-demográficos, psicossociais e relacionados ao estilo de vida com hábitos de saúde bucal e utilização de serviços odontológicos. Os dados foram analisados por regressão de Cox modificada para estudos transversais. As meninas tiveram maior freqüência de escovação dentária assim como aqueles que relataram não se sentirem discriminados ou sozinhos. O uso diário de fio dental associou-se à melhor inserção sócio-econômica, à busca por serviços privados, à compreensão dos pais e à ausência de sentimento de solidão. A freqüência anual de utilização de serviços odontológicos foi maior entre os de inserção sócio-econômica mais alta. Houve maior busca de serviços por motivo preventivo entre aqueles com melhor inserção sócio-econômica, os que se sentiram compreendidos pelos pais e os que não costumavam consumir doces. Os hábitos de saúde bucal apresentaram associação com inserção sócio-econômica familiar e com fatores psicossociais, exceção à utilização anual de serviços. Quanto ao estilo de vida, o baixo consumo de doces repercutiu positivamente sobre o motivo da visita ao serviço.

Articulação entre serviços públicos de saúde nos cuidados voltados à saúde mental infantojuvenil

Delfini,Patricia Santos de Souza; Reis,Alberto Olavo Advincula
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2012 Português
Relevância na Pesquisa
105.85%
O objetivo do estudo é descrever e analisar as articulações que se realizam entre as equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF) e Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil (CAPSI), tendo em vista as ações voltadas à saúde mental de crianças e adolescentes. Foram realizadas entrevistas semidirigidas com gerentes de cinco CAPSI e 13 Unidades Básicas de Saúde com ESF, de 5 regiões distintas no Município de São Paulo, Brasil, que foram transcritas e analisadas mediante perspectiva hermenêutica. A articulação entre as equipes da ESF e CAPSI se dá prioritariamente por encaminhamento de casos, apoio matricial ou parceria para casos considerados pertinentes ao CAPSI. Falta de recursos humanos, cobrança por produtividade e ausência de capacitação dos profissionais da ESF para trabalhar com saúde mental foram mencionadas como obstáculos para a efetiva articulação entre os serviços. A lógica do encaminhamento e da desresponsabilização, bem como a hegemonia do modelo biomédico e a consequente fragmentação dos cuidados se mostram vigentes no cotidiano dos serviços.

Experiências com a atenção primária associadas à saúde, características sociodemográficas e uso de serviços em crianças e adolescentes

Berra,Silvina; Rodríguez-Sanz,Maica; Rajmil,Luis; Pasarín,M. Isabel; Borrell,Carme
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2014 Português
Relevância na Pesquisa
105.84%
Este estudo avaliou as experiências com a atenção primária à saúde para crianças e adolescentes, considerando níveis de saúde, características sociodemográficas e o uso de serviços de saúde. A Enquete de Saúde de Catalunha de 2006 incluiu uma amostra representativa da população de 0 a 14 anos (n = 2.200). Pessoas adultas informaram suas experiências com a atenção primária à saúde de seus filhos com uma seleção de 17 itens do Primary Care Assessment Tool. Estimaram-se razões de prevalência (RP) de baixa pontuação em seis funções da atenção primária à saúde mediante modelos multivariados. A declaração de doenças crônicas se associou à baixa pontuação no primeiro contato-acessibilidade. Os pais imigrantes declararam pior experiência com várias funções da atenção primária à saúde. As pontuações no primeiro contato-acessibilidade, continuidade da atenção e competência cultural foram mais altas quando as crianças tinham cobertura sanitária dupla e mais baixas quando tinham visitado os serviços de emergência. Melhorias em algumas funções da atenção primária à saúde poderiam reduzir o uso de serviços de urgência e iniquidade.

A relação entre saúde e escola: percepções dos profissionais que trabalham com adolescentes na atenção primária à saúde no Distrito Federal

Penso,Maria Aparecida; Brasil,Katia Cristina Tarouquella Rodrigues; Arrais,Alessandra da Rocha; Lordello,Silvia Renata
Fonte: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública. Publicador: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.; Associação Paulista de Saúde Pública.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2013 Português
Relevância na Pesquisa
105.83%
A comunidade científica tem reconhecido a necessidade e a importância de investimentos de pesquisas na área da saúde dos adolescentes. Este artigo se propõe a discutir a relação entre saúde e escola na percepção dos profissionais que trabalham com adolescentes na atenção primária à saúde no Distrito Federal (DF). Foram entrevistados 13 profissionais de saúde que atendem adolescentes, e atuam no Programa de Atenção Integral à Saúde de Adolescentes (PRAIA), em dois centros de saúde onde funcionava o Programa, localizados nas duas regiões de menor IDH do DF. Essas foram transcritas e submetidas à análise construtiva-interpretativa, que permitiu a construção de duas zonas de sentido, assim denominadas: 1) a saúde precisa ir à escola, mas estamos paralisados; 2) o desconforto dos profissionais com a forma como as demandas são formuladas pela escola. Essas revelaram que existe uma grande dificuldade de integração entre os profissionais das áreas de educação e saúde. Os principais obstáculos apontados concentram-se no excesso de burocracia, na falta de tempo, escassez e sobrecarga dos profissionais e o despreparo para construir ações integradas, tanto da saúde quanto da educação. Apesar da existência de políticas públicas que preconizam a ação conjunta de diferentes esferas do governo...

Aspectos históricos da institucionalização da atenção à saúde do adolescente no estado de São Paulo, 1970-1990

Queiroz,Lígia Bruni; Ayres,José Ricardo de Carvalho Mesquita; Saito,Maria Ignez; Mota,André
Fonte: Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2013 Português
Relevância na Pesquisa
115.89%
Trata de aspectos históricos da atenção integral à saúde dos adolescentes no estado de São Paulo, sobretudo quanto à implantação de serviços e programas pioneiros. Contextualiza desafios, embates e dificuldades gerados no âmbito das instituições implicadas no desenvolvimento desse campo, à luz das perspectivas da medicina clínica e da saúde coletiva, tendo como pano de fundo o contexto sociopolítico brasileiro na época. Fundamentado em material documental, recupera-se a construção de núcleos de expertise e do campo da saúde do adolescente na dialética entre a construção de uma nova área de atuação médica com base na clínica e um campo de saberes e práticas da saúde coletiva com base na integralidade da atenção à saúde, de caráter interdisciplinar e intersetorial.

Sentidos atribuídos por profissionais à promoção da saúde do adolescente

Santos,Antonía Alizandra Gomes dos; Silva,Raimunda Magalhães da; Machado,Maria de Fátima Antero Sousa; Vieira,Luiza Jane Eyre de Souza; Catrib,Ana Maria Fontenelle; Jorge,Herla Maria Furtado
Fonte: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Publicador: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2012 Português
Relevância na Pesquisa
115.92%
Este artigo aborda os sentidos atribuídos às práticas de promoção da saúde do adolescente por 47 profissionais da Estratégia Saúde da Família de Fortaleza-Ceará. Trata-se de pesquisa qualitativa em que a entrevista semiestruturada possibilitou a produção dos dados, organizados posteriormente de acordo com a análise de conteúdo, resultando nas temáticas: a promoção da saúde associada à prevenção de agravos; a redução da promoção da saúde ao espaço escolar; a ausência da promoção da saúde para o adolescente no serviço; e a parceria como caminho da viabilização da promoção da saúde do adolescente. As ações de promoção da saúde foram desenvolvidas de forma contingente e na maioria das vezes nos programas de pré-natal, planejamento familiar e prevenção do câncer. Expressou-se que a escola é destacada pelos profissionais como um espaço de parceria para viabilizar as ações de promoção da saúde para os adolescentes. Evidenciou-se, embora de modo incipiente, a vontade de profissionais em reorientar esta prática nos serviços de saúde.